MTST invade triplex atribuído a Lula no Guarujá, no litoral de SP

Líder do Movimento, Guilherme Boulos transmitiu a ocupação ao vivo nas redes sociais.

Militantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) invadiram nesta segunda-feira (16) o apartamento 164-A do edifício Solaris no Guarujá, litoral de São Paulo. O triplex pertence ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de acordo com investigação da Justiça Federal. As informações são do R7.

A ocupação foi transmitida ao vivo nas redes sociais do líder do MTST e presidenciável Guilherme Boulos.

“MTST e a Povo Sem Medo acabam de ocupar o triplex do Guarujá, atribuído a Lula por Moro. Se é do Lula, o povo poderá ficar. Se não é, por que então ele está preso?”, diz mensagem na página de Boulos.

O ex-presidente cumpre pena de 12 anos e um mês desde o último dia 7, por suspeita de ter beneficiado a empreiteira OAS em contratos com a Petrobras. O imóvel no litoral é considerado propina paga pela empresa ao ex-presidente.

MTST e a Povo Sem Medo acabam de ocupar o triplex do Guarujá, atribuído a Lula por Moro. Se é do Lula, o povo poderá ficar. Se não é, por que então ele está preso? #Lulalivre #Vamos2018
Foto: Mídia NINJA 

MTST PEDE REFERENDO POPULAR SOBRE PEC DOS GASTOS PÚBLICOS

O representante do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, defendeu um referendo para que os eleitores possam decidir se querem a PEC que limita o teto de gastos públicos ou não. Segundo ele, o Congresso Nacional não tem legitimidade para decidir a questão; declaração foi feita ontem (13) após manifestação na cidade de São Paulo, que protestou contra a PEC na Avenida Paulista.

O representante do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, defendeu um referendo para que os eleitores possam decidir se querem a PEC que limita o teto de gastos públicos ou não. Segundo ele, o Congresso Nacional não tem legitimidade para decidir a questão. A declaração foi feita ontem (13) após manifestação na cidade de São Paulo, que protestou contra a PEC na Avenida Paulista.

“O Senado, com legitimidade muito pequena, desmoralizado, aprovar uma medida dessa e achar que isso não vai ter reação, que vai passar goela abaixo, isso não é assim. Nós vamos continuar na rua em relação à PEC para defender um referendo. O povo tem que decidir se quer congelar o gasto público por 20 anos ou não. Não é o Renan Calheiros que tem que definir isso, é o povo brasileiro”, disse Boulos.

O MTST faz parte da Frente Povo Sem Medo, uma das organizadoras, junto com a Frente Brasil Popular, da manifestação feita hoje na Avenida Paulista. “Fizemos uma manifestação com milhares de pessoas no dia em que o Senado Federal aprovou um ataque brutal ao povo brasileiro, talvez o maior ataque desde o fim da ditadura militar, congelando investimento por 20 anos”, disse, acrescentando que as entidades farão mais manifestações contra a PEC.(fonte:brasil 247)