PM apreende menores suspeitos de usar máscara em roubos

Apreensão foi realizada em Dianópolis. Com a dupla, a polícia também apreendeu uma arma de fogo.

Polícia Militar apreendeu dois menores suspeitos de roubos em Dianópolis, na noite desta quarta-feira (20), por volta das 23h. Segundo a PM, eles usavam uma máscara para praticar os crimes. Com ele, também foi apreendida uma arma de fogo de fabricação artesanal, tipo garrucha, com munição.

Segundo a PM, os menores foram apreendidos quando se preparavam para realizar um novo ato infracional. Os jovens os materiais apreendidos foram levados para a Delegacia de Polícia de Dianópolis.

G1/TO

PM fica ferido após perder controle da direção e carro sair da pista

Acidente aconteceu na TO-404, a 15 km de Augustinópolis. Vítima Estava consciente, mas apresentava fratura, ferimento no crânio e escoriações no rosto.

 Um policial militar de 25 anos ficou ferido após o carro que ele dirigia sair da pista na TO-404, a 15 km de Augustinópolis. O acidente aconteceu na noite deste domingo (28), por volta das 19h49. Ele contou ao Corpo de Bombeiros, que perdeu o controle da direção.

Segundo os Bombeiros, a vítima que o nome ainda não foi divulgado foi encontrada fora do carro e havia saído por conta própria. Estava consciente, mas apresentava fratura, ferimento no crânio e escoriações no rosto. O PM foi levado para Hospital Regional de Augustinópolis.

G1/TO

Amigos de estudante agredido por PM em protesto fazem vigília no pátio de hospital

Segundo amiga, cerca de 300 pessoas compareceram ao ato. Mateus Ferreira da Silva, de 33 anos, está internado em estado grave, porém estável.

Amigos do estudante Mateus Ferreira da Silva, de 33 anos, agredido pelo capitão da PM Augusto Sampaio, durante um protesto, em Goiânia, fizeram uma vigília no pátio do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), onde ele está internado. De acordo com a unidade de saúde ele sofreu traumatismo cranioencefálico (TCE) e múltiplas fraturas. O estado de saúde dele é grave, porém estável. O paciente não corre risco de morrer.

O intuito é fazer uma corrente pela recuperação do rapaz. Entre as pessoas que queimaram velas em nome de Mateus na noite de terça-feira (2), estavam, além de amigos, outros estudantes e professores da Universidade Federal de Goiás (UFG), onde ele cursa ciências sociais.

Uma amiga de Mateus, que preferiu não se identificar, disse que cerca de 300 pessoas participaram do ato. “Fomos dar apoio e solidariedade para ele e para a família. Foram muitas pessoas, inclusive algumas que nem o conheciam. Ele teve uma melhora, graças a Deus, e vai se recuperar logo”, afirmou.

O estudante foi agredido durante protesto em Goiânia contra as reformas trabalhista e da previdência, no último dia 28 de abril. Na ocasião, mascarados entraram em confronto com policiais militares, momento em que o estudante foi atingido e ficou caído no chão. O capitão saiu correndo. Já o rapaz recebeu os primeiros socorros de outros manifestantes.

G1/Go

Afastado após bater em estudante, capitão da PM já se envolveu em outros casos de agressão

Apesar disso, Augusto Sampaio não tem punições e acumula 34 elogios na ficha funcional. Manifestante que levou golpe de cassetete está internado em estado grave.

Afastado das ruas após a agressão ao estudante Mateus Ferreira Silva, de 33 anos, o capitão da Polícia Militar Augusto Sampaio de Oliveira Neto está na corporação há 12 anos e acumula, na ficha funcional, 34 elogios. Ainda segundo as notações, ele nunca recebeu uma punição, mas já se envolveu em pelo menos quatro ocorrências de agressão, inclusive contra menores em situação de rua. Os casos ocorreram entre 2008 e 2010.

Mateus, que cursa ciências sociais, está internado em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital de Urgências de Goiânia. Um vídeo mostra em detalhes o momento em que ele leva um golpe de cassetete no rosto durante um protesto na capital, na última sexta-feira (28). Fotos também registraram a agressão.

O comandante geral da Polícia Militar de Goiás, coronel Divino Alves de Oliveira, explicou que Sampaio ficará exercendo apenas atividades administrativas enquanto o Inquérito Policial Militar que investiga a conduta dele não é concluído.

Em nota, a corporação explicou que instaurou o procedimento na última sexta-feira “diante das imagens que circulam em redes sociais, quando da intervenção policial militar, que mostram a clara agressão sofrida” pelo estudante.

O inquérito tem um prazo de 30 dias para ficar pronto. De acordo com a nota divulgada pela PM, na ocasião, a investigação tem o “objetivo de individualizar condutas e apurar responsabilidades”.

“Houve excesso, não há como fugir a esta situação, houve o excesso na ação praticada por esse policial militar e, em decorrência disso, o comando da instituição instaurou o inquérito policial militar que irá apurar as responsabilidade”, disse o coronel à TV Anhanguera.

Em nota, o comando da PM já havia destacado que “condena veementemente todo e qualquer tipo agressão praticada por policias militares no exercício de sua função, não compactuando com atos que possam afrontar os princípios da ética, moral e legalidade”.

O secretário de segurança pública de Goiás, Ricardo Balestreri, se posicionou por meio de uma rede social criticando a ação de Sampaio. Ele declarou que todo PM sabe que não deve atingir ninguém na cabeça durante tentativa de imobilização. O secretário também reconheceu que a PM nem sempre recebe os equipamentos e treinamentos necessários para progressão da força.

Durante o ato, segundo a corporação, quatro policiais militares foram feridos e foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) para serem submetidos a exames de corpo de delito. No Boletim de Ocorrência registrado por um deles, o militar alega que usou o cassetete para conter manifestantes mascarados que estavam agredindo dois homens.

Agressão

Mateus foi agredido durante um protesto organizado por centrais sindicais na Praça do Bandeirante, no centro de Goiânia. Na ocasião, mascarados entraram em confronto com policiais militares, momento em que o estudante foi atingido e ficou caído no chão. O capitão saiu correndo. Já o rapaz recebeu os primeiros socorros de outros manifestantes.

Amigos do Mateus, que preferiram não se identificar, disseram à TV Anhanguera que ele estava sem máscaras e não participou de nenhum ato de vandalismo durante o protesto. Porém, antes da agressão, é possível ver que o estudante estava sem camisa perto dos policiais. Momentos depois, ele aparece com um capuz e parte do rosto encoberto, junto a um grupo de manifestantes mascarados.

A mãe de Mateus, a cabeleireira Suzethe Alves, de 49 anos, repreendeu a conduta do policial. “Ele [Mateus] não é bandido e, mesmo que fosse, a polícia não tem o direito de bater em ninguém, é um ser humano, gente, é um ser humano”, disse em entrevista à TV Anhanguera.

Estado grave

Os parentes de Mateus estão focados na recuperação do estudante, que está internado na UTI do Hugo. Ele sofreu traumatismo cranioencefálico (TCE) e múltiplas fraturas.

“A gente nunca espera que vá acontecer algo assim com quem a gente ama. A nossa prioridade agora é a recuperação dele. Ele passou por uma cirurgia de reconstrução facial e foi um sucesso. Mas agora ele apresenta um quadro de pneumonia e insuficiência renal. Os médicos estão fazendo as intervenções necessárias”, disse a gerente administrativa Heloísa Ferreira da Silva, de 28 anos, irmã de Mateus.

De acordo com o último boletim médico divulgado pelo hospital, no início da noite de segunda-feira, Mateus está em estado grave, sedado, intubado e internado na UTI.

Pai de Mateus, o técnico mecânico Salatiel Ferreira da Silva Filho, de 53 anos, revela que sentiu um pouco de alívio ao visitar o filho no hospital, mas está apreensivo. “Não dá de dormir direito. É o meu filho, mas estou feliz de estar por perto”, ressaltou.

Suzethe Alves contou que, segundo os médicos, as reações do filho ao trauma têm sido dentro do esperado. “O médico falou que essa hemodiálise, essa parte da pressão que está abiaxando, a parte do pulmão, isso tudo foi devido ao trauma que ele teve. Então se a pessoa tem um trauma, logicamente, o corpo vai sentir”, explicou.

Ainda conforme a mãe, o estudante precisará colocar uma prótese feita por uma impressora 3D. “Ele está sem osso na parte frontal [testa], os ossos foram destruídos. Na parte esquerda, em baixo do olho, vai precisar colocar um pino para o osso se juntar. O ortopedista vai precisar fazer uma cirurgia na clavícula”, completou.

Apoio

Amigos do estudante fazem uma vigília na frente do Hugo para acompanhar novidades sobre o estado de saúde dele. Alguns até fizeram uma campanha na internete para arrecadar doações para ajudar a família de Mateus a se manter em Goiânia enquanto ele se recupera.

Irmã do estudante, a gerente administrativa Heloísa Ferreira da Silva, de 28 anos, destaca que o apoio da família e dos amigos de Mateus tem sido fundamental para lidar com o momento delicado que passam.

“Ele era muito querido por todos. É um momento muito doloroso e todas as manifestações de afeto nos ajudam, tanto de quem o conhecia ou não. Estamos emocionados com o jeito que os amigos o resgataram e cuidaram dele”, agradeceu Heloísa.

Sonho

Mateus já havia se formado em ciências da computação e trabalhava desde os 14 anos, segundo contou a família. Ele se mudou de São Paulo para a capital goiana no início de 2016 para realizar o sonho de cursar ciências sociais.

No começo, Mateus trabalhava de dia e estudava à noite na Universidade Federal de Goiás (UFG). Depois, ao passar no exame para ser monitor de ciências políticas, ele passou a se dedicar exclusivamente ao estudo.

“Sempre foi trabalhador, começou a trabalhar com 14 anos. Onde ele trabalhou teve dificuldade de entrar porque tinha que ser excelente aluno, só podia ter notas dez. Essa foi a primeira vitória dele. Meu filho veio para esse estado realizar o sonho dele e simplesmente eu vejo pela televisão, pela mídia, o sangue dele derramado da na calçada. Um sangue inocente. […] Acredito que todos nós, hoje, somos Mateus”, disse, emocionado.

 Repúdio

O reitor da Universidade Federal de Goiás (UFG), Orlando Amaral, esteve no hospital no sábado (29) em busca de informações sobre o estado de saúde do estudante. Horas antes, a UFG, onde Mateus cursa o 3º período de ciências sociais, já tinha divulgado uma nota repudiando a agressão.

No hospital, o reitor voltou a criticar a postura da PM. “Ele estava lá junto com dezenas, centenas, milhares de outros estudantes, professores, a comunidade, a população em geral, e não se justifica uma atitude como essa, uma violência tão desproporcional, em uma situação que obviamente demandava uma postura diferente da polícia, que é o que nós esperamos”, disse o reitor.

A Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil seção Goiás (OAB-GO) conversou com a família nesta segunda-feira. Representante do grupo, Allan Ferreira afirmou à TV Anhanguera que o órgão busca garantir que os responsáveis sejam punidos.

“O nosso papel enquanto OAB é cobrar que essa investigação seja feita, que esses agentes sejam processados”, afirmou.

A Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP) informou que condena as agressões sofridas por Mateus e que atos como este “ferem a ética da corporação e das demais forças que compõem a Segurança Pública, cuja missão é proteger vidas e jamais atentar contra qualquer cidadão”.

O comunicado destaca ainda que a “exigência de imobilização de eventuais manifestantes nunca justificará a transgressão de limites”. Por fim, pontua que, se confirmado autoria, a SSPAP será “rigorosa na punição administrativa e no encaminhamento para a esfera judiciária”.

Após agressão, Augusto Sampaio de Oliveira Neto está afastado das ruas (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera).
Após agressão, Augusto Sampaio de Oliveira Neto está afastado das ruas (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera).
Mateus Ferreira foi ferido durante protesto em Goiânia (Foto: Reprodução/Facebook.
Mateus Ferreira foi ferido durante protesto em Goiânia (Foto: Reprodução/Facebook)
Pai e irmã de Mateus estão em Goiânia para acompanhá-lo (Foto: Paula Resende/ G1)
Pai e irmã de Mateus estão em Goiânia para acompanhá-lo (Foto: Paula Resende/ G1)
Mateus é socorrido por amigos durante o protesto (Foto: Vitor Santana/G1)
Mateus é socorrido por amigos durante o protesto (Foto: Vitor Santana/G1)
G1/Go

PM aborda falsa doente que tentava arrecadar doações

Duas mulheres e um homem foram abordados pela Polícia Militar (PM), na manhã desta quarta-feira, 22, na Avenida Araguaia, em Araguatins, no centro da cidade, suspeitos de estelionato.

 

A trinca estaria aplicando um golpe, onde uma das mulheres ficava deitada dentro de um veículo e os comparsas saiam pelas ruas pedindo dinheiro para um falso tratamento médico. Na ação, eles utilizavam uma caixa de som e anunciavam que a “falsa doente” estava em fase terminal e precisava de ajuda financeira.

O grupo disse ser da cidade de Picuí, na Paraíba, distante cerca de 1.700 km de Araguatins.WhatsApp-Image-2017-03-22-at-10.16.24

Fonte:Folha do Bico

Suspeitos de assaltar agência dos Correios são presos após perseguição

Agência foi roubada durante a manhã e criminosos presos à tarde.
Suspeitos foram detidos após polícia fechar saídas de Colinas do Tocantins.

Quatro suspeitos de assaltar uma agência dos Correios em Bernardo Sayão na manhã quinta-feira (16) foram detidos durante a tarde em Colinas do Tocantins. Eles foram pegos após perseguição e troca de tiros, em uma operação das polícias Civil e Militar. A polícia recuperou cerca de R$ 900 e diversos objetos roubados durante o assalto.

Conforme a polícia, os homens estavam sendo monitorados e existe a suspeita de que alguns estejam envolvidos na explosão de uma agência bancária em Santa Fé do Araguaia. Após o assalto, os policiais fecharam as saídas de Colinas do Tocantins e conseguiram localizar os suspeitos em um veículo.

Houve perseguição e troca de tiros, mas os criminosos foram detidos pela PM e ninguém ficou ferido. Entre o grupo estava um adolescente.

Com os suspeitos foram encontradas duas armas, além do dinheiro e outros objetos como uma aliança, um colar, celulares e relógios. Ainda de acordo com a polícia, o veículo em que os homens estavam também era roubado.

Os suspeitos não tiveram os nomes divulgados, mas foram presos em flagrante e levados para a Cadeia de Colinas. O adolescente foi apreendido. A ocorrência deve ser repassada para a Polícia Federal.(Fonte:G1/To)

PM mata filho, esposa e depois comete suicídio na Bahia

Família foi descoberta por colegas do subtenente na tarde desta quarta

Um policial militar matou o filho, de 12 anos, a esposa, de 39, e depois cometeu suicídio, em Salvador, na Bahia. A constatação são de peritos da Polícia Civil, após análise do apartamento da família, onde os corpos foram encontrados na tarde desta quarta-feira (15).

O perito criminal Ríbio Januário informou, ao Correio da Bahia, que a arma do crime, uma pistola Ponto 40, exclusiva da polícia, estava ao lado do corpo do subtenente da PM, Cláudio Guimarães Müller de Azevedo, de 43 anos. A criança, Lucas, estava no mesmo cômodo, o quarto do casal. A esposa, Catarina Teixeira Müller, foi localizada no quarto do filho.

Em nota, a Polícia Civil divulgou que Azevedo chegou em casa, no Edifício Arpoador, no bairro da Pituba, por volta da 1h30 da madrugada. Testemunhas disseram ter ouvido vários disparos cerca de trinta minutos depois. Lucas foi morto com três tiros, assim como a mãe. Não havia sinais de arrombamento no local. A pistola foi encaminhada para o Departamento de Polícia Técnica (DPT). Os corpos foram retirados por volta das 17h.

O crime foi descoberto porque o subtenente faltou o trabalho nesta quarta-feira. PMs foram à casa, mas como ninguém atendeu procuraram o síndico. Um familiar, que mora no mesmo edifício, tinha a chave da casa e abriu a porta. O caso será investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) para apurar circunstâncias e motivação.(Fonte:Noticias ao Minuto)

Suspeito de traficar drogas é preso pela Polícia Civil em Palmas

A Polícia Civil, por intermédio da Delegacia Especializada na Repressão a Narcóticos (DENARC) efetuou, na noite desta quinta-feira, 9, a prisão em flagrante de Antônio Leonardo Carvalho Costa, 23 anos. Ele é suspeito pela prática do crime de tráfico de drogas e foi capturado em uma das ruas da Quadra 307 Norte, portando 1kg de crack.

Conforme o delegado Guilherme Rocha Martins, responsável pela ação, a prisão de Antônio se deu em virtude de apurações sobre denúncias de ocorrência de tráfico de drogas na Quadra 307 Norte. No momento em que foi abordado, o suspeito se preparava para se deslocar até a cidade de Porto Nacional, levando consigo o carregamento de entorpecente para àquele município.

O indivíduo, que já tinha passagem pela polícia por tráfico de entorpecente e porte ilegal de arma de fogo, foi conduzido à sede da Denarc, onde foi autuado em flagrante por tráfico de drogas e, em seguida, recolhido à Casa de Prisão Provisória de Palmas (CPPP), onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário. A operação que resultou na prisão de Antônio Leonardo contou com o compartilhamento de informações do serviço de inteligência da Polícia Militar.(Fonte:Portal Benicio)

Polícia prende quatros suspeitos de praticar vários roubos em Araguaína

Os criminosos estavam em um carro e faziam uso de arma de fogo.
Eles, veículo, arma e objetos roubados foram levados para delegacia.

A Polícia Militar prendeu quatro suspeitos de praticarem diversos roubos em Araguaína, no norte do Tocantins. A prisão foi realizada na noite desta segunda-feira (27), por volta das 23:30.Segundo a Polícia Militar, os criminosos estavam em um carro e faziam uso de arma de fogo.

De acordo com a PM, com as características do veículo e dos indivíduos repassadas, a polícia localizou o veículo. Durante a abordagem, os policiais constataram que se tratavam dos suspeitos, que foram presos. Eles, junto com o veículo, arma de fogo e objetos roubados foram levados para delegacia.(Fonte:G1/To)

PM de GO critica congelamentos e pode parar nesta quarta-feira

A União dos Militares do Estado de Goiás (Unimil) está convocando todos os policiais militares e famíliares, para assembleia geral para próxima quarta-feira,15, na Assembléia Legislativa contra a PEC 3548/16, defendida pela gestão Marconi Perillo/José Eliton (PSDB). 

A proposta congela por 10 anos, de 1º de janeiro de 2017 a 31 de dezembro de 2026, promoções, salários, crescimento na carreira. Acaba de uma vez com a Segurança Pública de Goiás. 

Entre as reivindicações, está o fim da proposta do governo que diminui de 30.600 para 16.000 o contingente ideal para o Estado. Goiás conta hoje com cerca de 11 mil homens na PM. 

A categoria aponta um déficit de 19 mil policiais e alerta para a recomendação da Organização das Nações Unidas (ONU) que prevê 1 policial para cada 200 habitantes. Goiás tem 1 para cada 4 mil habitantes.(fonte:Goiás Real)