Polícia prende suspeito de homicídio e encontra ossada de jovem morto há cerca de um mês

Suspeito levou a polícia até o setor Lago Norte, em Palmas. A suspeita é que a vítima tenha sido morta por asfixia e o corpo queimado após o crime.

Polícia Civil encontrou, na manhã desta quinta-feira (12), uma ossada humana no setor Lago Norte, perto da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), em Palmas. A vítima foi identificada como Thiago Silva Sousa e morava em Luzimangues, distrito de Porto Nacional. Ele faria 26 anos nesta quarta-feira.

Segundo o delegado Cassiano Ribeiro Oyama, um homem que foi preso nesta quinta-feira por suspeita de participar do homicídio levou os policiais até o local onde o corpo havia sido escondido. Sousa estava desaparecido desde o dia 14 de março.

A polícia acredita que a vítima tenha sido morta por asfixia. Depois, os suspeitos teriam ateado fogo. Uma mulher suspeita de participar no crime está foragida. O delegado disse que tinha um relacionamento com a vítima.

G1 Tocantins

Senador Vicentinho Alves recebe Mérito Sindepol na comemoração dos 74 anos da Polícia Federal

O parlamentar Vicentinho Alves foi o único Senador condecorado com o Mérito Sindepol conferida às personalidades e instituições que contribuem para a realização da missão da PF.

O senador Vicentinho Alves (PR/TO) foi homenageado na comemoração dos 74 anos da Polícia Federal, celebrados nesta quarta-feira (28/03), em evento realizado pelo Sindicato dos Delegados da Polícia Federal (Sindepol), no Espaço da Corte.

“Divido essa homenagem com Deus e com o povo tocantinense, que me fizeram chegar até aqui na condição de Senador da República, onde tenho procurado servir ao Tocantins e ao Brasil”, agradeceu.

Ascom Vicentinho Alves

Polícia Civil em parceria com a Polícia Militar prenderam em Palmeirópolis homens suspeitos de tráfico de drogas

Os homens foram levados a delegacia onde estão presos.

Durante o dia de hoje 27 de março, os policiais civis de Palmeirópolis com apoio da PM local e DEIC/Gurupi, efetuaram vários mandatos de busca e apreensão nas quais resultaram na prisão de quatro (4) pessoas, sendo (3) por suspeita de tráfico de drogas e outro por uso de munição.

O jovem Gustavo Henrique Rodrigues Nascimento está sendo investigado por uso indevido de munição, já Pablo Railand de Oliveira Pereira, Wiliam Vieira Camargo e Jose Maria Oliveira e Silva, foram presos em flagrante por tráfico de drogas.

Com eles foram encontrados drogas, nove papelotes de cracks, tijolos de maconha, comprimidos. Os comprimidos suspeitos serão encaminhados à perícia.

Imediatamente foram conduzidos a delegacia onde foram detidos.

Com eles foram encontrados meio kilo de maconha.

Com informações da polícia civil.

 

 

Polícia Civil flagra servidores do Itertins emitindo títulos de terras irregulares

No dia em que o governo foi cassado, uma denuncia anônima levou a polícia a flagrar servidores do Itertins supostamente emitindo títulos de terra irregulares.

A Polícia Civil do Tocantins flagrou na noite desta quinta-feira, 22, diversos servidores do Itertins trabalhando fora do horário normal do expediente, por volta das 20h, supostamente emitindo títulos de terras irregulares. O flagrante ocorreu no mesmo dia em que o atual governo foi cassado pelo TSE.

Conforme informações da Polícia Civil, após uma denúncia anônima de suposta violação ao processo legal de escrituração de terras e de regularização fundiária, equipes da DRACMA e da Diretoria de Inteligência da Secretaria da Segurança Pública deslocaram-se de imediato até a sede do órgão estadual.

No Instituto foram encontradas pilhas de processos de regularização fundiária espalhadas em cadeiras, mesas e em outras salas do órgão estadual.

Cópias das escrituras recém-confeccionadas e documentos que estavam sendo feitas foram apreendidas pela polícia.

Os agentes também fizeram um levantamento dos processos que ainda seriam analisados. Segundo a polícia, o intuito é verificar possíveis fraudes em relação ao trâmite necessário e se o fluxo processual dos últimos dias foi acima da média.

A notícia levou à abertura de procedimento de praxe policial, conhecido como Verificação de Procedência de Informação (VPI), que consiste na ordenação de diligências investigatórias para colher elementos de prova preliminares, para análise da viabilidade ou não da instauração de um inquérito policial.

O delegado titular da DRACMA, Guilherme Rocha disse que “a Polícia Civil reafirma sua posição como instituição de Estado e recomenda, nesse momento sensível do Executivo Estadual, prudência nos trâmites processuais pelos gestores públicos”.

Rocha acrescentou ainda que a polícia permanecerá vigilante para evitar que crimes sejam cometidos “no apagar das luzes”. “A Polícia Civil, por meio da DRACMA e Delegacias do interior do Estado, reforça seu compromisso com o combate à corrupção e com a manutenção da moralidade administrativa, e estará vigilante para que esse momento delicado do Poder Executivo Estadual não seja utilizado para o cometimento de crimes contra a administração pública”, finalizou.

Polícia Civil prende suspeito de praticar homicídio no interior do Estado

As investigações realizadas pela Polícia Civil apontaram que o assassinato teria sido cometido devido a uma disputa existente entre vítima e autor pelo controle de pontos de venda de drogas, em Arraias.

Policiais Civis da 9ª Delegacia de Arraias, comandados pela Delegada Vanusa Regina de Carvalho Nunes e pelo Delegado Regional José Antônio da Silva, efetuaram, na tarde desta quarta-feira, (21), a prisão de Tiago Teles da Silva, de 20 anos de idade.

Ele é o principal suspeito de ter matado a tiros, José Divino da Silva Menezes, crime ocorrido no dia 24 de maio de 2017 e foi capturado, mediante cumprimento a mandado de prisão preventiva, em Arraias.

Conforme a delegada Vanusa, as investigações realizadas pela Polícia Civil apontaram que o assassinato teria sido cometido devido a uma disputa existente entre vítima e autor pelo controle de pontos de venda de drogas, em Arraias.

Em seguida, os policiais civis identificaram Tiago como o autor do assassinato e, desta maneira, a Delegada Vanusa representou, junto ao Poder Judiciário, pela prisão do indivíduo, a qual foi deferida e comprida, nesta quarta.

Tiago foi capturado logo após deixar a Cadeia Pública da cidade e, no momento de sua prisão, o mesmo estava cumprindo pena, em regime semiaberto, pelo crime de tráfico de drogas.

Diante dos fatos, Tiago foi novamente recolhido àquela Unidade Prisional, onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário.

Ainda segundo a Delegada, chamou a atenção da Polícia Civil, o fato de que autor e vítima eram amigos e, um dia antes do crime, a vítima, José Divino, havia emprestado a Tiago Teles, um revólver calibre 38, que este, supostamente, usaria para realizar um entrega de drogas.

No entanto, no dia do crime, o suspeito foi até a casa da vítima e a chamou no portão. Quando José Divino saiu para atender, foi atingido por vários disparos e veio a óbito.

Secretaria da Segurança Pública/Rogério de Oliveira

Travesti é morta a tiros em ponto de ônibus em Goiás

Segundo a Polícia Civil, Paola Oliveira, de 35 anos, teria sido baleada após pegar o celular de um cliente que se recusou a pagar o programa.

Uma travesti de 35 anos foi morta a tiros em um ponto de ônibus, na noite desta terça-feira (20) em Luziânia, no Entorno do Distrito Federal.

De acordo com a Polícia Civil, um homem se aproximou e, após uma discussão, atirou contra ela. A principal suspeita da corporação é a de que a vítima, identificada como Paola Oliveira, tenha sido morta por um cliente que se recusou a pagar o programa.

Segundo o delegado Maurício Passerini, do Grupo de Investigação de Homicídios (GIH), o homem se aproximou da travesti e atirou contra ela após ela se recusar a entregar um aparelho celular.

“O autor chegou ao local, conversou por alguns segundos. Em um dado momento ficou exigindo: ‘me dá meu celular, me dá meu celular’, e acabou atirando contra a vítima”, disse.

O caso ocorreu na noite de terça-feira, em um ponto de ônibus que fica em frente a um supermercado, em Luziânia. A travesti, que se identificava como Paola, era registrada como Paulo Sérgio Moreira da Silva.

De acordo com o delegado, o suspeito foi identificado por meio do carro usado no crime. O nome dele não foi divulgado.

“Temos o nome de um suspeito, que foi identificado após conseguirmos obter a placa do veículo em que ele teria chegado ao local onde matou a travesti. A nossa principal suspeita é a de que o homem se recusou a pagar o programa, a vítima reteve o celular dele e, no momento em que ele voltava para exigir a devolução, resolveu matá-la”, explicou.

O investigador informou que está fazendo novas diligências nesta quarta-feira, para ouvir novas testemunhas e localizar o suspeito do crime.

G1 Goiás

A 9ª Delegacia Regional de Polícia Civil de Arraias realiza palestra sobre prevenção e combate ao uso e tráfico de drogas

A referida palestra teve como objetivo principal orientar e conscientizar alunos e alunas da tradicional escola Arraiana, sobre os malefícios que advém do uso de substâncias entorpecentes, que podem geram dependência química e trazer uma série de transtornos para os jovens, bem como suas famílias.

A Polícia Civil do Tocantins, por intermédio da 9ª Delegacia Regional de Arraias, ministrou, na manhã desta terça-feira, 20, uma palestra sobre prevenção e combate ao uso e tráfico de drogas, voltada para alunos e alunos da Escola Estadual Joana Batista Cordeiro.  

O evento teve início às 9h e foi realizado pela equipe composta pelos Delegados; José Antônio da Silva e Vanusa Regina de Carvalho Nunes, os Agentes de Polícia; Rogério Ferreira Braga, Elizeu de Sena Abreu Sobrinho, Graziela Barreto Silva e Reginalva Ramalho Pereira, além do Escrivão de Polícia Gabriel Gomes Carneiro.

A referida palestra teve como objetivo principal orientar e conscientizar alunos e alunas da tradicional escola Arraiana, sobre os malefícios que advém do uso de substâncias entorpecentes, que podem geram dependência química e trazer uma série de transtornos para os jovens, bem como suas famílias.

Na ocasião, os policiais civis da 9ª DRPC, utilizando uma linguagem didática, explicaram aos presentes, as características e composição das substâncias entorpecentes mais conhecidas e consumidas atualmente, bem como abordaram sobre as conseqüências daqueles que adentram no mundo das drogas.

Ao final do evento, a direção da unidade de ensino agradeceu a presença dos policiais civis, ressaltando que a palestra foi de muita importância para os adolescentes, que puderam se informar melhor sobre um assunto tão importante.

Para o delegado regional, José Antônio da Silva, a palestra serviu para que a Polícia Civil possa estreitar os laços com a comunidade, por meio de ações sociais e de cunho educativo.

“Ficamos muito satisfeitos com a receptividade com que fomos recebidos pelo corpo diretivo, bem como pelos alunos daquela instituição de ensino, que nos ouviram atentamente e receberam nossa mensagem com muito entusiasmo e alegria”, pontuou.  

“Dessa maneira, a Polícia Civil do Tocantins cumpre um importante papel social, aproximando-se mais ainda da população e contribuindo com a formação educacional de nossos jovens, ressaltando os aspectos de prevenção ao consumo e tráfico de drogas, reforçando, desta maneira, a Segurança Pública do Estado”, frisou. .

Estudantes da Escola Estadual Joana Batista Cordeiro assistem a palestra sobre prevenção ao uso e tráfico de drogas ministrada pela Polícia Civil.

Polícia encontra suposto gabarito de prova em celular em Araguaína; Civil investiga

Mais de 20 mil pessoas já assinaram na internet uma petição pública que pede investigação de supostas ocorrências registradas durante a aplicação da primeira fase do concurso da PM.

A polícia de Araguaína localizou uma mensagem de texto contendo um suposto gabarito de uma das provas do concurso da Polícia Militar em um aparelho celular que foi apreendido no último domingo, 11, em uma lixeira localizada em um dos locais da aplicação de provas.

O caso é investigado pela Polícia Civil. Conforme informações do delegado regional Bruno Boaventura, as respostas encontradas no aparelho não são o gabarito oficial da prova e ainda não é possível afirmar se houve fraude nas avaliações.

Conforme o Relatório de Ocorrências de Vulto nº 0141/2018, registrado pelo 2º BPM de Araguaína no domingo, o celular foi encontrado no banheiro do Colégio Santa Cruz, onde as provas eram aplicadas.

O celular estava dentro de um cesto de lixo. Após averiguação, a polícia identificou uma SMS, intitulada “Título Prova 3”, contendo gabarito alfanumérico de 01 a 60.

Petição pública pede investigação

Mais de 20 mil pessoas já assinaram na internet uma petição pública que pede investigação de supostas ocorrências registradas durante a aplicação da primeira fase do concurso da PM.

No documento são elencados vários erros e problemas encontrados pelos candidatos durante a realização das provas.

A petição deve ser protocolada nesta terça-feira, 13, na sede do Ministério Público Estadual, em Palmas. Os candidatos pedem “apuração dos fatos junto ao Ministério Público do Tocantins, se comprovado os fatos mencionados, anulação do certame, seguindo conformidades com a Lei 12.550/2011, apuração através de procedimento administrativo”.

PM responde

Em nota enviada, a Polícia Militar informou que recebeu os questionamentos da imprensa sobre o assunto e repassou para a AOCP, empresa responsável pelas primeiras três fases do concurso.

A empresa, por sua vez, informou à PM que “todas as solicitações já foram encaminhadas ao nosso Departamento Jurídico, para a devida análise e resposta”.

A PM destacou ainda que a prova foi aplicada dentro do planejado, “com supostas tentativas de fraudes devidamente identificadas pela AOCP e os responsáveis estão sendo detectados. Após apuração, serão dados os encaminhamentos conforme previsto no edital”.

Polícia Civil desvenda homicídio e prende autor do crime em Arraias

Suspeito de invadir casa para matar rival é preso; vítima dormia quando foi baleada.

A Polícia Civil do Tocantins, por intermédio da Delegacia de Arraias, sob a coordenação do Delegado de Polícia Ronan Almeida Souza e sua equipe, desvendou, na manhã desta segunda-feira, 12, a autoria do crime de homicídio qualificado, o qual vitimou Fábio Júnior Serafim Batista, vulgo “Bilú”.

Crime foi em Arraias, sul do Tocantins, em 2017. Polícia Civil acredita que morte esteja ligada a disputa pelo controle do tráfico de drogas na região.

Por sua vez, um menor de idade, que também participou do crime e que estava foragido, foi apreendido no dia 09 de março do corrente ano, na cidade Uruaçu/GO com a valiosa colaboração da Polícia Civil daquela cidade.  

Os dois suspeitos encontram-se recolhidos na Cadeia Pública da cidade de Arraias à disposição do Poder Judiciário.

Conforme apurado, Davi Rodrigues Izabel, em concurso com o adolescente infrator, durante a madrugada do dia 08 de julho de 2017, valendo-se de conhecimento prévio da ausência de tranca da porta dos fundos da residência da vítima, adentraram no imóvel e efetuaram dois disparos de arma de fogo contra Fábio Júnior Serafim Batista, enquanto este dormia, causando – lhe a morte.

Tão logo tomou conhecimento do fato, a equipe de policiais civis de Arraias, coordenada pelo delegado Ronan Almeida efetuou diversas diligências com o propósito de capturar e levar a justiça, os autores do grave delito que chocou e tirou o sossego dos moradores da cidade.

Durante as investigações, o delegado representou, junto ao Poder Judiciário, pela prisão preventiva de Davi e pela internação provisória do menor, as quais foram deferidas e devidamente cumpridas.

Conforme demonstraram as investigações, a prática do delito está ligada ao tráfico de drogas e o motivo da execução, seriam dívidas oriundas da mercancia de entorpecentes.

Rogério de Oliveira/Secom Segurança Pública

Quase 90 mil candidatos realizam concurso da Polícia Militar neste domingo no Tocantins

Certame visa preencher 1.000 vagas do Curso de Formação de Soldados e 40 vagas para o Cargo de Cadete I, no Curso de Formação de Oficiais.

A expectativa é grande para a maioria dos candidatos que vão realizar a prova do concurso da Polícia Militar do Tocantins neste domingo, 11, nos municípios de Alvorada, Araguaína, Araguatins, Arraias, Augustinópolis, Dianópolis, Formoso do Araguaia, Gurupi, Miracema, Natividade, Palmas, Paraíso, Porto Nacional, Sítio Novo, Taguatinga, Tocantinópolis e Wanderlândia.

O certame visa preencher 1.000 vagas do Curso de Formação de Soldados (CFSD), distribuídas em 900 vagas para candidatos de sexo masculino e 100 vagas para candidatas de sexo feminino; além de 40 vagas para o Cargo de Cadete I, no Curso de Formação de Oficiais (CFO), sendo 36 para homens e quatro para mulheres.

A classificação para ambos os cargos são compostas por cinco etapas: prova escrita de múltipla escolha e dissertativa; exame de capacidade física; avaliação psicológica; avaliação médica e odontológica; e investigação social do candidato, a fim de verificar a idoneidade moral, vida pregressa e conduta incompatível do candidato.

As provas objetiva e dissertativa, para o cargo de Oficial, serão realizadas no domingo, 11, no período da manhã. O portão de acesso ao local de realização da prova será aberto às 7 horas e fechado às 8 horas, observado o horário local. Já para o cargo de Soldado, as provas serão aplicadas no período da tarde. O portão de acesso ao local de realização das provas será aberto às 13h30 e fechado às 14h30.

“Desejamos a todos os candidatos que façam uma boa prova neste domingo. A Polícia Militar é uma das instituições mais admiradas e respeitadas do Tocantins e isso se reflete na quantidade de pessoas que almejam ingressar na corporação, por meio do expressivo número de inscritos nesse certame. Além de um emprego estável e com boa remuneração, os nomeados terão ótimas oportunidades de qualificação”, destacou o governador Marcelo Miranda.

Candidatos devem ficar atentos

A organização do certame orienta que os candidatos compareçam com antecedência mínima de 45 minutos do horário fixado para o fechamento do portão de acesso ao local de realização das provas. Os mesmos devem estar munidos de caneta esferográfica transparente de tinta azul ou preta, documento oficial de identificação com foto e o Cartão de Informação do Candidato, impresso por meio do site www.aocp.com.br.

A aplicação das provas objetiva e dissertativa terá a duração de quatro horas. A primeira etapa, de caráter eliminatório e classificatório, constará de uma prova dissertativa, consistindo em uma redação e uma prova objetiva composta por 60 questões (Língua Portuguesa, Raciocínio Lógico e Matemático, Atualidades e Conhecimentos Regionais, Noções de Direito, Noções de Informática e Normas Pertinentes à Polícia Militar).

Será considerado aprovado na prova escrita objetiva o candidato que acertar no mínimo 60% do total de pontos, devendo ainda obter o mínimo de um ponto em cada disciplina. Já a prova dissertativa, realizada juntamente à prova objetiva, terá o valor máximo de 25 pontos. O candidato deverá obter, no mínimo, 50% da pontuação máxima possível na redação, para não ser eliminado do concurso público.

A organização do concurso recomenda que o candidato não leve nenhum objeto ou equipamentos eletrônicos; impressos que não estejam expressamente permitidos ou qualquer outro material de consulta; relógio de qualquer espécie, óculos escuros ou quaisquer acessórios de chapelaria, além de outros descritos no edital.

É aconselhável também que os candidatos retirem as baterias dos celulares antes do acondicionamento no envelope, garantindo assim que nenhum som será emitido, inclusive do despertador caso esteja ativado.

Documento de Identificação

São considerados documentos de identidade as carteiras e/ou cédulas de identidade expedidas pelas Secretarias de Segurança, pelas Forças Armadas, pela Polícia Militar, pelo Ministério das Relações Exteriores, cédulas de identidade fornecidas por ordens e conselhos de classe, que, por lei federal, valem como documento de identidade, a Carteira de Trabalho e Previdência Social, bem como a Carteira Nacional de Habilitação com foto.

No caso de perda ou roubo do documento de identificação, o candidato deverá apresentar certidão que ateste o registro da ocorrência em órgão policial expedida há, no máximo, trinta dias da data da realização das provas objetiva e dissertativa e, ainda, ser submetido à identificação especial, consistindo na coleta de impressão digital.

Salários

Durante o período de formação, o subsídio do Aluno Soldado, em valores vigentes, é de R$ 2.215,10. O Aluno Soldado que obtiver aprovação no Curso de Formação será promovido ao Cargo de Soldado do Quadro de Praças Policiais Militares (QPPM), com remuneração prevista de R$ 4.455,46.

Já os aprovados no cargo de Oficial, durante o período de formação, o subsídio do Cadete I, em valores vigentes é de R$ 4.499,52. O Cadete que obtiver aprovação no CFO será declarado Aspirante a Oficial, permanecendo nesta graduação por um período mínimo de seis meses (interstício). O subsídio do Aspirante a Oficial, em valores vigentes, é de R$ 8.382,10.

A jornada de trabalho, durante toda a formação e carreira na PM, será em regime de tempo integral, com dedicação exclusiva, cujas atividades, de essencial interesse público, poderão se desenvolver no horário diurno e noturno, inclusive aos sábados, domingos e feriados.

T1noticias