Trabalhadores da Educação, da saúde, segurança e da administração direta do funcionalismo, em um ato simbólico, lavaram recentemente a calçada em frente ao Palácio Pedro Ludovico Teixeira, em protesto contra a corrupção no Governo do Estado e pelo pagamento do Piso dos professores e da data-base dos administrativos da Educação e das demais categorias de servidores. O protesto foi promovido por entidades que compõem o Fórum em Defesa dos Servidores e dos Serviços Públicos de Goiás.

O protesto deve se repetir nesta semana, ainda sem específica data definida. Na tentativa de impedir o ato, o governo Marconi Perillo (PSDB) chegou a mandar fechar com grades o acesso à entrada principal do Palácio, dificultando a passagem dos pedestres. O novo protesto terá novamente relação direta com a Operação Decantação, deflagrada no final do mês passado pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal. O desvio de dinheiro da Saneago era feito para pagamento de campanha eleitoral, de OS da Saúde e até de coquetel no Palácio das Esmeraldas.

De acordo com a Lei 11.738/08, o piso dos professores deve ser reajustado em janeiro mas só foi enviado em agosto – e excluindo mais de 40 mil professores (PIII e PIV) do reajuste. A data-base é garantida pela Lei Estadual 14.698/2004, com reajuste em maio, mas há dois anos não é cumprida. Em ação proposta pelo Sintego, a justiça mandou pagar a do ano passado, mas o governo recorreu.

“Neste ato simbólico, os servidores lavam a corrupção pra ver se sobra dinheiro para pagar a data-base e o piso dos professores. Os servidores estão pagando o preço da corrupção neste Estado. Tirar o dinheiro da Saneago é o mesmo que tirar o dinheiro da nossa previdência, porque 39% da empresa é dos servidores e na medida em que o dinheiro é desviado, vai embora nossa possibilidade de ter reajuste, especialmente para os aposentados”, denuncia.(fonte:goiás real)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here