Pivô da queda da Portuguesa, jogador Héverton é preso em GO

Héverton foi flagrado por agentes da PRF dirigindo com carteira de habilitação falsa.

O jogador Héverton, pivô do rebaixamento da Portuguesa na Série A do Campeonato Brasileiro de 2013, foi detido por agentes da Polícia Rodoviária Federal nesta quinta-feira (29). O meia foi flagrado na BR-060, em Anápolis, Goiás, dirigindo com uma carteira de habilitação falsificada.

De acordo com o globoesporte.com, com informações da PRF, o documento era de Brasília e estava adulterado para Caldas Novas, onde ele pretendia passar o Réveillon. A BMW 320i que o ex-atleta da Portuguesa e atual jogador do XV de Piracicaba conduzia ainda estava com o certificado vencido e com mais de R$ 6 mil em multas.

O jogador, de 31 anos, foi encaminhado para a sede da Polícia Federal em Anápolis. Não há previsão sobre quando o jogador será liberado. Héverton disse que adquiriu a CNH com um despachante em São Paulo.

POLÊMICA

Héverton ficou famoso por protagonizar o caso mais polêmico do Brasileirão de 2013. No dia 8 de dezembro daquele ano, ele foi escalado de forma irregular pela Portuguesa, que enfrentou o Grêmio. O atleta entrou em campo aos 32 minutos da segunda etapa, mesmo estando suspenso. O caso chegou ao STJD e o clube paulista acabou perdendo pontos e sendo rebaixado.

POR NOTÍCIAS AO MINUTO

Projeto regulamenta a vaquejada como prática esportiva

Proposta recebeu parecer favorável do relator, o senador Wilder Morais.

Projeto que regulamenta a vaquejada como prática esportiva aguarda inclusão na pauta de votações da Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) do Senado. A proposta, do senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), recebeu parecer favorável do relator, senador Wilder Morais (PP-GO). As informações foram divulgadas pela Agência Senado nesta terça-feira (27).

A proposta classifica a vaquejada como manifestação da cultura popular protegida pela Constituição e a define como atividade recreativa ou competitiva, submetida a medidas de proteção à saúde e integridade física do público, dos vaqueiros e dos animais. Estabelece que a infraestrutura do evento deverá contar com atendimento médico; presença de médico veterinário; condições apropriadas de transporte, acomodação e alimentação dos animais; oferta de seguro de vida e de acidentes em favor dos competidores.

Além de proibir expressamente a participação de menores de 18 anos na competição, a proposta admite a organização do evento nas modalidades amadora e profissional, podendo ser patrocinado por entidade pública ou privada. Delega ainda ao veterinário a responsabilidade de atuar como árbitro de bem-estar animal durante as competições.

“Devido às peculiaridades inerentes às provas de vaquejada, é importante que lei federal discipline em todo o território nacional essa prática, de forma a estabelecer parâmetros que visem à preservação do bem-estar animal e à proteção dessa importante manifestação cultural”, sustentou Eunício na justificação do PLS 378/2016.

Ao recomendar a aprovação do projeto, o relator disse de que o rol de medidas sugeridas deverá aumentar a segurança dos vaqueiros, do público e dos animais.

“Julgamos que são especialmente importantes as disposições que buscam prevenir acidentes ou maus-tratos que possam incidir sobre os animais da vaquejada, assim como aquelas que buscam proporcionar-lhes a devida assistência médico-veterinária”, disse Wilder, elogiando, ainda, a previsão de criação do árbitro de bem-estar animal.

Emenda

Uma das emendas do relator insere no projeto a aplicação de penalidade para o caso de descumprimento das regras estabelecidas para a vaquejada. A providência foi inspirada pela Lei 10.519/2002, que regulamentou a prática do rodeio. Além de multa de R$ 5 mil, os organizadores que transgredirem as normas de segurança estarão sujeitos a advertência por escrito, suspensão temporária ou definitiva da vaquejada.

Se for aprovado na comissão e não houver recurso para votação do texto pelo Plenário do Senado, o PLS 378/2016 será enviado direto à Câmara dos Deputados.

PEC

O Plenário do Senado analisa também proposta de emenda à Constituição que reconhece a vaquejada como patrimônio cultural imaterial brasileiro. O texto aguarda votação em primeiro turno. Se aprovado, deverá passar por um segundo turno de deliberação.

(Noticias ao minuto)

Avião com goleiro da Chapecoense chegou a São Paulo

Voo fez uma escala em Manaus para abastecimento e regularização antes de seguir direto a São Paulo

O avião-ambulância com o goleiro da Chapecoense Jackson Follmann pousou à 0h20 desta terça-feira (13) no aeroporto de Congonhas, zona sul de São Paulo.Follmann é o primeiro dos sobreviventes brasileiros da tragédia da Chapecoense a retornar ao país.

O jogador foi levado de ambulância ao hospital Israelita Albert Einstein, no Morumbi, onde fará uma cirurgia na coluna.

Nesta segunda-feira (12), o jogador embarcou no aeroporto de Medellín (foto), localizado na cidade de Rionegro, na Colômbia, rumo ao Brasil.

O voo fez uma escala em Manaus para abastecimento e regularização antes de seguir direto a São Paulo.(fonte:noticias ao minuto)

 

Bolívia prende funcionário que autorizou operação da Lamia

A Procuradoria-Geral da Bolívia deteve nesta quinta-feira (8) o ex-diretor de Registro Aeronáutico Nacional, Gustavo Vargas, que autorizou a operação da companhia aérea Lamia, proprietária do avião que caiu com a delegação da Chapecoense. As informações são da Agência ANSA.

Gustavo Vargas é filho do diretor-geral da Lamia, também chamado Gustavo, e que foi preso ontem (7). A Procuradoria boliviana investiga se houve tráfico de influência para permitir que a Lamia funcionasse na Bolívia. No momento, a licença da empresa no país está suspensa.

Também foram apreendidos documentos na sede da Direção Geral de Aeronáutica Civil, em La Paz, órgão ao qual pertence o Registro Aeronáutico Nacional, onde Vargas foi diretor. Além disso, a Procuradoria não descarta convocar para depoimento o ministro de Obras Públicas, Milton Claros, que já havia cogitado a hipótese de tráfico de influência.

Fundada em 2009, no estado de Mérida, na Venezuela, a companhia aérea começou a operar apenas em 2014 e pouco depois transferiu sua sede para a Bolívia. Sua especialidade eram voos fretados para times de futebol da América Latina, já que oferecia flexibilidade para pousar em aeroportos remotos.

O avião que caiu com a Chapecoense, deixando 71 mortos, era o único de sua frota em condições de operar. Um de seus sócios era Miguel Quiroga, que pilotava a aeronave e morreu na tragédia. A principal hipótese para explicar o desastre é a falta de combustível.(fonte:agência brasil)

‘Força-tarefa’ de três países irá apurar causas da queda de avião na Colômbia

Uma ‘força-tarefa’ formada pelos governos de Brasil, Colômbia e Bolívia investigará as causas da queda do avião da LaMia que matou 71 pessoas em Medellín. Entre as vítimas estavam a delegação da Chapecoense e um grupo de 20 profissionais de imprensa brasileiros.

O primeiro encontro que decidirá os rumos da investigação acontecerá nesta quarta-feira, em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deve participar da reunião com procuradores-gerais da Colômbia, Néstor Humberto Martínez Neira, e da Bolívia, Ramiro José Guerrero Peñaranda.

Foi Peñaranda que convidou os procuradores-gerais brasileiro e colombiano. “Esta reunião faz parte da iniciativa dos três procuradores-gerais para energizar a investigação deste evento infeliz e garantir que seja feita Justiça imediata para as famílias das vítimas”, informou, por meio de comunicado, o governo boliviano.

A delegação da Chapecoense fretou o avião da LaMia para disputar a final da Copa Sul-Americana, que seria disputada em Medellín na última quarta-feira contra o Atlético Nacional. O time catarinense saiu de São Paulo, em voo comercial, até Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia.

A viagem da cidade boliviana até a Colômbia foi feita com a aeronave da LaMia, que caiu nos arredores do aeroporto de Medellín. As primeiras investigações apontam que a aeronave sofreu uma ‘pane seca’, falta de combustível, segundo a Aeronáutica da Colômbia.

O tempo estimado da rota entre Santa Cruz de La Sierra e Medellín era de 4 horas e 22 minutos, e a distância a ser percorrida era de 2.985 km, apenas 15 quilômetros a menos do que o alcance máximo do jato, de cerca de 3 mil km.

Pelas normas internacionais de segurança, o plano de voo deveria ter sido recusado e o avião impedido de sair do aeroporto em Santa Cruz de La Sierra. Após o acidente, a LaMia, que é boliviana, teve sua atividades suspensas.

Neste domingo, o governo boliviano abriu uma investigação com o objetivo de esclarecer a relação da LaMia com funcionários da Direção Geral de Aeronáutica Civil (Dgac), uma espécie de ANAC boliviana.

“Nos chama atenção que exista uma ligação entre servidores e essa companhia aérea. Vamos até o fundo nesse assunto”, disse o ministro de Obras Públicas da Bolívia, Milton Claros. Segundo ele, também será investigada a relação da LaMia, que tinha apenas três aviões, com a Conmebol. A pequena empresa área tinha acesso a clubes e seleções de futebol sul-americanos.

Além disso, um grupo de 20 peritos vai analisar os dados de navegação e da caixa preta do avião. Esse trabalho será feito por ingleses porque o aeronave foi fabricada no Reino Unido, o que pode demorar seis meses.(fonte:istoé)

Em meio a luto e superação, Chape inicia reestruturação do futebol

Clube não vai disputar a partida contra o Atlético-MG no próximo domingo e prevê se reerguer para temporada de 2017

A Chapecoense vive o período mais difícil do futebol nacional. Em meio ao luto pela perda de jogadores e equipe técnica em um trágico acidente que fez 71 vítimas e deixou seis sobreviventes, a equipe de Santa Catarina encara agora uma fase de superação e reestruturação.

Uma força-tarefa da diretoria planeja reerguer o clube e buscar soluções para o futebol. O Globo Esporte destaca que a equipe já definiu oficialmente que não enfrentará o Atlético-MG no próximo domingo, pela última rodada do Campeonato Brasileiro. Não há condições de se jogar futebol no gramado da Arena Condá em 2016, destaca a reportagem.

No entanto, uma equipe da Chape deve retornar aos gramados para a disputa da Copa São Paulo de Futebol Júnior, a Copinha, valorizada competição sub-20, em janeiro. 

“Nesse momento nós estamos começando a reconstrução do time. As pessoas querem futebol, as pessoas amam futebol em Chapecó. E a grande alegria da nossa cidade do Oeste catarinense no futebol é a Chapecoense. Então temos que dar continuidade a isso, vamos conversar e acertar, deixar baixar a poeira, e vamos reconstruir o time para o ano que vem “, disse o presidente em exercício Ivan Tozzo, que comandará o clube ao lado do presidente do Conselho Deliberativo da Chape, Plinio David De Nes.

 Futuro

A publicação destaca que o próximo passo do Furacão será dialogar com outros clubes que manifestaram interesse em emprestar jogadores de graça.

Outra informação é de que o principal patrocinador do clube, a Caixa, renovou o contrato, que segundo o Globo Esporte, é bem maior do que os R$ 4 milhões anuais do último contrato. Além disso, a Chape terá ajuda financeira de alguns clubes da Série A, como por exemplo, o Sport. O clube que vai doar a renda da partida contra o Figueirense, neste domingo, em Recife.

Campeã

A Chape foi declarada campeã da Copa Sul-Americana e deve receber uma premiação de R$ 6,9 milhões. O time foi classificado para a Libertadores e conta com apenas 10 jogadores no elenco: os goleiros Marcelo Boeck e Nivaldo (que está se aposentando), os zagueiros Rafael Lima e Demerson, o lateral Cláudio Winck, o volante Moisés, os meias Nenén, Hyoran e Martinuccio, e o atacante Lourency, sendo que Hyoran já está acertado com o Palmeiras para 2017.(fonte:noticias ao minuto)

Avião com corpos de vítimas de acidente aéreo chega a Chapecó, SC

Primeiro avião da FAB pousou na cidade do Oeste catarinense às 9h28.
Presidente Michel Temer acompanha chegada dos corpos.

Chegou a Chapecó, Oeste de Santa Catarina, o primeiro voo da Força Aérea Brasileira (FAB) com corpos das vítimas do acidente aéreo com a delegação da Chapecoense. O avião pousou no Aeroporto Municipal Serafin Enoss Bertaso às 9h28 deste sábado (3) por volta das 9h30, sob aplausos e choro dos familiares. A chegada foi acompanhada pelo presidente da República, Michel Temer.

O presidente chegou às 8h46 a Chapecó. Ele estava acompanhado de ministros, do governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, e de senadores catarinenses.

Temer está em Chapecó para cerimônia em aeroporto (Foto: Reprodução/TV Globo)
Temer está em Chapecó para cerimônia em aeroporto (Foto: Reprodução/TV Globo)

Conforme a assessoria de imprensa da Presidência da República, haverá em seguida uma cerimônia com honras militares com participação de Temer. Na sexta (2), a assessoria havia informado que ele não participaria do velório coletivo na Arena Condá. Porém, já em solo catarinense, ele decidiu ir ao estádio.

Durante a cerimônia de honras militares, o presidente vai entregar às famílias a Medalha da Ordem do Mérito Desportivo como reconhecimento do governo federal e do povo brasileiro pelos serviços prestados ao país por todos os que estavam no voo que caiu na Colômbia na madrugada de terça (29).(fonte:g1)

Aviões que transportam corpos de vítimas devem chegar por volta de 10 em Chapecó

Os aviões que estão transportando os corpos das vítimas do acidente aéreo da última terça-feira (29) na Colômbia devem chegar atrasados em Chapecó (SC). A previsão inicial era de que as aeronaves pousassem entre as 7h e as 8h de hoje (3). No entanto, a informação divulgada há pouco no aeroporto da cidade catarinense é de que os voos vão atrasar cerca de uma hora e meia.

Assim que os corpos chegarem no aeroporto de Chapecó, está prevista uma cerimônia fúnebre com a presença do presidente da República Michel Temer. Depois, haverá um cortejo pelas ruas da cidade catarinense que deve durar cerca de uma hora e meia. Três caminhões decorados com a bandeira e as cores do time vão desfilar com os caixões. Eles já estão posicionados no pátio do aeroporto.

Após o cortejo, os corpos serão levados para a Arena Condá, onde acontece o velório coletivo. Durante a primeira hora, a cerimônia será fechada, apenas com a presença da família e dos amigos das vítimas. Depois, os portões do estádio serão abertos para o público em geral.

Apesar de serem esperadas mais de 50 mil pessoas no velório coletivo, apenas 19 mil poderão entrar no estádio para não exceder a capacidade máxima do local. Na área externa da Arena Condá, foram instalados telões e banheiros químicos para as pessoas que não conseguirem ingressar na cerimônia.(fonte:agência brasil)

Cerca de 900 jornalistas de 14 países cobrirão velório coletivo da Chapecoense

Cerca de 900 profissionais de imprensa de 14 países se credenciaram para trabalhar na cobertura do velório coletivo das vítimas do acidente aéreo da última terça-feira (29), na Arena Condá, em Chapecó. Além disso, segundo a administração da Chapecoense, outros 800 pedidos de credenciamento foram feitos por e-mail. A cerimônia acontece amanhã de manhã, quando os corpos das vítimas devem chegar a Chapecó.

Carros de transmissão de televisão se preparam para cobertura de velório coletivoDaniel Isaia / Agência Brasil
Carros de transmissão de televisão se preparam para cobertura de velório coletivoDaniel Isaia / Agência Brasil

O entorno da Arena Condá, estádio do clube catarinense, está lotado de veículos de imprensa e carros com equipamentos para transmissão de som e imagens. As principais empresas de comunicação de Santa Catarina, com sede em Florianópolis, enviaram os âncoras dos telejornais para transmitirem os programas direto do estádio da Chapecoense.

O portão que dá acesso às arquibancadas e ao gramado é compartilhado por jornalistas e moradores da região que vêm até a Arena Condá para prestar homenagens aos integrantes da delegação da Chapecoense que morreram no acidente. Nessa área comum, os profissionais de imprensa coletam boa parte dos depoimentos dos torcedores que são publicados e transmitidos para todo o mundo.

Amanhã, durante a cerimônia, os jornalistas terão acesso limitado ao gramado, onde os corpos serão velados. A intenção dos organizadores é permitir aos familiares e amigos das vítimas que tenham a privacidade respeitada.

Emoção

Desde os primeiros dias após a tragédia, jornalistas de vários países acompanham de perto a comoção e a tristeza que tomou conta da cidade catarinense. Nas entrevistas coletivas, as perguntas dos profissionais brasileiros se intercalam com indagações em vários idiomas, especialmente em espanhol e francês.

O correspondente da Televisión Española (TVE) no Rio de Janeiro, Marcos López, manifestou sua emoção de fazer essa cobertura desde quarta-feira. “Eu fui jornalista esportivo durante muito tempo, então essa tragédia me atingiu de uma forma horrível. Durante a homenagem aqui na Arena Condá, na noite de quarta-feira, eu chorei muito enquanto trabalhava”, contou

López disse ter ficado impressionado com a relação íntima que existe entre a Chapecoense e os moradores de Chapecó: “Como é uma cidade pequena, eu vi que as pessoas conheciam os jogadores. Não é como em São Paulo ou no Rio, onde os atletas são estrelas inacessíveis. Aqui, eles eram parte da família”.

O jornalista apontou a necessidade de tomar cuidado para não aumentar os fatos. “Isso já é uma tragédia. O jornalista não pode ir além disso para fazer sensacionalismo. As imagens falam por si, não se pode ir além disso”, afirmou López.(fonte:agência brasil)

Corpos dos jogadores da Chape e jornalistas serão repatriados hoje

O velório coletivo está previsto para o sábado (3) em Chapecó

Os brasileiros vítimas da tragédia com o avião da Chapecoense devem ser encaminhados ao Brasil a partir das 19h (horário de Brasília) desta sexta-feira (2).

De acordo com o Diário Catarinense, está previsto que neste horário decolem três aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) que irão repatriar os corpos dos mortos no acidente. Um quarto voo comercial irá partir no mesmo horário, levando os seis jornalistas da Fox que perderam a vida no voo da LaMia.

A publicação explica que os corpos serão deslocados por comboio até o aeroporto. Antes de os caixões serem depositados no interior das aeronaves, deve haver uma cerimônia breve, organizada pelo governo colombiano para a despedida.

Os caixões dos brasileiros, todos jogadores da Chapecoense, estavam cobertos com uma bandeira branca com o distintivo do clube e a inscrição: “Campeões para sempre”. Os caixões não serão lacrados no translado até o Brasil.

Velório

O velório das vítimas do acidente aéreo na Colômbia está previsto para o sábado (3) em Chapecó, no oeste de SC. 

Espera-se que cerca de mil jornalistas de todas as partes do mundo estejam presentes para fazer a cobertura. Além disso, o UOL destaca que personalidades como o presidente da República Michel Temer e o presidente da Fifa, Gianni Infantino, são esperadas

Chapecó espera cerca de 100 mil pessoas nos arredores da Arena Condá na manhã de sábado, o que representa mais da metade da população local. Cerca de 20 mil terão acesso à parte interna do estádio.(fonte:noticias ao minuto)