Estudante de 14 anos morre atingida por raio na porta de casa no Tocantins

Cleidiane Lima Rodrigues estava na área de casa, em Araguatins, esperando a chuva passar quando o raio atingiu a fiação elétrica do local. A adolescente estava descalça e morreu na hora.

Um raio matou a estudante Cleidiane Lima Rodrigues, de 14 anos, no começo da noite desta quarta-feira (10). A adolescente estava na área de casa, no povoado Falcão, em Araguatins, quando o acidente aconteceu.

A informação de amigos da família é de que a descarga elétrica atingiu a fiação do imóvel antes de chegar em Cleidiane, que morreu na hora. Um tio dela e outro adolescente tiveram ferimentos leves.

A professora de Cleidiane, Elianes Eduardo de Souza, disse que a jovem estava prestes a começar o 7ª ano do ensino fundamental. Ela morava com os avós na casa onde o raio caiu.

De acordo com a professora, uma forte chuva atingiu a cidade no final da tarde e veio com muitos raios e relâmpagos.

O corpo de Cleidiane foi levado para o Instituto Médico Legal de Tocantinópolis e ainda não há informações sobre o enterro.

Outro caso

No dia 2 de janeiro a dona de casa Maria Edileusa Campos Ferreira, de 52 anos, também morreu ao ser atingida por um raio. O caso foi debaixo de uma árvore na zona rural de Pau D’arco, no norte do Tocantins. O acidente também deixou a filha dela de 16 anos e duas sobrinhas feridas.

A filha contou que eles perceberam o tempo fechando e se preparavam para deixar o local quando o raio caiu na árvore.

As sobrinhas, Alessandra dos Santos Silva e Renata dos Santos Silva, precisaram ficar em observação no hospital. Os ferimentos da filha, Elaine Beatriz Campos da Silva, foram mais leves.

G1 Tocantins

Estudante de direito morre em acidente em Palmas envolvendo moto e viatura da PM

No acidente o estudante de Direito, Jeferson Rodrigues, faleceu em decorrência dos ferimentos.

Um grave acidente ocorrido à meia noite desta quarta-feira, 25, na região Sul de Palmas, envolvendo uma viatura da Polícia Militar e uma motocicleta, deixou uma vítima fatal. No acidente o estudante de Direito.

O acidente ocorreu na Marginal Oeste, em frente ao supermercado Quartetto, no setor Santa Bárbara. Conforme informações iniciais apuradas pelo T1 Notícias, dois rapazes que estavam na motocicleta haviam sido assaltados e estavam a caminho da delegacia para registrar a ocorrência.

Segundo a PM, o motorista da viatura revelou que os policiais trafegavam pela marginal Oeste, no sentido Norte/Sul, para atendimento de uma ocorrência de acidente de trânsito com vítima na Avenida Goiás, no setor Santa Bárbara. “Nas proximidades do supermercado Quartetto, a motocicleta Honda CG 150, vermelha, saiu da Rua 19-A, no sentido oeste/leste, adentrando na marginal oeste, sem observar o tráfego local, colidindo na viatura”.

Ainda segundo a PM, o condutor da viatura perdeu o controle da direção, levando o veículo a capotar várias vezes. Os policiais militares foram encaminhados ao Hospital Geral de Palmas com lesões, onde foram atendidos e tem quadro de saúde estável. O passageiro da motocicleta também foi atendido no HGP com lesões. O corpo do estudante foi encaminhado ao Instituto Médico Legal de Palmas.

Jeferson Rodrigues tinha 21 anos e cursava o 4º período de Direito no Centro Universitário Luterano de Palmas (Ceulp/Ulbra).

Viatura da PM teria capotado várias vezes.
T1noticias

Corpo de estudante morto ao cair em máquina na UFG é enterrado em Goiânia

Universitário participava de uma aula prática quando acidente aconteceu. Centenas de pessoas acompanharam o sepultamento.

O corpo do estudante de medicina veterinária Lucas Silva Mariano, de 21 anos, foi enterrado neste domingo (25) no Cemitério Jardim das Palmeiras, em Goiânia. O universitário morreu após cair em uma máquina para preparar ração para o gado, na Universidade Federal de Goiás.

Centenas de pessoas acompanharam o sepultamento do jovem. “Ele era sorridente. Esse tanto de gente aqui é porque ele era especial e é isso que vai ficar. A saudade aperta, dói demais”, disse Arthur Silva Moreira, primo de Lucas.

Em redes sociais, muitos amigos e familiares lamentaram o acidente. “Agora um anjo novo povoa o além, uma estrela nova ilumina o céu, mas o mundo ficou mais pobre com a partida do nosso querido amigo. Mas para sempre ele viverá em nossos corações, em nossas saudades e principalmente na memória e constante lembrança da vida que foi a sua, e da pessoa maravilhosa que foi em vida”, escreveu um amigo.

Amigo publica homenagem a estudante da UFG que morreu em acidente (Foto: Reprodução/ Facebook) Acidente
Amigo publica homenagem a estudante da UFG que morreu em acidente (Foto: Reprodução/ Facebook)
Acidente

Acidente

O universitário estava acompanhado de um amigo no momento do acidente, no sábado (24). Testemunhas contaram que Lucas estava em um trator durante uma atividade prática do curso. Em seguida, ele caiu dentro da máquina, que é movida pelo trator e processa a ração que é jogada no coxo para os animais. Ainda não há mais informações sobre como o acidente aconteceu.

A Universidade Federal de Goiás informou, em nota, que lamenta a morte do aluno e que, junto com a direção do curso, vai dar todo o apoio às investigações.

A Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios registrou o caso. Porém, como a área é de competência da Polícia Federal, ainda não se sabe qual corporação investigará a morte de Lucas.

Lucas Silva Mariano morreu ao cair em máquina de ração na UFG (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Lucas Silva Mariano morreu ao cair em máquina de ração na UFG (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

G1/GO

Estudante esfaqueada em tentativa de assalto está internada em estado grave

Ela foi abordada quando estava em ponto de ônibus em frente a faculdade da UFG, em Goiânia.

Piorou o quadro de saúde da estudante de farmácia Sabryne de Oliveira Souza, de 24 anos, que foi atingida por uma facada durante uma tentativa de assalto em um ponto de ônibus em frente à Faculdade de Direito da Universidade Federal de Goiás (UFG), na capital. O Hospital de Urgências de Goiânia, onde ela está internada, informou que o estado da paciente passou de regular para grave.

De acordo com o boletim médico atualizado às 10h30, Sabryne está internada em um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) sem sedação e respirando com o auxílio de aparelhos. A jovem passou por uma cirurgia na noite de segunda-feira (19), horas depois de ser atingida.

Após ser esfaqueada, a vítima correu para a Faculdade de Direito. O diretor da unidade, Pedro Sérgio dos Santos, contou que a jovem pediu socorro aos funcionários da universidade. Ela foi atingida no tórax.

“O pessoal que estava lá ajudou ela chamando o Samu [Serviço de Atendimento Móvel de Urgência], e ela foi levada para o hospital”, disse.

Até as 11h desta terça-feira, o caso não havia sido registrado na Polícia Civil. Segundo a corporação, assim que o procedimento for feito, será encaminhado para o 9º Distrito Policial, responsável por investigar casos da região.

A UFG afirmou, por meio de nota, que a vítima foi assaltada em um ponto de ônibus na Praça Universitária e que “a equipe de segurança que atua na Faculdade de Direito, onde a jovem pediu ajuda, tomou providências no sentido de acionar o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu)”.

 G1/Go

Estudante é esfaqueada após tentativa de assalto em ponto de ônibus

Vítima conseguiu chegar à Faculdade de Direito e pediu ajuda. Funcionários da universidade chamaram o Samu, que a levou para o hospital.

A estudante de farmácia Sabryne de Oliveira Souza, de 24 anos, foi ferida com uma facada após uma tentativa de assalto em um ponto de ônibus em frente a Universidade Federal de Goiás (UFG), nesta segunda-feira (19), no Setor Leste Universitário em Goiânia. Após ser atacada, a vítima correu para a Faculdade de Direito da UFG, onde recebeu ajuda. Ela tem estado de saúde regular e passa por cirurgia no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo).

O diretor da Faculdade de Direito, Pedro Sérgio dos Santos, contou que a jovem foi ferida e pediu socorro aos funcionários da universidade. “O pessoal que estava lá ajudou ela chamando o Samu [Serviço de Atendimento Móvel de Urgência] e ela foi levada para o hospital”, disse.

Conforme o Samu, a vítima levou uma facada no tórax e foi socorrida dentro da Faculdade de Direito. Após o atendimento ela foi levada para o Hugo.

A unidade de saúde informou por meio de nota que a paciente tem estado de saúde considerado regular, foi “submetida a exames de imagem e foi encaminhada ao Centro Cirúrgico, onde passa por procedimento cirúrgico”.

A assessoria de imprensa da Polícia Militar (PM) informou que a ocorrência ainda não foi registrada. O 9º Distrito Policial, responsável pela região, também disse que não recebeu denúncias da tentativa de assalto.

A UFG afirmou, por meio de nota, que a vítima foi assaltada em um ponto de ônibus na Praça Universitária e que “a equipe de segurança que atua na Faculdade de Direito, onde a jovem pediu ajuda, tomou providências no sentido de acionar o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu)”

G1/GO

Justiça dá prazo para Estado fazer manutenção na Casa do Estudante de Palmas

Governo tem 45 dias de para fazer as reformas no local sob pena de multa diária. Segundo o DPE, o local apresenta extremo risco e ameaça à integridade dos alunos.

A Justiça deu prazo de 45 dias para que o Estado realize manutenções na Casa do Estudante de Palmas. As obras são serviços elétricos e hidráulicos, além da limpeza do local e pagamento das faturas atrasadas de água e energia, para evitar a suspensão do fornecimento. Segundo a Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE), a situação do local é precária e apresenta extremo risco e ameaça à integridade física dos alunos.

A decisão é da Juíza Célia Regina Regis que acatou pedido da Defensoria, feito em fevereiro, para que o Estado a fizesse as reformas com urgência. Na última terça-feira (23) foi fixado o prazo de 45 dias para o cumprimento das medidas. Em caso de descumprimento, o Estado pode pagar multa diária de R$ 1 mil, limitada a R$ 30 mil.

Entre os problemas existe irregularidades nas fiações elétricas, assim como as portas, vidros e pinturas, que estão em péssimo estado de conservação. O prédio também possui infiltrações e o fornecimento de água e energia foram cortados várias vezes por falta de pagamento.

Segundo o Defensoria, as unidades da Casas do Estudante em Araguaína, Gurupi e Porto Nacional serão vistoriadas para constatar possíveis problemas.

O abrigo deveria ser de responsabilidade da Secretaria de Educação, Juventude e Esporte, mas os próprios estudantes arcam com a gestão. Ainda de acordo com os estudantes, desde a fundação do prédio, em julho de 2008, a casa não passou por nenhuma reforma.

Aguardando posicionamento do governo.

G1/TO

Marido e mais dois são presos suspeitos de matar estudante

Segundo polícia, motivação do crime seria uma suposta traição da vítima. Thaís Alves Pereira, 20, foi morta com um tiro na cabeça após sumir por 5 dias; corpo foi achado em decomposição.

A Polícia Civil prendeu três homens suspeitos de matar a estudante Thaís Alves Pereira, de 20 anos, cujo corpo foi encontrado em um matagal de Luziânia, no Entorno do Distrito Federal. Entre os detidos, está o marido da vítima. De acordo com as investigações, o crime foi cometido sob a alegação de supostas traições praticadas pela jovem.

O trio foi apresentado pela polícia na quinta-feira (18). O marido de Thais, Denilson Oliveira, foi preso apontado como mandante do crime. Já Francisco Oliveira Santos seria o autor do homicídio. Por fim, Jonhs Mariano de Sousa emprestou o carro usado no crime.

O corpo de Thais foi localizado no último dia 31 de janeiro, em avançado estado de decomposição. A perícia constatou que ela havia sido morta com um tiro na cabeça. Na ocasião do crime, a família informou que ela tinha sido vista pela última vez cinco dias antes, entrando em um carro de cor prata.

 do e mais dois são presos suspeitos de matar estudante em Luziânia (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

O delegado regional de Luziânia, Rodrigo Mendes, afirmou que a motivação passional não pode ser usada como pretexto para o assassinato. “A motivação do crime, pelo que a Polícia Civil apurou, teria sido traições praticadas por parte da vítima. Mas isso não justifica a prática de um homicídio”, desataca.

Dois carros usados no crime serão submetidos à perícia para verificar se há ou não marcas de sangue da vítima. Francisco já era investigado por outro homicídio cometido na cidade.

Os suspeitos estão presos preventivamente. Eles devem responder por homicídio triplamente qualificado. Se condenados, podem pegar até 30 anos de prisão.

G1/Go

Estudante é estuprado por colega em escola

Crime ocorreu no Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Sul (Premen-Sul) de Teresina.

A polícia de Teresina prendeu um estudante acusado de ter estuprado um colega dentro do Programa de Expansão e Melhoria do Ensino Sul (Premen-Sul), na zona sul da cidade. Segundo o G1, a vítima foi encontrada debilitada e pedindo ajuda por outros dois estudantes, que identificaram o suspeito com as mãos ensanguentadas dentro de um dos banheiros da instituição.

Um aluno contou ao G1 que esta é a segunda vez na qual o suspeito envolve-se com crimes sexuais. “Na semana passada esse mesmo agressor foi flagrado dentro do banheiro feminino tentado filmar e olhar as meninas. Agora foi essa violência toda”, disse o garoto, que preferiu não se identificar.

A vítima foi levada para o hospital e prestará depoimento em breve. O suspeito foi encaminhado à Central de Flagrantes de Teresina. Não há informações sobre a identidade ou a idade dos envolvidos. 

Noticias ao Minuto

Amigos de estudante agredido por PM em protesto fazem vigília no pátio de hospital

Segundo amiga, cerca de 300 pessoas compareceram ao ato. Mateus Ferreira da Silva, de 33 anos, está internado em estado grave, porém estável.

Amigos do estudante Mateus Ferreira da Silva, de 33 anos, agredido pelo capitão da PM Augusto Sampaio, durante um protesto, em Goiânia, fizeram uma vigília no pátio do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), onde ele está internado. De acordo com a unidade de saúde ele sofreu traumatismo cranioencefálico (TCE) e múltiplas fraturas. O estado de saúde dele é grave, porém estável. O paciente não corre risco de morrer.

O intuito é fazer uma corrente pela recuperação do rapaz. Entre as pessoas que queimaram velas em nome de Mateus na noite de terça-feira (2), estavam, além de amigos, outros estudantes e professores da Universidade Federal de Goiás (UFG), onde ele cursa ciências sociais.

Uma amiga de Mateus, que preferiu não se identificar, disse que cerca de 300 pessoas participaram do ato. “Fomos dar apoio e solidariedade para ele e para a família. Foram muitas pessoas, inclusive algumas que nem o conheciam. Ele teve uma melhora, graças a Deus, e vai se recuperar logo”, afirmou.

O estudante foi agredido durante protesto em Goiânia contra as reformas trabalhista e da previdência, no último dia 28 de abril. Na ocasião, mascarados entraram em confronto com policiais militares, momento em que o estudante foi atingido e ficou caído no chão. O capitão saiu correndo. Já o rapaz recebeu os primeiros socorros de outros manifestantes.

G1/Go

Afastado após bater em estudante, capitão da PM já se envolveu em outros casos de agressão

Apesar disso, Augusto Sampaio não tem punições e acumula 34 elogios na ficha funcional. Manifestante que levou golpe de cassetete está internado em estado grave.

Afastado das ruas após a agressão ao estudante Mateus Ferreira Silva, de 33 anos, o capitão da Polícia Militar Augusto Sampaio de Oliveira Neto está na corporação há 12 anos e acumula, na ficha funcional, 34 elogios. Ainda segundo as notações, ele nunca recebeu uma punição, mas já se envolveu em pelo menos quatro ocorrências de agressão, inclusive contra menores em situação de rua. Os casos ocorreram entre 2008 e 2010.

Mateus, que cursa ciências sociais, está internado em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital de Urgências de Goiânia. Um vídeo mostra em detalhes o momento em que ele leva um golpe de cassetete no rosto durante um protesto na capital, na última sexta-feira (28). Fotos também registraram a agressão.

O comandante geral da Polícia Militar de Goiás, coronel Divino Alves de Oliveira, explicou que Sampaio ficará exercendo apenas atividades administrativas enquanto o Inquérito Policial Militar que investiga a conduta dele não é concluído.

Em nota, a corporação explicou que instaurou o procedimento na última sexta-feira “diante das imagens que circulam em redes sociais, quando da intervenção policial militar, que mostram a clara agressão sofrida” pelo estudante.

O inquérito tem um prazo de 30 dias para ficar pronto. De acordo com a nota divulgada pela PM, na ocasião, a investigação tem o “objetivo de individualizar condutas e apurar responsabilidades”.

“Houve excesso, não há como fugir a esta situação, houve o excesso na ação praticada por esse policial militar e, em decorrência disso, o comando da instituição instaurou o inquérito policial militar que irá apurar as responsabilidade”, disse o coronel à TV Anhanguera.

Em nota, o comando da PM já havia destacado que “condena veementemente todo e qualquer tipo agressão praticada por policias militares no exercício de sua função, não compactuando com atos que possam afrontar os princípios da ética, moral e legalidade”.

O secretário de segurança pública de Goiás, Ricardo Balestreri, se posicionou por meio de uma rede social criticando a ação de Sampaio. Ele declarou que todo PM sabe que não deve atingir ninguém na cabeça durante tentativa de imobilização. O secretário também reconheceu que a PM nem sempre recebe os equipamentos e treinamentos necessários para progressão da força.

Durante o ato, segundo a corporação, quatro policiais militares foram feridos e foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) para serem submetidos a exames de corpo de delito. No Boletim de Ocorrência registrado por um deles, o militar alega que usou o cassetete para conter manifestantes mascarados que estavam agredindo dois homens.

Agressão

Mateus foi agredido durante um protesto organizado por centrais sindicais na Praça do Bandeirante, no centro de Goiânia. Na ocasião, mascarados entraram em confronto com policiais militares, momento em que o estudante foi atingido e ficou caído no chão. O capitão saiu correndo. Já o rapaz recebeu os primeiros socorros de outros manifestantes.

Amigos do Mateus, que preferiram não se identificar, disseram à TV Anhanguera que ele estava sem máscaras e não participou de nenhum ato de vandalismo durante o protesto. Porém, antes da agressão, é possível ver que o estudante estava sem camisa perto dos policiais. Momentos depois, ele aparece com um capuz e parte do rosto encoberto, junto a um grupo de manifestantes mascarados.

A mãe de Mateus, a cabeleireira Suzethe Alves, de 49 anos, repreendeu a conduta do policial. “Ele [Mateus] não é bandido e, mesmo que fosse, a polícia não tem o direito de bater em ninguém, é um ser humano, gente, é um ser humano”, disse em entrevista à TV Anhanguera.

Estado grave

Os parentes de Mateus estão focados na recuperação do estudante, que está internado na UTI do Hugo. Ele sofreu traumatismo cranioencefálico (TCE) e múltiplas fraturas.

“A gente nunca espera que vá acontecer algo assim com quem a gente ama. A nossa prioridade agora é a recuperação dele. Ele passou por uma cirurgia de reconstrução facial e foi um sucesso. Mas agora ele apresenta um quadro de pneumonia e insuficiência renal. Os médicos estão fazendo as intervenções necessárias”, disse a gerente administrativa Heloísa Ferreira da Silva, de 28 anos, irmã de Mateus.

De acordo com o último boletim médico divulgado pelo hospital, no início da noite de segunda-feira, Mateus está em estado grave, sedado, intubado e internado na UTI.

Pai de Mateus, o técnico mecânico Salatiel Ferreira da Silva Filho, de 53 anos, revela que sentiu um pouco de alívio ao visitar o filho no hospital, mas está apreensivo. “Não dá de dormir direito. É o meu filho, mas estou feliz de estar por perto”, ressaltou.

Suzethe Alves contou que, segundo os médicos, as reações do filho ao trauma têm sido dentro do esperado. “O médico falou que essa hemodiálise, essa parte da pressão que está abiaxando, a parte do pulmão, isso tudo foi devido ao trauma que ele teve. Então se a pessoa tem um trauma, logicamente, o corpo vai sentir”, explicou.

Ainda conforme a mãe, o estudante precisará colocar uma prótese feita por uma impressora 3D. “Ele está sem osso na parte frontal [testa], os ossos foram destruídos. Na parte esquerda, em baixo do olho, vai precisar colocar um pino para o osso se juntar. O ortopedista vai precisar fazer uma cirurgia na clavícula”, completou.

Apoio

Amigos do estudante fazem uma vigília na frente do Hugo para acompanhar novidades sobre o estado de saúde dele. Alguns até fizeram uma campanha na internete para arrecadar doações para ajudar a família de Mateus a se manter em Goiânia enquanto ele se recupera.

Irmã do estudante, a gerente administrativa Heloísa Ferreira da Silva, de 28 anos, destaca que o apoio da família e dos amigos de Mateus tem sido fundamental para lidar com o momento delicado que passam.

“Ele era muito querido por todos. É um momento muito doloroso e todas as manifestações de afeto nos ajudam, tanto de quem o conhecia ou não. Estamos emocionados com o jeito que os amigos o resgataram e cuidaram dele”, agradeceu Heloísa.

Sonho

Mateus já havia se formado em ciências da computação e trabalhava desde os 14 anos, segundo contou a família. Ele se mudou de São Paulo para a capital goiana no início de 2016 para realizar o sonho de cursar ciências sociais.

No começo, Mateus trabalhava de dia e estudava à noite na Universidade Federal de Goiás (UFG). Depois, ao passar no exame para ser monitor de ciências políticas, ele passou a se dedicar exclusivamente ao estudo.

“Sempre foi trabalhador, começou a trabalhar com 14 anos. Onde ele trabalhou teve dificuldade de entrar porque tinha que ser excelente aluno, só podia ter notas dez. Essa foi a primeira vitória dele. Meu filho veio para esse estado realizar o sonho dele e simplesmente eu vejo pela televisão, pela mídia, o sangue dele derramado da na calçada. Um sangue inocente. […] Acredito que todos nós, hoje, somos Mateus”, disse, emocionado.

 Repúdio

O reitor da Universidade Federal de Goiás (UFG), Orlando Amaral, esteve no hospital no sábado (29) em busca de informações sobre o estado de saúde do estudante. Horas antes, a UFG, onde Mateus cursa o 3º período de ciências sociais, já tinha divulgado uma nota repudiando a agressão.

No hospital, o reitor voltou a criticar a postura da PM. “Ele estava lá junto com dezenas, centenas, milhares de outros estudantes, professores, a comunidade, a população em geral, e não se justifica uma atitude como essa, uma violência tão desproporcional, em uma situação que obviamente demandava uma postura diferente da polícia, que é o que nós esperamos”, disse o reitor.

A Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil seção Goiás (OAB-GO) conversou com a família nesta segunda-feira. Representante do grupo, Allan Ferreira afirmou à TV Anhanguera que o órgão busca garantir que os responsáveis sejam punidos.

“O nosso papel enquanto OAB é cobrar que essa investigação seja feita, que esses agentes sejam processados”, afirmou.

A Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP) informou que condena as agressões sofridas por Mateus e que atos como este “ferem a ética da corporação e das demais forças que compõem a Segurança Pública, cuja missão é proteger vidas e jamais atentar contra qualquer cidadão”.

O comunicado destaca ainda que a “exigência de imobilização de eventuais manifestantes nunca justificará a transgressão de limites”. Por fim, pontua que, se confirmado autoria, a SSPAP será “rigorosa na punição administrativa e no encaminhamento para a esfera judiciária”.

Após agressão, Augusto Sampaio de Oliveira Neto está afastado das ruas (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera).
Após agressão, Augusto Sampaio de Oliveira Neto está afastado das ruas (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera).
Mateus Ferreira foi ferido durante protesto em Goiânia (Foto: Reprodução/Facebook.
Mateus Ferreira foi ferido durante protesto em Goiânia (Foto: Reprodução/Facebook)
Pai e irmã de Mateus estão em Goiânia para acompanhá-lo (Foto: Paula Resende/ G1)
Pai e irmã de Mateus estão em Goiânia para acompanhá-lo (Foto: Paula Resende/ G1)
Mateus é socorrido por amigos durante o protesto (Foto: Vitor Santana/G1)
Mateus é socorrido por amigos durante o protesto (Foto: Vitor Santana/G1)
G1/Go