Piloto preso com cocaína em avião disse que receberia R$ 100 mil para fazer o transporte

Lucas de Oliveira Penha deu a declaração a agentes da Polícia Federal logo que foi preso, mas preferiu ficar calado durante o depoimento. Eles voavam em baixa altitude para evitar fiscalização.

O piloto Lucas de Oliveira Penha, preso na quinta-feira (12) com 300 quilos de cocaína em um avião, disse a agentes da Polícia Federal que receberia R$ 100 mil para fazer o transporte da droga. A declaração foi dada logo após ele ser detido em um campo de pouso de Formoso do Araguaia, no sul do Tocantins.

Penha disse ainda que o mesmo valor seria pago ao outro piloto que estava no avião, Murillo Ribeiro de Souza Costa. Ainda na conversa com o agente, afirmou que eles voavam em baixa altitude, a cerca de 80 metros do solo, para evitar a fiscalização, e que só pousaram no local do flagrante porque houve um defeito na aeronave.

As informações foram fornecidas pelo suspeito no local da prisão, mas durante o depoimento na sede da Polícia Federal em Palmas ele preferiu ficar calado. Costa adotou o mesmo procedimento, mas no campo de pouso disse aos agentes que a cocaína pertenceria a um traficante de Goiânia conhecido como Ceará ou Fortaleza.

Murillo Ribeiro é piloto agrícola há cerca de um ano e já foi preso no Paraguai por transportar duas pessoas e fuzis sem autorização. Já Lucas de Oliveira trabalha para uma empresa do ramo do agronegócio e é de Marabá (PA).

Os dois tiveram a prisão em flagrante convertida em prisão preventiva pela Justiça Federal. A PF conseguiu também acesso a dados de um tablet que estava no avião e dos celulares dos suspeitos. As defesas dos dois pilotos não responderam as tentativas de contato da produção da TV Anhanguera e do G1.

Por determinação da Justiça Federal, a cocaína apreendida deve ser destruída.

Aeronave foi encontrada em um pista de pouso (Foto: Ciopaer/Divulgação)Aeronave foi encontrada em um pista de pouso (Foto: Ciopaer/Divulgação)

Aeronave foi encontrada em um pista de pouso (Foto: Ciopaer/Divulgação)

A prisão

Murillo Ribeiro de Souza Costa e Lucas de Oliveira Penha foram flagrados em uma fazenda na zona rural de Formoso do Araguaia. A apreensão da aeronave, que estava com mais de 300 kg de cocaína, foi feita pela Polícia Federal, com apoio da Polícia Militar do Tocantins e do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer-TO).

Segundo a Polícia Federal, a suspeita é que a droga veio da fronteira da Bolívia com o Mato Grosso. A investigação começou após uma denúncia anônima. Depois disso, os policiais de Tocantins, Goiás e Mato Grosso começaram a trocar informações e a aeronave foi interceptada em um campo de pouso.

Esta é a segunda grande apreensão de cocaína feita em Formoso do Araguaia. Em 2017, foram encontrados 318 quilos da droga escondidos perto de uma pista de avião, onde havia uma aeronave. Na época, um homem foi preso por tráfico de drogas suspeito de ter alugado a fazenda para o embarque da droga.

G1 Tocantins.

Piloto de MT que está desaparecido há 15 dias foi contratado para levar avião para o Tocantins, diz família

Último contato de Felipe Zamberlan, de 22 anos, foi feito no dia 24 de junho. Numa ligação para a namorada, ele contou que estava no Pará (PA).

Desaparecido há 15 dias, o piloto Felipe Meirelles Zamberlan, de 22 anos, foi contratado para levar um avião de Goiânia (GO) até Palmas (TO), segundo da família dele. O último contato dele com a família foi feito no dia 24 de junho. Numa ligação para a namorada, o jovem contou que estava no Pará.

Segundo a família, Felipe saiu de Sapezal, a 473 km de Cuiabá, no dia 20 de junho com destino à capital onde pegaria um voo até Goiânia (GO). Os familiares, no entanto, não têm informações sobre o susposto contrante.

No último contato, o piloto teria dito que estava em uma cidade do Pará e que, na segunda-feira (25), voltaria para Mato Grosso.

Após a divulgação do desaparecimento nas redes sociais, o antigo professor de Felipe entrou em contato com os familiares. Segundo o professor, o piloto teria ligado para ele no dia 23 de junho dizendo que estava passando de carro por Primavera do Leste, a 239 km de Cuiabá.

Com a informação, a família registrou um boletim de ocorrência.

Depois disso, a polícia entrou com contato com policiais dos estados onde Felipe disse que estaria e uma ação conjunta está sendo realizada em busca de pistas que possam levar ao paradeiro do jovem.

A polícia também fez contato com órgãos responsáveis pela aviação civil para saber se houve alguma queda de avião ou há informações de sequestro de aeronave. Por enquanto, porém, não nenhum registros, segundo a família.

G1 Tocantins.

Chuva impede avião de pousar em Palmas e voo é redirecionado para Brasília

Voo é da companhia Gol, saiu de São Paulo e deveria ter chegado em Palmas às 16h15, mas não foi possível fazer o pouso. Temporal teria dificultado o pouso.

Um avião da Gol que ia de São Paulo para Palmas não conseguiu pousar por causa de um temporal na tarde desta quinta-feira (1) e precisou ser redirecionado.

A aeronave tentou descer em Palmas, mas o piloto precisou arremeter. O voo em questão é o GLO1664, que decolou às 14h53 de Congonhas, na capital paulista e estava programado para pousar às 16h15 no horário local de Palmas.

A aeronave foi redirecionada para o aeroporto de Brasília e pousou por volta de 17h15. A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), que administra o aeroporto em Palmas, afirma que o terminal não precisou ser fechado em função do temporal e que opera normalmente.

O site entrou em contato com a Gol e aguarda e um posicionamento sobre o caso.

O procedimento de arremeter um avião é padrão na aviação para casos como este. Sempre que um piloto avalia que não há condições de segurança para realizar o pouso, ele cancela a manobra e retoma a força das turbinas para continuar voando.

G1 Tocantins

Avião que levava bombeiros à Chapada dos Veadeiros sai da pista ao pousar

Comandante da corporação do DF e mais quatro pessoas estavam na aeronave, mas ninguém se feriu. Grupo viajou para se encontrar com os governadores de GO e DF , que vistoriam combate ao incêndio na reserva.

Um avião do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal sofreu uma saída de pista ao pousar neste sábado (28) no aeroporto de Alto Paraíso de Goiás, no noroeste goiano. O grupo seguia para uma visita à Chapada dos Veadeiros, que é atingida pelo maior incêndio da sua história.

O Corpo de Bombeiros de Goiás informou que cinco pessoas estavam na aeronave e não se machucaram. Porém, a TV Anhanguera apurou que dois ocupantes sofreram ferimentos leves, mas passam bem.

O acidente aconteceu por volta das 10h. O capitão do Corpo de Bombeiros Pedro Ferreira Neri do Corpo de Bombeiros de Goiás, que atendeu à ocorrência, explicou que há a suspeita que o vento forte colaborou para o problema.

“A aeronave não conseguiu pousar com sucesso e saiu da pista, continuou por cerca de 5 metros na mesma direção e parou antes de chegar à rodovia. Todos estão bem”, disse capitão.

Por e-mail, o G1 questionou ao Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) e a Força Aérea Brasileira se alguma medida será tomada, mas não obteve retorno até a última atualização desta reportagem.

Vistoria

O grupo dos bombeiros do DF tinha saído de Brasília em direção a Alto Paraíso para se encontrar com os governadores de Goiás e do Distrito Federal, respectivamente, Marconi Perillo (PSBD) e Rodrigo Sobral Rollemberg (PSB). As autoridades sobrevoaram a região da Chapada dos Veadeiros afetada para acompanhar o combate às chamas. Segundo o capitão Neri, estavam no avião o comandante-geral dos bombeiros do DF, coronel Hamilton Santos; tenente Vicente; tenente-coronel Glauber; o piloto, tenente-coronel Albuquerque; e o copiloto, major Pimentel.

G1/TO

Avião que levava ministro sofre pane e volta ao solo

Gilmar Mendes, do STF, saiu de Brasília com destino a Belém, no Pará.

Presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes passou um susto nesta quinta-feira (22). A aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB) em que ele viajava sofreu uma pane e teve retornar à capital federal.

O avião, que saiu de Brasília por volta das 18h45, seguia para Belém. O pouso ocorreu às 19h45 na Ala 1, em Brasília. Em nota, a FAB informou que a segunça dos passageiros não foi comprometida “em nenhum momento” e que a volta à Brasília foi iniciada tão logo a falha foi detectada. A pane não foi especificada. Gilmar Mendes iria para Belém para visita ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Leia a nota da FAB na íntegra:

O Centro de Comunicação Social da Aeronáutica informa que uma aeronave da Força Aérea Brasileira decolou de Brasília nesta quinta-feira (22/06), às 18h45, e no decorrer do voo apresentou uma falha técnica. Os pilotos realizaram os procedimentos previstos e, por precaução, retornaram à Capital Federal. Em nenhum momento a segurança dos passageiros foi comprometida e o pouso ocorreu às 19h45 na Ala 1, em Brasília.

Noticias ao Minuto

Aviões que transportam corpos de vítimas devem chegar por volta de 10 em Chapecó

Os aviões que estão transportando os corpos das vítimas do acidente aéreo da última terça-feira (29) na Colômbia devem chegar atrasados em Chapecó (SC). A previsão inicial era de que as aeronaves pousassem entre as 7h e as 8h de hoje (3). No entanto, a informação divulgada há pouco no aeroporto da cidade catarinense é de que os voos vão atrasar cerca de uma hora e meia.

Assim que os corpos chegarem no aeroporto de Chapecó, está prevista uma cerimônia fúnebre com a presença do presidente da República Michel Temer. Depois, haverá um cortejo pelas ruas da cidade catarinense que deve durar cerca de uma hora e meia. Três caminhões decorados com a bandeira e as cores do time vão desfilar com os caixões. Eles já estão posicionados no pátio do aeroporto.

Após o cortejo, os corpos serão levados para a Arena Condá, onde acontece o velório coletivo. Durante a primeira hora, a cerimônia será fechada, apenas com a presença da família e dos amigos das vítimas. Depois, os portões do estádio serão abertos para o público em geral.

Apesar de serem esperadas mais de 50 mil pessoas no velório coletivo, apenas 19 mil poderão entrar no estádio para não exceder a capacidade máxima do local. Na área externa da Arena Condá, foram instalados telões e banheiros químicos para as pessoas que não conseguirem ingressar na cerimônia.(fonte:agência brasil)