Amália Santana continua sob observação em UTI de hospital particular de Araguaína

A deputada tem 55 anos e o seu estado de saúde atual é considerado estável.

A deputada estadual Amália Santana (PT) continua internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital de rede privada de Araguaína.

A parlamentar sofreu um aneurisma cerebral hemorrágico na noite da última quinta-feira, 15.

Ele teve um mal estar e foi levada às pressas ao hospital, onde passou por cirurgia após o imediato diagnóstico.

A deputada tem 55 anos e o seu estado de saúde atual é considerado estável.

Confira nota na íntegra

A deputada estadual Amália Santana continua internada na UTI do Hospital Dom Orione em Araguaína.

Durante a noite ela teve uma sensível melhora. Sua situação é estável, mas ela continuará sendo monitorada até expirar o prazo de 72 horas, considerado pelo médico como período de maior risco.

A família agradece o apoio dos amigos, conhecidos e a todos aqueles que estão torcendo pela recuperação da deputada Amália Santana.

T1noticias

Suspeito de matar técnica de enfermagem e atirar na própria cabeça morre no hospital

José Humberto Nogueira estava internado no Hospital Geral de Palmas desde a semana passada. Informação foi confirmada pela Secretaria de Saúde, mas causa da morte ainda não foi divulgada.

Morreu na tarde desta quinta-feira (8) o suspeito de ter matado a técnica de enfermagem Juvenia Cunha de Sousa, 36 anos.

José Humberto Nogueira estava internado em estado grave no Hospital Geral de Palmas desde o último dia 31 de janeiro, quando foi encontrado com um ferimento de tiro na cabeça.

A informação foi confirmada pela Secretaria de Estado da Saúde, mas a causa ainda não foi divulgada. Nogueira era suspeito de matar a ex-companheira e ter atirado na própria cabeça. O crime aconteceu em uma kitnet, na quadra 804 Sul.

O crime está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP). Segundo a delegada responsável, algumas testemunhas foram ouvidas. Faltam ainda os depoimentos de parentes de Juvenia, que viajaram para acompanhar o velório dela.

Juvenia Cunha foi morta a tiros na região sul de Palmas (Foto: Reprodução/Facebook)

O crime

A técnica de enfermagem Juvenia Cunha de Sousa, 36 anos, foi morta a tiros na noite desta quarta-feira (31), em Palmas. O crime aconteceu em um conjunto de kitnets na quadra 804 Sul.

Segundo o Corpo de Bombeiros, a mulher foi encontrada sem vida ao lado de José Humberto Nogueira, que apresentava um ferimento na cabeça.

Segundo a Polícia Civil, a suspeita é de que o homem teria matado a mulher e depois atirado contra a própria cabeça. Ele foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência e levado para o Hospital Geral de Palmas (HGP) com vida.

G1 Tocantins

Prefeitura de Palmeirópolis anuncia reforma do Hospital Municipal

Mais uma grande notícia para os cidadãos de Palmeirópolis.

O prefeito Fábio Vaz anunciou na tarde desta sexta-feira (2), que o Hospital Municipal Francisco Macedo (HMFM), será totalmente reformado e equipado.

Segundo o prefeito, a obra já começou e a previsão é que seja concluída em seis (6) meses. Esta é a primeira vez que o hospital receberá uma reforma nesta proporção.

No segundo ano de trabalho, o prefeito e sua equipe fizeram levantamentos e trabalharam no projeto de um prédio moderno e dentro das normas legais.

A obra prevê a troca de piso, troca da fiação e das janelas, de toda cobertura, forro, pintura e troca de revestimentos, dentro das normas de especificação de unidades de saúde, troca do telhado, além da revisão do sistema de esgotamento, as luminárias também serão trocadas, tudo nos padrões sanitário da vigilância sanitárias.

Segundo o prefeito, a obra é uma reivindicação importante da comunidade. “A ideia é implantar melhorias nos diversos setores do hospital, visando assegurar o atendimento adequado a todas as pessoas que buscam solução para os seus problemas de saúde. O espaço do hospital será reformado, todo climatizado, leito computadorizado, televisores, com ambiente onde o paciente possa ser bem atendido e se trate com dignidade”, afirma.

Também serão reformadas lavanderia, cozinha, administração, espaço de repouso para médico e técnicos, banheiros, recepção sala de esterilização e almoxarifado.

O prefeito explicou que começou as obras no posto da Vila Bom Tempo, depois construiu mais duas UBS, transformando em um mega espaço para atendimento à saúde, todos com médico e dentista, faltava reformar o hospital. 

O secretário de saúde do município Nélio Oliveira, também está dando total apoio a reforma, acreditando que os trabalhos vão melhorar muito para equipe e as pessoas que necessitam usar o hospital e 

Toda esta obra do hospital e os equipamentos hospitalares, cerca de (um milhão e trezentos mil), para aparelho de ultrassonografia, raio x, dentre outros, tem o apoio da Câmara Municipal em parceria com seus representantes como: Senador Ataídes, Vicentinho Alves, Donizete e Katia Abreu, deputado federal Vicentinho Junior, Irajá, Gaguim e deputada estadual Josy Nunes.


Da redação

Prefeito morre após infarto em hospital de Goiânia

Segundo diretório do partido do político dele, Flávio Júnior Vilela passava por uma cirurgia no pâncreas. Ele deixa esposa e duas filhas.

O prefeito de Arenópolis, Flávio Júnior Vilela (MDB), morreu nesta sexta-feira (26), em Goiânia.

Segundo o diretório do partido, o político sofria de pancreatite e passava por uma cirurgia no Hospital Anis Rassi, quando sofreu um infarto fulminante e não resistiu.

A unidade de saúde informou por telefone, que não pode passar informações de pacientes da unidade.

Flávio tinha 29 anos, era casado e deixa esposa e duas filhas. O corpo dele foi levado para Arenópolis, onde está sendo velado, nesta tarde, no salão paroquial São Pedro. O enterro está previsto para ocorrer na manhã de sábado (27), ainda sem horário definido.

O vice-prefeito da cidade, Ovarci Vilela Faria (MDB), deve assumir a administração do município.

G1 Goiás

Parque Cesamar em Palmas sedia 6ª edição da “Caminhada Passos que Salvam” do Hospital do Câncer de Barretos

Em Palmas (TO), a caminhada será domingo, dia 26, às 8horas. 

Levar a conscientização sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil é a principal missão da “Caminhada Passos que Salvam”, a maior mobilização promovida pelo Hospital de Câncer de Barretos, simultaneamente, em centenas de cidades de todo o país.

Todos os anos, durante o último domingo do mês de novembro, a ação é realizada. A escolha da data está relacionada à proximidade com o “Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil”, celebrado no dia 23 de Novembro. Em 2017, a Caminhada acontecerá no dia 26/11 e a previsão é de que cerca de 650 cidades, em 19 estados do país (neste ano, incluindo os estados do Maranhão, Roraima e Rio de Janeiro) se unam em favor dessa causa.

Entre os sinais e sintomas mais comuns da doença, estão manchas roxas pelo corpo, dores de cabeça, vômito, perda de peso, fraqueza e dores nos ossos, sintomas que parecem comuns da infância e podem ser confundidos com doenças que acometem crianças e adolescentes, mas também podem ser o primeiro sinal de que há algo errado acontecendo.

De acordo com o diretor médico do Hospital de Câncer Infantojuvenil, Luiz Fernando Lopes, a unidade infantojuvenil do HCB tem todas as condições de tratar as crianças com a mesma qualidade dos países com alto nível de desenvolvimento (especialistas experientes, medicamentos adequados e uma excelente estrutura), mas nada disso impacta na vida das crianças se elas não chegarem precocemente para o tratamento. “Ainda há uma quantidade significativa de crianças chegando tardiamente em nossa instituição. O que falta é a conscientização de médicos, enfermeiros e familiares, e essa campanha é uma das melhores formas que encontramos para sensibilizar essas pessoas. Nós só alcançaremos níveis internacionais de cura se tivermos esse cenário favorável”, afirma.

Para a coordenadora da ação, Naima Kathib, o intuito da Caminhada é trazer à discussão essa conscientização de maneira lúdica, envolvendo toda a sociedade para permitir que aconteçam mais diagnósticos precoces e as chances de cura possam ser ampliadas para até 95%.

Em 2012, primeiro ano em que ocorreu a mobilização, 19 municípios do Estado de São Paulo e dois de Rondônia caminharam, levando a população, empresas e entidades para participar do evento. Já no ano seguinte, o número mais que quadruplicou: 80 municípios participaram da caminhada em oito estados. A terceira edição foi ainda melhor: 201 cidades em 11 estados brasileiros caminharam juntas, no mesmo dia e horário, levando mais de 150 mil pessoas às ruas. Em 2015, foram 306 cidades de 12 estados que caminharam, comprometidos na luta contra o câncer infantojuvenil. No ano passado, a “Passos que Salvam” mobilizou 300 mil pessoas em cerca de 500 cidades de todo o Brasil.

 Captação de Recursos

Além de disseminar essas importantes informações, a “Caminhada Passos que Salvam” também possui uma ação para arrecadar fundos para o tratamento dos pacientes no Hospital de Câncer Infantojuvenil. Ao adquirir um kit com camiseta, boné e ‘sacochila’, cada participante estará contribuindo com o valor de R$ 35,00, que será direcionado à instituição.

Em Palmas (TO), o local definido para a Caminhada é o Parque Cesamar, às 08h. Para obter mais informações e saber onde adquirir os kits, entre em contato  com a coordenadora do Hospital de Câncer de Barretos em Palmas, Ana Paula Bichuette, através do número (63)99944-8420 ou  acesse facebook.com/PalmasParaVida.

Sobre o Hospital de Câncer de Barrets

Excelência em oncologia, o Hospital registra 6.000 atendimentos/dia, 100% gratuitos. Acolhe pacientes de todo o Brasil, com profissionalismo e humanização, o grande diferencial da instituição.

Com 55 anos de história, o Hospital de Câncer de Barretos possui diversas unidades de tratamento e prevenção. Nas cidades de Barretos (SP), Jales (SP) e Porto Velho, encontram-se os hospitais que oferecem tratamento para as pessoas que já possuem o câncer.

Já os Institutos de Prevenção, que realizam exames de diagnóstico precoce, estão presentes nas seguintes cidades: Barretos (SP), Fernandópolis (SP), Porto Velho (RO), Ji-Paraná (RO), Campo Grande (MS), Nova Andradina (MS), Juazeiro (BA), Lagarto (SE) e Campinas (SP) – já em funcionamento. Macapá (AP) – projetos em andamento.

Novas parcerias estão sendo fechadas em Rio Branco (AC) e com o estado de Mato Grosso para a construção de um Centro de Prevenção. Já em Palmas (TO), estuda-se a construção de um Hospital de Câncer para tratamento da doença.

Nossos números de 2016:

Realizados 829.081 atendimentos a 151.883 pacientes, vindos de 2032 municípios e distritos de todos os estados brasileiros. Desse total, 10.194 atendimentos foram para 428 pacientes do Tocantins.

Cristiano Machado

Delegado baleado por PMs fala pela 1ª vez após sair do hospital

Marivan da Silva contou que ouviu um barulho e só percebeu que tinha sido atingido após sair do carro. PMs estão presos no Quartel do Comando Geral, em Palmas.

O delegado da Polícia Civil Marivan da Silva Souza, baleado durante uma ação de policiais militares em Guaraí, falou pela 1ª vez após sair do hospital em Palmas. Em recuperação, ele contou ao G1 que trafegava pela avenida principal da cidade, quando ouviu um barulho. Só depois que saiu do carro, percebeu que tinha sido atingido por tiros.

O caso aconteceu neste sábado (28) após os PMs confundirem o delegado com um criminoso. Souza levou três tiros, um na mão, um na orelha e outro de raspão na cabeça. Ele perdeu parte da orelha

O delegado, que mora em Colméia, disse que tinha saído da cidade por volta das 10h30 em direção a Guaraí. Ele estava a caminho da casa de um amigo, onde ia resolver assuntos de trabalho.

Estava andando devagar na avenida, não estava correndo, até porque o trânsito estava movimentado, quando ouvi um barulho. Encostei o carro e saí, só depois percebi que tinha sido baleado. Me falaram para deitar no chão e apontaram as armas. Aí falei que eu era delegado. Eu estava desarmado.

Ele contou também que no momento chegaram pessoas conhecidas, que confirmaram a identidade dele. Sem entender de fato o que ocorreu e evitando causar polêmicas, o delegado disse que vai deixar que o caso seja investigado.

Souza disse que se recupera bem e que provavelmente terá que passar por um procedimento estético já que ele perdeu parte da orelha.

Policiais presos

Neste domingo (29), a Justiça decretou a prisão preventiva dos quatro policiais militares suspeitos de atirar contra o delegado. A decisão é do juiz plantonista Ciro Rosa de Oliveira. Segundo ele, o objetivo é evitar que os militares destruam provas e interfiram no depoimento de testemunhas.

A prisão preventiva é contra os policiais Frederico Ribeiro dos Santos, João Luiz Andrade da Silva, Thiago Mariano Duarte Peres e Cleiber Levy Gonçalves Brasilino. A defesa dos policiais informou que vai entrar com Habeas Corpus junto ao Tribunal de Justiça do Tocantins para pedir a liberdade deles. 

Os militares estão presos no Quartel do Comando Geral da Polícia Militar, em Palmas e entregaram as armas e a viatura usadas na ação.Delegado foi baleado em Guaraí (Foto: Divulgação)

Entenda

As câmeras de segurança de um mercado flagraram a ação. Nas imagens é possível ver uma caminhonete com vários homens armados perseguindo o carro do delegado. Na sequência, várias pessoas que estavam na rua correm para dentro do comércio antes dos tiros começarem.

Em outro vídeo, feito por um cinegrafista amador, o delegado está deitado na rua após ser baleado três vezes e há vários policiais em volta gritando para que os moradores se mantenham longe do local.

Os disparos foram feitos por policiais da Companhia Independente de Operações Especiais da Polícia Militar, que estariam na cidade procurando suspeitos do assalto a um carro-forte na BR-153. Marivan da Silva Souza é o responsável pela delegacia de Colméia, também na região central do estado. O carro em que ele estava ficou com várias marcas de tiros.

O Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Tocantins (Sindepol) disse que acompanha o caso e que considera que a ação foi um ato ilegal da Polícia Militar. O sindicato afirma que o delegado estava em baixa velocidade, desarmado e sozinho e que foi abordado por PMs que não se identificaram, estavam sem uniforme e em uma viatura descaracterizada.

O Sindepol disse ainda que o caso demonstra que a PM extrapolou suas funções e que aguarda a conclusão da investigação e a condenação dos responsáveis.

Investigações do caso

O Governo do Tocantins informou que foram abertas duas investigações independentes sobre o caso. Uma está sendo conduzida pela Comando Geral da PM e outra pela Secretaria de Segurança Pública. O secretário de Segurança Pública, César Simoni, o delegado-geral da Polícia Civil, Claudemir Luiz Ferreira e o Coronel Glauber de Oliveira Santos, comandante geral da Polícia Militar, estão em Guaraí acompanhando o caso.

Assalto a carro-forte

O incidente aconteceu durante a operação montada para procurar os suspeitos de assaltar um carro-forte na tarde desta sexta-feira (28), entre Guaraí e Presidente Kennedy, na BR-153. O veículo foi explodido e o dinheiro levado pelos bandidos, que trocaram tiros com os seguranças do veículo. Ninguém ficou ferido.

As polícias, inclusive, fizeram um pedido para que os moradores da região onde ocorreu o assalto saiam de casa para evitar sequestros.

G1/TO

Temer passa mal e é levado a centro cirúrgico de hospital, diz TV

Ainda não há mais detalhes sobre o estado de saúde do presidente.

No dia em que denúncia por obstrução de justiça e organização criminosa deve ser votada, o presidente da República, Michel Temer, passou mal e foi encaminhado para o centro cirúrgico do Hospital do Exército, em Brasília (DF).

A informação foi divulgada pela jornalista Andréia Sadi, da GloboNews.

A assessoria de comunicação da Presidência da República ainda não se pronunciou, e não há mais detalhes sobre o estado de saúde do presidente.  

Agora há pouco, a sessão para votação do processo contra Temer foi adiada, no plenário da Câmara, por falta de quórum.

Além do presidente da República, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral) também são alvo da Procuradoria-Geral da República.

Noticias ao Minuto

Corpo de bebê que morreu em hospital de Palmas após queda de energia é enterrado

Corpo de bebê que morreu em hospital de Palmas após queda de energia é enterrado.

O corpo do bebê João Marques de Sá, de 10 meses, foi enterrado na noite desta quinta-feira (5), em Araguacema, região norte do Tocantins. A amiga da família, Mara Cleide, contou que o corpo chegou à cidade por volta das 20h e uma hora depois, foi realizado o enterro. O menino morreu na última quarta-feira (4) na emergência do Hospital Infantil de Palmas, após uma queda de energia durante chuva.

Mara disse que a família não tinha condições para fazer o embalsamento, por isso houve rapidez no enterro. “Os pais estão muito mal e revoltados. Estão indignados porque não precisava ter acontecido isso”, argumentou a assistente social, que mora em Palmas e deu suporte à família.

O bebê estava internado na unidade com pneumonia. Ele respirava com ajuda de aparelhos. Segundo os pais, o equipamento parou de funcionar quando o hospital ficou sem energia. O gerador que deveria evitar o transtorno também parou. Os médicos tentaram improvisar com uma extensão, mas não deu certo.

“A extensão que eles arrumaram não dava para ligar todos os aparelhos que tinham lá. Até a médica brigou, mas eles falaram que não poderiam fazer nada”, conta a mãe Larissa de Souza Sá.

Sem receber oxigênio pelo aparelho, João Marques de Sá, de 10 de meses, não resistiu. A dona de casa Deuziane Batista, que estava com a filha internada na unidade, presenciou o momento de aflição. “A gente ficou usando lanterna de celular e umas lanternas que ficam nas tomadas enquanto o gerador não voltava”.

Um trecho do laudo do Serviço de Verificação de Óbito diz que o bebê estava entubado com ventilação mecânica, faltou energia e o respirador não funcionou, então, foi tentado cateter nasal, sem êxito. Na certidão de óbito, o médico do IML, disse que o bebê morreu por causa de problemas respiratórios.

A Secretaria Estadual de Saúde confirmou que as frequentes quedas de energia causaram transtornos no Hospital Infantil, mesmo abastecido por um gerador e que em consequência disto, João Marques, morreu. A secretaria também informou que abriu uma sindicância para investigar a morte do bebê.

Menino morreu em hospital após queda de energia (Foto: Arquivo Pessoal)

João era o único filho de José Marques e da Larissa. Eles querem que o caso seja investigado. “Tinha que ter uma manutenção, tinha que fazer alguma coisa porque isso não pode acontecer com outras crianças. Meu bebezinho só tinha 10 meses”, disse emocionado.

Pais de bebê que morrem em hospital cobram investigação (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

G1/TO

Com demora na entrega de mamografias, hospital não adere ao Outubro Rosa

Espera por resultado de exames chega a cinco meses no Hospital Regional de Gurupi. Pelo menos 150 pacientes esperam o exame na cidade; são 483 mulheres aguardando em todo o estado.

Hospital Regional de Gurupi, no sul do estado, não aderiu à campanha do Outubro Rosa porque a unidade está com a entrega e realização de mamografias prejudicadas. O tempo de espera não deveria ultrapassar 30 dias, mas em alguns casos a demora passa dos cinco meses. 

O Outubro Rosa é importante para a conscientização sobre o diagnóstico precoce do câncer de mama. A demora na entrega dos exames registrada em agosto, mas o problema ainda não foi resolvido pela Secretaria de Saúde (Sesau).

Enquanto os laudos não chegam, a fila de novos agendamentos aumenta. Pelo menos 150 mulheres esperam para fazer o exame na cidade. Em todo o estado, são 483 pacientes aguardando. 

Além dos pacientes da cidade, o setor de mamografia do regional de Gurupi atende ainda pacientes de 17 cidades da região sul do estado.

A dona de casa Cassiana de Oliveira Xerente, por exemplo, está há quatro meses esperando o laudo. Com o comprovante de que fez o exame nas mãos, ela conta que foi cinco vezes atrás do resultado

“Até agora nada. Esse mês eu fui lá, cedinho [sic], e falaram para ir às 8h30. Voltei nesse horário, mas dizendo elas que não chegou. No final do ano tinha que fazer de novo, cadê? Fiz a primeira e até agora não saiu nada”, diz.

No caso da Ionice Morais, a previsão de entrega do laudo era no dia 3 de agosto. “Estou estes três meses esperando, aguardando e não estou sabendo de nada. Se tem alguma alteração, não tenho resposta do laudo”, reclamou.

“A gente fica sem saída. Tinha que sair o exame para eu poder mostrar para a médica. Aí não chega”, reclamou Cassiana de Oliveira.

A Secretaria de Estado da Saúde informou, em nota, que está reorganizando a agenda no hospital para agilizar a entrega dos laudos e normalizar os novos exames de mamografia na unidade.

G1/TO

Bebê morre após dar entrada em hospital de Gurupi para tratar queimadura no braço

A Secretaria Estadual da Saúde disse que a direção do hospital vai apurar o caso. Pais alegam que situação da criança piorou após ela tomar um medicamento na veia.

Uma criança deu entrada no Hospital Regional de Gurupi, sul do Tocantins, com uma queimadura no braço, mas acabou morrendo. Segundo os pais, Júlio Henrique Barbosa Ferreira começou a sentir mal após uma medicação que teria recebido na unidade. 

A Secretaria Estadual da Saúde lamentou a morte. Disse ainda que a direção do hospital vai instalar uma sindicância para apurar o caso.

A mãe Fabiana Ferreira conta que o bebê de um ano e seis meses se queimou em casa com um ferro de passar roupas. A queimadura de segundo grau afetou em parte o braço direito. Segundo ela, a criança não parava de chorar, e por isso procurou o hospital. Júlio deu entrada na unidade às 20h da última sexta-feira (11), e morreu menos de 24 depois. A mãe disse que ele piorou após tomar um medicamento na veia.

“Injetaram no soro e colocaram na veia dele. Eu saí do quarto e chamei meu marido. Quando ele entrou, ele estava em pé na maca e chamou: ‘Papai’. Ele chegou perto, o nenem encostou a cabeça no ombro dele e desmaiou, deu uma parada cardíaca”.

O pai do menino, Júlio Barbosa, disse que não suspeitava que a criança fosse alérgica a alguma medicação e que, apesar dos médicos terem perguntado sobre alguma restrição, nenhum teste foi feito.

“A gente veio para tratar só da queimadura. Meu filho chegou aqui nos meus braços, só chorando. Chegou bom, normal e eu achei que iria só passar uma pomada ou um remedinho e a gente iria voltar para casa no mesmo dia. Meu filho nunca tinha sido internado, eu não sabia que ele tinha alergia a algum medicamento”.

Os pais alegam que o hospital não teria dado a assistência devida a criança, já que a maternidade não conta com uma UTI neonatal. “Meu filho estava precisando ir para uma UTI e ninguém resolvia nada. Uma cidade dessa, desse tamanho, não tem uma UTI para criança?”, questionou a mãe.

Segundo consta na declaração de óbito, Júlio sofreu paradas respiratória e cardíaca, um edema agudo no pulmão e um choque anafilático.
G1/TO