Pedreiro é morto a facadas ao tentar separar briga em comércio no Tocantins

Crime aconteceu em Guaraí, na região central do estado. Testemunhas contaram que homem tentava defender dono de estabelecimento e foi golpeado no peito.

O pedreiro Leandro Francisco Venceslau, de 32 anos, morreu em um comércio após tentar separar uma briga e ser esfaqueado. De acordo com a Polícia Militar, o crime aconteceu em Guaraí, na região central do estado, no final da noite desta segunda-feira (8).

Testemunhas contaram a polícia que o crime aconteceu em um estabelecimento na avenida Rio Grande do Sul, próximo ao setor Pôr do Sol. Venceslau teria morrido tentando defender o dono do comércio, onde também funciona um bar.

A vítima foi atingida por três golpes de faca no peito e morreu no local. O suspeito do crime foi identificado como Zito. Conforme a polícia, o dono do comércio também foi ferido e levado para o Hospital Regional de Guaraí (HRG).

Venceslau era casado e deixa três filhos. O corpo do pedreiro foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) de Araguaína. O suspeito do crime fugiu e ainda não foi localizado pela polícia.Pedreiro morreu após levar facadas no peito (Foto: Arquivo Pessoal)

G1 Tocantins

Família segue em busca de informações sobre goiano que desapareceu

Maykon Eder de Jesus, de 23 anos, falou com os parentes pela última vez há quase dois meses, quando estava nas Bahamas e se preparava para travessia irregular.

A família do goiano Maykon Eder Alves de Jesus, de 23 anos, que sumiu há quase dois meses ao tentar entrar de forma ilegal nos Estados Unidos, segue em busca de informações sobre o jovem. Os parentes pedem mais apoio às autoridades brasileiras para localizá-lo.

“Infelizmente, seguimos sem notícias. Ninguém do Itamaraty entra em contato para dar uma posição. A minha vontade é sair procurando meu filho, mas não tenho condição”, disse a mãe de Maykon, a dona de casa Idalira de Jesus, de 48 anos.

Apesar da reclamação da família, o Itamaraty informou que o Consulado do Brasil em Miami segue em contato com representantes locais para buscar informações sobre o jovem. Segundo o órgão, até o momento, “autoridades migratórias americanas não encontraram registro de Maykon Eder em nenhum centro de detenção imigratório ou federal”.

Ainda de acordo com o Itamaraty, “foi reiterado pedido de localização à Guarda Costeira norte-americana, mas ainda não há notícias sobre o paradeiro do brasileiro”.Família está desesperada com o desaparecimento do jovem (Foto: Paula Resende/ G1)

Devido ao desespero da família, o delegado da Polícia Civil André Fernandes tenta auxiliá-los. “É um caso complicado e exige atenção especial pelo menos para entrar em contato com todos os países em que ele passou”, avalia.

Viagem

Maykon Eder morava com os pais e o irmão em Senador Canedo, na Região Metropolitana de Goiânia. Segundo a família, há dois anos ele teve a ideia de ir para os Estados Unidos, tentou tirar o visto por duas vezes, mas não conseguiu autorização.

“Ele tinha o sonho de trabalhar, juntar dinheiro para ajudar a família, crescer na vida”, disse o irmão dele, Wesley Alves de Jesus, de 21 anos.Maykon Eder Alves de Jesus tinha tentado o visto americano por duas vezes, mas não conseguiu (Foto: Arquivo pessoal/ Wesley Alves de Jesus)

Os parentes não sabiam que Maykon Eder ainda tentava ir para o exterior. Ele só contou à família sobre a viagem horas antes de embarcar, no dia 10 de maio. Primeiramente, ele foi para o Panamá, depois para a República Dominicana e, por fim, chegou às Bahamas.

A última vez que Maykon Eder entrou em contato com os parentes foi no dia 3 de agosto, quando estava em Freeport, nas Bahamas. Na ocasião, o goiano disse por mensagem de um aplicativo de celular que poderia iniciar a travessia pelo mar a qualquer momento.

“Se eu não falar mais com a senhora, não se preocupe porque eles tomam o celular. Quando chegar em Miami, entro em contato. Amo vocês”, disse o jovem à mãe.

Os parentes não sabem o que ocorreu depois. “A gente não sabe se ele foi preso, se ele está com um ‘coiote’ em trabalho escravo. Também não podemos descartar um naufrágio”, lamenta o irmão. 

A mãe de Maykon Eder diz que vive um “pesadelo”. “Não como, já emagreci não sei quantos quilos, estou tomando remédio para dormir, estou com uma psiquiatra. Não é vida, estou vivendo pelo Senhor, pela esperança e por esses dois do meu lado [marido e filho caçula]”, desabafou.

Idalira de Jesus está desesperada sem notícias do filho (Foto: Paula Resende/ G1)

G1/GO

Ladrão rouba motocicleta e bate em poste ao tentar fugir

Caso foi registrado nesta quarta-feira (23) em Araguaína. Suspeitos abordaram vítima, roubaram motocicleta e na fuga suspeito perdeu o controle do veículo.

Uma tentativa de roubo de motocicleta acabou com um dos ladrões batendo em um poste na manhã desta quarta-feira (23). O caso foi registrado no setor Lago Azul IV, em Araguaína. Segundo a polícia, dois homens armados abordaram uma mulher que conduzia a motocicleta e mandaram ela entregar. Um dos criminosos fugiu pilotando a moto da vítima e o outro continuou com a moto em que os dois chegaram.

Durante a fuga, o homem que levava a moto roubada perdeu o controle e bateu em um poste. Ao ver o comparsa no chão, o segundo ladrão voltou para ajudar e os dois conseguiram fugir, mas deixaram a moto roubada para trás. A polícia informou que está investigando o caso, mas até o momento ninguém foi preso. O veículo teve alguns arranhões, mas já foi devolvido a vítima.

G1/TO

Foragido, ex-vereador é preso após tentar fugir da polícia e sofrer acidente

Segundo delegado, Ubirajara Alcântara foi condenado por tráfico de drogas e cumpria pena no semiaberto, mas Justiça alterou regime para fechado. Durante perseguição, ele bateu o carro.

Ex-vereador de Valparaíso de Goiás, no Entorno do Distrito Federal, Ubirajara Dias de Alcântara, conhecido como Ubiracel, foi preso após tentar fugir da Polícia Civil. Ele cumpria pena no semiaberto por tráfico de drogas, mas como desobedeceu algumas regras, a Justiça determinou que ele passasse para o regime fechado. Quando tentava escapar, ele sofreu um acidente, mas não se feriu.

O G1 não conseguiu contato com a defesa de Ubiracel.

A prisão ocorreu na terça-feira (30). Segundo o delegado Rafael Abrão, responsável pelo caso, o ex-vereador foi condenado em 2013 pela Justiça do DF, mas fez um acordo para cumprir a pena em Luziânia, também no Entorno, onde seu filho mora.

“Ele podia trabalhar durante o dia, mas tinha que voltar para dormir no presídio. Porém, há cerca de um mês e meio, ele deixou de comparecer. Então o judiciário determinou a ‘regressão’ para o regime fechado. Desde então, ele estava foragido”, disse o delegado.

Desde então, equipes do Grupo Especial de Repressão a Narcóticos (Genarc) de Valparaíso de Goiás começaram a procurar Ubiracel. Ele foi avistado trafegando em um carro e desobedeceu uma ordem de parada.

Os policiais começaram então a perseguí-lo. Durante a fuga, ele acabou batendo o veículo na placa de publicidade de um posto de combustíveis.

De acordo com a polícia, Ubiracel foi eleito em 2012, mas teve o mandato cassado no ano seguinte justamente pela condenação por tráfico de drogas.

G1/Go

Jovem é presa após abastecer carro e tentar pagar com notas falsas

Caso aconteceu em um posto de combustível em Araguaína, norte do estado. Funcionários disseram à PM que a mulher cometeu o mesmo crime dias antes.

Uma mulher, de 20 anos, foi presa pela Polícia Militar ao abastecer o veículo e tentar realizar o pagamento usando notas falsas. O caso aconteceu no final da tarde desta quinta-feira (11) em um posto de combustíveis do setor Oeste, em Araguaína, no norte do Tocantins.

Segundo informações de um frentista aos policiais, a suspeita parou para abastecer e tentou pagar com uma nota de R$ 100, aparentemente falsificada. A mulher ainda foi reconhecida por outros funcionários do posto. Eles disseram que no dia anterior ela havia abastecido e efetuado o pagamento com duas notas falsas.

A jovem disse aos policiais que o dinheiro falso foi entregue a ela, após a venda de um aparelho eletrônico. Ela foi levada para a delegacia da Polícia Federal, que deve investigar o caso.

G1/TO