Avião com candidato ao governo Daniel Vilela sai de pista durante o pouso em Goiás

Segundo a assessoria do político, piloto errou a aproximação e bateu contra uma cerca próximo à pista. Ninguém ficou ferido.

O avião que transportava o candidato ao governo de Goiás Daniel Vilela (MDB) saiu de pista durante o pouso nesta quinta-feira (6), em Itapaci, na região central de Goiás. Segundo a assessoria de imprensa, o piloto errou durante a aproximação e o trem de pouso bateu contra uma cerca. Ninguém se feriu. Ao todo, 9 pessoas estavam na aeronave no momento.

O avião, com prefixo PT-LJN, decolou às 8h de Goiânia. O avião ficou com as asas e hélices danificadas. Estavam no voo, além de Daniel Vilela, os deputados e candidatos à reeleição Bruno Peixoto (MDB), Waguinho Siqueira (MDB), o deputado federal e coordenador da campanha, Pedro Chaves (MDB), três integrantes da equipe do candidato ao governo, o piloto e o co-piloto.

O avião estava regular e cabia até 10 pessoas. A aeronave pertence à empresa Voar Táxi Aéreo LTDA, que não possuiu licença para operar na modalidade táxi-aéreo, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O órgão disse ainda que o bimotor “não possui certificação para operar na modalidade táxi-aéreo”, pois ela está registrada como serviço privado.

Avião que transportava candidato Daniel Vilela ficou danificado após bater em cerca, em Itapaci (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

A assessoria do candidato explicou que o avião estava arrendado, portando atuava como serviço privado, e não táxi-aéreo.

A Voar Táxi Aéreo informou que o avião foi arrendado no dia 16 de agosto deste ano e que a operação da aeronave era conduzida pela equipe do candidato desde então. “A aeronave estava perfeitamente aeronavegável e com manutenção atualizada. Falhas mecânicas foram descartadas”, diz o comunicado. 

A reportagem procurou a Força Aérea Brasileira para saber se há alguma investigação sobre o acidente, mas ainda não obteve resposta até a publicação dessa reportagem.

Avião com governador do Tocantins faz pouso de emergência em Palmas

Mauro Carlesse (PHS) decolou da capital no fim da tarde e teria atividades de campanha em Araguaína. Primeiras informações são de fumaça na cabine e problemas no trem de pouso.

Um avião que levava o governador do Tocantins, Mauro Carlesse (PHS) de Palmas para Araguaína precisou retornar ao aeroporto da capital e fazer um pouso de emergência na noite desta quarta-feira (5). A aeronave pousou com segurança e ninguém ficou ferido.

A assessoria de Carlesse informou que o trem de pouso travou após a decolagem e não pode ser recolhido, logo depois houve fumaça na cabine e o piloto decidiu retornar.

O governador estava viajando para participar de atividades de campanha no norte do estado. Ele é candidato a reeleição e estava acompanhado de assessores e de seguranças na aeronave.

Após o incidente, que foi por volta das 20h, o governador trocou de aeronave e seguiu para os compromissos normalmente. Toda a agenda dele para a quinta-feira (6) está mantida.

G1 Tocantins.

Morre piloto de avião que caiu sobre casa em Goiás, diz filha

Além dele, bebê de 1 ano já havia morrido na queda, e pai dele se ferido. Acidente aconteceu no último dia 11 de agosto no Setor Vista Bela.

O piloto Nehru El-Aouar, de 59 anos, que conduzia um avião de pequeno porte que caiu sobre uma casa, em Goiânia, morreu nesta quarta-feira (29). A informação foi confirmada ao G1 por Cemya El-Aouar filha dele, por telefone. Ele estava internado desde a queda, ocorrida há 18 dias, no Setor Jardim Vista Bela. No acidente, um bebê já havia morrido e o pai dele, ficado ferido.

G1 procurou o Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), mas a assessoria de imprensa disse que não estava autorizada a passar informações sobre o paciente.

Além de pilotar, Nehru era o dono da aeronave, prefixo PU-EFG, categoria experimental. O acidente aconteceu no dia 11 de agosto. Os bombeiros informaram que ele foi socorrido inconsciente e em estado grave.

O bebê Davi Andrade do Amaral, de 1 ano, que também estava na aeronave, morreu no dia da queda. Ele chegou a ser socorrido por terceiros e levado ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

O pai de Davi, o mecânico de aeronaves Reginaldo Ernane do Amaral, terceiro ocupante do avião, foi socorrido e encaminhado ao Hugol. A assessoria confirmou que ele segue internado na unidade, mas que a família também não autorizou o repasse de informações sobre seu quadro clínico.

Morre Nehru El-Aouar, piloto de avião que caiu sobre casa em Goiânia  (Foto: Facebook/Reprodução)Morre Nehru El-Aouar, piloto de avião que caiu sobre casa em Goiânia  (Foto: Facebook/Reprodução)

Morre Nehru El-Aouar, piloto de avião que caiu sobre casa em Goiânia (Foto: Facebook/Reprodução)

Acidente

O avião havia decolado do Aeródromo Brigadeiro Eppinghaus, às margens da GO-070, para um voo panorâmico. Ele caiu minutos depois sobre o telhado de uma casa e parou sobre o muro que a divide com outro imóvel.

Não houve incêndio após o acidente. A aeronave caiu sobre o telhado da residência e parou sobre o muro que a divide com outro imóvel. No momento da queda, não havia ninguém na casa.

Vizinha da casa em que o avião caiu, a estudante Geovanna Batista Rocha, de 18 anos, conta que a queda provocou um barulho muito alto e que a situação foi de pânico.

“Foi desesperador, principalmente quando vimos a criança que estava dentro do avião. O pai da criança a entregou para os moradores para que pudessem salvá-la. Ela estava muito machucada”, disse.

De acordo com Geovanna, pelo menos sete crianças viram a queda do avião, pois brincavam em um campinho de futebol em frente ao local. A jovem contou que não havia ninguém no imóvel no momento da queda. Por isto, vizinhos pularam o muro.

Avião destruiu parte do telhado e do muro de casa (Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)Avião destruiu parte do telhado e do muro de casa (Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)

Avião destruiu parte do telhado e do muro de casa (Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)

Investigação

A assessoria de imprensa da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou ao G1 que a situação da aeronave é regular. O avião pertence à categoria experimental, quando é construído de forma amadora e atende a regras diferentes das utilizadas na aviação comercial.

Ainda de acordo com a Anac, para voar regularmente, o avião experimental precisa apresentar Certificado de Autorização de Voo Experimental (Cave) e Inspeção Anual de Manutenção (IAM).

Uma equipe do Sexto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA VI) se deslocou para a capital goiana para fazer a perícia.

A aeronave, ainda conforme a Anac, poderia levar somente o piloto e mais um passageiro.

A Polícia Civil informou que foi instaurado inquérito para investigar a queda do avião na 21ª DP, mas que “vai encaminhar os documentos acerca da queda do avião à Polícia Federal”. Segundo a corporação, o delegado Anderson Pelágio, que estava responsável pelo caso, “deve oficiar a PF por entender que o caso se enquadra em uma das hipóteses de competência da Justiça Federal”.

G1 Tocantins.

Avião cai sobre casa,mata criança e deixa dois feridos

Segundo corporação, menino foi levado para hospital por terceiros, mas não resistiu aos ferimentos. Piloto, em estado grave, e passageiro foram resgatados após ficarem presos às ferragens.

Um avião de pequeno porte, prefixo PU-EFG, caiu sobre uma casa na tarde deste sábado (11), no Setor Jardim Vista Bela, em Goiânia. Havia três pessoas a bordo. Segundo o Corpo de Bombeiros, uma criança, de 1 ano, morreu. O pai dela, mecânico aeronáutico, e o piloto, ficaram feridos.

Ainda conforme os bombeiros, a criança foi identificada como Davi Andrade do Amaral. Ela foi levada o Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol) por terceiros. A unidade de saúde disse que a família não autorizou o repasse de informações.

Além de Davi, estavam na aeronave Nehru El-Aouar, de 59 anos, dono e piloto, e Reginaldo Ernane do Amaral, mecânico aeronáutico, e pai de Davi. Eles ficaram persos nas ferragens, resgatados e levados para o Hugol.

O piloto foi resgatado inconsciente e em estado grave. Já o mecânico teve fratura na perna e estava consciente.

O presidente do Aeróclube de Goiás, Arsênio Neiva, disse ao G1 que o avião decolou do Aeródromo Brigadeiro Eppinghaus, às margens da GO-070, para um voo panorâmico.

Não houve incêndio após o acidente. A aeronave caiu sobre o telhado da residência e parou sobre o muro que a divide com outro imóvel.

No momento da queda, não havia ninguém na casa. O dono do imóvel está no local.

A assessoria de imprensa da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou ao G1 que a situação da aeronave é regular. O avião pertence à categoria experimental, quando é construído de forma amadora e atende a regras diferentes das utilizadas na aviação comercial.

Ainda de acordo com a Anac, por conta desta situação, o avião não precisa apresentar certificado de aeronavegabildade, documento necessário para que a aeronave possa voar, e Inspeção Anual de Manutenção (IAM), que avalia as condições mecânicas do avião.

Já a Força Aérea Brasileira (FAB), também por meio de sua assessoria, disse ao G1 que uma equipe do Sexto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA VI) irá ao local do acidente para fazer o trabalho de perícia.

Avião cai sobre casa em Goiânia e para sobre muro (Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)Avião cai sobre casa em Goiânia e para sobre muro (Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)

Avião cai sobre casa em Goiânia e para sobre muro (Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação).

G1 Tocantins.

Sobreviventes da queda de avião no Pará são transferidos para hospital de Goiânia e têm estado grave

Moradores de Goiânia, eles tiveram grande parte dos corpos queimados. Piloto, criança e idoso morreram no acidente.

Sobreviventes da queda de um avião no Pará, o piloto Cristiano Felipe Rocha Reis e o empresário Robson Alves Cintra foram transferidos a Goiânia após o acidente. Eles chegaram à capital goiana na madrugada deste sábado (28) e levados ao Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol). O quadro deles é grave.

O acidente aconteceu na tarde de sexta-feira (27), próximo à comunidade de Barra Mansa, em São Felix do Xingu, sudeste do Pará. De acordo com a Polícia Civil, cinco pessoas estavam na aeronave, sendo que três morreram.

Os dois sobreviventes são moradores de Goiânia e, por isto, deixaram hospitais da cidade de Tucumã e vieram para tratamento especializado na capital goiana. Após as aeronaves deles chegarem ao Aeroporto Santa Genoveva, o Corpo de Bombeiros levou os feridos ao Hugol no helicóptero da corporação.

Sobreviventes são atendidos no Hugol, em Goiânia (Foto: Paula Resende/ G1)Sobreviventes são atendidos no Hugol, em Goiânia (Foto: Paula Resende/ G1)

Sobreviventes são atendidos no Hugol, em Goiânia (Foto: Paula Resende/ G1)

Segundo o último boletim médico divulgado neste sábado, Cristiano e Robson têm quadro grave. Ambos estão internados em leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), sedados e respiram com a ajuda de aparelhos.

Conforme a TV Anhanguera, o Corpo de Bombeiros afirmou que Cristiano teve 95% do corpo queimado e Robson, 40%. O Hugol não confirmou a informação.

Avião pega fogo após pouso forçado no sudeste do Pará (Foto: Reprodução / Polícia Civil)Avião pega fogo após pouso forçado no sudeste do Pará (Foto: Reprodução / Polícia Civil)

Avião pega fogo após pouso forçado no sudeste do Pará (Foto: Reprodução / Polícia Civil)

Acidente

A Polícia Civil do Pará informou que o avião partiu do aeroporto de Ourilândia do Norte, a cerca de 900 quilômetros da capital Belém, por volta das 13h30h de sexta-feira. Em pane durante o voo, o piloto teria realizado um pouso de emergência e a aeronave pegou fogo.

De acordo com os policiias, morreram no acidente Victor Gabriel Tomaz, de 10 anos, Evandro Geraldo Rocha Reis, de 73 anos ( copiloto), e José Gonçalves de Oliveira, de 72 anos. Segundo o Corpo de Bombeiros do Pará, algumas vítimas são da mesma família.

Outro avião partiu de Ourilândia para o local da queda em São Félix para resgatar os corpos (Foto: Wesley Costa)Outro avião partiu de Ourilândia para o local da queda em São Félix para resgatar os corpos (Foto: Wesley Costa)

Outro avião partiu de Ourilândia para o local da queda em São Félix para resgatar os corpos (Foto: Wesley Costa)

Investigação

O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) informou, em nota, que investigadores do Primeiro Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa I), iniciam, neste sábado, a apuração do acidente envolvendo a aeronave de matrícula PP-MMR.

De acordo com o órgão, neste momento as atividades visam coletar dados: fotografar cenas, retirar partes da aeronave para análise, reunir documentos e ouvir relatos de pessoas que possam ter observado a sequência de eventos. “A investigação realizada pelo Cenipa tem o objetivo de prevenir que novos acidentes com as mesmas características ocorram”, afirma a nota.

Informações no site da Agência Nacional Brasileira (Anac) apontam que o modelo da aeronave que caiu no Pará era 210L. O avião foi fabricado pela Cessna, em 1976, e não pertencia a nenhum dos ocupantes.

De acordo com o Registro Aeronáutico Brasileiro, a aeronave estava com o certificado de aeronavegabilidade vencido desde agosto do ano passado e, por isto, não tinha autorização para voar. Além disso, o avião pertencia a um homem que não viajava com o grupo no momento do acidente.

G1 Tocantins.

Avião com pai de pré-candidato ao governo do Rio cai no mar de SC

Deputado Pedro Fernandes (PDT) diz que ainda não tem notícias sobre o ocorrido.

Um avião de pequeno porte caiu no mar entre Itapema e Navegantes, no litoral norte de Santa Catarina. O pai do pré-candidato ao governo do Estado do Rio e deputado estadual, Pedro Fernandes (PDT) estava na aeronave.

No Facebook, o deputado pediu que seus seguidores rezem por José Ubirajara Moreira da Silva, de 78 anos:

“Agradeço o carinho dos meus amigos e peço a oração de todos para que um milagre aconteça!”, escreveu.

Ontem o avião que meu pai estava caiu no mar de Santa Catarina! Infelizmente ainda não temos notícias. Estou aqui acompanhando as buscas que estão sendo retomadas agora de manhã. Agradeço o carinho dos meus amigos e peço a oração de todos para q um milagre aconteça!

Noticia ao Minuto

Avião com ex-governador Wilson Martins faz pouso forçado

O acidente foi registrado na manhã de hoje.

Segundo informações de Wilson Martins através de uma publicação no seu perfil do Instagram, os políticos estavam vindo de Bom Jesus, no Sul do Estado. O motor da aeronave teria parado.

“Amigos, retornando do Sul do Estado, já chegando em Teresina, na comunidade Florada, estrada Timon-Poções, tivemos que fazer um pouso forçado. Fomos socorridos por um conterrâneo e parente de Oeiras, Michel Nunes e por toda a comunidade da região, que foi muito solidária. Todos estamos muito bem e sem nenhum arranhão. Muita gratidão a Deus por esse livramento, às pessoas que nos socorreram e ao André, piloto da aeronave, que com sua habilidade e perícia pousou o avião evitando o pior”, escreveu ele no Instagram.

deputado Rodrigo Martins afirmou que ninguém sabe ainda o motivo do acidente, apenas puderam perceber  que o motor do avião parou. “Agora pela manhã por volta de 10h fizemos um pouso forçado nas proximidades de Timon. Graças ao senhor, nenhum arranhão com ninguém. Agradecer ao grande piloto André, por toda a sua perícia e competência, que Deus seja louvado”, afirmou.

(Crédito: Reprodução/Instagram)
Fonte: MeioNorte.Com

Piloto preso com cocaína em avião disse que receberia R$ 100 mil para fazer o transporte

Lucas de Oliveira Penha deu a declaração a agentes da Polícia Federal logo que foi preso, mas preferiu ficar calado durante o depoimento. Eles voavam em baixa altitude para evitar fiscalização.

O piloto Lucas de Oliveira Penha, preso na quinta-feira (12) com 300 quilos de cocaína em um avião, disse a agentes da Polícia Federal que receberia R$ 100 mil para fazer o transporte da droga. A declaração foi dada logo após ele ser detido em um campo de pouso de Formoso do Araguaia, no sul do Tocantins.

Penha disse ainda que o mesmo valor seria pago ao outro piloto que estava no avião, Murillo Ribeiro de Souza Costa. Ainda na conversa com o agente, afirmou que eles voavam em baixa altitude, a cerca de 80 metros do solo, para evitar a fiscalização, e que só pousaram no local do flagrante porque houve um defeito na aeronave.

As informações foram fornecidas pelo suspeito no local da prisão, mas durante o depoimento na sede da Polícia Federal em Palmas ele preferiu ficar calado. Costa adotou o mesmo procedimento, mas no campo de pouso disse aos agentes que a cocaína pertenceria a um traficante de Goiânia conhecido como Ceará ou Fortaleza.

Murillo Ribeiro é piloto agrícola há cerca de um ano e já foi preso no Paraguai por transportar duas pessoas e fuzis sem autorização. Já Lucas de Oliveira trabalha para uma empresa do ramo do agronegócio e é de Marabá (PA).

Os dois tiveram a prisão em flagrante convertida em prisão preventiva pela Justiça Federal. A PF conseguiu também acesso a dados de um tablet que estava no avião e dos celulares dos suspeitos. As defesas dos dois pilotos não responderam as tentativas de contato da produção da TV Anhanguera e do G1.

Por determinação da Justiça Federal, a cocaína apreendida deve ser destruída.

Aeronave foi encontrada em um pista de pouso (Foto: Ciopaer/Divulgação)Aeronave foi encontrada em um pista de pouso (Foto: Ciopaer/Divulgação)

Aeronave foi encontrada em um pista de pouso (Foto: Ciopaer/Divulgação)

A prisão

Murillo Ribeiro de Souza Costa e Lucas de Oliveira Penha foram flagrados em uma fazenda na zona rural de Formoso do Araguaia. A apreensão da aeronave, que estava com mais de 300 kg de cocaína, foi feita pela Polícia Federal, com apoio da Polícia Militar do Tocantins e do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer-TO).

Segundo a Polícia Federal, a suspeita é que a droga veio da fronteira da Bolívia com o Mato Grosso. A investigação começou após uma denúncia anônima. Depois disso, os policiais de Tocantins, Goiás e Mato Grosso começaram a trocar informações e a aeronave foi interceptada em um campo de pouso.

Esta é a segunda grande apreensão de cocaína feita em Formoso do Araguaia. Em 2017, foram encontrados 318 quilos da droga escondidos perto de uma pista de avião, onde havia uma aeronave. Na época, um homem foi preso por tráfico de drogas suspeito de ter alugado a fazenda para o embarque da droga.

G1 Tocantins.

Piloto de MT que está desaparecido há 15 dias foi contratado para levar avião para o Tocantins, diz família

Último contato de Felipe Zamberlan, de 22 anos, foi feito no dia 24 de junho. Numa ligação para a namorada, ele contou que estava no Pará (PA).

Desaparecido há 15 dias, o piloto Felipe Meirelles Zamberlan, de 22 anos, foi contratado para levar um avião de Goiânia (GO) até Palmas (TO), segundo da família dele. O último contato dele com a família foi feito no dia 24 de junho. Numa ligação para a namorada, o jovem contou que estava no Pará.

Segundo a família, Felipe saiu de Sapezal, a 473 km de Cuiabá, no dia 20 de junho com destino à capital onde pegaria um voo até Goiânia (GO). Os familiares, no entanto, não têm informações sobre o susposto contrante.

No último contato, o piloto teria dito que estava em uma cidade do Pará e que, na segunda-feira (25), voltaria para Mato Grosso.

Após a divulgação do desaparecimento nas redes sociais, o antigo professor de Felipe entrou em contato com os familiares. Segundo o professor, o piloto teria ligado para ele no dia 23 de junho dizendo que estava passando de carro por Primavera do Leste, a 239 km de Cuiabá.

Com a informação, a família registrou um boletim de ocorrência.

Depois disso, a polícia entrou com contato com policiais dos estados onde Felipe disse que estaria e uma ação conjunta está sendo realizada em busca de pistas que possam levar ao paradeiro do jovem.

A polícia também fez contato com órgãos responsáveis pela aviação civil para saber se houve alguma queda de avião ou há informações de sequestro de aeronave. Por enquanto, porém, não nenhum registros, segundo a família.

G1 Tocantins.

Chuva impede avião de pousar em Palmas e voo é redirecionado para Brasília

Voo é da companhia Gol, saiu de São Paulo e deveria ter chegado em Palmas às 16h15, mas não foi possível fazer o pouso. Temporal teria dificultado o pouso.

Um avião da Gol que ia de São Paulo para Palmas não conseguiu pousar por causa de um temporal na tarde desta quinta-feira (1) e precisou ser redirecionado.

A aeronave tentou descer em Palmas, mas o piloto precisou arremeter. O voo em questão é o GLO1664, que decolou às 14h53 de Congonhas, na capital paulista e estava programado para pousar às 16h15 no horário local de Palmas.

A aeronave foi redirecionada para o aeroporto de Brasília e pousou por volta de 17h15. A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), que administra o aeroporto em Palmas, afirma que o terminal não precisou ser fechado em função do temporal e que opera normalmente.

O site entrou em contato com a Gol e aguarda e um posicionamento sobre o caso.

O procedimento de arremeter um avião é padrão na aviação para casos como este. Sempre que um piloto avalia que não há condições de segurança para realizar o pouso, ele cancela a manobra e retoma a força das turbinas para continuar voando.

G1 Tocantins