CPRM: Projeto Palmeirópolis entra na fase de exploração mineral

O projeto foi resultado de uma pesquisa realizada pelo SGB-CPRM na década de 1980 e desde então fazia parte do ativo mineral da empresa.

Após suspensão das atividades devido à pandemia, CEO da Alvo Minerals esteve na Litoteca do SGB-CPRM e demonstrou entusiasmo ao iniciar os estudos dos testemunhos de sondagem, que precede a ida a campo.

No dia 14 de setembro de 2021, o CEO da Alvo Minerals, Rob Smakman e o gerente de exploração, Júlio Liz, estiveram visitando a Litoteca do Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM) na cidade de Caeté, Minas Gerais, para dar início aos trabalhos da pesquisa geológica do Projeto Palmeirópolis.

A visita foi acompanhada pelo presidente da Comissão Especial de Licitações do Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM), Leandro Guedes Bertossi.

Devido à pandemia de Covid-19 o início dos trabalhos da vencedora da licitação do projeto foi adiado e agora, com a melhora no cenário, os trabalhos serão iniciados ainda em 2021.

Inicialmente a Alvo Minerals fará o reconhecimento dos dados obtidos pelo SGB-CPRM durante o projeto de exploração mineral, que se encontram arquivados na litoteca de Caeté, para posteriormente iniciar os trabalhos em campo. O empreendimento fica em Palmeirópolis sul do Tocantins.

O projeto foi resultado de uma pesquisa realizada pelo SGB-CPRM na década de 1980 e desde então fazia parte do ativo mineral da empresa.

Em 2019, em parceria com a Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos do Ministério da Economia, o ativo foi arrematado pela Alvo Minerals por R$15 milhões, além do pagamento de royalties de 1,71% da receita bruta de vendas durante a vida útil do empreendimento.

Os recursos minerais são estimados em 4.6 milhões de toneladas de minério com teor médio de 3,9% de zinco, 1,0% de cobre, 0,4% de chumbo, além de presença de ouro e prata.

“Estamos entusiasmados com o início de nossa exploração do projeto de Palmeirópolis, com a visita junto com o SGB-CPRM para revisar os arquivos das sondagens realizadas há mais de 30 anos. O projeto tem um excelente potencial e esperamos que, em breve, realizemos os trabalhos em campo ativos no terreno, acrescentemos nossa base de conhecimento e melhoremos o potencial geral”, disse Rob Smakman, CEO da Alvo Minerals.

Para o diretor de Geologia e Recursos Minerais do SGB-CPRM, Marcio Remédio, essa visita marca o início do desenvolvimento de um projeto com grande potencial exploratório, parceria essa que deve se estender a todas as empresas que vierem a trabalhar com o SGB-CPRM na aquisição dos ativos, visando o desenvolvimento de projetos minerais no Brasil que estiveram sem investimentos por décadas.

Além do projeto Palmeirópolis, o Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM) licitou, em junho deste ano, o projeto Fosfato Miriri, no estado da Paraíba e pretende dar continuidade no programa de desinvestimento dos ativos minerários da empresa com as licitações dos Projetos Cobre Bom Jardim de Goiás, no estado de Goiás, Caulim Rio Capim, Calcário Aveiro e Gipsita Rio Cupari, todos no estado do Pará, nos próximos meses.

Fonte: Ascom cprm

Deixe um comentário