Metodologia Claves combate abuso sexual e pode ser aplicada nas redes Municipais de Educação e Saúde, CRAS e CREAS

Originada no Uruguai, método busca ensinar crianças a identificar atos de abuso sexual e a buscar ajuda segura; ATM e PM incentivam Municípios a adotarem metodologia.

Com o objetivo de ensinar crianças e adolescentes a se protegerem da violência sexual ocorrida em ambiente domiciliar e/ou fora dele, a Metodologia Claves é uma proposta multidisciplinar que promove a prevenção de casos de abuso sexual por meio de abordagens lúdicas, com diferentes intervenções nos grupos familiares.

Durante reunião com representantes do método de ensino ocorrida nesta quinta-feira, 08, em Palmas, a Associação Tocantinense de Municípios (ATM) e Polícia Militar manifestaram apoio à aplicação da metodologia nas redes Municipais de Educação e Saúde, bem como nos Centros de Referências de Assistência Social (CRAS) e nos Centros de Referências Especializados de Assistência Social (CREAS).

Segundo a representante da Metodologia Claves na Região Norte do Brasil, Elis Sodré, o programa busca orientar a criança para a construção de uma barreira de proteção diante de eventuais casos de abuso sexual ocorridos em âmbito familiar. “Tecnicamente, capacitamos profissionais das áreas da assistência social, educação e saúde para ensinarem crianças e adolescentes a se protegerem, por meio de oficinas, elaboração de recursos didáticos e promoção de campanhas. Buscamos desenvolver fatores de fortalecimento pessoal, familiar e comunitário”, explica.

Originado no Uruguai, o método acumula 20 anos de atividades em toda a América Latina. No Tocantins, é praticado pela Assistência Social do município de Guaraí.

Serviço público

O presidente da ATM e prefeito de Pedro Afonso, Jairo Mariano, incentiva os governos municipais a implementarem a metodologia nos Municípios. “Infelizmente, temos centenas de casos de abuso sexual que ocorrem no Tocantins anualmente. Nem sempre os profissionais detêm todo o conhecimento para a identificação e solução do problema. A Metodologia Claves se consolidou na América Latina e vem construindo resultados positivos onde é aplicada. O método representa mais um serviço público benéfico que as gestões municipais podem oferecer as comunidades locais”, defende Mariano.

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde (SESAU), em 2017 foram notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação – SINAN-NET, o total de 644 casos de abuso sexual contra crianças e adolescentes.

Polícia Militar

Por desenvolver o Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd), a Polícia Militar apoia a implementação da metodologia nos Municípios. “Iniciativas efetivas que buscam combater de modo educativo os eventuais casos de abuso sexual contra menores recebe total apoio da Polícia Militar do Estado do Tocantins. Queremos que nossos policiais integrem os grupos que receberão as capacitações nos Municípios para que sejam multiplicadores dessa metodologia em toda a corporação”, pede o Coronel da PM, Edvan de Jesus Silva.

Capacitação

Segundo Sodré, a capacitação é destinada a grupo de 30 profissionais que atuam nas áreas de Assistência Social, Conselho Tutelar, Educação e Saúde, tendo vagas destinadas também aos policiais militares. O treinamento é realizado durante três dias e em cinco módulos, contendo conteúdo conceitual, estudos de caso, discussões, trabalhos em equipe, dinâmicas de grupo e avaliações. O local do curso ficará a cargo da contratante, no caso as prefeituras, que deverão ceder espaço contendo cadeias, mesas, datashow e sistema de som.

Os gestores municipais interessados em implementar a Metodologia Claves no Município deve entrar em contato com a representante Elis Sodré, pelo emailclavestocantins@gmail.com . 

Associação Tocantinense de Municípios – ATM

Janeiro Roxo: Saúde de Palmeirópolis mobiliza população no combate à hanseníase

Campanha nas ruas de Palmeirópolis chama atenção para a luta contra a hanseníase.

A secretaria de saúde do município de Palmeirópolis realizou neste final de mês a Campanha Janeiro Roxo, com foco no combate à hanseníase.

Como forma de adesão a essa campanha, as Unidades Básicas Saúde da Família: UBS (Elena Maria Borges), UBS (Mário José Romão), UBS (Setor Bom Tempo) e o Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), realizaram uma intervenção no centro da cidade, cujo o intuito foi esclarecer aos trabalhadores, acabar com o preconceito sobre a doença e informá-los sobre o diagnóstico e tratamento.

O propósito da campanha foi que cada pessoa pudesse expandir este conhecimento para os colegas e familiares, e caso necessário orienta-los a procurar o quanto antes uma da Unidades Básicas de Saúde e realizar as avaliações especificas para diagnóstico.

A equipe fez uma mobilização na área comercial do centro da cidade de Palmeirópolis, orientando os trabalhadores, entregando formulários de autoimagem. Estes formulários consistem no preenchimento de uma figura do corpo humano com as áreas que o trabalhador identificar qualquer mancha, caroços e outros sinais que tenham no corpo.A doença é crônica, infectocontagiosa e transmitida de uma pessoa doente, que não esteja em tratamento, para uma pessoa saudável suscetível.

O diagnóstico e tratamento é oferecido pela rede pública de saúde, (SUS), através do Núcleo de Apoio à Saúde da Família(NASF) em Palmeirópolis.

 “Nós temos em todas as Unidades Básicas de Saúde, profissionais capacitados para diagnosticar a doença e fazer o tratamento que é totalmente gratuito. A doença tem cura, porém depende muito da disposição do paciente, pois o tratamento é longo. É importante que a pessoa com suspeita da doença, procure sua unidade de saúde para ser feita a investigação e dar início aos cuidados médicos, pois a transmissão da doença é interrompida logo no início do tratamento, que quando realizado de forma completa e correta, garante a cura”, explicou Mara Layane Alves Benvindo, coordenadora da Atenção Básica de Saúde.

“Na hanseníase, o diagnóstico precoce é importante, “a orientação é que as pessoas procurem o serviço de saúde assim que perceberem o aparecimento de manchas, de qualquer cor, em qualquer parte do corpo, principalmente se ela apresentar diminuição de sensibilidade ao calor e ao toque. Precisa ser diagnosticada o mais precoce possível, para que possamos evitar as incapacidades físicas, se demorarmos para diagnosticar poderá ter sequelas para o resto da vida”, ressaltou ela.

“O objetivo é alertar a sociedade civil sobre os sinais e sintomas da hanseníase e incentivar a procura pelos serviços de saúde; mobilizar os profissionais de saúde quanto à busca ativa de casos novos e exame de contatos, visando interromper a cadeia de transmissão de forma precoce e oportuna”, ressalta a fisioterapeuta Juliana Correia de Souza.

Palmeirópolis ainda é uma cidade em situação endêmica alta, apesar da redução da taxa de detecção de casos novos, ainda existe pessoas em situação de risco e muitas delas nem sabem que tem a doença. A hanseníase é uma doença infecciosa, contagiosa, não é hereditária. A transmissão se dá entre pessoas.

Uma pessoa doente que apresenta a forma infectante da doença (multibacilar – MB), estando sem tratamento, elimina o bacilo pelas vias respiratórias (secreções nasais, tosses, espirros), podendo assim transmiti-lo para outras pessoas suscetíveis.

O contato direto e prolongado com a pessoa doente em ambiente fechado, com pouca ventilação e ausência de luz solar, aumenta a chance da pessoa se infectar.

Para finalizar a Campanha, foi realizado nesta quarta-feira (31), uma blitz educativa na feira do produtor de Palmeirópolis. Foi montada uma banca com o tema, onde a equipe disponibilizou folders informativos sobre a doença, profissionais esclareceu dúvidas, um som explicando o assunto, entrega de preservativos e lubrificantes para os interessados, dentre outros.

Os profissionais da Saúde acompanhados do secretario Nelio Oliveira Silva, também estiveram em pontos estratégicos da feira, distribuindo folder e tirando dúvidas. A policia Militar, juntamente com o comandante, tenente Rosa Neto no local apoiando a campanha.

Da redação

Ação da PF combate fraudes durante fiscalização do Inmetro em postos de combustíveis

Operação Pesos e Medidas apura recebimento de propina por parte de fiscais do órgão; são cumpridos mandados em Goiânia, Anápolis e Brasília.

Polícia Federal realiza, nesta terça-feira (17), uma operação para combater crimes de corrupção dentro do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) em Goiás. De acordo com a corporação, fiscais do órgão são suspeitos de receber propina durante a fiscalização em postos de combustíveis no estado.

A operação, denominada “Pesos e Medidas”, foi deflagrada nesta manhã, e cumpre 10 mandados de prisão em GoiâniaAnápolis e Brasília. Do total, sete são de prisão preventiva e três são de prisão temporária.

Segundo a PF, os investigados deveriam fazer testes de volumetria nos bicos das bombas de combustível dos postos para evitar prejuízos aos consumidores. No entanto, a partir da investigação, constatou-se que, além de receber propina para fazer vistas grossas na fiscalização, os servidores realizavam inspeções em alguns estabelecimentos, a mando de donos de postos, para dificultar a concorrência.

Conforme a corporação, os investigados devem ser indiciados pelos crimes de corrupção passiva, ativa e alinhamento de preços, com penas que pode chegar a 12 anos de prisão.

G1/GO

Vaqueiro que teve queimaduras durante combate a incêndio morre em UTI

Ele estava internado no Hospital Regional de Araguaína em estado grave. O homem teve 65% do corpo queimado.

O vaqueiro Carlos Alberto da Silva, um dos homens que ajudou a combater a queimada que devastou oito fazendas e matou mais de mil animais em Carmolândia, morreu nesta quarta-feira (27). Ele estava internado em estado grave no Hospital Regional de Araguaína.

Segundo a Secretaria do Estado da Saúde (Sesau), o Serviço de Regulação Estadual chegou a conseguir vaga para transferência do paciente na última segunda-feira (25), mas por causa da piora significativa no quadro clínico, ele não pôde ser transferido.

O homem sofreu queimaduras em 65% do corpo. O proprietário da fazenda onde ele trabalha informou que Carlos tentava apagar um foco de incêndio quando foi atingido pelas chamas.

O mês de setembro já é o pior em sete anos em número de queimadas, foram mais de 10 mil focos de fogo. Áreas ambientais também estão ameaçadas e mais de 70% do Parque Nacional do Araguaia foi destruído. Os brigadistas desistiram de combater o fogo na região, que já consumiu uma área quase três vezes o tamanho da cidade de São Paulo.

No dia 19, o Ibama anunciou que está assumindo custos do combate ao fogo no Tocantins e que vai investir R$ 4 milhões no trabalho dentro do estado. A medida só foi tomada depois que a queimada já tinha destruído metade do parque e quase no fim do período de seca, que deve terminar em outubro.

G1/TO

Após morte de bebê, prefeitura intensifica combate ao calazar em Gurupi

Equipes do CCZ vão visitar casas e aplicar inseticidas no setor Jardim dos Buritis, onde a criança morava. Ações serão realizadas durante todo o mês.

Depois de registrar casos de calazar em Gurupi, sul do Tocantins, a prefeitura vai intensificar ações de combate à doença. Nesta quinta-feira (10) começa o mutirão de conscientização. No decorrer do dia, serão realizadas palestras nas escolas. Nesta sexta-feira (11), equipes do CCZ vão até o setor Jardim dos Buritis, onde percorrerão as casas para falar sobre a importância de manter a cidade limpa. Foi nesta região que uma bebê de 10 meses adquiriu leishmaniose visceral e morreu. Outras três crianças estariam fazendo tratamento por causa da doença. 

As ações seguem no sábado (12), quando será feita a coleta de sangue em cães para diagnóstico do calazar. O local de encontro será na escola Domingos Barreira Amorim, das 8h às 13h. O resultado estará disponível a partir de segunda-feira (14), e em caso de negativo pode ser agendado a castração dos animais para as famílias de baixa renda.

Já na segunda-feira começa o trabalho de bloqueio químico vetorial com inseticida em todas as casas do setor Jardim dos Buritis. Ele deve combater o mosquito num período de 4 meses. Esse trabalho deve demorar cerca de 30 dias. Eles devem percorrer as 954 casas do setor.

G1/TO

Lutadora defeca no octógono durante luta do UFC

Incidente ocorreu com Justine Kish no combate contra Felice Herrig.

Disputado nesse domingo, o UFC Oklahoma ficou marcado por um momento para lá de atípico: uma lutadora defecou no octógono durante o combate. O incidente ocorreu com Justine Kish, que fez tanta força para se livrar do mata-leão aplicado por Felice Herrig que acabou não conseguindo segurar o “ímpeto fisiolígico”.

Mesmo diante da situação e com o octógono sujo, a luta seguiu até o fim com vitória por pontos de Herrig. No Twitter, Kish usou um trocadilho para brincar com a situação: “Sou uma guerreira e nunca vou desistir. Mer*** acontecer (risos).

Em 2014, o atual desafiante ao cinturão meio-médio do UFC, Yoel Romero, passou pelo mesmo problema e terminou a luta contra Derek Brunson com o calção sujo.

Noticias ao Minuto