Dezenas de presos fogem de presídio em Goiás; há um morto e 9 feridos

SSPAP não sabe número exato de fugitivos, que escaparam do semiaberto.
Houve troca de tiros e um preso morreu; dos baleados, um tem estado grave.

Dezenas de presos do regime semiaberto fugiram, nesta segunda-feira (13), da Colônia Agroindustrial, no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, Região Metropolitana da capital. Segundo o presidente da Associação dos Servidores do Sistema Prisional do Estado de Goiás (Aspego), Jorimar Bastos, cerca de 30 detentos escaparam. Um detento morreu e nove ficaram feridos.

Em nota, a assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP) informou que não sabe exatamente quando detentos escaparam. Segundo a Polícia Militar, três já foram recapturados. Várias guarnições de comandos especiais fazem buscas no local pelos outros fugitivos.

Ainda segundo o comunicado, um reeducando morreu e outro ficou gravemente ferido. Os outros oito tiveram ferimentos leves. A SSPAP informou que o tumulto já foi controlado.

Conforme Bastos, os presos pularam o muro da unidade. Os agentes tentaram coibir e houve tiroteio. “Alguns carros já estavam do lado de fora dando auxílio na fuga e os comparsas estavam armados. Houve confronto e alguns dos detentos foram baleados”, disse.

Ele explica que eles foram socorridos e encaminhados para os hospitais de urgências de Goiânia (Hugo) e Aparecida de Goiânia (Huapa).

A assessoria de imprensa do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) informou que só a Secretaria de Segurança Pública irá repassar informações sobre os presos e os estados de saúde.

Já o Huapa disse que nenhum preso foi encaminhado para o hospital.

Superlotação e bloqueador de celular
Ainda conforme Bastos, no presídio destinado exclusivamente ao regime semiaberto, a capacidade é de 250 vagas, mas, atualmente, comporta 1,2 mil. Destes, somente 400 trabalham e os outros 800 passam o dia todo na unidade.

Presos do semiaberto fogem do Centro de Prisão Provisória (CPP) em Goiânia, Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Forças de seguranças fazem buscas por outros presos que fugiram (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

“Nós temos cinco servidores de plantão para cuidar de todos esses presos que não saem para trabalhar. É impossível. Lá não é para cumprir pena, é para dormi. Eles simplesmente pulam o muro e fogem”, reclamou.

Outro fator que, segundo ele, contribuiu para o fato foi a instalação de bloqueadores de celular no presídio, ocorrida semana passada. “Isso causou um desconforto na população carcerárias, eles acharam ruim”, destaca.

A assessoria de imprensa do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) informou que só a Secretaria de Segurança Pública irá repassar informações sobre os presos e os estados de saúde.

Novo tiroteio
Este é o segundo confronto que resultou na morte de presos no Complexo Prisional em menos de 20 dias. No último dia 23 de fevereiro, um tiroteio dentro da Penitenciária Odenir Guimarães (POG) deixou 5 detentos mortos e outros 35 feridos.

Bombeiros confirmam 4 mortes e 35 feridos em tiroteio em presídio de Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Tiroteio na POG deixou 5 mortos e 35 feridos (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Entre os mortos, estava Thiago César de Souza, conhecido como Thiago Topete, líder de uma quadrilha de tráfico de drogas. Houve uma briga entre as alas que culminou na troca de tiros.

Apesar dos problemas, nenhuma fuga foi registrada na ocasião. Como parte da estrutura foi destruída, a SSPAP precisou transferir 558 detentos para o Presídio de Anápolis, que sequer havia sido inaugurado.

A Justiça determinou o retorno deles à unidade de origem em 15 dias, mas a secretaria afirmou iria pedir mais tempo para realizar o procedimento, cujo prazo termina na próxima quarta-feira (15).

Complexo Prisional de Segurança em Goiânia, Goiás (Foto: Vanessa Martins/G1)
Foi o segundo episódio com tiros e mortes no Complexo Prisional em 18 dias (Foto: Vanessa Martins/G1)

Fonte:G1

Deixe um comentário