Tempestade de raios mata 80 cabeças de gado em fazenda no Tocantins

Gado deve ser enterrado em valas na própria fazenda, em Talismã, sul do estado. Outros 24 animais morreram após serem atingidos por descargas em fazendas na região sul e sudeste do estado.

Chuvas com raios seguem causando a morte de gado em fazendas do Tocantins. Desta vez, conforme a Defesa Civil, 80 animais morreram após uma descarga atmosférica atingir a fazenda Santo Antônio, na zona rural de Talismã, na noite deste domingo (7) durante uma tempestade.

Em cerca de 10 dias, outros 24 animais foram eletrocutados em propriedades rurais da região sul do estado.

A fazenda onde os 80 animais morreram fica a cerca de 20 km de Talismã. Segundo a Defesa Civil, a propriedade rural atingida está em uma das regiões mais altas do município. Um vídeo feito por um funcionário da fazenda mostra os animais espalhados pelo pasto. 

Como a carne do gado é imprópria para consumo, uma vala deve ser aberta por uma retroescavadeira para que os animais sejam enterrados. A Defesa Civil da cidade informou ainda que foram registrados apenas sete milímetros de precipitação, porém, houve grande quantidade de raios.

Outros 24 animais morreram em fazendas do sul e sudeste do estado desde o início do ano. Um levantamento feito pela TV Anhanguera, apontou que quatro animais morreram em Gurupi, sete em Talismã e 13 em Pindorama.

G1 Tocantins

Tempestade solar pode deixar a Terra na escuridão total

Fenômeno não pode ser previsto pelos meteorologistas, que só saberiam o que está por vir cerca de 15 minutos antes.

Uma tempestade solar pode causar escuridão total em nosso planeta, ocasionando o corte do fornecimento de eletricidade em todo o mundo. O fenômeno não pode ser previsto pelos meteorologistas, que só saberiam o que está por vir cerca de 15 minutos antes.

A meteorologista britânica Catherine Burnett informou ao jornal “The Daily Mirror” que as ejeções de massa coronal (EMC) do Sol podem viajar em qualquer direção e, caso tomem o rumo da Terra, poderiam envolver o nosso planeta completamente.

“Uma ejeção de massa coronal significativa demora 19 horas para chegar à Terra“, diz a especialista, acrescentando que “assim que víssemos uma ejeção a abandonar a estrela, saberíamos dela apenas 15 minutos antes da chegada ao nosso planeta, bem como os dados restantes sobre a direção magnética ou o seu impacto”.

Como explica a publicação, as tempestades espaciais podem ser inofensivas e, muitas vezes, são vistas da Terra na forma de uma aurora boreal. Contudo, se for de grande magnitude, poderia desligar todos os sistemas de energia e navegação.

Um grupo de investigadores da Universidade de Harvard divulgou em agosto deste ano um cálculo de quanto tempo resta na Terra até que uma erupção solar acabe com a humanidade: 750 anos. Espera-se que até lá os cientistas encontrem uma forma de proteger o nosso planeta.

Noticias ao Minuto

Tempestades de raios causam prejuízos para comerciantes no TO

Só este mês foram registrados quatro mil descargas elétricas, em Palmas. Comerciante faz lista dos aparelhos queimados durante tempestades.

O período chuvoso ainda deve permanecer por pelo menos um mês e junto com ele a grande incidência de raios. Só esse mês, os meteorologistas registraram mais de 4 mil na capital Palmas. E além de provocar medo em muita gente, eles têm causado prejuízos também, principalmente a comerciantes. 

O empresário Sérgio Paulo já perdeu vários aparelhos eletrônicos em casa e no trabalho por causa da descarga elétrica. O último prejuízo foi com o equipamento que grava as imagens das câmeras de segurança.

“Eu já tive uma televisão da minha casa, já tive um micro-ondas na minha casa. Aqui na empresa, já tivemos o home theater e agora foi o DVR que é de imagens das câmeras que queimou na semana passada.

Depois dos problemas, o Paulo tomou providência para evitar novas perdas. Todos os equipamentos agora contam com um estabilizador de energia.

“Num investimento um pouquinho anterior eu não teria tido esse prejuízo, não só o material, mas o tempo de estar consertando que hoje é difícil. Tempo é dinheiro”.

No Tocantins, os raios são comuns entre os meses de outubro e início de maio, período chuvoso. O estado fica numa região quente e úmida o que favorece a formação de tempestades que acumulam grande quantidade de raios. Só até o dia 22 desse mês, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), foram 4.040 na capital.

Só para se ter uma ideia, no dia 21 desse mês foram registrados 300 raios em Palmas. O número é considerado alto pelos meteorologistas, para um período de 24 horas. Só que tem um detalhe, esses 300 raios foram registrados em apenas uma hora, entre 19 e 20h.

Embora a maior incidência de raios seja na zona rural, nas cidades eles causam sérios problemas. “O contato da descarga elétrica se dá em locais altos que por ventura em muitas das vezes são na torre de energia. Então há uma propagação desta descarga elétrica por toda a rede de energia que aumenta a intensidade nas residências e que por ventura queima os eletrodomésticos”, explicou o meteorologista da Universidade Estadual do Tocantins, José Luis Cabral.

G1/To

Trânsito na TO-222 é liberado após deslizamento em Araguaína

Obras duraram cinco dias, mas serviço paliativo não agradou motoristas.
Rodovia tem problemas desde 2013, quando ocorreu primeiro rompimento.

O trânsito na TO-222 foi liberado neste fim de semana, após cinco dias de obras em Araguaína, norte do Tocantins. Agora, os motoristas vão poder trafegar livremente pelo trecho que havia sido interditado por causa de um deslizamento provocado pela tempestade do dia 24 deste mês.

Apesar da liberação do trecho, os motoristas reclamam dos serviços paliativos que sempre são feitos no local. “Essa paliativa nunca vai resolver. Este serviço e outros que já fizeram são perdidos”, argumenta o vigilante Raimundo Rodrigues.

O descrédito se justifica porque desde 2013, quando ocorreu o primeiro rompimento da pista, a prefeitura vem fazendo obras no local. A solução definitiva depende de uma licitação que ainda não foi feita.

Entenda
O deslizamento na TO-222 foi provocado por uma tempestade registrada em Araguaína, norte do Tocantins no dia 24 deste mês. Desde janeiro do ano passado há uma cratera na rodovia. A barreira de pedras que fazia a contenção não resistiu e foi levada pela erosão e o buraco voltou a atingir a pista.(fonte:G1/TO)