Quadrilha de GO desarticulada planejava novo assalto no TO, diz Deic

Um dos suspeitos foi morto durante confronto com a polícia no Tocantins.
Com eles, foram encontrados explosivos e armamentos, afirma delegado

A quadrilha especializada em assalto a agências bancárias, que foi desarticulada pela Polícia Civil na última sexta-feira (6), planejava assaltar um correspondente bancário em Marianópolis do Tocantins nos proximos dias. A informação foi repassada pela Delegacia de Investigações Criminais (Deic) durante uma entrevista, nesta terça-feira (10).

Os membros da quadrilha são de Goiás. Eles foram encontrados pela polícia no assentamento Manchete, em Marianópolis. Segundo a polícia, na sexta-feira, ao serem abordados, eles reagiram e atiraram contra os agentes. Na troca de tiros, Adriano Teixeira, de 27 anos foi morto e um adolescente de 16 anos ficou ferido. O terceiro suspeito conseguiu fugir.

Conforme as informações, a quadrilha também agia no norte de Goiás. A polícia chegou até eles após dois meses de investigação conjunta entre as polícias dos dois estados.

“Através de outros crimes de roubo a bancos acontecidos no estado de Goiás, os agentes do grupo de anti-roubo a banco iniciaram as diligências que culminaram com a identificação destes elementos. A partir daí o monitoramento foi intensificado com o auxílio da Polícia Civil do Tocantins”, informou o delegado civil de Goiás, Alex Vasconcelos.

A polícia informou que para financiar o roubo que pretendia fazer em Marianópolis, a quadrilha estava cometendo outros crimes de pequeno porte na região.

Confronto
Durante a abordagem da polícia no assentamento houve troca de tiros. Um dos suspeitos de integrar a quadrilha Adriano Teixeira, 27 anos, morreu. Segundo a polícia, ele já tinha passagens e estava com três mandados de prisão em aberto no estado de Goiás, por roubo e tráfico de drogas.

Já o menor baleado durante a ação tem 16 anos e está internado no Hospital Regional de Paraíso do Tocantins. Uma das armas que estavam com os assaltantes e que foi recuperada, pertence a um policial civil de Goiás que teve o carro roubado em dezembro de 2013.

O delegado de Goiás disse que os suspeitos também estavam em “posse de explosivos e armamentos, bem como colete balístico e demais apetrechos para praticar os crimes no Tocantins”.

As investigações continuam e agora a polícia quer saber se a quadrilha tem ligação com os assaltantes de bancos que vêm agindo no Tocantins desde o ano passado.(fonte:g1/to)

Deixe um comentário