Idoso reage e imobiliza ladrão durante tentativa de roubo em Araguaína

Idoso reage e imobiliza ladrão durante tentativa de roubo em Araguaína

Homem foi imobilizado até a chegada da Polícia Militar (Foto: Divulgação) Homem foi imobilizado até a chegada da Polícia Militar (Foto: Divulgação)

Homem foi imobilizado até a chegada da Polícia Militar (Foto: Divulgação)

Um suspeito de roubo foi imobilizado e agredido em Araguaína, na tarde deste domingo (1º). Segundo a Polícia Militar, ele tentou roubar um idoso, mas foi surpreendido. A vítima reagiu e conseguiu imobilizar o ladrão.

A polícia contou que no momento, o idoso percebeu que a arma usada pelo suspeito era falsa. Ele conseguiu derrubar o ladrão e o segurou até a chegada da polícia.

“Ele é ex-vigilante e conhece algumas técnicas de imobilização. Coneguiu derrubar o ladrão e o segurou por cerca de 1 hora até os policiais chegarem”, contou o delegado Luiz Gonzaga.

Moradores que passavam pelo local perceberam o que estava acontecendo e começaram a agredir o suspeito, que teve alguns ferimentos no rosto e no braço. Ele foi encaminhado para a Central de Flagrantes. O delegado disse que ele será autuado por tentativa de roubo e será levado para a Casa de Prisão Provisória de Araguaína.

Fonte: G1.com

Encanador é assassinado durante festa de aniversário em Divinópolis

Jonaldo Nunes da Silva foi levado a hospital, mas não resistiu. Segundo a Polícia Militar, ele foi atingido por golpes de canivete após uma discussão.

Jonaldo foi assassinado em uma festa em Divinópolis (Foto: Reprodução/Facebook) Jonaldo foi assassinado em uma festa em Divinópolis (Foto: Reprodução/Facebook)

Jonaldo foi assassinado em uma festa em Divinópolis (Foto: Reprodução/Facebook)

O encanador Jonaldo Nunes da Silva, de 34 anos, foi atingido por golpes de canivete durante uma festa de aniversário em Divinópolis, região central do Tocantins. Segundo a Polícia Militar, ele chegou a ser levado para um hospital, mas não resistiu.

O caso aconteceu na madrugada deste domingo (1º). A festa de aniversário era realizada no centro paroquial da cidade. A polícia disse que houve uma discussão com outro homem, de nome não informado, e a vítima foi atingida.

O suspeito ainda não foi encontrado. Jonaldo era encanador e atuava na equipe comercial da BRK Ambiental, responsável pelo fornecimento de água no Tocantins. Em nota, a empresa lamentou a morte dele.

Fonte: G1.com

Mais de 300 kg de cocaína são apreendidos em fazenda na região sul do Tocantins

A polícia acredita que a droga veio da fronteira do Mato Grosso com a Bolívia para ser distribuída no Tocantins.

A droga foi apreendida em uma fazenda na cidade de Formoso do Araguaia  (Foto: Jairo Santos/ TV Anhanguera)

A droga foi apreendida em uma fazenda na cidade de Formoso do Araguaia (Foto: Jairo Santos/ TV Anhanguera)

A polícia localizou e apreendeu 318 kg de cocaína na tarde deste sábado (30) em uma fazenda localizada em Formoso do Araguaia, região sul do Tocantins. Conforme a Polícia Civil, a droga estava no mato próximo a uma pista de avião, onde havia uma aeronave. A suspeita é que o avião faria o transporte da cocaína.

A polícia acredita que a cocaína veio da fronteira do Mato Grosso com a Bolívia  (Foto: Jairo Santos/ TV Anhanguera )

A polícia acredita que a cocaína veio da fronteira do Mato Grosso com a Bolívia (Foto: Jairo Santos/ TV Anhanguera )

A polícia acredita que a droga veio da fronteira do Mato Grosso com a Bolívia para ser distribuída no Tocantins. Três homens e um adolescente foram detidos, eles estavam no local dando manutenção no avião que apresentava problemas. A fazenda já vinha sendo investigada.

40% das crianças de 0 a 14 anos no Brasil vivem na pobreza

Cerca de 17 milhões de crianças até 14 anos vivem em domicílios de baixa renda

Cerca de 17 milhões de crianças até 14 anos – o que equivale a 40,2% da população brasileira nessa faixa etária – vivem em domicílios de baixa renda. No Norte e no Nordestes, regiões que apresentam as piores situações, mais da metade das crianças [60,6% e 54%, respectivamente] vivem com renda domiciliar per capita mensal igual ou inferior a meio salário mínimo. Desse total, 5,8 milhões vivem em situação de extrema pobreza, caracterizada quando a renda per capita é inferior a 25% do salário mínimo.

Os dados fazem parte do relatório Cenário da Infância e Adolescência no Brasil, documento que faz um panorama da situação infantil no país , divulgado pela Fundação Abrinq. O estudo foi feito utilizando dados de fontes públicas, entre elas o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Nesta quarta edição, a publicação reúne 23 indicadores sociais, divididos em temas como trabalho infantil, saneamento básico, mortalidade e educação. A publicação também apresenta uma série de propostas referentes às crianças e que estão em tramitação no Congresso Nacional.

“Nesta edição, além de retratar a situação das crianças no Brasil, também apresentamos a Pauta Prioritária da Infância e Adolescência no Congresso Nacional. O conteúdo revela as principais proposições legislativas em trâmite no Senado e na Câmara dos Deputados, com os respectivos posicionamentos da Fundação Abrinq baseados na efetivação e proteção de direitos da criança e do adolescente no Brasil”, disse Heloisa Oliveira, administradora executiva da Fundação Abrinq.

Violência

Um dos temas abordados no documento é a violência contra as crianças e adolescentes. Segundo o estudo, 10.465 crianças e jovens até 19 anos foram assassinados no Brasil em 2015, o que corresponde a 18,4% dos homicídios cometidos no país nesse ano. Em mais de 80% dos casos, a morte ocorreu por uso de armas de fogo. A Região Nordeste concentra a maior parte desses homicídios (4.564 casos), sendo 3.904 por arma de fogo.

A publicação também mostra que 153 mil denúncias de violações de direitos de crianças e adolescentes chegaram ao Disque 100 em 2015, sendo que em 72,8% das ligações a denúncia se referia a casos de negligência, seguida por relatos de violência psicológica (45,7%), violência física (42,4%) e violência sexual (21,3%).

Trabalho infantil

Com base em dados oficiais, o documento revelou que as condições do trabalho infantil estão mais precárias. Embora tenha diminuído o número de crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil na faixa de 10 a 17 anos [redução de cerca de 659 mil crianças e adolescentes ocupados em 2015 em comparação a 2014], houve aumento de 8,5 mil crianças de 5 a 9 anos ocupadas.

O universo de crianças e adolescentes entre 5 e 17 anos que trabalhavam n somou 2,67 milhões em 2015. Mais de 60% delas são do Nordeste e do Sudeste, mas a maior concentração ocorre na Região Sul.

O estudo mostrou também dados mais positivos, como a taxa de cobertura em creches do país, que passou de 28,4% em 2014 para 30,4% em 2015 – ainda distante, no entanto, da meta estabelecida pelo Plano Nacional de Educação, de chegar a 50% até 2024.

Os dados completos podem ser vistos no site www.observatoriocrianca.org.br. Com informações da Agência Brasil.(Fonte:Noticias ao Minuto)

Casos de violência sexual na infância subiram mais de 60% em dois anos

Em 2016,número de registros ultrapassou 1,2 mil só no Tocantins.
Serviços especializados tentam ajudar crianças abusadas a superar trauma.

O número de casos registrados de crianças abusadas sexualmente na infância subiu mais de 60% em dois anos no Tocantins. De acordo com a Secretaria de Saúde, em 2016 foram 1.267 casos no estado, contra 772 em 2014. Os crimes foram contra meninos e meninas menores de 14 anos de todo o estado.

De acordo com a psicóloga do serviço de atenção especializado para esse tipo de caso, Raquel Sampaio, o aumento pode estar relacionado tanto com o crescimento no número de casos, quanto no número de denúncias. “Nós temos percebido que tem chegado mais. Por vária fontes diferentes. Pelos conselheiros tutelares, pelos vizinhos que hoje estão denunciando, as escolas têm sido também muito parceiras”, diz ela.

Alguns casos têm chamado atenção e repercutindo bastante. Em setembro de 2016 uma criança de 11 anos foi estuprada após sair da escola.

O crime foi confessado por Moisés de Almeida Silva, que deu uma entrevista onde pediu perdão a família e a sociedade. Nesta terça-feira (14) a Polícia Civil prendeu um falso conselheiro espiritual, que teria estuprado ao menos quatro crianças durante um ritual de magia negra.

A especialista afirma que quanto antes o tratamento psicológico começar, melhores são os resultados na superação do trauma. “O que é possível ser feito é minimizar as sequelas desse trauma. O nosso objetivo é resgatar a autonomia, o aprendizado, a capacidade de socializar e sobretudo de confiar no outro”, explica Sampaio.(Fonte:G1/TO)

Crianças foram estupradas por idoso durante ritual de magia negra, diz PC Read more

BOLSONARO PROMETE MINISTÉRIO COM 50% DE MILITARES

Trabalhando para ser candidato à Presidência em 2018, o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), 61,  promete nomear militares para metade de seu ministério se eleito para o Planalto; ele atribui seu desempenho –tem 9% das intenções de voto no Datafolha— à defesa da violência como meio para combater a violência; Bolsonaro criticou ainda o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, a quem chamou de “princesa Isabel da maconha” por sua defesa da descriminalização das drogas.

Sem esconder sua pretensão de chegar à Presidência, o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), 61,  promete nomear militares para metade de seu ministério se eleito para o Planalto. Ele atribui seu desempenho –tem 9% das intenções de voto no Datafolha— à defesa da violência como meio para combater a violência. Bolsonaro criticou ainda o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, a quem chamou de “princesa Isabel da maconha” por sua defesa da descriminalização das drogas.

“Quando vou para qualquer capital de Estado, tem no mínimo mil pessoas me esperando. Tenho bandeiras que um presidente pode levar avante e o povo está gostando.

Você não combate violência com amor, combate com porrada, pô. Se bandido tem pistola, [a gente] tem que ter fuzil.

Se eu chegar lá um dia [na Presidência], vou botar militares em metade dos ministérios, gente igual a mim. Ele está botando gente igual a ele. Quer que eu continue? Acho que não precisa.”(Fonte:Brasil 247)

503 mulheres foram agredidas por hora no Brasil

Números são referentes ao ano de 2016 e foram divulgados nesta quarta

Quinhentas e três mulheres foram agredidas por hora no Brasil em 2016. O que totaliza 4,4 milhões de vítimas de chutes, empurrões ou batidas, considerando apenas as maiores de 16 anos. Os números estão em pesquisa divulgada nesta quarta-feira (8), encomendada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública ao Datafolha.

Se foram consideradas agressões verbais, o índice acima, que é 9%, sobe para 29%. O estudo relata ainda que 10% ou 5 milhões de brasileiras dizem ter sofrido ameaças de espancamento, 22% ou 12 milhões foram alvo de humilhações. A pesquisa apresenta ainda casos mais graves, como ameaças com facas ou armas de fogo (4%), lesão por objetivo atirado (4%) e espancamento ou tentativa de estrangulamento (3%).

“A violência é um ‘mecanismo de resolução de conflitos'”, denunciou ao G1 a diretora-executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Samira Bueno. “O corpo da mulher continua sendo passível de ser agredido, porque é socialmente considerado público. Faz parte de uma lógica da divisão de tarefas, de trabalho”, completou, ao site, Maíra Kubik Mano, professora de pós-graduação em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo da Universidade Federal da Bahia.

Conforme o Datafolha, 40% das mulheres com mais de 16 anos sofreram assédio dos mais variados tipos em 2016. Outras 36%(ou 20,4 milhões) foram alvo de comentários desrespeitosos ao andar na rua. Há ainda as que foram assediadas fisicamente em transporte público: 5,2 milhões ou 10,4%. As que foram agarradas ou beijadas sem consentimento chegaram 2,2 milhões (5%). Neste caso, as principais vítimas têm entre 16 e 24 anos e são negras.

“E as respostas públicas para isso têm sido muito frágeis”, denuncia Samira Bueno. Segundo ela, governos preferem segregar a mulher no espaço público, “e não existe uma transformação da cultura mostrando ao homem que o corpo da mulher é privado e que ele não tem o direito de tocá-lo”.(Fonte:Noticias ao Minuto)

Números revelam queda na violência contra mulher no TO, mas realidade é outra

Quantidade de ocorrências diminuiu nos últimos anos no Tocantins.
Porém, órgãos de defesa dizem que a maioria dos casos não é registrada.

O Tocantins teve uma queda no número de registros de homicídios, tentativas de homicídio e estupro contra mulheres nos últimos cinco anos. A redução, porém, não significa que a cultura da violência está perdendo força. Para a coordenadora do Núcleo da Mulher da Defensoria Pública, Vanda Sueli Machado, os números não refletem a realidade. Isso porque quantidade de denúncias tem crescido cada vez mais, porém muitos casos não chegam a ser registrados pela polícia

Os dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP) mostram uma curva decrescente no número de assassinatos desde 2012, quando foram 47 vítimas. Mesmo assim, em 2016, 34 mulheres ainda foram vítimas de homicídio doloso, quando há intenção de matar. Em todos os anos, a maioria das mulheres tem entre 35 e 64 anos.

O número de tentativas de homicídio registradas também caiu: em 2012 foram 90 casos, contra 63 no ano passado. Por outro lado, as ocorrências de lesão corporal dolosa se mantêm em um patamar alto com 1.435 registros em 2016.

Muitas vezes a ameaça não é física, mas psicológica como no caso das ameaças. No ano passado foram 3.118 casos que chegaram até polícia. O maior número registrado nos últimos cinco anos foi em 2013, 4.185 casos.

Em relação aos crimes contra liberdade sexual, a maioria das vítimas de estupro têm entre 0 e 17 anos. Foram 297 mulheres com essa faixa etária em 2016. Ao todo, foram 369 casos registrados durante o ano. Há cinco anos, esse número era ainda maior com 416 estupros no total, sendo 327 crianças e adolescentes.

Conforme Vanda Sueli, os dados contabilizam apenas os casos que chegam até a polícia. “Não estão catalogados os casos que vão na Defensoria, os registros da Polícia Militar ou do sistema de saúde. As ocorrências podem até dizer estatisticamente que reduziu, mas a gente vê que não reduziu. Entre 2015 e 2016, por exemplo, triplicou a busca por atendimentos em razão da violência. Agente atendia cerca de dois, agora são mais de dez por dia”, afirmou.

O medo ainda é o principal fator que desestimula as vítimas registrar casos de violência nas delegacias. Mas para a defensora pública, a falta de estrutura ainda é o grande gargalo para as vítimas de violência.

“A falta de delegacias da mulher 24 horas é um dos grandes problemas, pois a maioria dos crimes acontece aos finais de semana. Quando a mulher procura a delegacia comum é revimizada, ouve que foi só uma briga de marido e mulher, entre outras coisas, e acaba se desestimulando a registrar a ocorrência”, comentou Vanda Sueli.

De acordo com a diretora de Política para Mulheres da Secretaria de Cidadania e Justiça, Ana Maria Guedes, as mulheres que vivem no interior sofrem ainda mais com a violência. Isso porque têm mais dificuldade de acesso à informação e sofrem violências sem conseguir enxergar outro meio de viver, com medo de passar fome e não ter como criar os filhos por falta de dinheiro.

“O estado ainda não tem um banco de dados para coletar essas informações. As vezes chega no serviço de saúde, mas não chega na delegacia. Os dados da saúde são enormes, mas a pessoa não sente confiança e confortável para denunciar”, diz a defensora.

Ocorrências registradas pela Polícia Civil entre 2012 e 2016 (Foto: Reprodução/G1)
Ocorrências registradas pela Polícia Civil entre 2012 e 2016 (Foto: Reprodução/G1)

Fonte G1

Brasileiros são contra legalização da maconha e da cocaína

É o que informa pesquisa realizada em 26 estados do país pela Paraná Pesquisas

A legalização do consumo de drogas é defendida por muitos como a saída para a diminuição dos índices de violência no país. A maioria dos brasileiros discorda. É o que aponta o resultado de um estudo do Paraná Pesquisas em 26 estados do Brasil: 70,9% é contra a descriminalização da maconha. E 84,3% se opõem à liberação da cocaína.

Segundo a Paraná Pesquisas, 2.020 brasileiros foram ouvidos. O questionamento foi motivado pela proposta de legalização dos dois citados entorpecentes, feita pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), em fevereiro.

Conforme lembra o colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, o magistrado defendeu que a medida combateria efetivamente o tráfico e a superlotação dos presídios.(Fonte:Noticias ao Minuto)

Jovem de 14 anos é espancado por sete homens no DF

Menino segue internado na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Regional de Santa Maria

Sete homens são procurados pela Polícia Civil de Planaltina, no Distrito Federal, nesta terça-feira (7) por terem espancando um menino de 14 anos. A vítima, que não teve o nome divulgado, continua internado na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Regional de Santa Maria, onde foi admitido na última sexta-feira (3).

A agressão ocorreu por volta das 14h30, no conjunto F da quadra 11 da região de Arapoanga. Testemunhas ouvidas por agentes da 31ª Delegacia de Polícia disseram que o o adolescente passava em frente a um bar, com outros dois amigos, quando foram interceptados pelos sete agressores.

Os colegas foram agredidos com socos e despidos, mas conseguiram fugir. O terceiro adolescente foi espancado até ficar inconsciente. Um dos ouvidos informou à polícia, segundo o Correio Braziliense, que passava de moto no local e pediu aos agressores que parassem. Os sete homens fugiram levando as bicicletas e outros pertences dos jovens.(fonte:noticias ao minuto)