Isolados em comunidade, quilombolas se arriscam ao atravessar rio em balsa improvisada

Sem ponte, moradores da Comunidade Boa Esperança precisam usar balsa feita com galões e madeira. Defensoria Pública entrou com ação para pedir construção de ponte sobre o rio Sono.

Os quilombolas que vivem na comunidade Boa Esperança, a 75 km de Mateiros, no Jalapão, estão isolados. Na região não tem uma ponte. Para sair do lugar, eles se arriscam ao atravessar o rio Sono em uma balsa improvisada. A estrutura é precária, construída com galões e madeira. Por causa do problema, a Defensoria Pública do Tocantins entrou com uma ação contra o município de Mateiros e o Governo do Tocantins para que seja construída uma ponte.

G1 busca resposta do governo e do município sobre o problema.

Quem vive na comunidade se preocupa com a situação. O acesso à balsa é difícil e ela só permite a travessia de no máximo 10 pessoas, por vez. A estrutura é controlada por cordas amarradas em cada lado do rio. As crianças chegam a ficar sem ir à escola quando o cabo de aço usado para puxar a balsa fica debaixo da água.

O escoamento da produção agrícola, como farinha, feijão e hortaliças, também fica prejudicado. Segundo a Defensoria, muitos dos produtos perecíveis são estragados por não ser possível a travessia para vender a produção fora da comunidade.

Na época da chuva, a situação piora. A balsa não pode ser utilizada, pois aumenta o volume das águas do Rio Sono.

Na ação, a Defensoria pede à Justiça que o município de Mateiros e o Governo do Tocantins realizem o conserto da balsa em no máximo 15 dias, para garantir o acesso da comunidade ao município de São Félix e às demais regiões. Pede também que os entes apresentem um projeto e um cronograma para a construção da ponte de acesso à comunidade.

Outros problemas

Conforme a Defensoria Pública, a comunidade não tem serviços básicos de saúde, já que os moradores não recebem visitas regulares de equipes do Programa Saúde da Família, médicos, enfermeiros, dentistas, farmacêuticos e ambulância.

Os moradores vivem em casas de tapera, sem acesso a água encanada, energia elétrica, saneamento básico e transporte.

Bombeiros encontram corpo de jovem que desapareceu em rio no sul do estado

José Júnior Pereira Araújo, de 25 anos, havia desaparecido no fim de semana após mergulhar no Rio Javaés. Corpo foi encontrado boiando próximo ao local onde ele foi visto pela última vez.

Corpo de Bombeiros encontrou o corpo de José Júnior Pereira Araújo, de 25 anos, que havia desaparecido no fim de semana após mergulhar no Rio Javaés. O caso foi em Formoso do Araguaia, na região sul do estado. O jovem estava boiando próximo ao local onde ele foi visto pela última vez.

A perícia da Polícia Civil foi chamada para confirmar as causas da morte e o corpo de José Júnior deve ser levado para o Instituto Médico Legal de Gurupi. Ele estava na região do povoado do Capão do Coco.

As buscas pelo jovem começaram ainda no domingo e pararam durante a noite, sendo retomadas na manhã desta segunda-feira (9). Ele foi encontrado no começo da noite.

Também neste domingo, Ludmila Santana de Sousa, de 23 anos, teve parada cardiorrespiratória após se afogar na praia da Ponta em Araguatins, no norte do estado. Ela foi encontrada minutos depois por uma equipe do Corpo de Bombeiros e levada para o Hospital Regional de Augustinópolis.

O Corpo de Bombeiros orienta os banhistas a não entrarem na água caso ingiram bebida alcoólica, pois a prática está relacionada a grande parte do número de afogamentos.

G1 Tocantins.

Dois homens desaparecem em rio ao tentar resgatar menina de 13 anos que se afogava

A adolescente foi resgatada por outra menina que também pulou na água e está em estado grave no hospital. Caso foi no rio Tocantins na zona rural de São Sebastião.

Dois homens ainda não identificados desapareceram no rio Tocantins após pular na água para resgatar uma adolescente de 13 anos que estava se afogando. Eles estavam na margem e ainda não foram localizados.

A adolescente foi salva por outra jovem, também de 13 anos, que conseguiu puxá-la para fora. O caso foi na zona rural de São Sebastião, no norte do estado, na tarde deste domingo (24).

A menina que se afogou está internada em estado grave no Hospital Regional de Augustinópolis. A jovem que fez o resgate não ficou ferida. O Corpo de Bombeiros foi chamado e fez buscas superficiais, mas não encontrou os dois homens.

Mergulhadores foram chamados e devem começar buscas mais amplas na manhã desta segunda-feira (25). Ainda de acordo com os Bombeiros, os quatro estavam em um acampamento juntos quando tudo aconteceu. A comunicação é difícil na região já que houve panes em algums torres de telefonia.

Câmara vota nesta segunda decreto da intervenção federal no Rio

É a primeira vez que a Câmara analisará uma intervenção federal desde que a Constituição foi promulgada em 1988.

plenário da Câmara dos Deputados vota hoje (19) o decreto de intervenção na segurança do Rio de Janeiro anunciado na última sexta-feira pelo governo federal.

Uma sessão deliberativa extraordinária foi convocada para as 19h. É a primeira vez que a Câmara analisará uma intervenção federal desde que a Constituição foi promulgada em 1988.

De acordo com a Constituição Federal, apesar de já estar em vigor, a intervenção precisa ser autorizada pelo Congresso Nacional.
O regimento interno da Câmara estabelece que esse tipo de matéria deve tramitar em regime de urgência, com preferência na discussão e votação sobre os outros tipos de proposição.

A análise de intervenção federal só não passa à frente de declarações de guerra e correlatos. A matéria deve receber o parecer de um relator membro da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) designado em plenário pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Este parecer é que será submetido à votação em plenário. Para ser autorizada, a intervenção precisa do voto favorável de metade dos deputados presentes na sessão mais 1, o que corresponde à maioria simples. O decreto também deve ser votado no plenário do Senado Federal.

Agenda

O anúncio do decreto afetou o cronograma do Congresso. Parte da agenda parlamentar fica esvaziada, uma vez que a vigência do decreto impede que os congressistas façam qualquer mudança na Constituição.

A determinação inviabiliza a análise de várias propostas de emenda à Constituição (PECs) que tramitam no Congresso, entre as quais a que trata da reforma da Previdência.

A discussão da proposta que altera as regras de acesso à aposentadoria começaria a ser discutida nesta semana no plenário da Câmara.

Depois da edição do decreto de intervenção, a pauta do plenário foi alterada e incluiu apenas medidas provisórias e acordos internacionais.

Com o decreto em vigor, a PEC da Previdência fica mais uma vez paralisada, sem perspectiva de votação, já que a base governista ainda não conseguiu atingir os 308 votos necessários para aprovar a proposta.

No entanto, a equipe de líderes do governo mantém o discurso de que as negociações em busca de apoio para a reforma não vão parar e o presidente Michel Temer disse que poderá revogar a intervenção se o governo alcançar o apoio suficiente para aprovar a proposta.

Rodrigo Maia manteve em sua agenda desta segunda-feira uma reunião com os governadores para tratar do tema, mas já adiantou que a Previdência deveria ser analisada no limite do mês de fevereiro, pois considera “difícil” manter a adesão dos parlamentares à medida que as eleições se aproximam. O deputado ressaltou que, no contexto da intervenção, a pauta de segurança pública deve ser ganhar mais destaque.

Entre os projetos que devem ser analisados pelos deputados ainda no primeiro semestre está o que endurece a legislação de combate ao tráfico de armas e drogas.

Outro projeto prioritário é o que institui um sistema integrado de segurança pública para o país que, segundo Maia, daria mais condições para a criação do Ministério da Segurança Pública, anunciada sábado (17), no Rio, pelo presidente Michel Temer.

Com informações da Agência Brasil/Noticias ao Minuto

Corpo de adolescente que desapareceu em rio é encontrado

Bombeiros disseram que ele apareceu boiando depois da retirada do flutuante e de galhadas. Antes de desaparecer Sérgio tomava banho com amigo no rio Araguaia.

Farias desapareceu na manhã desta quinta-feira (15), depois de pular de um balanço improvisado em uma brincadeira. O corpo do jovem aguarda a chegada da perícia para ser levado ao Instituto Médio Legal.

Entenda o caso

Sérgio Gomes de Farias desapareceu após pular de um balanço durante uma brincadeira às margens do rio Araguaia, em Pau D’Arco, no norte do Tocantins. Ele e um amigo estavam em um flutuante por volta das 11h20.

O amigo de Farias disse aos bombeiros a vítima pulou do balanço improvisado, acenou, mergulhou novamente e não foi mais visto. O jovem pediu ajuda aos moradores da região, que jogaram redes de pesca para tentar resgatá-lo, mas não o encontraram.

Fonte: G1 Tocantins

Bombeiros retomam buscas por jovem que sumiu em rio durante brincadeira

Sérgio Gomes desapareceu no rio Araguaia depois que pulou de um balanço. Bombeiros fizeram mergulho mas rio estava com pouca visibilidade.

Os Bombeiros retomaram, na manhã desta sexta-feira (16), as buscas por Sérgio Gomes de Farias, de 17 anos, que desapareceu no rio Araguaia, em Pau D’Arco.

Os trabalhos tinham sido suspensos na noite desta quinta-feira.

Os militares informaram que fizeram mergulho, mas o rio estava com forte correnteza e com baixa visibilidade.

Sérgio sumiu após pular de um balanço durante uma brincadeira. Ele e um amigo estavam em um flutuante durante a manhã desta quinta (15).

O amigo disse aos bombeiros que o adolescente pulou do balanço improvisado, acenou, mergulhou novamente e não foi mais visto.

O jovem pediu ajuda aos moradores da região, que jogaram redes de pesca para tentar resgatá-lo, mas não o encontraram. Bombeiros de Colinas do Tocantins e de Araguaína participam da operação.

G1 Tocantins

Prefeitura de Palmeirópolis assume administração da Balsa que fica no rio Maranhão

O Rio Maranhão agora chamado Tocantins fica na divisa de Minaçu com o município de Cavalcante.

Após a união do rio das Almas, rio Maranhão e rio Paranã, entre os municípios de Paranã e São Salvador do Tocantins (ambos localizados no estado do Tocantins), o rio passa a ser chamado definitivamente de rio Tocantins.

A partir deste ano, a administração da Balsa que fica na região conhecida como Coronel Valente, que dá acesso ao povoado do Rosário no município de Paranã, passa a ser de responsabilidade da Prefeitura de Palmeirópolis.

O local era administrado pelo Estado em parceria com a empresa da barragem de São Salvador.

Segundo informações, a mudança não afeta os passageiros, muito pelo contrário vai ficar bem melhor e mais bem cuidado, tanto para os usuários, quanto a balsa.

De acordo com a administração municipal, o ministério Público Federal vem convocando o prefeito de Palmeirópolis, Paranã, o Estado e a ENGIE, para entrar em acordo sobre o plano da Balsa no Rio Maranhão, que é um braço do rio Tocantins, fica na divisa de Minaçu Goiás com o município de Cavalcante

Sabendo que os moradores estavam sendo prejudicados e ninguém assumia a responsabilidade que é do Estado, foi passado ao município de Palmeirópolis o compromisso de administrar.

Este ano de 2017, houve o entendimento que o município de Palmeirópolis por ser mais perto estará assumindo por (22) anos, até o final da concessão a administração da Balsa.

O município não vai gastar dinheiro, a Engie ficou de repassar um valor de aproximadamente 15 mil reais mensais para pagar funcionários, despesas, seguros, todos os custos que (ela) a Balsa tiver.

A prefeitura passa administrar através de uma conta pública que será veínculada, especificamente para custeio da Balsa, caso precise de manutenção.

Todo saldo que sobrar, vai permanecer na conta para ter um fundo, caso a balsa estrague, ter o dinheiro para os custeios. “Estamos assumindo um serviço que não é do município, mas pela necessidade dos moradores que tem propriedades do outro lado do rio, município de Paranã, que na maioria tem residência em Palmeirópolis. Na verdade, a gente sentiu à necessidade de atender a comunidade do município vizinho, porque na verdade eles compram, vendem e até moram aqui na cidade, estamos resolvendo um problema que se estende há dez (10) anos, desde a época da barragem.

Ainda de acordo com o prefeito, o Estado vai ficar responsável pelo patrolamento das estradas de acesso a Balsa. “Olhei pelo lado econômico e humano, as pessoas escoam, investe, adquire produtos dos mercados em Palmeirópolis e também a distância, porque do rio até Paranã fica cerca de 180km, já para Palmeirópolis 40km, então é mais fácil os moradores terem acesso para nosso município”, explicou o prefeito.

Presidente da Câmara Willian Marques, prefeito de Paranã Fabricio Viana, de Palmeirpolis Fábio Vaz. junto com a equipe da Engie Brasil e MPE.

Segundo ele, a prefeitura de Paranã vai pagar um balseiro, para ficar do outro lado do rio e a empresa Engie vai pagar mais três (3), ao invés de dois balseiros agora serão quatro (4), atendendo os moradores.

Também vai dar uma balsa nova, toda estruturada, construir uma casa para o balseiro e foi decidido que será do outro lado do rio, no município de Paranã, concordaram que a sede precisa ser de lá, pois se algum morador precisar com urgência dos serviços na cidade como médicos por exemplo, fica mais fácil atravessar, porque, quem mora no município de Palmeirópolis o acesso é mais rápido até a cidade.

Todo o processo foi um entendimento mediado pelo Ministério Público Estadual e Federal, submetido pela aprovação da Câmara Municipal de Palmeirópolis com o projeto de lei n.165/2017, onde autoriza o município de Palmeirópolis, firmar termo de cooperação entre Agencia Tocantinenses de Transportes e Obras, município de Paranã e Engie Brasil Energia S.A, com a finalidade especifica de regular a operação e manutenção da Balsa de travessia do reservatório da Usina Hidrelétrica de São Salvador.

O presidente William Marques apresentou o requerimento e os demais vereadores votaram aprovando por unanimidade.

O projeto de lei autoriza a prefeitura assumir a responsabilidade da travessia pelo rio Maranhão/Tocantins por (22) anos.

No final dos (22) anos, cabe ao novo gestor renovar ou entregar para o Estado, ou empresa responsável.

Balsa será substituida por uma nova e equipada.

Da redação

 

Atleta da categoria infantil de natação morre durante treino

Caio Ottoni tinha 13 anos.

O atleta infantil Caio Felipe Mendes Ottoni, de 13 anos, morreu enquanto treinava na piscina do Tijuca Tennis Clube, no Rio, durante a tarde dessa quinta. Segundo o IG, o jovem sofreu convulsões que acarretaram em um ataque cardíaco fulminante.

Caio havia participado no início de setembro do troféu Alexandre Pussieldi, na piscina da UFRJ, no Fundão. Na competição, o jovem havia batido seus recordes pessoais, embora não tenha conseguido classificação para o Brasileiro da categoria.

Sabrina Gomes, uma das responsáveis pelo clube, fez um post em homenagem ao menino em seu Instagram:

“A família do TTC está de luto! Amigos, não sabemos do dia de amanhã e hoje mais do que nunca, meu coração teve certeza disso. Um atleta de 13 anos, cheio de vida, tão gentil, educado e cheio de planos foi embora hoje. Deus sabe o que faz! Mas peço aos amigos que orem pela alma de Caio Ottoni e toda sua família. Presenciar a dor e desespero de um pai é algo indescritível! A dor deles se torna parte nossa também. Que os guias de luz e os anjos estejam cuidando dele neste momento e cuidem do coração dos pais e familiares”, escreveu. 

Noticias ao Minuto

Seca faz nível do rio Araguaia baixar em cerca de 2 metros

É possível caminhar até o meio do rio, onde a altura da água não ultrapassa 20 centímetros. Bancos de areia também preocupam moradores de Xambioá.

O nível do rio Araguaia em Xambioá, norte do Tocantins, baixou quase dois metros, de janeiro até este mês. O levantamento é da Secretaria Estadual de Meio Ambiente. Os bancos de areia no meio do rio também preocupam quem depende dele para sobreviver. 

Em alguns pontos, a altura da água não ultrapassa 20 centímetros. É possível até caminhar. “Pavor. Estamos com medo. Sempre temos essa seca, mas não desse jeito”, lamentou o autônomo Miguel Queiroz.

As pedras no meio do rio que estavam encobertas no início do ano, apareceram. São 250 pescadores que dependem do Araguaia para sobreviver. “Antes a gente ia para o rio e trazia 70 ou 80 quilos de peixe. Hoje a gente não traz mais essa quantidade, a gente traz de 30 a 40 quilos. Está difícil para pescar”, disse o pescador Antonio Sousa.

Os bancos de areia no meio das águas também chamam a atenção dos moradores. O lugar onde as balsas passam não foi afetado, mas em outros pontos o assoreamento do leito e as pedras estão dificultando o deslocamento dos barcos. “Tem que ter muita atenção, andar devagar porque senão você acha as pedras. Em lugares que nunca haviam surgido pedras, está surgindo e é arriscado você estragar o motor”, reclamou o comerciante Edson Saldanha.

Mas existe uma explicação para o surgimento dos bancos de areia. “Os bancos de areia se formam a partir do processo erosivo que ocorre naturalmente no meio ambiente. Mas eles se agravaram. Os bancos de areias não estavam aqui desta forma, desse tamanho nos últimos anos. Podemos perceber que ao longo do rio grande parte das matas ciliares foram desmatadas, quando o rio percorre esse leito, ele vai carreando esse sedimento e criando o banco de areia no meio do rio”, explicou a engenheira ambiental Ana Caroline da Silva.

A secretária de Meio Ambiente de Xambioá, Marivalda Martins, garante que algumas alternativas estão sendo adotadas para amenizar a situação. “Nós estamos com plano de reflorestamento das nascentes e de plantar árvores nativas na praia do Murici, bem como plantar árvores na beira do rio em parceria com os ribeirinhos”.

De camionete

O rio Araguaia é um dos principais do país e enfrenta uma das piores secas da história. Na última sexta-feira (29), o G1 mostrou um vídeo gravado por Cleonice Oliveira Barros, em Xambioá, que mostra uma caminhonete transitando pelo leito do rio.

Aquele lugar que fiz o vídeo é no meio do rio. Do dia que fizemos [as imagens], o rio secou mais ainda. Meu medo é que os meus bisnetos não tenham mais o rio para aproveitar. Os afluentes estão todos secos e fica difícil daqui uns anos ter essa maravilha aqui”, disse.

O rio Araguaia nasce em Goiás e desagua no Pará, passando também pelo Mato Grosso e Tocantins. São mais de 2.100 quilômetros, mas a força das águas que leva vida para quatro estados está ameaçada pelas queimadas e ação do homem. Estudos feitos pela polícia em Goiás, mostram que o Araguaia pode secar em até 40 anos.

Em alguns pontos a altura da água chega a 20 centímetros; moradores conseguem caminhar tranquilamente (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

G1/TO

Dono de ilha e funcionário morrem após canoa virar no rio Tocantins

JianCarlo Consente era dono da Ilha do Gringo. Ele e Valdemir Marcos desapareceram enquanto pescavam numa região conhecida como arquipélago do tropeço, em Peixe.

Os corpos de JianCarlo Consente, de 48 anos, e de Valdemir Marcos Ribeiro Santana, de 36 anos, foram encontrados na manhã desta quarta-feira (13), no rio Tocantins, no município de Peixe, sul do estado. Eles desapareceram numa região conhecida como arquipélago do tropeço após um canoa virar.

Barqueiros da região contaram que JianCarlo era estranheiro e dono da Ilha do Gringo. Ele morava há alguns anos na região. Disseram também que Valdemir era funcionário dele.

Eles desapareceram na tarde desta terça-feira (12), quando pescavam no rio. A Polícia Militar, que auxiliava nas buscas, informou que três homens estavam pescando, quando a canoa bateu nas pedras e virou. Um deles conseguiu nadar, mas os outros dois se afogaram.

Desde o acidente, margulhadores e barqueiros da região realizavam buscas. Quando os Bombeiros chegaram no local, nesta manhã, os corpos já tinham sido encontrados. Um dos homens estava preso embaixo da embarcação. O outro foi encontrado a cerca de 100 metros do local.

G1/TO