Reaberta hidrovia Tietê-Paraná Governador Marconi inicia operações no modal hidroviário após dois anos de intensas negociações

marcone
Governador Marconi Perillo discursa para falar da importância da hidrovia para economia do Estado

Após dois anos, diversas reuniões e gestões junto ao Ministério de Minas e Energia e outros órgãos do Governo Federal, o governador  Marconi Perillo pôde enfim comemorar na sexta-feira (11) a reabertura da hidrovia Paranaíba-Tietê-Paraná, no canal da cidade de São Simão, no extremo Sudoeste do Estado.
Por volta das 10h30 de sexta-feira (11), na companhia do prefeito Márcio Vasconcelos (PMDB), de representantes das empresas que operam a hidrovia em São Simão, do secretário Vilmar Rocha (Secima), prefeitos e demais lideranças da região e de outros estados, o governador acionou a botoeira que deu início ao carregamento das chatas que formam o comboio de barcaças de soja que deixará o porto goiano com destino a cidade de Pederneiras (SP), onde se localiza o terminal intermodal que promove a transferência da mercadoria para trens cargueiros que seguem em direção ao Porto de Santos (SP).
O empenho do governador para a retomada da navegação foi comemorado por todas as autoridades que discursaram na solenidade realizada nas dependências da Caramuru Alimentos, para uma plateia superior a 200 pessoas. O prefeito de São Simão agradeceu Marconi “pelo empenho que sempre teve” e por ter “comprado briga em 2001 quando a hidrovia corria o risco de ser desativada”.
Márcio Vasconcelos testemunhou que nestes dois anos em que a hidrovia permaneceu fechada, “centenas de famílias perderam os seus empregos enquanto a economia do município definhava”. Na estimativa do prefeito, o prejuízo neste período pode ter chegado a R$ 1 bilhão.
Raimundo Holanda, presidente da Federação Nacional das Empresas de Navegação Aquaviária, disse que o governador Marconi Perillo quebra o paradigma de que político só trabalha por voto. “Digo isso porque navegação não dá voto”, salientou para completar que o trabalho desenvolvido pelo Governo do Estado “nos dá esperanças de um Brasil melhor, feito por pessoas que trabalham com seriedade e dedicação”.
Disse também que a hidrovia São Simão/Pederneiras movimenta R$ 10 bilhões por ano em produtos de Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná e São Paulo. “São seis milhões de toneladas transportadas por ano, operações que demandam o trabalho de poucas dezenas de marinheiros”.
Segundo Raimundo Holanda, a mesma quantidade de grãos exigiria o trabalho de 200 mil caminhões caso o transporte fosse realizado por rodovias. Outro dado relevante é que, transportando uma tonelada de carga, a distância percorrida com um litro de combustível é de 220 quilômetros pela hidrovia, 85 quilômetros por ferrovia e 25 quilômetros pelo modal rodoviário.
Cada comboio fluvial, formado por quatro chatas e um empurrador, transporta seis mil toneladas de carga por viagem. O transporte entre São Simão e Pederneiras (SP) é feito em quatro dias. Some-se a isso a economia superior a 30% no preço do frete praticado no Brasil, fator que representa diminuição de custo e consequente aumento de renda para os produtores.
Diretor da Louis Dreyfus Commodities, Luis Barbieri também elogiou a “incansável batalha do governador Marconi Perillo pela reativação da hidrovia”. Ele lembrou que o governador foi a primeira autoridade a sair em defesa da hidrovia quando ela foi fechada há dois anos. “Sem o empenho do governador talvez não estivéssemos aqui hoje”, salientou.
Alberto Borges, diretor-presidente da Caramuru Alimentos, declarou que a retomada da navegação representou a vitória “da bandeira que levantaram o governador Marconi Perillo e o secretário Vilmar Rocha. Os desafios foram enormes. Se o governador não liderasse esse processo, a hidrovia teria ficado pelo caminho”.
O presidente da Caramuru, uma das quatro operadoras do porto de São Simão (as outras são a ADM, Louis Dreyfus Commodities e TNPM), recordou que foi graças à insurgência do governador Marconi Perillo, quando do anúncio de fechamento do canal de Pereira Barreto (SP), que a hidrovia foi mantida. “Se o canal fosse fechado, seria o fim da hidrovia, uma vez que ela só tem sentido se ligar São Simão a Pederneiras”, acrescentou.
O secretário Vilmar Rocha iniciou sua fala rogando que esta seja a última vez que retorna a São Simão para participar de ato solene de retomada da hidrovia. “Estamos comemorando uma vitória. Tomara que daqui para a frente estejamos aqui para anunciar outras conquistas”, declarou para anunciar em seguida que está em estudo preliminar a extensão da hidrovia para os municípios de Catalão e Itumbiara. “Há estudos preliminares que indicam ser possível”, garantiu.
© 2016 – Jornal Diário do Norte/Goias

Deixe um comentário