Obra parada revolta comerciantes da praia das Arnos em Palmas

Construção de R$ 3,7 milhões está abandonada, dizem comerciantes.
Quiosqueiros reclamam que falta de infraestrutura afasta turistas

Uma obra orçada em R$ 3,7 milhões tem gerado revolta na praia das Arnos, em Palmas. O projeto é para construir quatro blocos, onde ficarão os comerciantes do local. O problema é que, segundo eles, a obra está parada. A ordem de serviço para a construção foi assinada em junho de 2014, mas ainda não foi concluída. Os recursos são da Prefeitura de Palmas.

Os quiosqueiros da praia dizem que não vê um pedreiro no local há cerca de sete meses. “Depois que a obra parou, não apareceu mais ninguém. Só um caminhão que às vezes vem para retirar algumas coisas porque eles estão trabalhando em outra obra. Aqui não tem guarda, está praticamente abandonado”, lamenta o comerciante Cícero da Silva.

As pessoas que trabalham na praia reclamam também que a obra está atrapalhando os negócios.

“O turista mesmo não está encostando. Ele chega aqui e no estacionamento, quando vê a situação, dá meia-volta e vai embora porque acha que a praia está interditada. Está dando a entender que isso daqui está abandonado”, explica a comerciante Elizabete Ferreira da Silva.

O anúncio da revitalização da praia das Arnos foi feito em 2014. No mês de abril, foi aberta a licitação para contratar a empresa que ficaria responsável pela execução de obras. Além dos quiosques para os restaurantes, estava prevista a construção de quadra de futebol de areia, Corpo de Bombeiros e espaço para profissionais da saúde.

Na época, a prefeitura disse que as obras na praia visavam atender a população da região, com infraestrutura apropriada que permite segurança, conforto e comodidade. O objetivo também era que o local seja utilizado para práticas esportivas e de lazer e que os locais destinados à alimentação estejam em conformidades com a legislação vigente, estabelecida pela vigilância sanitária.

Procurada pela produção da TV Anhanguera, a Prefeitura de Palmas ainda não se manifestou sobre o caso.(fonte:g1/to)

Deixe um comentário