Acusado de matar família de ciganos no Tocantins é condenado a mais de 76 anos de prisão

Carlos Alberto teria financiado o crime fornecendo dinheiro e até as armas, segundo o Ministério Público. O crime aconteceu em 2012; quatro pessoas foram assassinadas.

Carlos Alberto Pereira, conhecido como Carlos Cigano, acusado de executar quatro pessoas em julho de 2012 em Araguaína, foi condenado a mais de 76 anos de prisão. O Júri Popular foi realizado no auditória da OAB da cidade, de portas fechadas, nesta quarta-feira (13).

Três das vítimas pertenciam a uma família de ciganos. Em 2015, o outro acusado Cícero Romão Batista Pereira foi condenado a 76 anos de prisão pelo mesmo crime.

Segundo o Ministério Público, Carlos Cigano teria financiado o crime fornecendo dinheiro e até as armas que foram usadas nos assassinatos. As vítimas são Rangel da Silva Lima, José Feitosa Pereira, Francisca Marahana Pereira Batista e Felix Guida dos Santos.

“As quatro pessoas que foram vitimadas foram atingidas em decorrência de engano, pois a vontade dele era atingir outras pessoas envolvidas numa matança de mais de 24 pessoas em mais de três estados diferentes, uma briga de família”, afirmou o promotor de Justiça, Paulo Alexandre Rodrigues.

Na votação do Júri, foram quatro votos a favor da condenação e três pela absolvição. A defesa disse que vai recorrer da decisão. “Não há nenhuma dúvida que esta decisão será anulada porque a lei determina que decisão contrária à prova dos autos deve ser anulada”, explicou o advogado Wendel Oliveira.

O crime aconteceu no setor Nova Araguaína. Conforme a denúncia, Carlos Alberto e Cícero teriam chegado em uma camionete e atirado contra um grupo de homens que jogava baralho na frente de uma casa.

Minutos depois, uma mulher grávida de gêmeos e o marido dela também foram executados. Três das quatro vítimas pertenciam a uma família de ciganos. As investigações apontaram que Cícero Romão queria vingar a morte da mãe dele, assassinada no Pará por ciganos. 

G1 Tocantins

Criminosos cortam rede de comunicação e roubam lotérica e Correios no Tocantins

Eles usaram um pé de cabra para arrombar as portas e levaram dinheiro que estava nos cofres. Dois carros teriam sido usados na ação.

Criminosos invadiram a lotérica e agência dos Correios na cidade de Santa Maria do Tocantins, a 260 km de Palmas. A ação ocorreu na madrugada desta quarta-feira (13), por volta das 3h. Segundo a Polícia Militar, eles cortaram a comunicação da cidade, interrompendo o funcionamento das linhas de celular.

Conforme a PM, na lotérica, usaram um pé de cabra para arrombar a porta e depois o cofre, de onde teriam levado cerca de R$ 80.

Na agência dos Correios, eles também teriam usado o pé de cabra para arrombar a porta e um maçarico para abrir o cofre, levando cerca de R$ 9 mil.

Conforme a polícia, dois carros foram usados na ação, mas não há informações de quantos criminosos participaram. Testemunhas disseram que eles fugiram pela estrada que liga Tupirama à BR-153. Até o momento ninguém foi preso.

Em nota, os Correios disseram que vão manter a agência de Santa Marai do Tocantins fechada durante esta semana, para realização de perícia e apuração interna. Enquanto isso, os clientes devem procurar atendimento na cidade de Pedro Afonso.

G1 Tocantins

Corpos de mãe e filho mortos em acidente são velados no Tocantins

Caminhonete onde vítimas estavam foi atingida por caminhão na BR-153, perto de Brasilândia do Tocantins. Marido de vítima sobreviveu e está internado em hospital.

Os corpos de Gelsa Maria Marques Guimarães e do filho João Paulo Marques Santana, que morreram na noite desta terça-feira (12) em um acidente na BR-153, estão sendo velados no salão de uma funerária em Araguaína. Os dois estavam em uma caminhonete que foi atingida por um caminhão. O marido de Gelsa, Lorisvaldo Ferreira Santana, sofreu ferimentos e está internado no Hospital Regional de Colinas.

Segundo informações de parentes às 11h os corpos serão levados para Rio Verde (GO) onde serão enterrados.

A batida aconteceu no km 265, perto de Brasilândia do Tocantins, região central do estado. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, um caminhão invadiu a pista contrária para não bater em um carro que estava na sua frente. No momento, a caminhonete onde estavam as vítimas foi atingida pelo caminhão, conforme a polícia.

O motorista da caminhonete Lorisvaldo ficou gravemente ferido. Já Gelsa e João Paulo morreram no local. Um quarto ocupante do veículo não teve ferimentos.

O motorista do caminhão não sofreu ferimentos e foi levado para a delegacia de Polícia Civil em Colinas do Tocantins. Ele foi ouvido e liberado. O condutor disse que seguia em direção a Goiânia.

Carro ficou destruído após batida que matou três da mesma família (Foto: Divulgação)

G1 Tocantins

Deputado Gaguim solicitou empenho do Ministro da Integração Nacional, afim de realizar estudos de viabilidade no Tocantins

Atuação Parlamentar Deputado Carlos Henrique Gaguim.

O Deputado Federal, Carlos Henrique Gaguim, Podemos-TO, solicitou novamente o empenho do Ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, para realizar dos estudos de viabilidade técnica, econômica e ambiental bem como os projetos de engenharia, com a finalidade da construção de Ponte sobre o Rio Araguaia, no município de Caseara, no estado do Tocantins, objeto do seu Requerimento nº 3030/2017.

O ex-governador Gaguim explicou: “O maior obstáculo para o desenvolvimento econômico de nossa região é o escoamento da produção agrícola, pela falta de investimento em logística. Nesse sentido a construção da Ponte de Caseara facilitará a o escoamento da produção do eixo Pará-Tocantins, interligando com outras regiões do país.”

O Requerimento do parlamentar sugere ao ministro da Integração Nacional o começo imediato dos estudos de viabilidade técnica, econômica e ambiental bem como os projetos de engenharia, de modo a facilitar a previsão já no Plano Plurianual desta obra.

Ascom deputado Gaguim

Corpo de homem morto a facadas é encontrado dentro de vala no Tocantins

O corpo apresentava marcas de golpes de faca no peito, nas costas e no pescoço. Ele foi encontrado no setor Morada do Sol II, em Araguaína.

O corpo de um homem foi encontrado dentro de uma vala no setor Morada do Sol II, em Araguaína. O caso aconteceu na manhã desta quarta-feira (6), por volta das 8h17. O nome da vítima não foi divulgado.

Segundo a Polícia Militar, o corpo apresentava marcas de golpes de faca no peito, nas costas e no pescoço. A vítima tinha envolvimento com criminalidade relacionada ao uso de drogas.

G1/Tocantins

Municípios do Tocantins recebem R$ 57 milhões de FPM extra nesta quinta-feira

Cofres municipais recebem 1% adicional do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

Os 139 municípios tocantinenses receberão nesta quinta-feira, 07, o adicional de 1% do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) conquistados pelos movimentos municipalistas por meio da aprovação das Emendas Constitucionais 55/2007 e 84/2014. Essas medidas alteraram o artigo 159 da Constituição Federal e elevaram, gradativamente, os recursos repassados pela União para o Fundo. As prefeituras do Tocantins compartilharão o montante previsto de R$ 57.305.711,23, distribuídos conforme o coeficiente de cada município.

A previsão dos valores foi divulgada pela Confederação Nacional de Municípios (CNM), que realizou estudos com base em informações divulgadas pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN), por meio do Relatório de Avaliação Fiscal e Cumprimento de Meta. Segundo a CNM, a capital Palmas deve receber cerca de R$ 11 milhões, Araguaína cerca de R$ 3 milhões e Gurupi aproximadamente R$ 1,2 milhões.  Dos 139 municípios tocantinenses, 111 possuem população abaixo de 10.188 habitantes, com coeficiente de FPM em 0,6, o que leva cada cidade a receber individualmente R$ 269.090,69, que é o caso de Palmeirópolis.

Clique aqui e veja os valores. 

Precaução

O presidente da Associação Tocantinense de Municípios (ATM), prefeito de Pedro Afonso, Jairo Mariano, prega precaução aos gestores na utilização dos recursos. “Em quase todos os meses de 2017 houve frustração de receitas nas finanças municipais, o que acarretou no desequilíbrio das contas neste fim de ano. O recurso adicional pode contribuir para amenizar a situação financeira dos Entes locais, sem dificuldades para o fechamento de contas das prefeituras. Os gestores devem priorizar o pagamento do 13° salário dos servidores e eventuais dívidas com fornecedores”, destaca Mariano, ao frisar que o FPM extra deve incorporar a Receita Corrente Líquida (RCL) do Município e, consequentemente, deve-se aplicar os limites constitucionais em saúde e educação.

O prefeito de Paranã, Fabrício Viana, revelou que o recurso de R$ 358.787,59, previsto a ser creditado nos cofres do Município será utilizado para o pagamento de contas. “Temos o planejamento de aplicar parte do recurso na complementação da verba destinada a pagar o 13° salário dos servidores comissionados, bem como no pagamento de contas e investimentos na educação e saúde. O recursos foi fundamental aos Municípios, pois deu folego aos gestores para encarar os desafios que surgirão no próximo ano”, afirma Viana, que paga o 13° dos servidores efetivos na data do aniversário de cada um.

Fábio Vaz prefeito de Palmeirópolis, disse que usará o dinheiro para pagar o 13º terceiro dos funcionários. 

Entenda o 1%

Os Municípios recebem todos os anos nos meses de julho e dezembro 1% da arrecadação de Imposto de Renda (IR) e Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) referente aos 12 meses anteriores ao mês do repasse. A ATM explica que o FPM é composto de 22,5% da arrecadação desses tributos repassados a cada decêndio e distribuídos de forma proporcional de acordo com uma tabela de faixas populacionais. Cabe destacar que, de acordo com a redação da emenda constitucional 55/2007, o 1% adicional do FPM não incide retenção do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

Associação Tocantinense de Municípios – ATM

 

 

Quatro parentes do governador do Tocantins são indiciados pela Polícia Federal

Inquérito da operação Reis do Gado foi concluído pela Polícia Federal. Governador Marcelo Miranda não foi indiciado, mas ainda está sendo investigado em outro inquérito da PF.

O inquérito da Operação Reis do Gado foi concluído pela Polícia Federal e está nas mãos do vice-procurador geral da república em Brasília (DF).

A investigação apurou fatos dos dois primeiros mandatos do governador Marcelo Miranda (PMDB). A PF indiciou 17 pessoas, entre elas o pai do governador, Brito Miranda, o irmão, José Edmar Brito, e a irmã Maria da Gloria. Além da cunhada Marcia Pires Lobo e o empreiteiro Luiz Pires.

A Polícia Federal quer que eles sejam condenados por lavagem de dinheiro e corrupção. Isso porque teriam recebido propinas de empresários que tinham contratos com o governo.

O governador não foi indiciado, mas ainda é investigado em outro inquérito da Policia Federal que uniu as operações Reis do Gado e Ápia. Brito Miranda negou as acusações no dia em que foi levado para depor.

No relatório final da operação, a Policia Federal aponta que a casa do governador e da irmã dele teriam sido construídas pela Feci Engenharia ltda, em troca de contratos com estado.

A empresa é dos sócios Alex Peixoto dos Santos e José Miguel Santos Peixoto. Eles foram presos e liberados depois de pagar fiança.

A polícia também citou o presente do empreiteiro Rossine Aires Guimarães, um cheque de R$ 40 mil, para bancar despesas da festa de 15 anos da filha de Marcelo Miranda. A doação foi em 2010, após ele ter o mandato cassado.

Mesmo assim, os investigadores acreditam que o governador vinha recebendo benefícios há mais tempo.

O inquérito investigou também um contrato de prestação de serviços entre o governo e uma empresa de transporte aéreo.

Os valores eram tão altos que se fossem dimensionadas em horas de voo, obrigariam os pilotos a abastecerem as aeronaves no ar para poder suprir o valor integral do contrato.

A polícia calculou que cerca de R$ 200 milhões foram movimentados de forma ilegal. Segundo as investigações, a ocultação do dinheiro desviado era feita por meio de contratos de gaveta e manobras fiscais ilegais, como a compra de fazendas e de grandes quantidades de gado.

Além disso, peritos da PF concluíram que em um desses contratos a quantidade bois comprados não caberia sequer dentro da fazenda onde o rebanho seria destinado. Os policiais chamaram isso: “gados de papel”.

Outro lado

A advogado de Brito Miranda, José Edmar Brito, Maria da Glória e Márcia Pires Lobo afirmou que eles sempre agiram dentro da lei. Até agora a defesa de Alex Peixoto dos Santos e José Miguel Santos Peixoto não respondeu nossos questionamentos. Não conseguimos contato com Rossini Ayres e Luiz Pires.

Entenda

A Operação Reis do Gado investigou fraudes em licitações e lavagem de dinheiro. Ao todo, foram expedidos oito mandados de prisão temporária, 24 de condução coercitiva e 76 de busca e apreensão.

O suposto esquema de fraudes em licitações públicas envolvia empresas de familiares e pessoas de confiança do governador e aconteceu entre 2005 e 2012, segundo a PF. Foram identificados pelo menos R$ 200 milhões efetivamente lavados.

Segundo a PF, a ocultação do dinheiro desviado seria feita por meio de transações imobiliárias fraudulentas, contratos de gaveta e manobras fiscais ilegais, como a compra de fazenda e de gado.

A polícia informou ainda que parte do valor foi destinado a formação de caixa dois para campanhas realizadas no estado.

G1/Tocantins

 

Governador do Tocantins é condenado pela Justiça e pode perder o cargo

Marcelo Miranda (PMDB) foi condenado no mesmo caso que levou a cassação dele em 2009. Governador ainda pode recorrer da sentença.

O Governador do Tocantins, Marcelo Miranda (PMDB), foi condenado a perda de função pública e a devolver mais de R$ 25 milhões que teriam sido desviados da saúde no estado.

O caso é o mesmo que levou a cassação de Miranda em 2009. A nova sentença da Justiça sai nove anos após o começo do processo que é sobre a contratação de uma empresa para administrar hospitais no estado.

O governador ainda pode recorrer da sentença e, portanto, segue no comando do Palácio Araguaia. A condenação é por improbidade administrativa. O caso corre na Justiça desde 2008 e se refere à contratação sem licitação da Oscip Brasil para gerir os hospitais estaduais, além do desvio de recursos públicos da saúde nos anos de 2003 e 2004.

Se for condenado definitivamente, além de perder o cargo, Marcelo Miranda pode ter os direitos políticos suspensos por sete anos. Além de ser obrigado a devolver o dinheiro que teria sido desviado, pagar uma multa equivalente a 100 vezes o salário atual dele como governador e ficar proibido de fazer contratos com o poder público.

A empresa em questão teria sido criada menos de dois anos antes de assumir o controle de 14 hospitais no estado. A suspeita do Ministério Público Federal é que a empresa não tinha capacidade técnica de realizar o serviço.

O laudo autorizando a empresa a participar da licitação foi assinado por Henrique Barsanulfo Furtado e Petrônio Bezerra Lola, na época secretário e subsecretário de Saúde respectivamente. Petrônio morreu em 2016.

O Governo do Tocantins disse que ainda não foi intimado da decisão e que vai recorrer assim que for notificado. Ainda estamos tentando contato com a defesa de Henrique Barsanulfo.

G1/TO

Mulher fica presa às ferragens após caminhão tombar no sul do Tocantins

Acidente foi entre Gurupi e Aliança do Tocantins, no sul do estado. Mulher foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros e levada para o Hospital Regional de Gurupi.

Uma mulher, de 41 anos, ficou ferida após um caminhão tombar no km 560, da BR-153, entre Gurupi e Aliança do Tocantins, no sul do estado. Segundo o Corpo de Bombeiros, a vítima, que não usava cinto de segurança, ficou presa às ferragens. O acidente foi nesta sexta-feira (24).

Um casal estava no veículo, que estava carregado com fardos de arroz. A mulher teve fraturas no tornozelo e foi levada para o Hospital Regional de Gurupi. O motorista não ficou ferido.

Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF), o motorista disse que perdeu o controle do veículo ao tentar desviar de um buraco, mas testemunhas disseram que ele teria tentado forçar uma ultrapassagem. Apenas a perícia poderá confirmar as causas do acidente. 

G1/Tocantins

Corpo de jovem encontrada morta após marcar encontro foi enterrado no TO

Taísa Ribeiro deixa três filhos, de cinco, sete e 11 anos. Ela desapareceu no dia 19 deste mês; imagens de câmeras de segurança mostram homem seguindo vítima.

O corpo de Taísa Ribeiro, de 24 anos, que foi encontrada morta perto do lixão de Paraíso do Tocantins, foi enterrado na manhã desta sexta-feira (24), em um cemitério da cidade. 
Ela sumiu no dia 19 deste mês após marcar um encontro com um homem. O tio da vítima, Edvaldo Gonçalves disse que os parentes ainda não sabem o que realmente aconteceu. Taísa deixa três filhos, de 5, 7 e 11 anos.

O velório começou por volta das 15h30 desta quinta-feira e seguiu até a manhã desta sexta. O corpo foi encontrado em avançado estado de decomposição, no setor Nova Esperança.

“Estamos sem resposta, não sabemos o que aconteceu. Como podem ter feito tamanha crueldade. Nós que tínhamos sempre a presença dela, sabemos que ela queria o bem de todos. Os filhos são muito pequenos, eles ainda não conseguem saber o tamanho da gravidade disso na vida deles”, disse.

Câmeras de segurança de um comércio registraram os últimos momentos de Taísa antes de desaparecer. As imagens mostram a jovem saindo da casa dela 1h07 da madrugada de domingo (19). Cerca de um minuto depois, um homem aparece no vídeo após pular um muro e começa a correr pela rua, supostamente atrás da vítima.

“O vídeo está sendo periciado e os parentes dela identificaram como sendo um dos ex-companheiros da vítima”, disse a delegada. 

A polícia investiga o caso como crime passional e até o momento tem três suspeitos, dois ex-companheiros da jovem e o homem com quem ela marcou o encontro. Os nomes dos suspeitos não foram divulgados para não atrapalhar as investigações.

Um dos suspeitos é o pai dos três filhos da jovem. Ele mora no Pará e foi ouvido por um delegado em Redenção. Durante a manhã desta quinta-feira (23), o outro homem que marcou encontro com Taísa foi ouvido em Paraíso do Tocantins e liberado. A polícia ainda não ouviu o segundo ex-companheiro da vítima.

O corpo de Taísa foi encaminhado para o IML de Palmas e passou por exames antes de seguir para o velório. 

G1/Tocantins