Suspeito de estupros em Palmas e Gurupi é preso após ficar 10 anos foragido

A suspeita é que ele tenha feito pelo menos seis vítimas. Homem tinha dois mandados de prisão e foi capturado na casa onde morava, na saída para o município de Aparecida do Rio Negro.

João Soares Glória foi preso nesta quinta-feira (21) suspeito de cometer vários estupros em Palmas e Gurupi. Até agora, estão confirmadas seis vítimas, mas é possível que outras mulheres tenham sido violentadas por ele. As informações são de agentes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Estadual, que fez a prisão com o apoio da Polícia Militar.

O homem foi encontrado numa casa, na saída para o município de Aparecida do Rio Negro. Segundo agentes do Gaeco, havia um mandado de prisão contra ele por um crime de estupro cometido há 10 anos em Gurupi. E outro mandado expedido pela comarca de Palmas pelo mesmo crime praticado há cinco anos.

A suspeita é que ele tenha feito outras vítimas, inclusive nesse ano, não setor Taquaralto, região sul da capital, e em Luzimangues, distrito de Porto Nacional. Os investigadores envolvidos disseram que as características do suspeito batem com a descrição das vítimas.

O homem tem uma sequela num dos olhos. A suspeita é que a marca tenha sido provocada por uma pedrada dada por uma vítima em Gurupi, segundo os agentes.

Os investigadores dizem que João abordava as mulheres em pontos de ônibus e, armado, as obrigava a subir em uma motocicleta. Em alguns casos, ele atirava nos pés da vítima para intimidá-la. A investigação aponta que o suspeito torturava, batia nas vítimas e passava mais de cinco horas com ela.

Imagem ilustrativa

Defesa pede que suspeito de matar filha de 2 anos com golpe de foice em Minaçú seja submetido a avaliação médica

Crime aconteceu no dia 29 de maio, em Minaçu. Avó e tio paternos buscaram criança na casa da mãe para ‘animar’ lavrador, que estaria em quadro depressivo.

O esponsável pela defesa do lavrador preso suspeito de matar a filha de 2 anos com um golpe de foice em Minaçu, na região norte do estado, o advogado Elisandrio Ramalho disse que pediu à junta médica do Tribunal de Justiça de Goiás que Fabiano de Souza Medeiros seja submetido a exame psicológico e internado.

O crime foi na última terça-feira (29). A avó e um tio paternos teriam buscado Ana Julya na casa da mãe com intuito de “animar” o lavrador, que havia dias estava em suposto quadro depressivo.

“Já solicitamos que seja acompanhado por equipe de profissionais que possa aferir com precisão o que aconteceu com dele. A família nos contou que de quatro a cinco dias antes do fato ele já estava sem conversar. Inclusive, a mãe dele procurou atendimento no Caps [Centro de Atenção Psicossocial] antes do crime”, disse o defensor.

O delegado responsável pelo caso, André Luís Barbosa Campos Medeiros, informou que o suspeito ficou em silêncio durante o depoimento. A intenção da Polícia Civil é tentar, mais uma vez, que ele conte o que aconteceu. Depoimentos da mãe do suspeito e de um dos irmãos devem ser colhidos nos próximos dias.

O lavrador Fabiano de Souza Medeiros, preso suspeito de matar a filha de 3 anos com golpe de foice, em Minaçu (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

O advogado se disse “preocupado” com a saúde do cliente. “Ele não conversa, não está se alimentado. Desde antes do fato ele vem apresentando anormalidades. Ele não fala com ninguém, perguntam, e ele não responde. Acredito que ele deu um surto de saúde, mas apenas a junta médica que pode aferir e fazer o devido diagnóstico.”

“A defesa pede que ele seja submetido a tratamento, a família está muito preocupada, só depois vamos ver o que fazer em relação à defesa dele. Nesse momento, a nossa preocupação é resolver o problema de saúde”, continuou Ramalho.

“Ele apresenta um quadro de enfraquecimento, de tristeza, uma pessoa abatida. As duas famílias estão abaladas, perderam alguém de valor, os irmãos, a mãe, não está sendo fácil para eles”, completou.

Thaynara Gonçalves e Ana Julya, em Minaçu, Goiás (Foto: Thaynara Gonçalves/Arquivo Pessoal)

Indignação

A dona de casa Thaynara Gonçalves, de 21 anos, diz que o ex-marido sempre foi violento durante o casamento, mas não imaginava que ele pudesse fazer qualquer coisa contra a filha. “Ele é um monstro, não é um homem”, disse.

Thaynara e Fabiano foram casados por um ano. A jovem conta que durante o relacionamento, sofria agressões por parte do rapaz. “Ele me batia, fugi várias vezes. Uma vez quase me matou quando estava grávida ainda. Foi por isso que separei”, contou.

Apesar disso, ela não esperava que ele pudesse fazer qualquer coisa contra a filha. “Ele era violento comigo, não com ela. Tanto que a Ana Julya sempre ia para a casa dele, voltava, não acontecia nada. Então isso causa uma revolta”, contou.

Mesmo depois de separada, ela conta que sofria ameaças do ex-marido. “Ele estava sempre bêbado, ou tinha fumado maconha, então não chegava a denunciar porque achava que isso era porque ele tinha bebido”, completou.

O crime

Segundo a Polícia Civil, o homem contou que estava deprimido, sentindo falta da filha e pediu para vê-la. A ex-sogra de Thaynara, então, buscou a menina na casa da mãe e levou até a residência de Fabiano.

No local, segundo a corporação, ele golpeou a menina com uma foice na cabeça. A mãe da vítima diz que não tem suspeita do que levou o ex a cometer o crime.

A família de Thaynara, no entanto, acredita que o crime foi causado por ciúmes. “A Thaynara já tinha casado novamente, teve um filho há sete dias, já está com um novo relacionamento há um ano e ele não aceitava”, contou a irmã de Thaynara, Rosania dos Santos Rosa.

O corpo de Ana Julya foi velado na casa dela, em Minaçu. O enterro aconteceu no dia 31, no cemitério municipal.

Motorista da dupla Henrique e Juliano foi preso por matar esposa grávida em GO

Denise da Silva, de 34 anos, foi morta com um tiro na cabeça, no condomínio onde morava, em Goiânia.

O crime foi cometido numa rua próxima da casa da vítima, em um condomínio do Setor Orienteville, na capital, na madrugada desta segunda-feira. Conforme as investigações, como o casal estava separado, o motorista arrombou a porta da casa e começou a discutir com a esposa. Após ser agredida, ela tentou fugir, mas acabou baleada na cabeça.

O preso foi levado para a Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH), em Goiânia. Ele chegou ao local por volta de 16h50 e respondeu à reportagem que “não sabe” o que o levou a cometer o crime.

O suspeito trabalha como motorista do ônibus da dupla sertaneja Henrique e Juliano. A assessoria dos artistas informou que o funcionário estava de folga quando o crime ocorreu e que o contato dele com os músicos é “estritamente profissional”.

O delegado responsável pela investigação, Danilo Proto, havia dito que, apesar de casados formalmente, Denise tinha interesse em se divorciar. Os dois, inclusive, já não estavam morando juntos havia alguns meses.

Grávida é morta após ser baleada em Goiânia (Foto: Facebook/Reprodução)

Natural de São Paulo, Denise se mudou para Goiânia há cerca de 5 anos, quando começou a namorar com Aginaldo. No ano passado, eles se casaram. Tia da vítima, a advogada Idivonete Ferreira Martins afirmou que o casal tinha um relacionamento bastante conturbado e que Aginaldo era violento.

“Para nós, era uma tragédia anunciada. Ele já esteve em minha casa algumas vezes e a postura dele transparecia isso, de um cara violento. Eu já tinha falado para ela vender tudo e voltar para São Paulo. Ela falou que iria resolver tudo, mas a notícia da gravidez os reaproximou”, afirma.

A advogada relatou que há alguns meses, quando a relação estava muito desgastada, Aginaldo ameaçou a mulher durante um episódio.

“Há algum tempo atrás, ela me ligou para se orientar juridicamente. Ela disse que ele chegou na casa dela, que ela comprou, pôs vários móveis em um caminhão e levou embora. Nessa ocasião, ele disse que queria a casa e que, se ela não a cedesse, ‘iria se ver com ele'”.

No entanto, algum tempo depois, segundo Idivonete, ele voltou, pediu perdão, prometeu que ia ser diferente e ela o aceitou de volta.

Grávida é morta após ser baleada; marido é preso suspeito do crime (Foto: Arquivo pessoal)

Em Minaçú, pai é preso suspeito de matar filha de 3 anos com golpe de foice

Menina morava com a mãe e visitava o pai eventualmente. Familiares disseram à polícia que buscaram a criança pensando que animariam lavrador, que estava há três dias em suposto quadro de depressão.

Um lavrador de 27 anos foi preso na tarde desta terça-feira (29) suspeito de matar a própria filha, de 3 anos, com um golpe de foice na cabeça, em Minaçu, no norte de Goiás. A criança vivia com a mãe e visitava o pai eventualmente.

De acordo com a Polícia Civil, familiares disseram que Fabiano de Souza Medeiros estava há três dias dentro do quarto, em um suposto quadro de depressão, e que por isso buscaram a menina, pensando que iriam conseguir animá-lo.

O delegado André Luís Barbosa Campos Medeiros informou que o homem ficou calado durante depoimento. As motivações para o crime não foram identificadas. O suspeito não havia apresentado advogado até o final da tarde desta terça e foi encaminhado para a cadeia da cidade.

O lavrador Fabiano de Souza Medeiros, preso suspeito de matar a filha de 3 anos com golpe de foice, em Minaçu (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Ainda segundo a polícia, dois irmãos de Fabiano prestaram depoimento. Eles disseram que viram o momento em que o jovem pegou a foice, usada no trabalho, mas não imaginaram que ele agrediria alguém. Os irmãos também afirmaram que não têm conhecimento sobre se o rapaz usa drogas.

A polícia disse que Ana Julya brincava sentada no chão quando foi atingida. O suspeito também teria golpeado a própria mãe, com o cabo, no ombro. O Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar foram acionados, mas as vítimas já haviam sido transportadas quando as equipes chegaram.

Fachada do Hospital Municipal de Minaçu, para onde menina de 3 anos foi levada após levar golpe de foice na cabeça (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

A criança não resistiu aos ferimentos e já chegou morta ao hospital. Já a avó recebeu atendimento e, de acordo com informações preliminares, está em estado de choque.

O corpo de Ana Julya vai ser levado para Porangatu, para o exame cadavérico. A mãe da criança e ex-mulher do suspeito precisou de atendimento médico após saber do ocorrido, informou a polícia.

No sul do Tocantins suspeito de tráfico é preso após polícia encontrar 9 kg de maconha na casa dele

Tabletes da droga estavam em uma mala e suspeito confessou o crime. Duas mulheres também foram presas por tráfico e posse de munição de arma de fogo.

Três pessoas foram presas suspeitas de tráfico de drogas em Gurupi, nesta terça-feira (29). Os jovens foram identificados como Marco Antônio Moura dos Reis, 19 anos, Nayanne Cristina Ribeiro Fernandes, 28 anos, e Isabel Lorraine Ribeiro, 19 anos. Em um dos casos a polícia encontrou 9 kg de maconha dentro de uma mala.

A polícia informou que Marco Antônio estava em casa no setor Leste, quando foi preso. Com ele foram encontrados 9 kg de maconha. De acordo com o delegado responsável pelo caso, Rafael Fortes Falcão, o jovem estava sendo investigado e tinha passagem pela polícia por roubo. Além da droga, ele estava com uma balança de precisão e celulares.

Os policiais civis encontraram com o suspeito uma mala de viagem com tabletes de maconha. Ele confessou o crime e disse que a droga foi trazida de Goiás e seria distribuída em Gurupi. Marco Antônio foi levado para a delegacia e depois encaminhada à Casa de Prisão Provisória de Gurupi onde deve responder pelo crime de tráfico de drogas.

As duas mulheres foram presas no setor Nova Fronteira durante a operação policial. Elas teriam recebido 1 kg de maconha para distribuir na cidade. Na casa onde elas moravam foram encontrados maconha, 21 porções de crack, uma porção de cocaína, 66 munições além de materiais usados para embalar as drogas.

Segundo a polícia, as mulheres são companheiras de dois presidiários suspeitos do mesmo crime. Elas devem responder por tráfico de drogas e posse ilegal de munição de arma de fogo.

Homem é preso suspeito de furtar cartões da mãe e sacar dinheiro no Tocantins

Segundo delegado responsável pelo caso, homem gastou R$ 1 mil comprando drogas. O caso foi denunciado pela própria mãe, de 77 anos.

Francivaldo Coelho da Silva, de 38 anos, foi preso suspeito de furtar cartões bancários e de aposentadoria da mãe e sacar R$ 1 mil que estava guardado na poupança. A idosa tem 77 anos e denunciou o caso à Polícia Civil, neste domingo (6). O filho aproveitou que ela estava na missa para praticar o crime.

Segundo o delegado Wilson Cabral, responsável pelo caso, os policiais fizeram buscas em bares e chácaras na tentativa de encontrar o suspeito. Ele foi preso por volta das 19h, depois de voltar para casa. O delegado informou que no momento da prisão, Silva consumia maconha. Ele havia gastado o dinheiro todo comprando drogas, conforme as investigações.

Silva foi levado para a Casa de Prisão Provisória de Araguaína e deve responder por furto qualificado pelo abuso de confiança e posse de droga para consumo. A mãe informou à polícia que o fiho já furtou vários objetos da casa.

G1 Tocantins

Foto ilustrativa/niteroiurgente.com

Suspeito de estuprar e engravidar menina de 11 anos é preso no Tocantins

Homem tem 44 anos e teria atraído a vítima na saída da escola após convidá-la para passear. Mãe da criança só descobriu o abuso após ela passar mal por causa da gestação.

Um homem de 44 anos foi preso pela Polícia Civil nesta quinta-feira (19) suspeito de estuprar e engravidar uma menina de 11 anos em Sítio Novo do Tocantins, no norte do estado. Os abusos teriam acontecido após a vítima ser atraída na saída da escola com um convite para um passeio. A família não sabia do caso até a menina passar mal por causa da gestação.

O caso era investigado há alguns dias, após a criança dar entrada no Hospital Regional de Augustinópolis. Ela só contou sobre os abusos após a equipe médica constatar que ela estava grávida de cinco meses. Com medo, a menina não queria revelar o nome do agressor.

Após conversar com o policiais e com conselheiros tutelares ela acabou identificando o homem e informando que ele morava em Axixá, cidade vizinha a onde o crime aconteceu.

A prisão temporária do suspeito foi pedida pelo delegado Thyago Bustorff Feodrippe de Oliveira Martins e decretada pela Justiça na quarta-feira (18). O suspeito deve continuar preso até o juiz avaliar se vai determinar que a prisão se torne preventiva, quando não há prazo para a soltura. Um exame de DNA deve ser usado para provar a autoria do crime. O estado de saúde da criança não foi divulgado.

Imagem ilustrativa/internet

G1 Tocantins

Polícia prende suspeito de homicídio e encontra ossada de jovem morto há cerca de um mês

Suspeito levou a polícia até o setor Lago Norte, em Palmas. A suspeita é que a vítima tenha sido morta por asfixia e o corpo queimado após o crime.

Polícia Civil encontrou, na manhã desta quinta-feira (12), uma ossada humana no setor Lago Norte, perto da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), em Palmas. A vítima foi identificada como Thiago Silva Sousa e morava em Luzimangues, distrito de Porto Nacional. Ele faria 26 anos nesta quarta-feira.

Segundo o delegado Cassiano Ribeiro Oyama, um homem que foi preso nesta quinta-feira por suspeita de participar do homicídio levou os policiais até o local onde o corpo havia sido escondido. Sousa estava desaparecido desde o dia 14 de março.

A polícia acredita que a vítima tenha sido morta por asfixia. Depois, os suspeitos teriam ateado fogo. Uma mulher suspeita de participar no crime está foragida. O delegado disse que tinha um relacionamento com a vítima.

G1 Tocantins

Polícia Civil prende suspeito de praticar homicídio no interior do Estado

As investigações realizadas pela Polícia Civil apontaram que o assassinato teria sido cometido devido a uma disputa existente entre vítima e autor pelo controle de pontos de venda de drogas, em Arraias.

Policiais Civis da 9ª Delegacia de Arraias, comandados pela Delegada Vanusa Regina de Carvalho Nunes e pelo Delegado Regional José Antônio da Silva, efetuaram, na tarde desta quarta-feira, (21), a prisão de Tiago Teles da Silva, de 20 anos de idade.

Ele é o principal suspeito de ter matado a tiros, José Divino da Silva Menezes, crime ocorrido no dia 24 de maio de 2017 e foi capturado, mediante cumprimento a mandado de prisão preventiva, em Arraias.

Conforme a delegada Vanusa, as investigações realizadas pela Polícia Civil apontaram que o assassinato teria sido cometido devido a uma disputa existente entre vítima e autor pelo controle de pontos de venda de drogas, em Arraias.

Em seguida, os policiais civis identificaram Tiago como o autor do assassinato e, desta maneira, a Delegada Vanusa representou, junto ao Poder Judiciário, pela prisão do indivíduo, a qual foi deferida e comprida, nesta quarta.

Tiago foi capturado logo após deixar a Cadeia Pública da cidade e, no momento de sua prisão, o mesmo estava cumprindo pena, em regime semiaberto, pelo crime de tráfico de drogas.

Diante dos fatos, Tiago foi novamente recolhido àquela Unidade Prisional, onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário.

Ainda segundo a Delegada, chamou a atenção da Polícia Civil, o fato de que autor e vítima eram amigos e, um dia antes do crime, a vítima, José Divino, havia emprestado a Tiago Teles, um revólver calibre 38, que este, supostamente, usaria para realizar um entrega de drogas.

No entanto, no dia do crime, o suspeito foi até a casa da vítima e a chamou no portão. Quando José Divino saiu para atender, foi atingido por vários disparos e veio a óbito.

Secretaria da Segurança Pública/Rogério de Oliveira

Suspeito de encomendar assassinato é preso no Tocantins

Crime aconteceu em dezembro e teria sido motivado por dívida com tráfico. Suspeito de ser o mandante foi preso após polícia identificar homem que atirou na vítima.

A polícia civil prendeu na tarde desta terça-feira (21) Fábio de Lira Santana, de 24 anos. Ele é suspeito de ser o mandante do assassinato de Antônio Paiva de Sousa, de 26 anos, em dezembro de 2017.

O crime aconteceu no setor Raizal, em Araguaína, norte do Tocantins.

O outro suspeito de envolvimento no crime foi preso em fevereiro deste ano. Segundo a polícia, as investigações apontaram que o motivo do crime seria uma dívida envolvendo o tráfico de drogas.

O crime aconteceu em uma boca de fumo da cidade. Pouco antes da meia-noite, um criminoso chegou no local e deu quatro tiros na vítima. Sousa tinha várias passagens pela polícia e morreu na hora.

Santana foi levado para a Casa de Prisão Provisória de Araguaína.

G1 Tocantins