Rozineide Gonçalves

Jovem é deixada em hospital com sinais de estupro e homens armados invadem unidade à procura dela

A Polícia Civil informou que o caso será investigado pela Delegacia da Mulher, em Cuiabá. Eles procuravam pela vítima e pelas roupas que ela usava quando foi socorrida.

Uma jovem de 18 anos foi deixada nesse domingo (16) no Hospital Geral, no Centro de Cuiabá, com suspeita de ter sido vítima de estupro durante uma festa, na capital.

De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Militar, dois homens levaram a vítima até o local e fugiram em seguida. Horas depois homens armados invadiram o hospital à procura da vítima e das roupas que ela usava.

A Polícia Civil informou que o caso será investigado pela Delegacia da Mulher, em Cuiabá.

Segundo a PM, a jovem foi deixada na unidade às 11h. Os funcionários do hospital ligaram para a polícia e informaram que a vítima teria sido vítima de um estupro. A mãe da jovem estava na unidade quando os policiais chegaram ao local.

O médico que atendeu a jovem disse aos policiais que a paciente estava com um intenso sangramento e lesões nas partes íntimas.

Enquanto era atendida, a paciente contou aos médicos que estava em uma festa, onde teria usado droga e tomado bebida alcoólica. Ela afirma que se lembra de ter tido uma relação sexual.

No entanto, por conta da lesão, os médicos acreditam que ela foi vítima de estupro. A jovem foi sedada e encaminhada ao centro cirúrgico.

Invasão

Enquanto registraram um boletim de ocorrência na Polícia Civil, os policiais militares foram chamados novamente pelos funcionários do hospital.

Os servidores relataram que três horas depois da entrada da jovem na unidade, homens armados tentaram retirar as roupas que a vítima usava quando deu entrada no atendimento. As vestimentas estavam sujas de sangue.

Os funcionários liberaram a entrada dos suspeitos, que diziam estar armados. Os suspeitos ameaçaram os funcionários e procuraram pela vítima e pelas roupas que ela estava quando foi socorrida.

Eles não conseguiram encontrar a jovem e fugiram do local em um carro. Os funcionários conseguiram anotar a placa do automóvel e entregaram à PM. O dono do carro seria um morador do Bairro Jardim Leblon. Os suspeitos não foram localizados até a manhã desta segunda-feira (17).

G1 Tocantins.

Irmãos suspeitos de matarem o próprio pai são detidos durante operação em Marianópolis

Um dos irmãos é menor de idade e foi apreendido. Além deles, outro homem que é suspeito de ter ajudado no crime também foi preso.

Vanuza Pereira Nascimento foi presa e um adolescente de 17 anos, apreendido, nesta segunda-feira (17) em Marianópolis. Eles são suspeitos de matarem o próprio pai Neuracy Rodrigues do Nascimento. O crime ocorreu em agosto passado no Projeto de Assentamento Manchete. Além deles, também é suspeito de participação Edevaldo Ferreira dos Santos. A ação faz parte da Operação Labéu.

A vítima foi encontrada caída na sala da própria casa após ser atingido por um tiro na cabeça. O adolescente é apontado como o executor.

De acordo com o delegado Eduardo César de Menezes, responsável pela operação, no dia do crime, a mulher da vítima, Zilda Pereira Lira, disse à Polícia Militar, que o marido havia cometido suicídio.

“A Polícia Civil de Marianópolis, ao iniciar as investigações, descobriu que a intenção de Zilda, quando disse aos Policiais Militares que se tratava de um suicídio, era acobertar a conduta do filho de apenas 17 anos de idade”, disse.

Ainda acordo com o delegado, minutos antes da morte, teria ocorrido uma discussão entre Nascimento, Zilda e a Vanuza.

Durante a briga, Vanuza foi à casa de vizinhos e pediu uma faca emprestada. Sem sucesso, a suspeito procurou o irmão para que a ajudasse no crime. “J.P.N, ao ser acionado pela irmã, dirigiu-se à residência do pai e, atirou contra a cabeça do próprio pai”, afirmou.

Segundo as investigações, além dos dois irmãos, Santos auxiliou Vanuza e o adolescente no crime. Ele será encaminhado para a Casa de Prisão Provisória de Paraíso.

Vanuza irá para a Unidade Prisional Feminino de Palmas e o adolescente continuará apreendido no Complexo de Delegacias de Paraíso até ser identificado um espaço socioeducativo de cumprimento de pena.

Mulher teria discutido com pai antes do crime — Foto: Dennis Tavares/SSP/Divulgação

Operação

O título da operação é sinônimo de indignidade, instituto previsto no Código Civil Brasileiro que, como forma de punição, exclui da linha sucessória os herdeiros que atentam contra vida de seus ascendentes.

A operação contou com o apoio das 1ª, 2ª e 3ª Delegacias de Polícia Civil de Paraíso, Delegacias Especializadas em Atendimento à Mulher e da Criança e Adolescente de Paraíso, Delegacias de Polícia de Divinópolis, Lagoa da Confusão, Cristalândia e Pium, Grupo de Operações Táticas Especiais (GOTE) e Centro Integrado de Operações Aéreas – CIOPAER.

Contratação de bandas para o Carnaval de Gurupi em 2013 é investigada pelo MPE

Promotoria diz que a Secretaria de Cultura não apresentou justificativa para os valores do contrato. Prefeitura disse que ainda não foi notificada sobre a ação.

A contratação de três bandas para se apresentar no Carnaval de Gurupi em 2013 está sendo questionada pelo Ministério Público Estadual. Segundo o MPE, a prefeitura pagou R$ 117 mil para o grupo Levanóiz; R$ 33 mil para o Balagandaya e R$ 108 mil para a banda Rapazolla.

A promotoria diz que a Secretaria de Cultura, responsável pelos contratos, não apresentou justificativa para os valores pagos e para a escolha das atrações. O MPE afirma ainda que a prefeitura emitiu um comprovante de que os serviços foram prestados antes mesmo dos shows serem realizados.

A Prefeitura de Gurupi disse que as prestações de contas referente a essa demanda foram aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado e que ainda não foi notificada da ação. A gestão disse ainda que vai se manifestar no processo quando for oportuno.

O caso foi parar na Justiça. O MPE quer que a secretária de cultura de Gurupi, Zenaide Dias da Costa, seja condenada a pagar integralmente o dano.

Quer ainda que ela seja penalizada com a perda da função pública, a suspensão dos direitos políticos por até cinco anos, o pagamento de multa de até cem vezes o salário dela como secretária quando tudo ocorreu e também que ela eja proibida de contratar com o Poder Público por três anos.

Ainda não há prazo para a Justiça analisar os pedidos.

G1 Tocantins.

Prefeitura de Palmeirópolis oferece esporte gratuito para crianças do município

Em Palmeirópolis: Além da música, o Projeto Rede do Bem vem sendo destaque no gramado e ginásio de esporte.

“Craque na bola, craque na escola”, afirmou o secretário de esporte de Palmeirópolis Wagner Telles.

Educação aliada ao esporte. Este é o objetivo da Prefeitura Municipal de Palmeirópolis com o Projeto Rede do Bem. O público-alvo é formado por estudantes da rede municipal e estadual de ensino ter oportunidade de participar das modalidades oferecidas como: futsal, futebol de campo, basquete e vôlei. As aulas são gratuitas.

Coordenado pela Secretaria Municipal de Esporte e Lazer o esporte em Palmeirópolis tem conquistado muitos adeptos desde a sua implementação.

Hoje o projeto conta com aproximadamente 300 alunos no futebol e futsal e os trabalhos são divididos por categorias durante a semana, com os treinos de segunda a quinta-feira no período a tarde.

Os treinos começam na segunda-feira a partir das 17:15 horas, com o sub-10 com alunos de 8 a 11 anos, e as 18:15 horas com o sub-13, alunos de 11-12 e 13 anos.

Na terça-feira às 17:15 horas sub-8, alunos de 5-6-7 e 8 anos, as  18:15 volta o sub-10, alunos de 8- 9- 10 e 11 anos. Na quarta-feira sub -8 às 17;15 horas, na quinta feira os treinos iniciam-se com sub-13, e finaliza com sub-17.

Já o futsal, os treinos são realizados no ginásio de esportes as terças e quinta-feira a partir das 13:00 horas com os alunos de 9 a 14 anos de idade, o futsal feminino que inclui meninas de 9 a 15 anos.

O secretário de esporte de Palmeirópolis professor Wagner Telles diz que para participar, o aluno terá que está matriculado na escola, e é necessário ter boas notas, portanto se o aluno tiver com falta na escola impede de participar do Projeto Rede do Bem, que inclui também aulas de músicas. As matriculas são feitas no Centro de Referência e Assistência Social (CRAS).

Wagner Teles entende que o Projeto vem dando certo, “o nosso trabalho visa contribuir no desenvolvimento intelectual e físico das crianças e jovens de Palmeirópolis, criando condições para a melhoria da qualidade de vida e o estimulo ao convívio social e coletivo. Em relação ao nosso trabalho, os treinamentos são pautados nos fundamentos tático, técnico individual e coletivo, visando uma vivencia motora de cada atleta que aqui estão, ”afirmou.

O secretário relata que em Palmeirópolis há vários talentos, dentre eles: Mateus Silva, Pedro Henrique, Heitor Vaz, e outros. “Durante os treinos escolhemos os melhores para jogar, estamos aguardando a confirmação de um amistoso contra Minaçu na próxima semana”, enfatizou.

O estudante Abrahão Henrique de 13 anos, praticante da escolinha de futebol, disse que a disciplina é primordial no esporte. “O professor Wagner é rígido, a primeira coisa que ele observa são as notas e o comportamento na escola, atender ao pré-requisito de ter um bom rendimento escolar”, argumentou sorridente.

Para a secretária de Assistência Social Ana Paula, o programa de esportes é um sucesso graças ao esforço e competência de toda a equipe de gestores e professores. “A procura tem superado as nossas expectativas, não fazemos acepção de pessoas. Ficamos muito felizes com a demanda gerada na comunidade e com a satisfação dos nossos alunos”, comemora Paula.

Grande incentivador do esporte na cidade, o Prefeito Fábio Vaz explicou que, “A intenção é tirar as crianças das ruas e oferecer uma atividade onde elas poderão se exercitar, se ocupar e encontrar quem sabe até grandes sonhos. O esporte é muito mais que um simples exercício. É através dele que se pode aprender princípios, ter disciplina e mudar toda uma história. Quem sabe até revelar grandes talentos. É tudo questão de oportunidade”, disse.

Edilson Gonçalves/reporter esportivo

Levantamento aponta que mais de três mil pessoas foram autuadas por dirigir sem habilitação no TO

Dados levam em conta meses de janeiro a julho deste ano. Duas pessoas morreram no fim de semana em acidentes que envolviam menores de idade na direção.

De janeiro a julho deste ano foram registrados 3.190 pessoas dirigindo sem carteira de habilitação no Tocantins. Segundo dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), 70 pessoas foram multadas por entregar veículo para pessoas sem CNH e 51 por permitir que pessoas desabilitadas dirigissem. Dois casos semelhantes foram registrados neste domingo em Palmas e acabaram com duas mortes.

Confira os dados de pessoas flagradas sem habilitação neste ano:

  • Araguaína – 589
  • Palmas – 570
  • Porto Nacional – 468
  • Gurupi – 283
  • Paraíso do TO – 227

Os dois acidentes registrados em Palmas envolviam adolescentes de 17 anos. Um deles aconteceu perto do Setor Santa Fé, região sul da capital e provocou a morte de José Almir Linhares Galvão, de 51 anos. No outro acidente, a cozinheira Irisneide da Silva Souza, de 32 anos, também não resistiu. Ela teve a moto atingida por um carro dirigido por um menor.

O gerente de educação para o trânsito da Secretaria Municipal de Segurança e Mobilidade Urbana, Celestino Pessoa, alertou para o uso de veículos por pessoas não habilitadas, principalmente por adolescentes.

“O menor ainda não está preparado, capacitado, não tem capacidade jurídica de dirigir um veículo. Não pode, de forma alguma, tomar posse de um veículo e assumir as vias”, comentou.

Ainda segundo ele, os responsáveis pelo menor respondem pelos atos dos adolescentes.

“O artigo prevê uma infração de trânsito para o pai que deixa, permite e entrega a direção de veículo para menores de idade. Os pais precisam ter esse cuidado. Eles respondem por esse ato ou omissão de permitir. É uma infração gravíssima multiplicada por três e quando há óbito passa a ser um crime de trânsito”, afirmou.

G1 Tocantins.

Acompanhante flagra ratos revirando lixo próximo de pacientes em hospital do TO

Registro foi feito no Hospital Regional de Araguaína, norte do Tocantins. Lixo estava em área próximo ao setor de ortopedia da unidade; homem diz que viu pelo menos dez animais.

Uma infestação de ratos foi denunciada pelo acompanhante de um paciente do Hospital Regional de Araguaína (HRA) neste fim de semana. Os animais estavam mexendo em sacos de lixo deixados em uma área próxima do corredor onde vários pacientes estão internados.

O site entrou em contato com a Secretaria de Estado da Saúde e aguarda resposta.

“Como pode ver nas fotos, o lixo fica bem na porta. Lá os ratos rasgam os sacos e fazem a festa. Eu contei mais de 10 em menos de cinco minutos”, contou o acompanhante, que pediu para não ser identificado.

O flagrante foi feito na noite deste domingo (16). O acompanhante contou que tirou as fotos na ala de ortopedia da unidade. Segundo ele, pacientes estão sendo deixados em macas e cadeiras no corredor.

Pacientes ficam internados em macas próximo de lixo — Foto: Divulgação

Pacientes ficam internados em macas próximo de lixo — Foto: Divulgação

“Outros pacientes relataram que eles [ratos] já entraram e que um profissional matou na pisada. Daí você imagina a quantidade de doenças e riscos”, lamentou.

Parte do lixo, segundo acompanhante, se tratava de materiais hospitalares como seringas e gases hospitalares. Material que estava exposto ao tempo e em contato com água.

O acumulo de lixo é comum nos hospitais do estado. Vários registros foram feitos no Hospital Geral de Palmas e no próprio Regional de Araguaína, entre outras unidades. Em abril deste ano, por exemplo, uma montanha de lixo se acumulou na mesma área, próximo do setor de ortopedia e da lavanderia do HRA.

Lixo fica ao lado de corredor onde pacientes estão internados — Foto: Divulgação

Lixo fica ao lado de corredor onde pacientes estão internados — Foto: Divulgação

G1 Tocantins.

Falta de manutenção em balsa deixa moradores de Palmeirópolis e Paranã, com dificuldades de atravessar o rio

Por questões de segurança não está sendo transportado veículos de grande porte.

A balsa que faz a travessia do rio Tocantins entre o município de Paranã e Palmeirópolis, na região sudeste do estado continua com problemas. Moradores usam uma canoa motorizada para puxar a balsa e conseguir atravessar.

Ano passado, houve entendimento que o município de Palmeirópolis por ser mais perto estaria assumindo por (22) anos, até o final da concessão a administração da balsa, que era responsabilidade do estado e UHE São Salvador.

Também foi acordado que a ENGIE daria uma balsa nova, toda estruturada, equipada e construir uma casa para o balseiro e na época foi decidido que seria no município de Paranã, a sede precisava ser lá, pois se algum morador necessitasse com urgência dos serviços na cidade como médicos por exemplo, ficava mais fácil, porque quem mora no município de Palmeirópolis o acesso é mais rápido até a cidade.

Todo o processo foi um entendimento mediado pelo Ministério Público Estadual e Federal, submetido pela aprovação da Câmara Municipal de Palmeirópolis com o projeto de lei n.165/2017, onde autorizou o município de Palmeirópolis, firmar termo de cooperação entre Agencia Tocantinenses de Transportes e Obras, município de Paranã e Engie Brasil Energia S.A, com a finalidade especifica de regular a operação e manutenção da balsa de travessia do reservatório da Usina Hidrelétrica de São Salvador.

“Assumimos um serviço que não é do município, mas pela necessidade dos moradores que tem propriedades do outro lado do rio, município de Paranã, que na maioria tem residência em Palmeirópolis, sentimos no dever de atender a comunidade do município vizinho, porque na verdade eles compram, vendem e até moram aqui na cidade, tentamos resolver um problema que se estende há dez (10) anos, desde a época da barragem”, disse o prefeito Fábio Vaz.

Nossa equipe entrou em contato com a ENGIE que nos enviou uma nota de esclarecimento

Veja a nota na íntegra

A ENGIE nunca se negou a buscar soluções para o problema de gestão da balsa. Mas para responder essa questão temos de voltar um pouco ao passado, ou seja, recuperar a história. 

A balsa a motor era condicionante do Plano Básico Ambiental (PBA) da Usina Hidrelétrica São Salvador, vinculado à licença de instalação do empreendimento emitida pelo IBAMA, com o objetivo de aprimorar as condições físicas e de segurança no transporte da população local, já que a balsa com cabos de aço não apresentava a segurança necessária e o trecho do rio havia aumentado. Essa condicionante foi devidamente cumprida com a aquisição e doação da balsa a diesel, tanto que não consta mais como condicionante da licença de operação.

Não foram realizadas manutenções periódicas na balsa por parte da Secretaria de Infraestrutura do Estado de Tocantins, responsável pela balsa e cujo termo de doação foi firmado em 2011.

Não foram poucas as vezes que a balsa parou, e não foram poucas as vezes que a ENGIE interferiu para evitar que ela parasse e a população fosse prejudicada.

Após diversas necessidades de manutenção, a ENGIE foi buscar apoio do Ministério Público Federal para resolver a questão, já que é uma empresa de energia e não pode efetuar o transporte de passageiros nem prestar serviço público de transporte.

Essa atribuição é da Ageto/Dertins, como já era antes da usina existir.

Com esse pedido de intervenção ao MPF, o procurador federal chamou Ageto/Dertins, municípios e a ENGIE para conversar e os municípios decidiram por assumir a operação da balsa, em especial Palmeirópolis.

A Companhia, se propôs a doar uma nova balsa a Palmeirópolis e repassar mensalmente o valor de R$ 15 mil a esse município. Este termo entrará em vigência após a entrega de uma balsa nova pela ENGIE, com o custo de R$ 1 milhão e 100 mil., que deve ocorrer até março de 2019.  

Hoje, a responsabilidade da balsa é da Agência Estadual de Transportes do Tocantins, antiga Dertins, que tem tido o apoio da Empresa e dos municípios para solucionar, definitivamente, o problema.

No entanto, há três semanas a ENGIE foi informada de que a balsa mais uma vez tinha apresentado problemas. A empresa designou um mecânico para reparo, como de outras vezes, e constatou que o problema não era simples, um dano no reversor da balsa. O reversor foi encaminhado para Goiânia, onde foi constatado um dano severo, motivo da demora do componente.

A expectativa de chegada é para o meio da próxima semana. Com esse atraso, a ENGIE disponibilizou uma segunda canoa para auxiliar e aumentar a quantidade de viagens diárias da balsa. Por questões de segurança não está sendo transportado veículos de grande porte.

Hoje nossa responsabilidade é arcar com os custos de combustível e custos do reparo no motor da balsa atual. Com a assinatura do termo de cooperação, assinado em 2017, temos a responsabilidade de repassar a Palmeirópolis uma balsa nova, o que será feito até março de 2019 e repassar mais R$ 15 mil mensais ao município, o que  será feito depois da entrega da balsa nova. Encerra a nota.

Nossa equipe de reportagem tentou contato com Ageto/Dertins, mas até o momento não obtivemos respostas.

VEJA O VÍDEO

Da redação

São Salvador do Tocantins: Guilherme Santos é destaque no tocantinense sub-19

Aos 18 anos, o meia-atacante da cidade de São Salvador chegou para reforçar o elenco do Clube Castelo e com vínculo até o fim de 2018.

A pequena cidade de São Salvador, vem se destacando no cenário do futebol tocantinense através do atleta Guilherme Santos, que defende as cores do Clube Castelo da cidade de Gurupi no campeonato estadual sub-19. Castelo é líder do grupo D.

O meio campista atuou como titular nas seis (6) partidas que o Azulão disputou até o momento e marcou dois gols, sendo um deles de bicicleta no Estádio General Sampaio em Porto Nacional.

Guilherme Santos vem crescendo de produção durante a competição, por ser um jogador versátil, deu mais equilíbrio no setor de meio campo.

O técnico Alcides Gonçalves, disse ter bastante confiança no desempenho do atleta, “o jogador mostrou um padrão de jogo bastante confiável, com ele (Guilherme) o meio-campo fica mais compacto”, disse.

O meia esteve em campo no último jogo do Clube Castelo no Estádio Rezendão no empate sem gols pela 6ª rodada contra a equipe do Interporto.

O técnico Alcides, já iniciou os trabalhos visando os próximos jogos do Azulão do Sul na competição. O treinador define a equipe no coletivo apronto, nesta quinta-feira (20) no Rezendão.

O Clube Castelo volta a campo nesse sábado as 16 horas no Estádio Rezendão pelas oitavas de final, jogo de ida, Gurupi e Castelo, clássico gurupiense. 

Edilson Gonçalves/Repórter esportivo

Homem retira bebê de cadeirinha momentos antes de carro pegar fogo

Pai e filho viajavam pela TO-222, em Araguaína, quando carro começou a pegar fogo. Veículo foi destruído pelas chamas.

Um carro pegou fogo na rodovia TO-222 próximo ao distrito de Novo Horizonte, em Araguaína, norte do Tocantins. O dono do veículo contou aos bombeiros que o veículo começou a pegar fogo e quando percebeu a fumaça só deu tempo de retirar o filho que estava na cadeirinha.

O caso foi registrado por volta das 7h desta segunda-feira (17). Este é o segundo caso de carro que pega fogo espontaneamente em Araguaína em poucas horas. Na noite deste domingo (16), outro veículo ficou destruído na avenida José de Brito.

Os bombeiros informaram ainda que ao chegar no local do incêndio na TO-222 o carro já estava destruído. Porém, fizeram o rescaldo para evitar que o fogo se espalhasse pela vegetação, pois o carro estava no acostamento.

Apesar do susto, pai e filho não tiveram ferimentos.

G1 Tocantins.

Cidade do Tocantins: Carro pega fogo e fica destruído em avenida

Quando os Bombeiros chegaram ao local, o fogo tinha consumido a parte interna do veículo. Proprietário disse que automóvel não tinha seguro.

Um carro pegou fogo e ficou completamente destruído na esquina da avenida José de Brito, em Araguaína norte do Tocantins. O incêndio foi registrado neste domingo (16). O Corpo de Bombeiros foi chamado, mas quando chegou ao local as chamas já tinham consumido toda a parte interna do veículo.

Os bombeiros apagaram o fogo e depois fizeram o rescaldo das chamas. O dono do carro dispensou a presença da Polícia Militar e disse que o veículo não tinha seguro. Ele aguardou o guincho para fazer o reboque do automóvel.