Defesa pede que suspeito de matar filha de 2 anos com golpe de foice em Minaçú seja submetido a avaliação médica

Crime aconteceu no dia 29 de maio, em Minaçu. Avó e tio paternos buscaram criança na casa da mãe para ‘animar’ lavrador, que estaria em quadro depressivo.

O esponsável pela defesa do lavrador preso suspeito de matar a filha de 2 anos com um golpe de foice em Minaçu, na região norte do estado, o advogado Elisandrio Ramalho disse que pediu à junta médica do Tribunal de Justiça de Goiás que Fabiano de Souza Medeiros seja submetido a exame psicológico e internado.

O crime foi na última terça-feira (29). A avó e um tio paternos teriam buscado Ana Julya na casa da mãe com intuito de “animar” o lavrador, que havia dias estava em suposto quadro depressivo.

“Já solicitamos que seja acompanhado por equipe de profissionais que possa aferir com precisão o que aconteceu com dele. A família nos contou que de quatro a cinco dias antes do fato ele já estava sem conversar. Inclusive, a mãe dele procurou atendimento no Caps [Centro de Atenção Psicossocial] antes do crime”, disse o defensor.

O delegado responsável pelo caso, André Luís Barbosa Campos Medeiros, informou que o suspeito ficou em silêncio durante o depoimento. A intenção da Polícia Civil é tentar, mais uma vez, que ele conte o que aconteceu. Depoimentos da mãe do suspeito e de um dos irmãos devem ser colhidos nos próximos dias.

O lavrador Fabiano de Souza Medeiros, preso suspeito de matar a filha de 3 anos com golpe de foice, em Minaçu (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

O advogado se disse “preocupado” com a saúde do cliente. “Ele não conversa, não está se alimentado. Desde antes do fato ele vem apresentando anormalidades. Ele não fala com ninguém, perguntam, e ele não responde. Acredito que ele deu um surto de saúde, mas apenas a junta médica que pode aferir e fazer o devido diagnóstico.”

“A defesa pede que ele seja submetido a tratamento, a família está muito preocupada, só depois vamos ver o que fazer em relação à defesa dele. Nesse momento, a nossa preocupação é resolver o problema de saúde”, continuou Ramalho.

“Ele apresenta um quadro de enfraquecimento, de tristeza, uma pessoa abatida. As duas famílias estão abaladas, perderam alguém de valor, os irmãos, a mãe, não está sendo fácil para eles”, completou.

Thaynara Gonçalves e Ana Julya, em Minaçu, Goiás (Foto: Thaynara Gonçalves/Arquivo Pessoal)

Indignação

A dona de casa Thaynara Gonçalves, de 21 anos, diz que o ex-marido sempre foi violento durante o casamento, mas não imaginava que ele pudesse fazer qualquer coisa contra a filha. “Ele é um monstro, não é um homem”, disse.

Thaynara e Fabiano foram casados por um ano. A jovem conta que durante o relacionamento, sofria agressões por parte do rapaz. “Ele me batia, fugi várias vezes. Uma vez quase me matou quando estava grávida ainda. Foi por isso que separei”, contou.

Apesar disso, ela não esperava que ele pudesse fazer qualquer coisa contra a filha. “Ele era violento comigo, não com ela. Tanto que a Ana Julya sempre ia para a casa dele, voltava, não acontecia nada. Então isso causa uma revolta”, contou.

Mesmo depois de separada, ela conta que sofria ameaças do ex-marido. “Ele estava sempre bêbado, ou tinha fumado maconha, então não chegava a denunciar porque achava que isso era porque ele tinha bebido”, completou.

O crime

Segundo a Polícia Civil, o homem contou que estava deprimido, sentindo falta da filha e pediu para vê-la. A ex-sogra de Thaynara, então, buscou a menina na casa da mãe e levou até a residência de Fabiano.

No local, segundo a corporação, ele golpeou a menina com uma foice na cabeça. A mãe da vítima diz que não tem suspeita do que levou o ex a cometer o crime.

A família de Thaynara, no entanto, acredita que o crime foi causado por ciúmes. “A Thaynara já tinha casado novamente, teve um filho há sete dias, já está com um novo relacionamento há um ano e ele não aceitava”, contou a irmã de Thaynara, Rosania dos Santos Rosa.

O corpo de Ana Julya foi velado na casa dela, em Minaçu. O enterro aconteceu no dia 31, no cemitério municipal.

TRE convoca novas eleições para prefeito e vice de Niquelândia, em, Goiás

Novo pleito foi marcado para 3 de junho. O então prefeito, Valdeto Ferreira, foi cassado por improbidade administrativa.

O Tribunal Regional Eleitoral de Goiás marcou novas eleições para prefeito e vice-prefeito de Niquelândia, no norte de Goiás, para o dia 3 de junho. O pleito foi convocado após a chapa do então prefeito Valdeto Ferreira (PSB), ter o mandato cassado em fevereiro deste ano por improbidade administrativa em uma gestão anterior.

Segundo a Justiça Eleitoral, enquanto prefeito da cidade entre 1993 e 1996, Valdeto firmou um contrato para reforma de escolas no último ano de mandato. Porém, ao deixar o cargo, o político não conseguiu justificar o uso da verba destinada à educação municipal. A suspeita é de enriquecimento ilícito. Com isso, o Tribunal de Contas da União reprovou suas contas.

A reportagem tentou contato por telefone com o político desde as 9h de terça-feira (8), mas as ligações não foram atendidas. O G1 não conseguiu apurar junto ao TSE e TRE qual o valor da verba recebida e que não foi prestada conta do uso.

Valdeto foi eleito com 46,11% dos votos e assumiu em janeiro de 2016. Outros três políticos disputaram o processo. Sua diplomação foi sob júdice, pois ele esperava o julgamento do processo na Justiça Eleitoral.

Com a cassação da chapa, o vice-prefeito, Joscelino Correa das Neves (SD), também foi afastado. Pela decisão, Valdeto teve os direitos políticos cassados por oito anos e fica impedido de fazer contratos com o poder público.

Na segunda-feira (7), o desembargador Carlos Escher determinou que os partidos políticos têm até o dia 11 de maio para escolher e registrar os candidatos que disputarão a nova eleição.

Com relação aos eleitores, estarão aptos a participar do processo todos aqueles que estão em situação regular e com domicílio eleitoral em Niquelândia até o dia 3 de janeiro deste ano.

Atualmente a cidade é administrada pelo presidente da Câmara de Vereadores, Visconde Vieira (PSDC). A reportagem entrou em contato com o gabinete do vereador, mas ele não estava no local. 

Valdeto Ferreira, do PSC, foi prefeito de Niquelândia, Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

G1tocantins

Acidente deixa pastor morto, e filho dele ferido em Goiás

Carro deles bateu de frente com caminhão. Motorista do segundo veículo saiu ileso, segundo PRF.

Um pastor morreu e o filho dele ficou ferido após acidente na BR-364, em Mineiros, no sudoeste de Goiás. Nomes e idade ainda não divulgados.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o Fiat Palio em que os dois estavam bateu de frente a um caminhão e o motorista do segundo veículo saiu ileso.

O jovem ferido foi levado à Unidade de Pronto Atendimento da cidade, atendido e liberado, pois tinha ferimentos leves.

Ainda segundo a PRF, a pista no local é simples. Segundo a corporação, o carro das vítimas invadiu a pista contrária no momento do acidente, mas não é possível dizer o que levou à saída. O acidente ocorreu na noite de terça-feira (20).

A PRF informou ainda que o motorista do caminhão, que saiu ileso do acidente, passou por teste do bafômetro, que confirmou que ele não havia ingerido bebida alcoólica antes de dirigir. Ele também foi levado à Delegacia da Polícia Civil da cidade, ouvido e liberado.

G1 Goiás 

Travesti é morta a tiros em ponto de ônibus em Goiás

Segundo a Polícia Civil, Paola Oliveira, de 35 anos, teria sido baleada após pegar o celular de um cliente que se recusou a pagar o programa.

Uma travesti de 35 anos foi morta a tiros em um ponto de ônibus, na noite desta terça-feira (20) em Luziânia, no Entorno do Distrito Federal.

De acordo com a Polícia Civil, um homem se aproximou e, após uma discussão, atirou contra ela. A principal suspeita da corporação é a de que a vítima, identificada como Paola Oliveira, tenha sido morta por um cliente que se recusou a pagar o programa.

Segundo o delegado Maurício Passerini, do Grupo de Investigação de Homicídios (GIH), o homem se aproximou da travesti e atirou contra ela após ela se recusar a entregar um aparelho celular.

“O autor chegou ao local, conversou por alguns segundos. Em um dado momento ficou exigindo: ‘me dá meu celular, me dá meu celular’, e acabou atirando contra a vítima”, disse.

O caso ocorreu na noite de terça-feira, em um ponto de ônibus que fica em frente a um supermercado, em Luziânia. A travesti, que se identificava como Paola, era registrada como Paulo Sérgio Moreira da Silva.

De acordo com o delegado, o suspeito foi identificado por meio do carro usado no crime. O nome dele não foi divulgado.

“Temos o nome de um suspeito, que foi identificado após conseguirmos obter a placa do veículo em que ele teria chegado ao local onde matou a travesti. A nossa principal suspeita é a de que o homem se recusou a pagar o programa, a vítima reteve o celular dele e, no momento em que ele voltava para exigir a devolução, resolveu matá-la”, explicou.

O investigador informou que está fazendo novas diligências nesta quarta-feira, para ouvir novas testemunhas e localizar o suspeito do crime.

G1 Goiás

Acidente que matou família e deixou vice-prefeito ferido em GO ocorreu após carro invadir a pista contrária

Casal e filha de 4 anos estavam no veículo que entrou na contramão e bateu contra caminhonete, em que um passageiro também morreu. Político está internado.

O acidente que matou quatro pessoas, incluindo uma menina de 4 anos, e deixou dois feridos ocorreu após um carro invadir a pista contrária da BR-070, em Cocalzinho de Goiás, no Entorno do Distrito Federal, segundo informou a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Ocupado por um casal e a criança, o automóvel bateu de frente contra a caminhonete em que viajava o vice-prefeito da cidade de Cocalzinho, Alair Rabelo Neto (PSD), conhecido como Nenzão, e dois familiares. Um deles também morreu.

O acidente ocorreu por volta das 13h de sábado (11), no km 57 da rodovia. De acordo com a PRF, o Peugeot entrou na contramão e, ao se deparar com a Toyota Hilux, jogou para o acostamento na tentativa de evitar a colisão.

No entanto, o motorista da caminhonete fez o mesmo e os dois bateram de frente.

Família morreu em acidente de trânsito na BR-070, em Cocalzinho de Goiás (Foto: Facebook/Reprodução)

No Peugeot estavam José Augusto de Moraes, de 26 anos, a mulher dele, Fernanda Sena de Medeiros, de 25, e a filha do casal, Maria Júlia, de 4 anos. Os três morreram no local.

Já na Hilux havia três ocupantes. Bruno Abreu, que é namorado de uma filha de Nenzão, morreu no local. Já o vice-prefeito e o filho, Yago Azevedo, foram socorridos e levados ao Hospital de Urgências de Anápolis (Huana).

A unidade de saúde informou nesta segunda-feira (12) que o quadro de Alair é estável. Já o filho dele recebeu alta nesta manhã.

Vice-prefeito de Cocalzinho de Goiás, Alair Neto, e o filho dele, Yago Azevedo, ficaram feridos em acidente (Foto: Facebook/Reprodução)

Comoção

Bruno Abreu, namorado da filha do vice-prefeito, morreu no acidente em Cocalzinho de Goiás (Foto: TV Anhanguera/Reprodução

O namorado de uma filha de Nenzão, Bruno Abreu, que também estava no veículo, e os três ocupantes do outro carro morreram no local.

O casal e a filha tinham saído de Brasília em Direção a Jaraguá, no norte de Goiás. Como ambos estudaram na Universidade de Brasília, os centros acadêmicos de enfermagem e farmácia emitiram notas de pesar pela morte dos ex-colegas de curso.

“A vida é frágil, e todos os dias vemos com mais clareza e com mais certeza essa verdade. Com tristeza, pedimos orações e boas energias, já que não será fácil lidar com a juventude de 3 pessoas perdidas”, disse o diretório de farmácia.

“Fernanda era uma grande estudante, mãe, esposa e amiga, que com muito esforço e determinação alcançou a sua tão sonhada graduação, deixando sua marca na vida de todos que a conheceram e puderam ter o prazer de conviver com essa pessoa maravilhosa”, lamentaram os alunos de enfermagem.

G1 Goiás

Homem dá ré em carro e mata bebê da namorada em Goiás

Mulher ficou abalada e não conseguiu prestar depoimento; menino tinha 1 ano e 5 meses. Delegado disse que porção de maconha foi encontrada na casa, no Bairro do Sossego.

Um homem de 36 anos foi preso, na manhã desta quinta-feira (8), suspeito de dar ré no carro dele e matar o filho da namorada, de 1 ano e 5 meses, em Iporá, região central de Goiás.

Ainda não há informações exatas sobre como o acidente aconteceu, mas a suspeita é de que o menino estivesse engatinhando e tenha sentado atrás do veículo.

De acordo com o delegado Ramon Queiroz, a mãe, que tem 18 anos, e o menino passaram a noite na casa do homem. Pela manhã, quando ela quis ir embora, o homem foi para a garagem tirar o carro dele, para que o dela ficasse liberado. O acidente aconteceu no Bairro do Sossego.

“Tinha dois carros: o dela na frente e o dele atrás. Ele ia tirar o dele para ela poder sair. Ele abriu o portão, o som já ligou e ele deu ré. Ele não viu o menino. A mãe já veio de lá gritando e foi a hora que ele viu, pela reação da mãe”, diz o delegado. “A roda passou por cima da cabeça da criança, que morreu na hora.”

O casal está junto há cerca de seis meses. Em depoimento, o homem contou que fez uso de maconha à noite junto com a namorada. Na casa, foi encontrada uma porção da droga. Ele se recusou a ser submetido a exame toxicológico.

“Não conseguimos ouvir a mãe. Ela estava muito abalada, não conseguia falar, não conseguia dizer nem o nome dela. Ela vai fazer o exame para detectar possível presença de drogas”, explicou Ramon.

“Realmente foi um acidente. Não pode falar que ele tinha intenção de tirar a vida da criança. Não é possível nem afirmar que o uso de drogas possa ter influenciado”, completou.

O homem vai ser indiciado por homicídio culposo, cuja pena prevista no Código Penal varia entre um e três anos de prisão, e por posse de droga, uma contravenção penal.

G1 Goiás

Empresário é morto com cacos de vidro dentro de quarto em motel

Namorada também estava no local e teve vários ferimentos pelo corpo.

Um empresário foi morto dentro do quarto de um motel em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital, na noite deste domingo (4).

Ele teve várias perfurações no pescoço aparentemente feitas por caco de vidro de garrafas deixadas no quarto.

Segundo a Polícia Civil, a namorada dele estava no local e também ficou ferida.

Segundo apurado, os investigadores suspeitam que o casal estava no quarto quando se desentenderam.

A mulher foi encontrada no local com vários ferimentos pelo corpo. Ela foi levada para o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo).

Não há informações sobre o quadro de saúde dela. A polícia investiga a motivação do crime.

Noticias ao Minuto

Vereador é preso suspeito de mandar matar radialista em Goiás

Questões políticas e ciúme motivaram crime, diz polícia; vereador José Eduardo Alves da Silva (PR) nega. Jornalista conduzia programa de rádio polêmico na cidade.

O vereador José Eduardo Alves da Silva (PR), de 39 anos, foi preso nesta sexta-feira (9) suspeito de mandar matar o radialista Jefferson Pureza Lopes, 39 anos, em Edealina, no sul de Goiás.

Segundo a Polícia Civil, ele planejou o crime por questões políticas e por a vítima ter se relacionado com a ex-mulher dele. O político nega, informou a corporação.

“O motivo foi um misto de questões políticas com passional. Ele vinha carregando a vontade de eliminar a vítima e o estopim foi quando descobriu que a ex-mulher tinha se relacionado com o radialista”, explicou o delegado responsável pelo caso, Quéops Barreto.

Outros dois homens e um adolescente também foram detidos suspeitos de envolvimento no crime. Nenhum dos presos foi apresentado à imprensa.

De acordo com a investigação, o caseiro Marcelo Rodrigues Santos, de 39 anos, era amigo do vereador e intermediou o contato entre os executores e o mandante. Ele foi preso na fazenda em que trabalha, em Edealina.

Já os supostos executores foram localizados em Aragoiânia, também na região sul do estado. Um deles é o dono de um lava a jato da cidade, Leandro Cintra da Silva, de 23 anos, e o outro é um adolescente de 17 anos.

Ao delegado, o vereador alegou que já havia planejado matar o radialista em duas ocasiões, sendo a primeira em janeiro de 2017, quando foi descoberto e desistiu de ordenar o crime.

A segunda vez que o político pensou em matá-lo foi em dezembro do ano passado, após descobrir que a mulher, de quem tinha se separado em novembro, havia se relacionado com o rival. Apesar das tentativas, ele negou ter concluído o plano.

Policiais civis prendem suspeito de matar radialista em Edealina, em Goiás, a mando de vereador (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Lopes foi encontrado morto em 17 de janeiro, na casa em que morava. Ele foi atingido por três tiros no rosto. Ele era conhecido por conduzir programa de rádio polêmico na cidade.

Após a morte do jornalista, a Polícia Civil montou uma força-tarefa para investigar o crime, o que resultou na Operação Nuntius, realizada nesta manhã. A ação contou com 20 servidores das delegacias de Edealina, Acreúna, Rio Verde e do setor de inteligência.

Ameaças

Um amigo dele, o agropecuarista Márcio Carlos de Souza, 36 anos, disse que ele era ameaçado de morte por ligações anônimas.

“Ele recebia ligações anônimas de pessoas dizendo que se ele gostasse da família e dos filhos para ele parar com denúncias, se não ele morreria. Falavam para não deixar o carro aberto, que iam colocar droga lá dentro para incriminar ele”, disse.

G1 Goiás

Homem é condenado a 125 anos de prisão por estuprar a filha por dez anos em Goiás

Vítima teve quatro filhos com o pai. Mãe da garota também pegou 45 anos de detenção por ser conivente com os atos.

Um homem de 52 anos foi condenado a 125 anos de prisão por estuprar a filha por dez anos em Itaberaí, na região central de Goiás. Já a mãe dela pegou 46 anos de detenção por ter sido omissa quanto aos abusos. A vítima teve quatro filhos com o próprio pai.

A sentença é do juiz Gustavo Braga Carvalho. Além da prisão do casal, o magistrado determinou que eles paguem R$ 200 mil de indenização por danos morais à vítima.

Carvalho ainda condenou um amigo da família a oito anos de reclusão no regime semiaberto por ajudar a encobrir o crime. Ele registrou no nome dele os filhos que a vítima teve com o pai.

Abusos

Os abusos começaram em 2002, quando a vítima tinha 11 anos, sob violência e ameaças de morte até a primeira gravidez, em 2006. Ao ser constatada a gestação, ela foi submetida à força a uma tentativa frustrada de aborto.

A denunciante revelou que os estupros aconteceram mesmo quando ela estava grávida e durante o resguardo. Após o nascimento do segundo filho, os abusos cessaram por alguns meses, mas voltaram a acontecer até 2012.

“Nota-se, de forma clara, períodos de cessação delitiva. Ali, com apoio no diário escrito pela jovem, onde ela especifica datas e, inclusive, os locais das agressões, torna-se passível a determinação mais precisa das séries de crimes praticados pelo réu no curso de tempo examinado separadamente”, explica o juiz na decisão.

Ao longo de uma década, a vítima engravidou seis vezes, sendo que ocorreram dois abortos. A jovem só teve coragem de denunciar o pai aos 23 anos. Exames de DNA comprovaram a paternidade das crianças.

De acordo com o relato da vítima, a mãe tinha conhecimento dos estupros, mas não participava dos atos. Para o magistrado, a mulher falhou no dever de resguardar os direitos da filha: “Total inércia no sentido de proteger a liberdade e a dignidade sexuais e psicológica da vítima, levando à supressão da dignidade e do direito à vida e à segurança pessoal da jovem”.

G1 Goiás

Acidente com ônibus que saiu do Tocantins destino Goiás, deixa nove feridos

Entre os que se machucaram está uma criança de 3 anos. Segundo os bombeiros, por causa da neblina, o motorista do coletivo não viu que um caminhão estava parado ocupando parte da pista.

Um acidente com um ônibus deixou nove passageiros feridos na GO-080, entre São Francisco de Goiás e Petrolina, na região central do estado, nesta terça-feira (6). Entre eles está uma criança de 3 anos.

O ônibus da empresa Rápido Marajó transportava 19 passageiros e saiu de Dianópolis, no Tocantins, em direção a Goiânia. O acidente aconteceu cerca de 100 km antes do destino, por volta das 6h.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, um caminhão que transportava uma máquina agrícola ficou sem combustível. Por isso, o caminhoneiro teve de parar o veículo que, por ser largo, ocupava o acostamento e parte da pista.

Segundo o relato do motorista do ônibus aos bombeiros, ele trafegava pela pista da direita e não viu o caminhão parado, pois havia muito neblina no momento. Quando visualizou o caminhão, o condutor não conseguiu desviar totalmente.

“A lateral do ônibus saiu pegando nas lâminas do trator. Pegou a lateral todinha, saiu cortando a lataria, cadeiras”, detalhou o comandante do Corpo de Bombeiros em Jaraguá, major Ézio Antônio de Barros.

Máquina agrícola que estava sobre o caminhão tombou após a batida na GO-080, entre São Francisco e Petrolina (Foto: Corpo de Bombeiros/ Divulgação)

Com o impacto, a máquina agrícola se deslocou para a cabine do caminhão, mas o motorista não se feriu. “O condutor estava em cima da carroceria pegando combustível do trator para por no caminhão. Ao ver quer o ônibus não ia parar, ele pulou”, contou o major.

Instrutor de motorista da Rápido Marajó, Elder José Francisco da Silva informou que os passageiros que não se machucaram já foram levados para Goiânia. Ele disse ainda que a empresa está prestando a devida assistência aos feridos.

Feridos

Os bombeiros explicaram que duas mulheres ficaram gravemente feridas, foram socorridas no local e levadas para o Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), em Goiânia. Como os nomes delas não foram divulgados, a unidade de saúde não conseguiu localizá-las para informar o estado de saúde das pacientes.

Os outros sete feridos foram levados ao Hospital de Jaraguá. De acordo com o médico Jimmy Joy Campos, um paciente tem estado regular e será transferido para outra unidade de saúde. Os demais estão bem, mas precisam de mais cuidados.

“É bom o estado deles, não correm risco de vida, mas temos que medicar e deixá-los em observação”, explicou o médico.

Lâminas da máquina agrícola cortaram a lateral do ônibus em acidente na GO-080 (Foto: Corpo de Bombeiros/ Divulgação)

G1 Goiás