O sarampo é uma doença grave e contagiosa, de natureza viral.

O Brasil vive hoje um momento preocupante em relação ao sarampo já foram confirmados mais de 1.800 casos, de acordo com a Secretaria Municipal da Saúde – sem contar os que ainda estão sob investigação.

O sarampo é uma doença grave e contagiosa, de natureza viral, que pode ser transmitida pelo ar ou contato direto com secreções expelidas por uma pessoa infectada – por meio de tosse, espirro ou fala. As pessoas que estão infectadas podem contagiar as outras cerca de seis dias antes do aparecimento da erupção cutânea e até quatro dias depois. Esses sintomas ficam em média de 10 a 12 dias desde a data da exposição.

Pessoas que trabalham na área da saúde estão mais expostas ao vírus e a sua transmissão, por este motivo eles devem tomar duas doses da vacina de Sarampo, Caxumba e Rubéola. Além disso, é fundamental verificar a situação vacinal desses profissionais.

A infectologista Dra. Raquel Muarrek, explica que o sarampo pode ser facilmente confundido com a gripe, já que apresenta quadros como febre alta, dor de garganta, mal-estar e coriza. Além disso, vale ressaltar que a doença compromete a resistência do infectado, podendo gerar complicações severas como pneumonia, sinusite e até mesmo perda auditiva e ocular, além de potencializar os sintomas de quem já sofre com rinite e asma.

Para aliviar os sintomas, o ideal é ficar em repouso, tomar bastante água e manter os olhos, boca e narinas sempre hidratados, assim como fazer a inalação. É necessário procurar um especialista para verificar o tratamento adequado para cada situação.

VACINAÇÃO
De acordo com a Dra. Raquel Muarrek, o grupo de risco são os profissionais de saúde as pessoas que ainda não tomaram a vacina, já que esta é o principal e mais importante método de prevenção do sarampo. Ela deve ser aplicada em duas doses, sendo a primeira assim que a criança completa um ano de idade e a segunda, 15 meses depois.

Quem não teve a doença e não foi vacinado na infância, deve tomar duas doses da vacina tríplice viral até os 29 anos, enquanto indivíduos de 30 a 49 anos devem tomar apenas uma, lembrando que a exceção fica às mulheres grávidas e pacientes imunocomprometidos.

Notícias ao Minuto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here