Lula continua liderando nas pesquisas mesmo preso e Marina encosta em Bolsonaro

Sem Lula, 34% dos nordestinos declaram voto nulo ou branco nas eleições.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva segue na liderança da corrida eleitoral, mostrou a mais recente pesquisa do Datafolha, divulgada neste domingo, 15, uma semana depois de o líder petista ter sido preso no âmbito da operação Lava Jato.

Embora ainda lidere, o apoio a Lula diminuiu ante à pesquisa de janeiro. No melhor cenário agora, ele tem 31 por cento das intenções de voto, enquanto no final de janeiro seu melhor desempenho era de 37 por cento. O Datafolha ressalta, porém, que, como houve mudanças de pré-candidatos, não é possível fazer uma comparação direta entre as duas pesquisas.

Com Lula candidato, o deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ) segue isolado em segundo lugar. Sem o petista candidato, a ex-senadora Marina Silva (Rede) cresce e encosta no deputado, configurando empate técnico —Bolsonaro aparece com 17 por cento e Marina chega até 16 por cento.

A margem de erro da pesquisa, realizada entre 11 e 13 de abril com 4.194 pessoas em 227 municípios, é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Mas quem “lidera” quando Lula não aparece como candidato é o segmento dos votos brancos/nulo/nenhum, que chega a 24 por cento.

Com Lula candidato, Bolsonaro tem até 16 por cento e Marina, 10 por cento. O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) também cresce sem o petista no páreo, passando de 5 para 9 por cento.

Entre outros pré-candidatos, o Datafolha mostrou o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) com 6 por cento das intenções de voto, quando Lula aparece como candidato, e até 8 por cento sem Lula.

O ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles (MDB) tem 1 por cento nas duas situações, enquanto o presidente Michel Temer aparece com 1 por cento e até 2 por cento, respectivamente, com e sem Lula.

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa (PSB) tem 8 por cento, quando Lula é candidato, e chega a 10 por cento sem ele.

Apesar de Lula estar preso —cumprindo pena por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá (SP)—, o PT segue afirmando que seu principal líder é o candidato do partido nas eleições presidenciais de outubro.

Nos cenários sem Lula, o Datafolha considerou o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad ou o ex-ministro da Casa Civil e ex-governador da Bahia Jaques Wagner como potenciais candidatos do PT. Haddad aparece com 2 por cento e Wagner, com 1 por cento.

O Datafolha mostrou que 54 por cento das pessoas consideram a prisão de Lula como justa. Para 62 por cento dos pesquisados, o petista não disputará o pleito de outubro.

Por fim, o instituto de pesquisas disse que dois de cada três apoiadores de Lula votariam em alguém indicado por ele para as eleições caso o petista não possa mesmo disputar as eleições.

Entenda por que Lula não cai nas pesquisas mesmo após duas condenações

Ex-presidente segue na ponta ainda que declarado culpado, em primeira e segunda instâncias, em caso de corrupção envolvendo imóvel no Guarujá.

Pesquisas do Datafolha divulgadas após as condenações em primeira e segunda instâncias sofridas pelo ex-presidente Lula – uma em setembro e outra no final de janeiro – mostram que as punições não demoveram de parte considerável da população a intenção de voto no petista.

Em declarações ao Uol, cientistas políticos atribuem  o fenômeno a basicamente três motivos: alto índice de desconfiança no Judiciário, incerteza ou indiferença sobre as questões jurídicas envolvendo Lula e as viagens pelo Brasil feitas pelo ex-presidente, nas quais se defendeu da série de acusações que responde na Justiça.

“Esse quadro não é para questionar a qualidade do julgamento em pauta, mas apenas para dizer que os efeitos de uma ação de uma instituição que tem perdido credibilidade tende a ter um efeito reduzido sobre a intenção de voto”, explicou ao portal o coordenador da área de comportamento político da ABCP (Associação Brasileira de Ciência Política), Ednaldo Ribeiro.

Doutoranda em Ciência Política da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a pesquisadora Flávia Bozza Martins pontua que colocar em Lula a posição de grande vilão no que se refere à corrupção endêmica no país também conta.

A despeito de todo o movimento, tanto da mídia quanto do Judiciário, em dar saliência para este tema e de colocar o Lula nesse papel de uma pessoa que concentrou tudo o que se refere à corrupção nas últimas semanas e meses, a atenção um pouco a desconfiança institucional do brasileiro. Acho que isso oferece uma pista de por que isso não quis dizer muita coisa para o eleitor.”

Noticias ao Minuto

Donald Trump é eleito presidente dos EUA

Republicano contraria pesquisas e vence a democrata Hillary Clinton

O republicano Donald Trump venceu a candidata democrata Hillary Clinton na disputa pela presidência dos EUA, nesta quarta-feira 9. Contrariando diversas pesquisas de opinião, o bilionário foi eleito o 45º presidente dos EUA. Até o momento, ele atingiu 279 delegados, dos 270 necessários. Clinton tem 218. 

Trump surpreendeu ao vencer em importantes estados onde os eleitores ainda estavam indecisos: Carolina do Norte, Carolina do Sul, Flórida e Ohio. Com isso, sua campanha ganhou força. 

O chefe de campanha de Clinton, John Podesta, anunciou na madrugada desta quarta-feira 9 que a candidata democrata não discursará esta noite (no horário dos EUA), por considerar que o resultado da eleição ainda é incerto.

“Ainda estão contando votos e cada voto conta. Não teremos nada a dizer esta noite. Então me escutem: todos devem ir para casa agora, dormir um pouco. Teremos mais a falar amanhã”, disse Podesta no edifício em que a equipe de Hillary Clinton preparava uma festa.

Na prática, a declaração de Podesta significa que Hillary não planeja admitir de maneira imediata o resultado da eleição, uma tradição respeitada por todos os candidatos.

Desde que os resultados mostraram a clara tendência de uma vitória de Donald Trump na eleição presidencial, o clima no edifício Javits Center era claramente de espanto e frustração. 

Podesta disse aos eleitores presentes que eles devem saber que “suas vozes e seu entusiasmo significam muito para ela, e todo a equipe. Estamos muito orgulhosos de vocês. Estamos muito orgulhosos dela. Fez um trabalho fantástico, e ainda não terminou”.

Apoiadores de Hillary Clinton em Nova York reagem com apreensão aos resultados parciais da eleição
Apoiadores de Hillary Clinton em Nova York reagem com apreensão aos resultados parciais da eleição

Mercados reagem

Os resultados favoráveis a Trump derrubam os mercados nos EUA e na Ásia nesta quarta-feira. Em Nova York, o índice S&P 500 perdia 5,01% às 05H10 GMT (03H10 Brasília) e o tecnológico Nasdaq recuava 5,08%.

Wall Street havia fechado em alta na terça-feira 8, no rastro de pesquisas favoráveis à candidata democrata, Hillary Clinton.

A Bolsa de Londres recuava 4,44% no mercado a termo, horas antes da abertura do pregão, acompanhando a tendência geral dos mercados.

Em Tóquio, a Bolsa fechou em queda de 5,36%, com o índice Nikkei dos 225 principais valores recuando 919,84 pontos, a 16.251,54 unidades, em um pregão particularmente movimentado. Hong Kong perdia 2,3%, Xangai, 0,7%, Sidney, 2,4%, Seul, 2,8%, Cingapura, 1,4%, e Mumbai, 6%.

O ministério japonês das Finanças, a Agência de Serviços Financeiros e o Banco do Japão (BoJ) fizeram uma reunião de emergência para analisar a situação dos mercados diante da perspectiva da vitória de Trump.

O iene e o euro dispararam diante do dólar no final da manhã em Tóquio, com a moeda americana valendo 101,46 ienes, contra 105,47 antes dos resultados favoráveis ao republicano. O euro era cotado a 1,1222 dólar, contra 1,0989 dólar.

O peso mexicano desabou à medida em que os resultados mostravam Trump com desempenho superior ao de Hillary Clinton.(fonte:carta capital)