Quatro são presos suspeitos de tentar invadir cofre de banco no Tocantins

Grupo estava com furadeiras de alto impacto e bloqueadores de sinal para desativar os alarmes quando foi capturado. Polícia percebeu movimentação estranha na área e resolveu fazer buscas.

Quatro pessoas que não tiveram os nomes divulgados foram presas em Augustinópolis, no norte do Tocantins, neste domingo (15). Segundo a Polícia Militar, eles tentaram invadir o cofre da agência do Banco do Brasil na cidade durante a madrugada. A movimentação estranha na área próxima ao prédio chamou a atenção de uma equipe da PM que resolveu fazer buscas.

Primeiro foram detidos dois suspeitos que estariam dando cobertura à dupla que preparava a invasão. Os outros dois foram encontrados minutos mais tarde, quando já tentavam abrir um buraco na parede do banco.

Com o grupo, foram encontradas furadeiras de alto impacto, um pé-de-cabra e bloqueadores de sinal para desativar os alarmes. Um carro roubado que era usado pela suposta quadrilha também foi apreendido.

Os suspeitos são três homens e uma mulher. Todos foram levados para a delegacia de Araguatins e prestaram depoimento, eles aguardam audiência de custódia para saber se vão poder responder em liberdade.

Pai e filho são presos suspeitos de furtar gado em fazendas no Tocantins

Segundo a polícia, suspeitos eram considerados foragidos desde 2017. Dupla foi presa em Luzimangues, distrito de Porto Nacional, e levada para complexo de delegacias em Palmas.

Pai e filho foram presos pela Delegacia de Investigações Criminais (Deic) e Grupo de Operações Táticas Especiais (GOTE) suspeitos de furtar gado em fazendas do Tocantins. Eles foram detidos na manhã desta segunda-feira (9) e levados para o complexo de delegacias da Polícia Civil, em Palmas.

João Antônio da Silva, de 59 anos e João Antônio da Silva Júnior, de 36 anos, foram detidos por furto qualificado de gado e associação criminosa. Segundo a polícia, havia mandado de prisão contra eles desde 2017 e os dois eram considerados foragidos.

Eles teriam participado de um roubo a uma fazenda de Paraíso do Tocantins. Na época, foram furtados 19 gados da propriedade. O crime ocorreu em novembro de 2016 e os dois foram denunciados pelo Ministério Público Estadual (MPE) no ano passado.

De acordo com o delegado Wanderson Chaves, da DEIC, o pai fazia um ‘estudo’ de quais fazendas eram mais vulneráveis e o filho realizava os furtos. Com os suspeitos a polícia encontrou um caminhão, um carro de passeio e duas armas.

“Estávamos há algum tempo na busca dos acusados e nesta manhã conseguimos capturá-los em uma fazenda próxima de Porto Nacional”, afirmou. Ainda de acordo com o delegado os dois não resistiram à prisão.

Os dois foram detidos na região do distrito de Luzimangues, distrito de Porto Nacional. A polícia ainda não sabe se o caminhão encontrado era usado por eles para o transporte do gado. Após serem ouvidos, os dois serão levados para a Casa de Prisão Provisória de Palmas.

O site ainda tenta contato com a defesa das vítimas.

Polícia ainda não tem suspeitos de atacar família de ciganos a tiros em Palmas

Uma pessoa morreu e quatro ficaram feridas no atentado. Dois parentes das vítimas foram presos após abrir fogo contra a polícia, eles estariam planejando uma vingança quando a PM chegou na casa.

A polícia ainda não prendeu nenhum suspeito de ser o autor do ataque a tiros contra uma família de ciganos em Palmas. O atentado foi na noite desta terça-feira (26) e terminou com a morte de João Vitor Cerqueira, de 22 anos, e outras quatro pessoas feridas. A principal hipótese para o crime é uma richa entre duas famílias.

Testemunhas contaram que os criminosos passaram de carro na frente de uma casa na Arse 71 (704 Sul) e abriram fogo contra a família. Os feridos estavam conversando em frente à residência e acabram atingidos pelos disparos.

A Polícia Militar foi até o local atender o caso e descobriu que parentes das vítimas estavam reunidos em outra casa, na Arse 91 (904 Sul), planejando uma vingança. Quando os militares chegaram ao local, foram recebidos a tiros. Houve uma negociação e a PM acabou prendendo duas pessoas por porte ilegal de arma. Eles foram liberados mais tarde.

Sobre o crime, a Polícia Civil informou que continua trabalhando no caso e que a investigação está em sigilo. “A principio, eles mesmos dizem, que é um richa antiga de família e que faz um tempo que isto vem se arrastando. Mas ainda não tem nenhum nome”, disse o delegado João Batista.

Os dois tiroteios deixaram os moradores da região assustados. Nas redes sociais, eles relataram ouvir tiros parecidos com os de um fuzil.

Na casa, a polícia encontrou um revólver calibre 38. Além de R$ 4 mil em espécie e cheques com valores superiores a R$ 29 mil. Também foram localizadas correntes, pulseiras, relógios brincos e pingentes de ouro, celulares e bijuterias. Todos os produtos com origem duvidosa, segundo a PM.

G1 Tocantins.

Presos suspeitos de fraudar concursos públicos são transferidos para o Tocantins

Operação foi coordenada pela Polícia Civil do Tocantins e prendeu 14 pessoas em três estados. Investigações começaram após suspeita de fraude no concurso da Polícia Militar.

Os suspeitos presos pela Polícia Civil durante a operação Aleteia estão sendo transferidos para Araguaína, norte do Tocantins. A polícia investiga uma quadrilha suspeita de fraudar concursos públicos, entre eles o concurso da Polícia Militar do Tocantins. Ao todo, foram 14 pessoas presas no Tocantins, Maranhão e Piauí. A operação começou no início da manhã desta quinta-feira (21).

Os mandados de prisão temporária foram determinados pela Justiça do Tocantins. A maioria das prisões foi no Maranhão. Houve um preso em Araguaína (TO), além de três prisões em Teresina (PI). Um dos presos no Piauí foi Antônio Ferreira Lima Sobrinho, suposto líder da quadrilha.

De acordo com a polícia, o suspeito havia sido preso no Maranhão por outras fraudes. Ele foi aprovado em mais de 30 concursos e seria a pessoa que faz as provas para repassar gabaritos a outros candidatos.

A polícia cumpriu ainda mandados de busca e apreensão nos três estados, um dos nomes dos presos ainda não foi divulgado.

  • Mailson de Paiva Vieira
  • Renner Ferreira Moraes Mendes
  • Luís Fernando Melo Nascimento
  • Flaviania Silva Furtado
  • Jhonata Araújo Cantuario

Em Teresina (PI) foram presos:

  • Antônio Ferreira Lima Sobrinho
  • Aline Oliveira Santana
  • Gabriela Oliveira de Santana

Em São Luís (MA) e Zé Doca (MA) foram presos:

  • Dionatan Soares Belfort
  • Fernandes da Silva Souza
  • Abimael Silva Almeida
  • Hagaer da Silva Lima

O site tenta contato com a defesa dos suspeitos.

Imagens de gabaritos do concurso da Polícia Militar do Tocantins circularam nas redes sociais logo após a prova (Foto: Arte G1)

As investigações começaram após suspeitas de fraude no concurso da PM do Tocantins. A operação é realizada pela Delegacia de Investigações Criminais de Araguaína, norte do Tocantins, com apoio de policiais dos outros estados.

“Estamos cumprindo vários mandados de prisão em relação ao concurso da PM, que foi provavelmente fraudado. Estamos fazendo diligências e se tudo correr bem, com a detenção de todos, os suspeitos devem ser apresentados no final da tarde ou nesta sexta-feira”, explicou o delegado regional de Araguaína, Bruno Boaventura.

As provas do concurso da Polícia Militar do Tocantins foram aplicadas no dia 11 de março para mais de 80 mil inscritos. São 1 mil vagas para soldado e mais 40 para oficial da PM. Porém, o concurso foi suspenso pela Justiça até o fim do processo eleitoral para escolha de um governador tampão.

A Polícia Militar informou, em nota, que a Comissão do Concurso da polícia tem ciência da operação desencadeada pela Polícia Civil e aguarda ser notificada dos resultados do inquérito para os encaminhamentos cabíveis.

A empresa responsável pela aplicação das provas do concurso foi procurada, mas ainda não se manifestou.

Investigação

A polícia começou a investigar fraude no concurso da Polícia Militar do Tocantins depois que um aparelho celular foi encontrado no banheiro de um dos locais de provas em Araguaína, norte do Tocantins.

Na época, o delegado regional informou que as respostas encontradas no aparelho não são o gabarito oficial da prova. Além da ocorrência registrada em Araguaína, também houve casos de candidatos encontrados com celulares e um pacote de provas com indícios de violação.

Diversas imagens de gabaritos também foram postadas em redes sociais.

Adolescentes são suspeitos de invadir casa de vereador e fazer família refém

Quatro pessoas invadiram a casa e amarraram o vereador e a família em Riachinho, no norte do Tocantins. Dois suspeitos foram encontrados em um matagal, os outros dois conseguiram fugir.

Dois adolescentes, de 14 e 15 anos, foram detidos pela Polícia Civil como suspeitos de fazer parte de um grupo que invadiu a casa de um vereador em Riachinho, no norte do Tocantins, e fez ele e a família de refém. O caso foi na madrugada desta segunda-feira (14), quando um grupo de quatro pessoas invadiu o imóvel e amarrou os moradores para assaltar.

Três homens são presos suspeitos de estuprar menina de 11 anos no Tocantins

Suspeitos foram capturados após o cumprimento de mandados de prisão temporária. Crime aconteceu em Miracema do Tocantins.

Três homens foram presos suspeitos de estuprar uma menina de 11 anos, em Miracema do Tocantins. Eles foram capturados nesta terça-feira (10) após o cumprimento de mandados de prisão temporária.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, os presos são: José Alves Pereira, de 38 anos, Domingos Pereira Bezerra, de 43 e Manoel da Conceição de França, de 61.

Segundo o delegado Clecyws Antônio, as investigações apontam que os três cometeram o crime de estupro de vulnerável. Os homens foram levados para a Cadeia Pública de Miracema.

G1 Tocantins

imagem ilustrativa gazetainterior

Três suspeitos de torturar e decapitar homem em Arraias são presos

Corpo de vítima foi encontrado parcialmente enterrado e em avançado estado de decomposição. Polícia suspeita que crime seja efeito da disputa pelo controle do tráfico na cidade.

A Polícia Civil prendeu três pessoas suspeitas de ter participação na morte de João Marcos Barbosa Pereira, conhecido como ‘Pinguim’, em Arraias, sul do Tocantins. O crime foi em julho e chocou a cidade pela brutalidade. Foram detidos como suspeitos, Rafael Souza Carvalho, de 23 anos, Thais Aquino da Silva, 24 anos e Francisco Filho Cavalcante, de 36 anos.

Segundo as investigações, os três torturaram, decaptaram e enterraram o corpo de Pereira em uma estrada vicinal da cidade. O rapaz ficou com parte do corpo expostas e por isso foi encontrado por moradores alguns dias depois, já em avançado estado de decomposição.

A Polícia Civil não esclareceu o papel de cada um dos envolvidos no crime. Rafael Souza e Thais Aquino foram pesos em Goiás e Francisco Filho estava em Taguatinga, no sudeste do estado. Todos estão sendo levados para Arraias, já que a Justiça determinou a prisão preventiva deles.

A principal linha de investigação é que a execução seja efeito de uma disputa pelo controle do tráfico de drogas na cidade. A vítima e os suspeitos, têm passagens pela posse de drogas na cidade.

G1 Tocantins

Polícia Civil em parceria com a Polícia Militar prenderam em Palmeirópolis homens suspeitos de tráfico de drogas

Os homens foram levados a delegacia onde estão presos.

Durante o dia de hoje 27 de março, os policiais civis de Palmeirópolis com apoio da PM local e DEIC/Gurupi, efetuaram vários mandatos de busca e apreensão nas quais resultaram na prisão de quatro (4) pessoas, sendo (3) por suspeita de tráfico de drogas e outro por uso de munição.

O jovem Gustavo Henrique Rodrigues Nascimento está sendo investigado por uso indevido de munição, já Pablo Railand de Oliveira Pereira, Wiliam Vieira Camargo e Jose Maria Oliveira e Silva, foram presos em flagrante por tráfico de drogas.

Com eles foram encontrados drogas, nove papelotes de cracks, tijolos de maconha, comprimidos. Os comprimidos suspeitos serão encaminhados à perícia.

Imediatamente foram conduzidos a delegacia onde foram detidos.

Com eles foram encontrados meio kilo de maconha.

Com informações da polícia civil.

 

 

Mãe e padrasto são suspeitos de torturar menina de três anos: ‘batiam cabeça dela na parede’, diz polícia

Mãe e padrasto estão presos preventivamente e foram indiciados por tortura, abandono intelectual e obstrução ao Conselho Tutelar. Caso foi registrado em Araguaína, norte do Tocantins.

Um casal foi indiciado por agressão e abandono intelectual contra a filha de apenas três anos em Araguaína, norte do Tocantins.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), a mulher era mãe biológica e o homem padrasto da criança.

Os dois são suspeitos de constantemente agredir a menina e até bater a cabeça dela contra uma parede, entre outros tipos de tortura.

Conforme a Delegacia da Criança e Adolescente (DECA), a denúncia dos abusos foi feita pelo pai biológico da criança no início do mês.

O homem ficou sabendo das agressões por vizinhos e inicialmente procurou o Conselho Tutelar.

Os conselheiros chegaram a ir à casa da criança, mas a mãe disse que ela não estava. A mulher também tentou enganar a polícia, porém os agentes entraram na casa e encontraram a menina cheia de hematomas.

Ainda segundo o Conselho Tutelar, a criança está internada em um hospital da cidade, onde passa por exames.

Antes, ela foi levada ao IML e o médico legista constatou que a criança sofria agressões há muito tempo.

A menina tinha hematomas nas costas, pernas e principalmente na cabeça.

“É uma situação muito grave e ela está internada para fazer tomografia porque os hematomas eram principalmente na região da cabeça. A própria criança relata que o padrasto a derrubou no chão, bateu na parede. Ela tem marquinhas no joelho porque provavelmente ficava ajoelhada em cima de grãos”, disse a conselheira tutelar Renata Rego.

Ainda segundo a conselheira, a criança estava sem frequentar a creche há vários dias. Nas poucas vezes que foi ao local, funcionários também relataram ter visto hematomas na criança.

O casal está preso preventivamente e a investigação sobre o caso foi concluída nesta terça-feira (13).

Conforme a polícia, os dois foram indiciados por tortura, abandono intelectual e obstrução ao Conselho Tutelar.

Denúncias de abusos contra crianças e adolescentes podem ser feitas pelo telefone do Disque Direitos Humanos, o Disque 100. Assim como diretamente à Polícia Civil no 197.

G1 Tocantins/Foto ilustrativa

Polícia prende suspeitos de matar idoso com enxada após não encontrar dinheiro em Arraias

Crime aconteceu em setembro de 2017 na cidade de Arraias, sudeste do Tocantins. Suspeitos invadiram casa da vítima, que teria reagido e foi morta com golpes de faca e enxada.

Dois homens foram presos pela Polícia Civil em Arraias, sudeste do Tocantins, suspeitos de matar o idoso Terezo Francisco Carvalho, de 68 anos, com golpes de enxada e faca em setembro de 2017.

Segundo o delegado regional José Antônio, David Wilson Gomes dos Santos é o principal suspeito e teria confessado o crime.

Além dele, o suspeito Lucas Balduino Pontes Rocha também foi preso, mas a participação dele ainda está sendo investigada.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP), os dois teriam chegado à casa da vítima para roubar dinheiro, mas após render o idoso os suspeitos não encontraram o que procuravam.

Por causa disso, Santos teria roubado dois isqueiros e aplicado um golpe conhecido como “gravata” no idoso. A vítima resistiu e conseguiu golpear o agressor com uma lanterna.

Ainda de acordo com a polícia, Santos teria dado vários golpes no idoso com uma enxada e uma faca. O homem não resistiu aos ferimentos e morreu.

Conforme a delegada Vanusa Regina de Carvalho Nunes, responsável pelas investigações, o crime causou muita revolta na população porque o idoso era uma pessoa muito querida cidade.

Após o cumprimento das prisões preventivas, os dois suspeitos foram levados para a cadeia de Arraias.

O site tenta contato com a defesa das vítimas.

G1 Tocantins