Vereador que presidia a Câmara de Peixe Tocantins, morre em acidente na BR-242

O corpo do vereador foi encaminhado ao Instituto Médico Legal de Gurupi e será velado na Câmara Municipal de Peixe.

Faleceu na tarde deste sábado 31, na BR-242, vítima de um acidente de trânsito, o vereador e presidente da Câmara Municipal de Peixe, Sandro Cássio Cordeiro de Souza (PMN), de 37 anos.

O parlamentar exercia seu primeiro mandato e sua morte está sendo lamentada por várias lideranças políticas da região Sul e do Estado.

Conforme apurado a caminhonete em que o vereador estava capotou na rodovia, entre a cidade de Peixe e o povoado de Vila Quixaba. O passageiro do veículo foi socorrido e encaminhado ao Hospital Regional de Gurupi e não corre risco de morte.

A Polícia Rodoviária Federal esteve no local e as causas do acidente serão investigadas. O corpo do vereador foi encaminhado ao Instituto Médico Legal de Gurupi e será velado na Câmara Municipal de Peixe.

O prefeito de Peixe José Augusto, lamentou profundamente a morte do parlamentar e decretou luto oficial de três dias.

O deputado estadual Wanderlei Barbosa também lamentou o ocorrido por meio de nota de pesar.

“Lamentamos, profundamente, eu e minha família, esta perda tão precoce de Cássio. Cidadão de bem, compromissado com o município de Peixe, deixa um legado de companheirismo, altruísmo e respeito ao próximo. Nesse momento de tristeza, nos solidarizamos com a sua família e amigos. Tenho a certeza de que Sandro Cássio deixa uma lacuna no coração e na memória de todos os que tiveram a oportunidade de desfrutar de sua amizade. Que Deus conforte sua família neste momento de dor”.

T1noticias

Em peixe Tocantins alunos deixam de ir à escola por falta de transporte na zona rural

Na única escola do local as aulas só até o 9° ano. Aqueles que quiserem dar continuidade aos estudos precisam ir a vila mais próxima, que fica a mais de 40 km.

Estudantes da zona rural de Peixe, no sul do estado, estão perdendo aula por falta de transporte escolar. Isso porque o ônibus não está passando no povoado Lagoa do Romão para buscá-los.

Na única escola do local as aulas oferecidas vão só até o 9° ano. Encerrada essa etapa, os filhos dos lavradores que quiserem dar continuidade aos estudos precisam ir a vila mais próxima, que fica a mais de 40 km.

O material escolar dos filhos da lavradora Clenilda Vasconcelos está sem uso. Tudo foi preparado cuidadosamente, mas desde que as aulas começaram no último dia 22, eles não foram à escola.

“Sem o ônibus não tem como eles irem para a escola porque a gente não tem condições de levá-los. Nossa situação é fraca aqui”, reclama.

“Eu fico em casa, vou para a igreja, assisto televisão. Fico vendo o tempo passar”, diz a estudante Josilaine Silva.

Para o estudante Vânio da Silva a situação é ainda mais difícil. Ele mora em uma fazenda distante do povoado onde fica o ponto de ônibus.

Se fosse para a escola usando o único meio de transporte da família, uma motocicleta, teria que conduzir por mais de 100 km em estrada de chão todos os dias.

“Não dava, primeiro por causa do clima, segundo por causa da estrada. São 108 km ida e volta”, conta.

Há quase 10 dias com o filho longe da escola, a mãe dele, a lavradora Filene da Silva, não vê a hora do problema do transporte escolar ser resolvido. “Nós queremos que tragam o ônibus para levar nossos filhos”, pede.

Quem esperou ansiosa para cursar o ensino médico, agora sente desânimo. “Eu fico triste de estar perdendo aula, prova. Vou fazer o quê?”, questiona a estudante Karen Rodrigues.

A Secretaria Estadual de Educação disse que o transporte escolar dos alunos é de responsabilidade da Prefeitura de Peixe e que repassou dinheiro para regularizar a situação.

Já a prefeitura informou que a renovação do convênio para o transporte está em negociação com o governo e que o impasse se deve aos baixos valores pagos e ao atraso nos pagamentos, mas não disse quando vai retomar o transporte dos alunos.

G1 Tocantins

MPE recomenda que prefeitura efetue pagamentos atrasados em Peixe Tocantins

A medida é consequência de um Inquérito Civil instaurado pela Promotoria de Peixe.

O Ministério Público Estadual (MPE) expediu, nesta segunda-feira, 20, Recomendação à prefeitura municipal de Peixe, para que adote as providências necessárias para efetuar o pagamento do salário dos servidores públicos municipais contratados referente ao mês de dezembro de 2016, que estão em atraso.

O Promotor de Justiça Mateus Reis também solicita que a prefeitura se abstenha de realizar gastos com festividades como carnaval e temporada de praias até que a folha de pagamento esteja quitada.

Segundo o Promotor, o objetivo da recomendação é evitar altos gastos com festas no ano de 2018 enquanto não for regularizada a folha de pagamento atrasada, sob pena de ajuizamento de ação para bloqueio de verbas e aplicação de sanções da Lei de Improbidade.

A medida é consequência de um Inquérito Civil instaurado pela Promotoria de Peixe que apurou que o pagamento do salário referente ao mês de dezembro de 2016 de parte dos servidores públicos contratados pela Prefeitura ainda não foi efetuado pela atual gestão

Assessoria de Comunicação do MPE-TO/Daianne Fernandes

Motociclistas são flagrados fazendo racha na contramão no sul do Tocantins

Segundo a polícia, nove pessoas, com idade entre 18 e 24 anos, foram detidas. Elas foram levadas para a delegacia mas pagaram fiança e foram liberadas.

Nove motociclistas, com idade entre 18 e 24 anos, foram detidos em flagrante no momento em que faziam racha na BR-242, entre Gurupi e Peixe, na noite desta segunda-feira (23). Segundo a Polícia Rodoviária Federal, eles trafegavam em alta velocidade e na contramão.

As disputas eram realizadas entre três motocicletas por vez, segundo a PRF. A polícia chegou até o local após receber uma denúncia anônima. Ao dar ordem de parada, alguns conseguiram fugir e nove foram detidos.

Eles foram levados para a Central de Flagrantes. Cada um pagou uma fiança no valor de R$ 450 e devem responder por direção perigosa.

Segundo o Código de Trânsito Brasileiro, participar de corrida, disputa ou competição não autorizada pela autoridade e que coloque pessoas em risco é crime com detenção de seis meses a três anos, multa e suspensão ou proibição de obter a permissão ou habilidade para dirigir veículos.

G1/TO

Dois corpos são encontrados em arquipélago após canoa virar no rio Tocantins

JianCarlo Consente e Valdemir Marcos desapareceram enquanto pescavam no Arquipélago do Tropeço, em Peixe.

Os corpos de JianCarlo Consente, de 48 anos, e de Valdemir Marcos Ribeiro Santana, de 36 anos, foram encontrados na manhã de ontém quarta-feira (13), no rio Tocantins, no município de Peixe, sul do estado. Eles desapareceram no Arquipélago do Tropeço após uma canoa virar. A região tem 366 ilhas e é o 3º maior arquipélago fluvial do mundo, segundo o Governo do Tocantins.

Barqueiros da região contaram que JianCarlo era estrangeiro e teria a licença de uso de uma das ilhas do arquipélago, conhecida como Ilha do Gringo. A Polícia Militar informou que ele era natural da Suíça. Ele morava há alguns anos na região.

Eles desapareceram na tarde desta terça-feira (12), quando pescavam no rio. A Polícia Militar, que auxiliava nas buscas, informou que três homens estavam pescando, quando a canoa bateu em algumas pedras e virou. Um deles conseguiu nadar, mas os outros dois se afogaram.

Desde o acidente, margulhadores e barqueiros da região realizavam buscas. Quando os Bombeiros chegaram ao local, nesta manhã, os corpos já tinham sido encontrados. Um dos homens estava preso embaixo da embarcação. O outro foi encontrado a cerca de 100 metros do local.

O corpo de Valdemir deve ser velado durante a quinta-feira (14) em Gurupi, no sul do estado. Já a família de JianCarlo está se deslocando da Suíça para Brasil e só deve decidir onde o corpo dele será enterrado após chegar ao Tocantins. 

G1/TO

Dono de ilha e funcionário morrem após canoa virar no rio Tocantins

JianCarlo Consente era dono da Ilha do Gringo. Ele e Valdemir Marcos desapareceram enquanto pescavam numa região conhecida como arquipélago do tropeço, em Peixe.

Os corpos de JianCarlo Consente, de 48 anos, e de Valdemir Marcos Ribeiro Santana, de 36 anos, foram encontrados na manhã desta quarta-feira (13), no rio Tocantins, no município de Peixe, sul do estado. Eles desapareceram numa região conhecida como arquipélago do tropeço após um canoa virar.

Barqueiros da região contaram que JianCarlo era estranheiro e dono da Ilha do Gringo. Ele morava há alguns anos na região. Disseram também que Valdemir era funcionário dele.

Eles desapareceram na tarde desta terça-feira (12), quando pescavam no rio. A Polícia Militar, que auxiliava nas buscas, informou que três homens estavam pescando, quando a canoa bateu nas pedras e virou. Um deles conseguiu nadar, mas os outros dois se afogaram.

Desde o acidente, margulhadores e barqueiros da região realizavam buscas. Quando os Bombeiros chegaram no local, nesta manhã, os corpos já tinham sido encontrados. Um dos homens estava preso embaixo da embarcação. O outro foi encontrado a cerca de 100 metros do local.

G1/TO

Carro bate, pega fogo e morre empresário de Peixe Tocantins

Segundo testemunhas, o acidente aconteceu por volta das 21h desta terça-feira, 27, na BR-242 no trecho que entre o povoado de Vila Quixaba e Peixe.

Uma camionete  Mitsubishi L200 Triton, conduzida pelo empresário Degmar dos Reis Custódio, 51 anos, conhecido como Degmar da Areia, colidiu com uma camionete D-10, a gás, que estava estacionada na margens da rodovia.  As pessoas que estava neste veículo saíram ilesos.

Dagmar da areia faleceu no local do acidente, ele estava conduzindo a Triton. A pessoa que conduzia a gaseira estava parado com parte do veículo dentro da pista, com isso o empresario Dagmar bateu, capotou o veículo e teve o seu corpo arremessado para fora da camionete que pegou fogo com o impacto”, disse a testemunha.

Dagmar da areia era proprietário de uma empresa que atua com mineração de areia às margens do Rio Santa Tereza.

O veículo ficou totalmente destruido.
O veículo ficou totalmente destruido.

 

Com informações de atitudetocantins