Ambulância do Samu colide com carro em cruzamento da Teotônio Segurado

O acidente aconteceu no início da tarde na região central de Palmas e não houve feridos graves. Ambulância do Samu ficou com a frente destruída e o outro carro teve a lateral danificada.

Uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência colidiu com um carro em um cruzamento da avenida Teotônio Segurado, na região central de Palmas. O acidente aconteceu no início da tarde desta quinta-feira (12) e não houve feridos graves, segundo o Corpo de Bombeiros.

Ainda não há informação de como o acidente aconteceu. A ambulância do Samu ficou com a frente destruída e o outro carro teve a lateral danificada, além de perder o controle e colidir de frente com um poste.

Segundo os bombeiros, o carro do Samu não transportava nenhum paciente. O socorrista que estava no veículo machucou a perna e foi socorrido por outra ambulância.

O homem que dirigia o outro carro não teve ferimentos.

G1 Tocantins

MP apura se pacientes do Samu tinham objetos furtados, em Goiânia

Há denúncia de que pessoas eram furtadas e dopadas, diz promotor
Órgão investiga fraude no encaminhamento de pacientes para UTIs

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) está apurando se os suspeitos de fraude no encaminhamento de pacientes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para Unidades de Terapia Intensiva (UTI) furtavam objetos de quem era transportado pelas ambulâncias. De acordo com o promotor José Carlos Miranda Nery Júnior, alguns funcionários do órgão denunciou que os pacientes eram furtados e depois dopados.

“Alguns dos funcionários disseram que havia reclamações de vários pacientes atendidos que tinham a carteira, aparelhos celulares que eram furtados no momento do atendimento. Estes funcionários do Samu relataram pra gente que muitas das vezes os autores desses furtos eram funcionários do próprio Samu”, afirmou o promotor.

A operação SOS Samu foi deflagrada pelo MP-GO na terça-feira (21) na Grande Goiânia. De acordo com as investigações, um grupo composto por médicos, funcionários do Samu e donos de hospitais fraudava o encaminhamento de pacientes para serem internados em UTIs particulares. No total, 21 pessoas foram presas.

Um socorrista do Samu que não quis se identificar lamentou o fato e disse que a fraude não reflete com a realidade do “O que aconteceu, isso foi um caso isolado de pessoas que acontece, que faz isso aí. A gente nem sabia”, relatou.

Entre os detidos estão um membro da diretoria do Samu e donos de UTIs. Segundo o MP, o foco era pacientes que tinham plano de saúde. Após ser feito o atendimento de urgência pelo Samu, os socorristas entravam em contato com a central de regulação, responsável por controlar o encaminhamento das vagas das UTIs.

Ao invés de mandar o paciente a algum hospital vinculado ao SUS, encaminhavam para unidades particulares. Com isso, as UTIs ficavam cheias de pacientes, garantindo lucro para os médicos e donos dos leitos.

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organização (Gaeco) diz que, em alguns casos, os médicos tomaram ações que colocaram em risco a saúde dos pacientes. “Um paciente que precisava de glicose e não foi ministrado. Foi dada medicação para induzir o coma, para que ele fosse internado”, disse o coordenador da divisão, Luis Guilherme Gimes.

MP faz ação para combater fraudes no Samu, em Goiânia, Goiás (Foto: Cassiano Rolim/TV Anhanguera)
Ação prendeu médicos e funcionários do órgão, na capital (Foto: Cassiano Rolim/TV Anhanguera)

Em outro caso, o MP afirma que um dos suspeitos colocou a vida de um homem em risco para transportá-lo para um hospital que fazia parte do esquema fraudulento. “Temos uma testemunha que foi ouvida e nos disse que um paciente, vítima de AVC, foi atendida pelo Samu e eles estavam praticamente em frente de um hospital. Fizeram contato com a regulação e o médico regulador determinou que esse paciente fosse encaminhado para outro hospital, que não era o mais próximo, mesmo gerando perigo de morte”, explicou Gimenes.

Agora, os investigadores tentam localizar os prontuários médicos para saber se houve morte causada pela ação dos médicos, socorristas e donos de UTIs.

“O que chamou mais atenção foi exatamente isso, que era a questão de você ter um serviço que era pra dar atendimento de saúde do paciente e, ao invés de dar um atendimento pra melhora da saúde, você tem um atendimento pra piora da saúde pra justifcar o encaminhamento para uma UTI”, reiterou o promotor.

A defesa de um dos médicos presos durante a operação disse que o cliente está tranquilo e colaborando com as investigações.

A Secretaria Municipal de Saúde informou que vai abrir uma sindicância para apurar todos os fatos e, se forem confirmadas a participação dos servidores e do diretor, vai tomar as medidas cabíveis, que pode até exonerar os funcionários.

Propina
Os subornos, conforme a denúncia, eram passados por médicos e por proprietários de UTIs por meio de depósitos bancários ou até mesmo entregando dinheiro em espécie diretamente aos integrantes do esquema. Entre as provas colhidas pelo MP estão confissões de pessoas envolvidas no esquema e quebra de sigilos bancários.

“Servidores técnicos, enfermeiros e socorristas começaram recebendo R$ 100 e hoje já estava em R$ 500. Já um médico podia receber até o valor de uma diária de internação na UTI”, disse o coordenador do Gaeco.(fonte:g1/go)

Retenção de macas do Samu afeta população

Macas que ficam retidas no HGP impedem circulação das ambulâncias; Sesau esclarece que situação é temporária

Os profissionais do Serviço Atendimento Móvel de Urgência e Emergência (Samu) fizeram um protesto na manhã de ontem na porta da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), para cobrar da pasta as macas que ficam retidas no Hospital Geral de Palmas (HGP), impossibilitando as ambulâncias de rodarem pela cidade atendendo as ocorrências de urgência e emergência. Ao chegar até o HGP com pacientes, as macas não estão retornando para as ambulâncias.

O Samu realiza o atendimento em residências, locais de trabalho e vias públicas, contando com as centrais de regulação, profissionais e veículos de salvamento, que ficam desfalcados com a falta das macas.

De acordo com o médico Bruno Coelho, servidor do Samu, devido à superlotação e à falta de rotatividade dos pacientes, as macas acabam presas no hospital. “Estávamos desde às 7 horas sem ambulância, as ocorrências continuam e não tínhamos ambulância para mandar. Queremos ver se com isso a mobilização seja mais rápida”, disse, ressaltando que ainda estavam tentando contato com a pasta.

Coelho ainda explicou que as seis ambulâncias, sendo duas de suporte avançado e quatro básicas, e funcionários do Samu ficaram na porta do HGP depois se deslocaram em carreata para a porta da Sesau e, sem nenhuma resposta por parte da pasta, saíram em carreata de volta ao Samu.

Sesau

Em nota, a Sesau esclareceu que as macas do Samu estão retidas temporariamente no HGP, devido à grande quantidade de pacientes que está na unidade e informou que a não liberação imediata das macas ocorre pela necessidade de acomodar os pacientes.

A secretaria esclareceu ainda que já tomou providências e conseguiu em outros hospitais mais leitos e, à medida que isso for ocorrendo, as macas vão sendo liberadas.

Outros protestos

O problema de retenção de macas é antigo. Em março do ano passado, os servidores do Samu fizeram um protesto pelo mesmo motivo. Na ocasião, os profissionais explicaram que 16 macas reservas e outras seis de ambulâncias estariam retidas no hospital.

Serviço

O Samu realiza o atendimento em residências, locais de trabalho e vias públicas, que, além dos profissionais, conta com:

Central de regulação;

Seis ambulâncias sendo duas de suporte avançado e quatro básicas.

(fonte:jornal do tocantins)

Em 2 anos, mais de 420 motociclistas se envolvem em acidentes em Palmas

Ingestão de álcool é uma das principais causas, aponta levantamento.
Vítimas se indignam e pedem mais respeito no trânsito.

Nos últimos dois anos 421 motociclistas se envolveram em acidentes em Palmas. Alguns não resistiram, outros tiveram ferimentos graves. Os dados fazem parte de um levantamento da Secretaria Municial de Acessibilidade, Mobilidade, Trânsito e Transporte. A estatística aponta ainda que a ingestão de bebida é uma das principais causas.

Os dados não incluem os acidentes registrados em 2016. Mas o casal Jéssica Lorrany e Juniel Carvalho farão parte das estatísticas. No último sábado (9), eles trafegavam de motocicleta, perto do Espaço Cultural, quando um carro avançou o sinal vermelho. Os dois iriam para uma igreja, mas acabaram em um quarto de hospital.

“Foi muito rápido. Quando meu esposo percebeu que iríamos colidir, apenas freiou a moto e quando vi, só senti a forte pancada no estômago. Nós nos arrastamos no asfalto. Caí por cima do meu esposo acordada, gritando desesperadamente por ele que não me respondeu por alguns segundos”, desabafou Jéssica.

Ela teve ferimentos nos braços. Já ele machucou os joelhos e as mãos. O casal foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levado para uma Unidade de Pronto Atendimento. Os dois ficaram em observação e depois foram liberados.

2014 2015 (até agosto)
243 acidentes 142 acidentes
270 vítimas 151 vítimas

 O motorista que avançou o sinal fugiu do local do acidente. O casal registrou a indignação em uma rede social, pediu mais prudência e respeito no trânsito. “Ele fugiu do local sem prestar socorro, sem um pingo de respeito e educação, pelo menos para pedir socorros às vítimas ou para saber se estávamos vivos. Pessoas ainda foram atrás mas não o encontraram.”

O casal não registrou Boletim de Ocorrência.

Levantamento
Em 214, o município registrou 243 acidentes, com 270 vítimas graves e fatais. Conforme o levantamento, as principais causas foram: perda de controle do veículo, alcoolemia, desrespeito à sinalização e infraestrutura viária.

Até agosto de 2015, foram registrados 142 acidentes, com 151 vítimas graves e fatais. Os principais fatores foram: alcoolemia, perda de controle do veículo, desrespeito à sinalização e excesso de velocidade

Fonte:g1 to