Prefeito e vereadores de Palmeirópolis reuniu com Carlesse para conversar sobre a “curva da morte”

Parte da rodovia da TO-387, que fica próximo a Palmeirópolis no trecho conhecido como “Apertado da Hora”, desmoronou e o asfalto está rachando, quem necessita trafegar pelo local estão preocupados com um risco ainda maior de acidentes.

No início desta semana, o prefeito de Palmeirópolis Fábio Vaz, acompanhado da vice Josemir Bastos e dos vereadores, foram recebidos no gabinete do governador Mauro Carlesse, para discutir o trecho do apertado da hora.

Além do perigo de auto índice de acidentes que já existe no local, agora os motoristas estão usando meia pista, tendo que dividir o único lado do asfalto, com a serra e o barranco do córrego.

A luta do prefeito e da Câmara de vereadores tem sido constante em busca de uma solução urgente para o corte da serra, afim de evitar, mais acidentes com mortes no local.  

De acordo com Carlesse, o trecho é uma de suas prioridades no plano de governo. “Ainda estou me inteirando dos assuntos do estado, mas conheço de perto o trecho e quero poder fazer uma obra decente naquele local. É uma das minhas prioridades, prometo resolver o problema em breve”, garantiu. O deputado estadual Ricardo Aires, também esteve acompanhando os parlamentares até o governador. 

Da redação

Cidade de Jaú do Tocantins em luto pela morte do vice-prefeito

Vice-prefeito Domingos Gama morreu vítima de problemas cardíacos.

Faleceu de uma parada cardíaca na madrugada desta quarta-feira (14) em Goiânia, o vice-prefeito de Jaú do Tocantins Domingos Pereira da Gama de 62 anos. Ele estava internado na UTI com um problema ainda não divulgado.

Gama era natural de Luziania-GO, era filiado ao (PSD) e vice-prefeito pelo segundo mandato em Jaú do Tocantins. Um homem admirado por todos e respeitado no meio político.

“A cidade de Jau do Tocantins será eternamente grata ao senhor Domingos, que sempre demonstrou interesse em ver a nossa cidade cada vez melhor. Nosso município está de luto”, declarou o prefeito Municipal Onassys Moreira que decretou luto de três dias.

O velório acontece no Ginásio de esportes do Povoado de Novo Horizonte, próximo a Jaú e o sepultamento ainda será definido.

O vice-prefeito deixa a esposa e quatro filhos.


Prefeito Onassys Costa (PSD) e vice-prefeito Domingos Gama (PSD) Foto: Adailton Ciqueira.

Da redação

 

 

 

 

Motorista que atropelou e matou médico Pedro Caldas é denunciada à Justiça

Iolanda Fregonesi foi denunciada pelo Ministério Público Estadual. Agora Justiça decide se aceita levar o caso aos tribunais e de que forma será o júri.

Gurupi teve um assassinato a cada três dias desde o começo de 2018

A Secretaria de Segurança Pública informou que 16 pessoas foram assassinadas esse ano na cidade. Pelos menos 13 homicídios estão associados ao tráfico de drogas.

s moradores de Gurupi, município da região sul do Tocantins, começaram o ano de 2018 assustados com a onda de violência. É que o número de homicídios na cidade chamou atenção. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP) do Tocantins, foram registrados nesse ano 16 assassinatos, cerca de uma morte a cada três dias.

A polícia acredita que pelo menos 13 homicídios podem ter relação com o tráfico de drogas.

Moradores de Gurupi estão assustados com a violência (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Moradores de Gurupi estão assustados com a violência (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

De acordo com a Polícia Civil, além das mortes também tiveram nove tentativas de homicídio. O G1 noticiou 13 desses crimes e alguns deles são semelhantes. Na maior parte dos casos as vítimas são jovens e foram mortas a tiros. Só nesta semana quatro pessoas foram mortas. Veja os casos abaixo:

Mortes em fevereiro

Os últimos dois homicídios foram na terça-feira (27). Ronildo Cirqueira Bezerra, de 36 anos, foi morto a tiros na porta da casa dele. Jucilene Silva Lima, de 34 anos, também foi assassinada. O corpo dela foi encontrado com marcas de facadas.

Nilvan Cursino Vila Nova, de 36 anos, e Lucas Fernandes da Silva, de 22, foram mortos na madrugada do dia 25. Os dois tinham marcas de tiros pelo corpo.

José Guilherme Ezidio Araújo, de 21 anos, foi morto no dia 13 de fevereiro. No momento do crime ele dirigia um carro e estava com a namorada e um bebê quando levou dois tiros, um deles atingiu a cabeça.

Caique Souza Machado, de 22 anos, também é uma das vítimas em Gurupi. Ele foi morto com uma facada no peito no dia 6.

Mortes em janeiro

No dia 29 de janeiro, Carlos Marcos Apolinário Torres, de 52 anos, foi morto com pedaço de ferro retirado do motor de um carro. Ele chegou a ser socorrido, mas morreu no hospital. O suspeito confessou o crime e foi preso.

Luciana Menezes Barbosa, de 33 anos, foi morta a tiros por dois homens que estavam em uma motocicleta no dia 23 de janeiro. Segundo a polícia ela tinha passagem por tráfico.

Entre os dias 16 e 17 de janeiro, quatro pessoas foram assassinadas e duas baleadas. Os crimes foram registrados em horários e pontos diferentes da cidade. Uma das vítimas era uma adolescente de 17 anos.

O funcionário da Prefeitura de Gurupi, Josué Silva de Araújo, de 43 anos foi morto na zona rual, no dia 11 de janeiro. O suspeito do homicídio é um homem que usava tornozeleira eletrônica.

Polícia Militar

A Polícia Militar informou que estão sendo realizadas ações e operações no intuito de coibir o tráfico de drogas e a violência, bem como ações comunitárias para a comunidade.

Sobre os homicídios, a PM disse que a maior parte das vítimas tinha algum envolvimento com o consumo ou tráfico de drogas. Disse ainda que aumentou o número de prisões e apreensões de pessoas e drogas no município. “São reflexos da busca pelo aumento de segurança na cidade e espera que a população continue a contribuir com denúncias para que a paz social seja alcançada”.

Segundo a PM, nesses dois meses foram presas 69 pessoas em flagrante e 18 adolescentes apreendidos. No mesmo período também houve apreensão de cerca de 10 kg de drogas, 15 armas de fogo e 81 munições.

Fonte: G1 Tocantins

Corpos de policial civil e mãe mortas em acidente são enterrados em Porto Nacional

Policiais civis fizeram homenagem durante enterro neste sábado (3). Mãe e filha morreram em acidente na rodovia que liga Palmas a Porto Nacional.

Os corpos da policial civil Anna Paula Soares Carvalho, de 28 anos, e da mãe Maria Soares de Andrade Carvalho, de 58, foram enterrados no fim da tarde deste sábado (3) em um cemitério de Porto Nacional. As duas morreram em um acidente nesta sexta-feira na rodovia que liga Palmas a Porto Nacional.

Parentes, amigos e colegas de profissão fizeram o cortejo até chegar ao cemitério. O enterro foi marcado por uma homenagem da Polícia Civil.

Anna Paula era enfermeira e atuava como agente de necrotomia no Instituto Médico Legal, em Porto Nacional. Em nota, o Sindicato dos Policiais Civiis do Tocantins lamentou a morte da profissional: ‘A morte sempre entristece nossos corações. Estamos unidos em pensamentos e orações para que familiares e amigos sejam consolados neste momento’.

Mãe e filha morreram em acidente na rodovia entre Palmas e Porto Nacional (Foto: Arquivo Pessoal)Mãe e filha morreram em acidente na rodovia entre Palmas e Porto Nacional (Foto: Arquivo Pessoal)

Mãe e filha morreram em acidente na rodovia entre Palmas e Porto Nacional (Foto: Arquivo Pessoal)

Após o acidente, a policial chegou a ser socorrida e foi levada para o Hospital Geral de Palmas, mas não resistiu. A mãe morreu no local. Outras quatro pessoas ficaram feridas.

Segundo a Polícia Militar (PM), dois carros se envolveram no acidente que aconteceu perto do posto da Polícia Rodoviária Estadual. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência e o Corpo de Bombeiros foram ao local. Uma das vítimas ficou presa às ferragens e uma operação de resgate foi montada para retirá-la. Os outros feridos também foram levados para hospitais em Palmas.

Fonte: G1 Tocantins

Câmera de segurança registra jovem sendo morto a tiros em distribuidora

Crime aconteceu no Jardim Aureny III, na região sul de Palmas. Criminosos agiram tranquilamente e fugiram e motocicleta.

oi morto na noite deste sábado (10) o jovem Jarson Gleison, de 25 anos. O crime aconteceu por volta das 21h em uma distribuidora de bebidas no Jardim Aureny III, na região sul de Palmas. Câmeras de segurança registraram o momento em quem um homem chega e atira na vítima. Esta é a quarta morte registrada recentemente no local(Veja vídeo)

A Polícia Militar informou que dois criminosos chegaram no local e um deles sacou o revólver, fazendo dois disparos contra o jovem. Depois do crime, os suspeitos fugiram em uma motocicleta.

As imagens da câmera de segurança mostram que Gleison estava sentado em uma mesa de costas para a rua, ao lado de outras duas pessoas. Após alguns momentos, aparece um homem de camisa branca, que saca a arma e atira duas vezes.

O jovem ainda olha para o suspeito e depois cai no chão. Ainda de acordo com a PM, o Samu foi acionado, mas apenas constatou a morte da vítima. A perícia esteve no local e ainda não há informações sobre a motivação do crime.

Esta é a quarta morte registrada no local recentemente. No final de 2017, outras três pessoas foram mortas a tiros no local, entre elas Sione Pereira de Oliveira, que é mãe da menina Laura, desaparecida há mais de dois anos.

Fonte: G1 Tocantins

PM mata dois homens durante perseguição em matagal na TO-255

Polícia afirma que dupla era suspeita de tráfico de drogas e reagiu a uma ordem de parar na rodovia. Mortos foram identificados como Thiago Batista dos Anjos e Rafael Oliveira Batista.

Acidente entre carro e bitrem causa a morte de três amigos e deixa dois feridos na GO-173

Automóvel bateu na lateral do caminhão e capotou. Segundo o relato de testemunhas à polícia, grupo saiu de Israelândia para uma festa na cidade.

Três amigos morreram no início da madrugada deste sábado (3) no acidente entre um carro e um caminhão bitrem na GO-173, em Jaupaci, na região central de Goiás.

Uma adolescente e um homem que também estavam no automóvel ficaram feridos na batida.

Segundo o relato de testemunhas à Polícia Civil, o grupo tinha de Israelândia e seguia para uma festa em Jaupaci, que fica a cerca de 30 km de distância.

Não há informações se o motorista do automóvel, de 52 anos, havia ingerido bebida alcoólica.

De acordo com o relato do caminhoneiro, de 41 anos, o outro condutor bateu a frente do carro, um Fiat Tempra, na lateral do caminhão.

Em seguida, o veículo saiu da rodovia e capotou várias vezes. Não há informações sobre o que levou o motorista a perder o ontrole da direção do automóvel.

Caminhoneiro contou que o carro bateu na lateral do bitrem (Foto: Goiás Já/ Arquivo pessoal)

O condutor e dois passageiros, de 37 e 47 anos, morreram no local. Os demais ocupantes do Fiat Tempra, uma adolescente de 15 anos e um homem de 41, foram socorridos e levados para hospitais da região. Não há informações sobre o quadro de saúde deles.

O caminhoneiro foi levado para prestar depoimento na delegacia de Iporá, onde há plantão da Polícia Civil. Em seguida, os policiais o liberaram.

Carro saiu da pista e capotou várias vezes em Jaupaci (Foto: Goiás Já/ Arquivo pessoal)

G1 Goiás

STJ volta atrás e mantém decisão de mandar presidente do Atlético-GO a júri por morte de radialista

Ministro Lewandowski voltou atrás e, em nova determinação, atende pedido da Procuradoria Geral da República. Valério Luiz foi morto a tiros quando saía da rádio onde trabalhava, em Goiânia.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski reconsiderou e decidiu por enviar o presidente do Atlético-GO, Maurício Borges Sampaio e outros três homens, a júri popular pela morte do radialista Valério Luiz. O crime ocorreu em 2012, em Goiânia. O acusado afirmou que vai recorrer.

Lewandowski havia negado recurso da defesa que pedia a anulação do júri popular, mas na decisão proferida no último dia 18 de dezembro ele anulou o pedido. Atendendo a nova solicitação da Procuradoria Geral da República, ele reviu mais uma vez o processo e determinou que Sampaio vá a júri popular.

Em novo documento assinado pelo ministro, na quinta-feira (1º), ele voltou atrás da última decisão, que anulava a decisão do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJ-GO) e determinava que Sampaio não fosse a júri popular.

No texto atual, ele admite ter mudado a forma de ver os fatos após nova argumentação da Procuradoria-Geral da República. “Na espécie, e agora diante de todos os elementos do caso concreto, penso que, de fato, a sentença de pronúncia preenche os requisitos legais, ao tratar sobre a materialidade e a autoria”, escreveu.

Maurício Sampaio se mostrou indignado com a nova determinação e disse que se sente extremamente injustiçado.

“Eu me sinto incrédulo, como uma pessoa dá uma decisão e reforma em seguida? A pressão é muito forte no Judiciário. O que eu peço é que se dê condições para que eu possa provar minha inocência. Estou sendo escrachado e nunca fui ouvido por nenhum juiz. Respeito todas as decisões, mas vou provar a minha inocência”, disse.

Morte de Valério

O crime aconteceu em 5 de julho de 2012, logo depois de Valério Luiz deixar a Rádio Jornal 820, no Setor Serrinha, em Goiânia. Ele foi atingido por seis tiros.

O juiz Lourival Machado, da 2ª Vara dos Crimes Dolosos contra a Vida, mandou Sampaio, a júri popular pelo crime de homicídio qualificadopor motivo torpe mediante recompensa e adoção de meio que impossibilitou a defesa da vítima. Ele é acusado de ser o mandante do crime

Valério Luiz de Oliveira morreu aos 49 anos, em Goiânia (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)

Denúncia

De acordo com a denúncia, o crime teria sido motivado pelas críticas que o jornalista fazia à diretoria do time de futebol. O documento destaca que os comentários geraram entre Sampaio e Valério Luiz “acirrada animosidade e ressentimento” por parte do acusado.

Além de Sampaio, também foram acusados de envolvimento no crime: Urbano de Carvalho Malta, Ademá Figueiredo, Marcus Vinícius Pereira Xavier e Djalma da Silva. No entanto, a assessoria da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP) informou ao G1 que nenhum deles está preso.

G1 Goiás

Com endemia de febre amarela, Tocantins registra uma morte da doença em 17 anos

Secretaria Estadual de Saúde estima que 63% da população seja vacinada.

Tocantins é considerado um estado endêmico para a febre amarela há 30 anos. O estado teve um caso confirmado da doença em humanos nos últimos 17 anos.

O episódio foi em 2017, na região norte. Um homem de 22 anos morreu em Xambioá. Ele morava na cidade, mas era natural do Rio de Janeiro e até hoje não há certeza sobre em qual dos estados ele contraiu a doença.

Atualmente, a estimativa da Secretaria Estadual da Saúde é que 63% da população do estado esteja vacinada.

A maior dificuldade para imunizar a população do Tocantins contra a febre amarela é saber com certeza quem já foi vacinado. O problema é que muitos moradores não têm mais os cartões de vacinação e por isso não sabem se tomaram ou não alguma dose durante a infância.

A cidade onde o jovem morreu montou uma verdadeira força-tarefa para a vacinação da população após o caso. O secretário de Saúde do município, Marcus Venicius Aguiar de Alencar, informou que foi necessário fazer uma busca no arquivo morto da cidade para identificar quem estava imunizado e quem ainda precisava da vacina.

Nos casos em que houve dúvida, o morador foi vacinado por precaução. 

Febre amarela: tudo o que você precisa saber

A corrida aos postos de saúde da cidade na época da morte foi grande, mas hoje já voltou aos índices considerados normais. “Após o caso, nós focamos a vacinação na infância. Como veio essa orientação de que uma dose só basta, a gente resolveu que era melhor vacionar logo que é criança e já deixa assim para a vida toda. Nós recebemos doses extras do governo do estado para fazer esse trabalho”, diz o secretário.

Outro desafio foi o grande fluxo de trabalhadores de fora do estado. A cidade tem apenas 12 mil moradores, mas as multinacionais que operam na região trazem funcionários de outros estados constantemente, principalmente do eixo Rio-São Paulo.

“Nós fizemos também um trabalho com a administração destas empresas, para ver os cartões de vacina dos funcionários e tentar deixar todos imunizados logo na chegada, principalmente os terceirizados. Eles estão olhando o cartão para saber como está a situação de cada um”, completa Alencar.

Procura pelas vacinas

Na época do aparecimento dos primeiros casos em Minas Gerais, a busca pela vacina chegou a triplicar no Tocantins. O surto no sudeste gerou uma corrida aos postos de saúde em vários estados. A Secretaria Estadual da Saúde afirma que a procura segue acima do que era registrado antes do aparecimento de novos casos, mas não divulgou números.

O Tocantins é considerado área endêmica para a febre amarela desde que foi criado, em 1988. As áreas rurais são consideradas de maior risco para a doenças, já que há maior densidades dos mosquitos considerados vetores. Não há circulação do vírus em áreas urbanas, segundo a Secretaria de Saúde.

Casos registrados

Antes da morte em Xambioá, o último caso registrado em humanos no Tocantins havia sido no ano 2000. Houve registro de mortes de macacos na região sul e central do estado, mas os casos que chegaram a ser investigados de febre amarela em humanos nestas regiões foram descartados. Atualmente, há apenas dois casos sendo investigado em todo o Tocantins.