Preso que rompeu tornozeleira e deixou bilhete para polícia em Gurupi é preso após 16 dias

Leandro Dias foi detido durante uma abordagem de policiais civis que procuravam carro roubado em Gurupi. Após ser preso, ele foi levado para cadeia da região sul do estado.

Foi recapturado na manhã desta terça-feira (9) em Gurupi, no sul do estado, o preso Leandro Dias Sousa. Ele cumpria pena em regime semiaberto e fugiu após romper a tornozeleira eletrônica que usava dentro de uma delegacia. 

O equipamento foi deixado com um bilhete, onde ele afirmava que iria passar as festas do fim de ano com a família.

A tornozeleira foi encontrada no dia 24 de dezembro e o bilhete dizia: “Para o Lázaro. Tornozeleira do ex-reeducando Leandro Dias (setor Jardim dos Buritis). Ele viajou, foi passar o Natal e o Ano Novo com a família e trabalhar também”.

Leandro Dias era considerado foragido e tinha um mandado de prisão em aberto, mas só foi preso porque a Delegacia de Repressão a Roubos e Furtos de Veículos procurava um carro roubado no setor Bela Vista, em Gurupi.

Os policiais se depararam com ele e cumpriram o mandado de prisão. O preso foi levado para a central de flagrantes da cidade, onde foi autuado e mandado para o Centro de Reeducação Social Luz do Amanhã, em Cariri.

Tornozeleira e bilhete foram encontrados em delegacia de Gurupi (Foto: Reproducao/TV Anhanguera)

Entenda

A tornozeleira eletrônica de Leandro Dias foi deixada na Central de Flagrantes de Gurupi, sul do Tocantins. A Secretaria de Cidadania e Justiça afirmou, em nota, que a Central de Monitoração detectou o equipamento parado na delegacia do município a partir das 18h38, do domingo (24). E este foi o exato momento em que houve a violação. Assim, o preso teria tirado a tornozeleira dentro ou nos arredores da delegacia. 

O preso ganhou o benefício de cumprir a pena no regime semiaberto no dia 30 de novembro, quando recebeu a tornozeleira. Ele tinha sido preso por furto, mas estava cumprindo a pena em regime domiciliar, após uma decisão judicial.

G1 Tocantins

Preso que rompeu tornozeleira e deixou bilhete cumprirá pena em regime fechado

Decisão foi emitida na manhã desta quinta-feira (28). Segundo documento, assim que for encontrado, ele deve ser levado para a Casa de Prisão Provisória de Gurupi.

Tornozeleira eletrônica é deixada com bilhete por preso no sul do Tocantins

Equipamento foi encontrado na Central de Flagrantes de Gurupi. Secretaria de Cidadania e Justiça disse que Leandro Dias estava preso em regime domiciliar.

O equipamento foi encontrado neste domingo (24) na delegacia. A Secretaria de Cidadania e Justiça informou que a tornozeleira estava com o preso Leandro Dias Sousa desde o dia 30 do mês passado. Ele tinha sido preso por furto, mas estava cumprindo a pena em regime domiciliar, após uma decisão judicial.

Não é possível dizer se foi o próprio preso ou outra pessoa quem deixou o equipamento no local. O bilhete é endereçado para um homem por nome de Lázaro:

“Para o Lázaro. Tornozeleira do ex-reeducando Leandro Dias (setor Jardim dos Buritis). Ele viajou, foi passar o Natal e o Ano Novo com a família e trabalhar também”.

Ainda segundo a secretaria, um relatório de violação será enviado à Comarca de Gurupi para que as providências sejam tomadas pela Justiça. Neste caso, o preso pode perder o benefício da prisão domiciliar e voltar para o regime fechado.

G1 Tocantins

Ex-secretário terá que cumprir pena com tornozeleira após descumprir regras do regime aberto

Pedro Pitombeira, ex-secretário de Finanças de Nova Olinda, sofreu regressão de pena porque deveria prestar serviços à comunidade, mas descumpriu decisão judicial. Defesa ainda não se posicionou.

Condenado pelo crime de dispensa de licitação no ano de 2011, o ex-secretário de finanças de Nova Olinda, Pedro Pitombeira, teve o regime de pena regredido do aberto para o semiaberto domiciliar. Ela também terá que usar tornozeleira eletrônica. A decisão é do juiz Antônio Dantas. É que o ex-secretário deveria prestar serviços à comunidade na Apae de Nova Olinda. Mas o MPE descobriu que ele tinha feito um acordo com a presidente da entidade para que ele fosse ao local somente à noite, quando não havia expediente. O promotor de Justiça Pedro Jainer Passos contou que a intenção dele era esconder da população que ele estava cumprindo pena.

O advogado do ex-secretário disse que vai se manifestar ainda nesta quinta-feira.

Pitombeira foi condenado pelo crime de dispensa irregular de licitação, no ano passado. Na sentença, foi imposta ao ex-secretário pena de três anos de detenção em regime aberto e pagamento de multa proporcional a 2% do valor do contrato firmado sem licitação.

Segundo o Ministério Público Estadual, em janeiro deste ano, a pena foi substituída por prestação de serviços à comunidade na Apae de Nova Olinda, além do pagamento de multa de três salários mínimos. Mas o ex-secretário informou que não tinha condições de pagar o valor. Nesta decisão, o juiz também indeferiu o pedido de isenção da multa no valor R$ 1.593,60, devendo ser paga em duas parcelas.

A decisão do juiz foi tomada após pedido do Ministério Público Estadual. O promotor argumentou que a pena deve ser igualitária e que não há motivos para conceder tratamento privilegiado.

“Foi levantado que a presidente da Apae disse que não seria bom que as pessoas de Nova Olinda o vissem prestando serviço como forma de cumprimento de pena porque ele era pessoa ‘influente e visível’. Diante da situação, o MPE pediu a regressão cautelar de regime para garantir que a decisão fosse cumprida”, disse ele.

Na decisão, o juiz também determina algumas medidas que devem ser cumpridas pelo ex-secretário. Entre elas, está a determinação de que ele deve recolher-se, de segunda a sexta, não podendo se afastar mais que 300 metros do perímetro de sua casa. O ex-secretário pode sair de segunda a sexta por duas horas, no período da manhã, para procurar emprego ou se matricular em instituição de ensino.

G1/TO