Queimada em matagal atinge pátio de empresa em Palmas

Corpo de Bombeiros informou que não houve feridos e que chamas foram controladas após uma hora de combate. Número de focos de queimadas aumenta em função do tempo seco.

As queimadas continuam deixando prejuízos no Tocantins. No começo da tarde desta sábado (28) um incêndio em um matagal acabou atingindo o pátio de uma empresa que vende peças de veículos na região sul de Palmas. Não houve feridos.

O Corpo de Bombeiros informou que foi chamado ao local por volta de 12h30 e que levou uma hora para conter as chamas. O incêndio começou do lado de fora da empresa, em um matagal ao lado da marginal oeste da BR-010 e as fagulhas acabaram passando para o pátio. Nenhum prédio ou veículo foi atingido.

Vídes registrados por moradores da região mostram uma grande coluna de fumaça preta no local. A rodoviária de Palmas fica em frente, mas não foi atingida. O G1 tentou contato com a empresa por telefone, mas as ligações não foram atendidas.

G1 Tocantins.

Polícia e Conselho Tutelar tentam identificar mãe de bebê que nasceu após grave acidente em SP

Gestante estava sem documentos e morreu durante o acidente. Bebê nasceu saudável e está internado em hospital em Pariquera-Açu, interior paulista.

Médico emite receita ilegível e farmacêuticos não conseguem decifrar

Caso aconteceu em Itaporã. Orientação é para que farmacêuticos não venda o remédio em casos como esse, a fim de evitar erro.

No município de Itaporã, um médico do Sistema Único de Saúde (Sus), prescreveu a um paciente um medicamento em uma receita ilegível. O farmacêutico que recebeu o documento não teve como vender o remédio. E essa é justamente a orientação, tanto do Conselho Regional de Farmácia, quanto do Conselho Regional de Medicina, para evitar erros.

“Essa daqui para mim é uma das campeãs de ilegibilidade porque se sobrepõe as linhas. Não dá para ler nem o nome do paciente e olha que eu tenho muitos anos de prática em farmácia”, avalia a presidente do Conselho Regional de Farmácia Márcia Lobo, ao tentar decifrar a receita.

Ela orienta que os farmacêuticos não vendam remédios em situações como essa. “Recomendo que coloque um carimbo de legibilidade e explique ao paciente o risco que é tentar fazer essa decodificação, para segurança do paciente. Ele [o paciente] deve, na hora de receber a prescrição, já interpelar o médico acerca de ilegibilidade.”

A farmacêutica Maria Júlia está acostumada com receitas ilegíveis. “Essas receitas são muito comuns. A gente tem um grupo no WhatsApp de todos os farmacêuticos do Tocantins e quando a não sabemos qual é o medicamento, pergunta para ver se alguém descobre.”

Ela confirma que deixar de vender o medicamento por causa do risco. “O paciente já não está bem, saiu de um hospital, posto de saúde, chega na farmácia e a gente não sabe o nome do medicamento, tem que ficar adivinhando e muitas vezes não tem como. A gente deixa de vender porque é perigoso matar.”

O primeiro secretário do Conselho Regional de Medicina explica que o paciente pode recorrer ao CRM. “Está ferindo o artigo 11, do código de ética médica, que diz que é vedado ao médico receitar, atestar ou emitir qualquer outro documento de forma ilegível. Se o interessado encaminhar uma receita dessa ao CRM, o Conselho é obrigado a investigar, convocar o médico.”

Ele concorda que o farmacêutico não deve vender o medicamento quando a receita está ilegível. “O profissional que atende uma receita dessa, está se expondo e correndo o risco de cometer um erro, dar outra medicação. Ele está certo em não atender uma receita dessa. Deve orientar a pessoa a voltar e pedir ao médico que emita uma receita legível”, orienta.

Até a publicação dessa reportagem a prefeitura de Itaporã não enviou resposta.

G1 Tocantins.

Polícia encontra desmanche de motos e prende grupo suspeito de roubos

Grupo seria especializado em roubar motos e revender peças. Operação foi feita pela Polícia Civil de Araguaína, norte do Tocantins.

Duas pessoas foram presas e um adolescente apreendido suspeitos de integrar um grupo especializado em roubar e desmanchar motos para revender as peças. A prisão foi feita pela Delegacia de Investigação Criminal de Araguaína, na tarde desta quinta-feira (27).

G1 ainda tenta contato com a defesa das vítimas.

Segundo a Polícia Civil, o desmanche das motos era feito na casa de Marcos Alves dos Reis, de 31 anos. As investigações apontaram que ele é mecânico e seria o responsável por encomendar o roubo dos veículos.

No local foi encontrada uma moto parcialmente desmontada, além de várias peças de outros veículos que já tinham sido depenados. Ainda conforme a polícia, após consultas, os agentes verificaram que as motocicletas tinha sido roubadas ou furtadas.

A polícia informou ainda que durante a abordagem encontrou, no carro do suspeito, diversas peças prontas para serem revendidas.

Ainda durante a operação, Jackson da Paz de Sousa, de 20 anos, foi preso e um adolescente apreendido. Eles seriam responsáveis por roubar as motocicletas. Com os dois foi encontrado um revólver e munições intactas.

Os suspeitos foram levados para a delegacia. As peças e a moto foram encaminhadas para perícia.

G1 Tocantins.

Camponeses têm casas derrubadas por motosserras em conflito por terra no Tocantins

Conflito agrário foi registrado em terra na zona rural de Barra do Ouro, na região norte do estado. Mais de 20 famílias vivem no local há 50 anos, afirma Pastoral da Terra.

Camponeses que moram em um assentamento em Barra do Ouro, na região norte do Tocantins, foram vítimas de supostos pistoleiros na última semana. Vídeos feitos pelos moradores mostram homens chegando ao local e derrubando barracos com motosserras. Um deles também diz que teve plantações de milho, mandioca e feijão destruídas. O caso foi denunciado à Polícia Civil.

O conflito é pela terra onde fica a Gleba Tauá. Conforme a Comissão Pastoral da Terra (CPT), a ação dos supostos pistoleiros teria sido mandada por um empresário que diz ser o dono da terra.

Os camponeses denunciaram que constantemente são ameaçados e intimidados pelos funcionários do empresário. Em um dos vídeos, um homem chega e afirma que vai derrubar todas as estruturas que estiverem sendo construídas.

Ainda segundo a Pastoral da Terra, nenhuma autorização judicial foi apresentada ou emitida recentemente pela Justiça para derrubar os barracos.

Conforme a denúncia feita à Polícia Civil, o empresário que reclama a posse da terra é Emílio Binotto. O G1 ainda tenta contato com a defesa do fazendeiro.

Em março deste ano, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) criou dois assentamentos na região onde fica a Gleba Tauá.

O Incra informou que a área é pública, pertence à União e está sob gestão da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário, por meio do Programa Terra Legal.

“A secretaria está promovendo regularização fundiária de áreas na gleba Tauá e já promoveu a destinação de 3.320 hectares ao Incra, para criação de dois assentamentos, que ainda serão implantados”, diz nota enviada.

Embora o Incra tenha criado a área do assentamento, por meio de portarias, restam outras etapas para legalizar a terra e entregar os títulos aos camponeses.

Conforme levantamento da pastoral, cerca de 20 famílias tradicionais vivem há mais de 50 anos na gleba e outras 66 passaram a ocupar as terras na última década. Porém, em 2015, o fazendeiro teria chegado no local e começado a desmatar o cerrado para fazer plantações.

Também há denúncia de crimes ambientais e despejo de agrotóxicos em fontes de água para impedir a agricultura familiar.

“Essa prática serve também como forma de pressionar as famílias para que elas saiam dali, pois nota-se que desmatou, mas não plantou nada. Mas o pior vem depois, quando a soja ou o milho são plantados nos arredores e são despejados os diversos tipos de agrotóxicos”, relatou o coordenador da CPT, Pedro Ribeiro.

Outro lado

O Incra afirmou, em nota, que solicitou informações à Polícia Civil sobre as situações de violência no campo na região. “A Ouvidoria Agrária Nacional acompanha os conflitos na Gleba Tauá, tendo solicitado a atuação da Delegacia Especializada na Repressão de Conflitos Agrários do Estado do Tocantins para apurar os casos de violência relatados na área.”

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) informou que a Delegacia Especializada na Repressão de Conflitos Agrários (DERCA) tem realizado ações de prevenção a incidentes na região de Barra do Ouro e deslocado equipes até o local para fazer investigações. “Em relação aos fatos recentes, já estão sendo tomadas as devidas providências para elucidação do ocorrido”, afirmou a SSP em nota.

O Ministério Público Estadual afirmou que atua em uma ação sobre violência agrária envolvendo a propriedade e os camponeses, mas não tem atuação no processo de regularização da terra.

O Ministério Público Federal informou que há um procedimento na procuradoria de Araguaína para acompanhar a regularização da terra nessa área. Sobre os episódios de violência, informou que são de competência do MPE.

G1 Tocantins.

Irmãos que caíram em vala no meio de rua ganham indenização após dez anos

Acidente aconteceu em outubro de 2008 no setor Vale do Sol, em Palmas. Concessionária de água e Prefeitura de Palmas foram condenadas, mas podem recorrer.

Dois irmãos que caíram de bicicleta em uma vala aberta pela concessionária de água do Tocantins ganharam na Justiça uma indenização de R$ 11,9 mil. O acidente aconteceu em outubro de 2008, em Palmas, mas foi julgado apenas nesta quinta-feira (26), quase dez anos após o ocorrido. A BRK Ambiental e a Prefeitura de Palmas foram condenadas, mas ainda podem recorrer.

A empresa BRK Ambiental, antiga Saneatins, informou que irá cumprir a decisão. A Prefeitura de Palmas também foi procurada, mas ainda não respondeu.

Segundo consta na decisão do juiz Manuel de Faria Reis Neto, da 1ª Vara da Fazenda e Registros Públicos de Palmas, o acidente aconteceu durante a noite e o local estaria sem a sinalização necessária. Os irmãos estavam em uma bicicleta e passavam por uma rua no setor Vale do Sol. A via era pavimentada, mas passava por obras de manutenção.

Um dos irmãos teve fratura no nariz e perdeu dois dentes, além de ficar com os ossos do ombro expostos e com um coágulo na cabeça. Ele fincou internado por dez dias no HGP. A outra vítima teve ferimentos por todo o corpo.

“[…] Entendo que o dano moral merece ser fixado em R$ 5 mil, para cada autor , tendo em vista do seu caráter indenizatório e pedagógico, sem que isto configure excesso ou enriquecimento ilícito”, disse o juiz na decisão.

A Saneatins, que agora se chama BRK Ambiental, e a prefeitura de Palmas também terão que pagar R$ 1,9 mil por danos materiais. Porém, ainda podem recorrer da decisão.

G1 Tocantins.

Cantor Mano Walter encerra programação da temporada de praia em Peixe

A dupla Frederico & Lorenzzo, o MC Star e a banda Tom de Alerta completam a programação no sul do estado. Veja também as atrações artísticas nas praias de Porto Nacional.

A temporada de praias está acabando, mas antes de despedir os banhistas poderão curtir mais atrações artísticas. Na praia da Tartaruga, em Peixe, o cantor Mano Walter é a atração principal no domingo (29), a partir das 16h. O cantor é conhecido pelos sucessos “Não deixo, não” e “Juramento do dedinho”.

No sábado (28), também tem programação. Sobem ao palco a dupla Frederico & Lorenzzo e o MC Star. Os shows são pagos. Informações podem ser obtidas nos telefones (63) 9 8454 1937 ou (63) 3312 0814.

Mas também tem programação gratuita para quem quer aproveitar a praia da Tartaruga, que é uma das mais movimentadas do Tocantins. No sábado, a banda Tom de Alerta anima os banhistas.

Os turistas poderão desfrutar de tendas na água, bares, restaurantes, área de camping com tendas para quem quiser acampar e banheiros químicos.

Quem for ao local, precisa fazer a travessia por meio de voadeiras ou balsas para chegar à praia. De segunda a quinta-feira, o valor é R$ 15. Já na sexta, sábado e domingo, o preço aumenta para R$ 20.

Shows pagos

Sábado (28/07)

  • Frederico & Lourenzzo e MC STAR
  • R$ 10,00 (unissex) primeiro lote

Domingo (29/07)

  • Mano Walter
  • R$ 20,00 (unissex) primeiro lote

Banhistas curtem praia em Luzimangues, distrito de Porto Nacional (Foto: William Ricardo/TV Anhanguera)Banhistas curtem praia em Luzimangues, distrito de Porto Nacional (Foto: William Ricardo/TV Anhanguera)

Banhistas curtem praia em Luzimangues, distrito de Porto Nacional (Foto: William Ricardo/TV Anhanguera)

Porto Nacional

Em Porto Nacional, a 66 km de Palmas, os banhistas também poderão aproveitar a água da praia de Porto Real e se divertir com a programação. No sábado, a partir das 19h, quem sobe ao palco é o grupo Belelê.

Já no domingo, cantam Di Luca e Raphael, a partir das 17h, e Viola D Junior, às 19h.

A praia de Luzimangues, distrito de Porto Nacional, também terá atrações artísticas. No sábado, a animação fica por conta de Randal e Banda às 19h. Já no domingo, quem faz o show é a dupla sertaneja Zé Ricardo e Thiago.

G1 Tocantins.

Criminosos explodem caixa eletrônico, mas fogem sem levar nada

Crime aconteceu em Dois Irmãos, na região central do estado. Até o momento ninguém foi preso.

Palmeirópolis: Governo publica edital inédito para jazidas de minerais

A outra reúne jazidas com presença de zinco, chumbo e cobre em uma grande área de 5,5 hectares em Palmeirópolis (TO). Ouro, prata e cádmio também podem ser explorados.

A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), rebatizada como Serviço Geológico do Brasil, ficará responsável pela licitação e vai abrir consulta pública por quase 30 dias para receber sugestões de aperfeiçoamento do edital.

O calendário desenhado em conjunto com o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) prevê que o leilão seja realizado entre os dias 13 e 17 de dezembro. Antes, será necessário obter sinal verde do Tribunal de Contas da União (TCU). 

O leilão marcará a estreia do modelo em que o governo, por meio da CPRM, oferece ao mercado o direito de exploração de áreas das quais possui título minerário e conhecimento geológico. Haverá cobrança de um bônus fixo de assinatura no valor acumulado de R$ 3,4 milhões. Vencerá quem se comprometer com a maior porcentagem de royalties.

Os contratos terão durações distintas, mas ambos poderão ser renovados sucessivamente até o esgotamento das reservas. No caso de Candiota, a vigência é de 25 anos. A área foi dividida em quatro lotes separadamente. O bônus total está sendo fixado em R$ 3,13 milhões e a alíquota mínima para pagamento de royalties é de 4%.

Para a área em Palmeirópolis, em lote único, a minuta de edital prevê bônus de R$ 300 mil e pelo menos 2% de royalties. À cobrança de royalties, que serão destinados para a CPRM, soma-se ainda o recolhimento da Compensação Financeira sobre Exploração Mineral (Cfem) — encargo repartido entre municípios, Estados e União.”

Fonte: www.brasil247

Crianças encontram idosa morta ao tentar pegar bola no quintal da casa dela

Maria José da Silva, de 78 anos, era dona da casa, mas não morava no local. Corpo foi descoberto na tarde desta quinta-feira (26).

Um grupo de crianças que brincava na Arse 122 (Antiga 1206 Sul) acabou encontrando o corpo de uma idosa no fim da tarde desta quinta-feira (26). Eles estavam jogando futebol na rua quando a bola caiu no quintal de uma casa. Como ninguém atendeu a porta quando chamaram, um deles pulou o muro para buscar o brinquedo.

Quando a criança entrou viu que Maria José da Silva, de 78 anos, estava caída no quintal. Eles avisaram um adulto que chamou a Polícia Militar e o SAMU. A suspeita é de que a morte seja por causas naturais, já que não havia marcas de violência no corpo.

A família informou que Maria José não morava no local, mas era dona do imóvel. Ela teria passado a noite na casa para regar plantas e fazer a manutenção e deveria voltar para a casa da filha nesta noite.

O corpo da idosa foi levado para o Instituto Médico Legal de Palmas. Ainda não há informações sobre se a morte foi na noite de quarta-feira (25) ou durante o dia.

Suspeita é de que morte seja por causas naturais (Foto: Letícia Queiroz/TV Anhanguera)Suspeita é de que morte seja por causas naturais (Foto: Letícia Queiroz/TV Anhanguera)

Suspeita é de que morte seja por causas naturais (Foto: Letícia Queiroz/TV Anhanguera)

G1 Tocantins.