Garota de programa é presa suspeita de matar mulher com facada no pescoço

Mônica Pereira confessou que matou Ionara Tuxa porque acreditava que ela teria furtado um celular. Sumiço do aparelho teria acontecido enquanto Ionara estava no bordel em que Mônica trabalhava.

A jovem Mônica Pereira da Silva, de 19 anos, foi presa na tarde desta terça-feira (19) suspeita de matar Ionara Tuxa, de 26 anos, com uma facada em um bar de Formoso do Araguaia, sul do Tocantins. O crime foi por volta do meio-dia. De acordo com a Polícia Civil, as duas tinham tido uma briga há alguns dias e trocado ameaças.Ionara foi morta com uma facada no pescoço (Foto: Reprodução/Facebook)

Moradores que presenciaram a confusão tentaram impedir o crime, mas não conseguiram. Mônica teria dado uma facada no pescoço da vítima que morreu na hora. Ela tentou se esconder em uma casa na região, mas foi encontrada minutos depois pela Polícia Civil.

Segundo a delegada Áurea Batista Ferreira, que cuida do caso, o crime foi motivado pelo sumiço de um celular. Durante o depoimento, a suspeita disse que é prostituta em um bordel da cidade e que Ionara era cliente do estabelecimento. Há alguns dias o celular dela teria desaparecido enquanto Ionara estava no local para fazer o programa, ela acreditava que a vítima era responsável pelo furto.

Mônica foi presa e vai aguardar a audiência de custódia que deve acontecer nos próximos dias. A polícia ainda tenta esclarecer mais detalhes do caso.

G1 Tocantins.

Acusado de matar família de ciganos no Tocantins é condenado a mais de 76 anos de prisão

Carlos Alberto teria financiado o crime fornecendo dinheiro e até as armas, segundo o Ministério Público. O crime aconteceu em 2012; quatro pessoas foram assassinadas.

Carlos Alberto Pereira, conhecido como Carlos Cigano, acusado de executar quatro pessoas em julho de 2012 em Araguaína, foi condenado a mais de 76 anos de prisão. O Júri Popular foi realizado no auditória da OAB da cidade, de portas fechadas, nesta quarta-feira (13).

Três das vítimas pertenciam a uma família de ciganos. Em 2015, o outro acusado Cícero Romão Batista Pereira foi condenado a 76 anos de prisão pelo mesmo crime.

Segundo o Ministério Público, Carlos Cigano teria financiado o crime fornecendo dinheiro e até as armas que foram usadas nos assassinatos. As vítimas são Rangel da Silva Lima, José Feitosa Pereira, Francisca Marahana Pereira Batista e Felix Guida dos Santos.

“As quatro pessoas que foram vitimadas foram atingidas em decorrência de engano, pois a vontade dele era atingir outras pessoas envolvidas numa matança de mais de 24 pessoas em mais de três estados diferentes, uma briga de família”, afirmou o promotor de Justiça, Paulo Alexandre Rodrigues.

Na votação do Júri, foram quatro votos a favor da condenação e três pela absolvição. A defesa disse que vai recorrer da decisão. “Não há nenhuma dúvida que esta decisão será anulada porque a lei determina que decisão contrária à prova dos autos deve ser anulada”, explicou o advogado Wendel Oliveira.

O crime aconteceu no setor Nova Araguaína. Conforme a denúncia, Carlos Alberto e Cícero teriam chegado em uma camionete e atirado contra um grupo de homens que jogava baralho na frente de uma casa.

Minutos depois, uma mulher grávida de gêmeos e o marido dela também foram executados. Três das quatro vítimas pertenciam a uma família de ciganos. As investigações apontaram que Cícero Romão queria vingar a morte da mãe dele, assassinada no Pará por ciganos. 

G1 Tocantins

Agricultor acusado de matar mulher e forjar bilhete de despedida é condenado 10 anos depois do crime

José Francisco terá que cumprir uma pena de 13 anos de prisão. Crime aconteceu em 2007; homem confessou que matou porque não aceitava fim do relacionamento.

O agricultor José Francisco Borges foi condenado a 13 anos de prisão por matar a mulher Maria da Conceição de Sousa e forjar um bilhete de despedida com o objetivo de não levantar suspeita. O Tribunal do Júri foi realizado nesta terça-feira (12), mais de 10 anos depois do crime, que foi cometido em fevereiro de 2007.

Segundo a denúncia do Ministério Público Estadual, o agricultor matou a mulher porque não aceitava o fim do relacionamento. Na época, ele enterrou o corpo em um lote baldio e forjou um bilhete de despedida. Nele, havia a informação de que a vítima tinha ido embora e o pedido para que a família cuidasse de dois filhos pequenos.

O inquérito policial chegou a ser arquivado por falta de provas, mas no início deste ano, uma pessoa procurou a polícia e disse que escreveu o bilhete a pedido de José Francisco. A perícia confirmou que a caligrafia da testemunha é correspondente com a do bilhete.

Depois disso, o inquérito foi reaberto. Em maio deste ano, o acusado foi preso em Goiânia.

O agricultor foi condenado a 13 anos de prisão pelo homicídio. Ele ainda deverá pagar R$ 50 mil por reparação de danos à família da vítima. Já pela ocultação de cadáver, José Francisco recebeu pena de um ano, mas ela foi extinta, por causa do período de 10 anos entre o homicídio e a denúncia do Ministério Público.

G1 Tocantins.

Suspeitos de matar jovens após carona são encontrados dormindo em mesa de sinuca

Segundo delegado, jovem é menor e estavam bêbados, pararam para descansar. Momentos antes, eles assassinaram dois rapazes em um carro; uma terceira vítima conseguiu escapar.

Os suspeitos de matar a facadas Carlos Henrique da Silva, de 22 anos, e Wagno Ramo do Carmo, de 29 anos, foram encontrados dormindo em cima de uma mesa de sinuca.

A informação é do delegado Hismael Tranqueira. O caso aconteceu em Lagoa da Confusão, na madrugada desta segunda-feira (20). Eles mataram os amigos após pedirem carona, supostamente para roubar o veículo.

“Os autores, um jovem de 20 anos e um adolescente de 16, estavam curtindo uma festa na cidade de Lagoa da Confusão, quando viram as vítimas em um carro com um som muito caro”, contou o delegado, ao afirmar que eles se sentiram atraídos pelo aparelho de som automotivo.

Os dois então pediram carona e quando chegaram perto de um hospital da cidade, na avenida Vitorino Panta, cometeram o crime, conforme o delegado.

Eles usaram duas facas para atingir as vítimas. Carlos e Wagno foram feridos no pescoço e não resistiram. Uma terceira vítima do roubo Edison Luiz Roncaglio também foi atingido, mas conseguiu sair do veículo e correu para pedir socorro. Ele chegou a ser internado, mas já recebeu alta.

Horas depois do crime, os suspeitos foram encontrados. Segundo a polícia, após o carro ficar sem gasolina eles saíram para comprar combustível e acabaram parando em um bar, onde dormiram em cima de uma mesa de sinuca. “Eles estavam bêbados e foram encontrados dormindo perto de Velha Rosalândia”, contou o delegado.

Dentro do carro, a polícia encontrou duas facas. A roupa de um deles estava suja de sangue. Segundo o delegado, o jovem de 20 anos deve ser indiciado por latrocínio, tentativa de homicídio e corrupção de menores. Já o menor também deve responder por latrocínio e tentativa de homicídio. Mas o delegado disse que somente após o inquérito será possível detalhar os crimes que cada um deles vai responder. 

G1/Tocantins

Morre em Goiás mulher baleada por vizinho que queria matar a esposa no Tocantins

Sandra Gomes da Silva, 38, estava na casa da irmã, em Formoso do Araguaia, quando vizinhos invadiram a casa discutindo.

Uma mulher de 38 anos morreu, no sábado (4), em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital, depois de ser baleada pelo vizinho da irmã dela, em Formoso do Araguaia, no Tocantins. Segundo registro de ocorrência da Polícia Civil, Sandra Gomes da Silva foi atingida por engano, depois que o autor invadiu a casa da irmã da vítima querendo atirar na esposa.

Ela chegou a ser socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), e encaminhada para o Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia (Huapa). Em nota, a unidade de saúde explicou que a paciente de 38 anos deu entrada no sábado, às 10h30, com ferimentos graves provocados por arma de fogo. ela passou por cirurgia, mas não resistiu e morreu por volta das 16h10, durante a operação.

O crime ocorreu na manhã da última sexta-feira (3), em Formoso do Araguaia, na região sul do Tocantins, divisa com Goiás. Após Sandra ser transferida pelo Samu para Aparecida de Goiânia, o marido da vítima registrou o caso, no sábado (4), no 1º Distrito Policial da cidade, que deve submeter a investigação para a delegacia da cidade onde o fato ocorreu.

Conforme consta no registro de ocorrência, a vítima estava na casa da irmã, quando um casal de vizinhos, na residência ao lado, começou uma discussão. Segundo relato do marido à polícia, minutos depois da briga começar, a mulher do vizinho invadiu a casa onde a vítima estava, fugindo do companheiro, quando o homem entrou armado atirando e, por engano, atingiu Sandra.

Ela foi socorrida pelo Samu, levada ao Huapa e, às 16h45 de sábado, morreu na unidade. O corpo foi levado ao Instituto Médico Legal (IML) de Aparecida de Goiânia e, segundo o órgão, já foi liberado à família.

G1/TO

Marido acusado de matar professora de teatro em 2010 enfrenta júri popular

Corpo da vítima foi encontrado na estrada para a praia do Prata, em Palmas. Crime aconteceu após mulher descobrir empréstimos feitos pelo marido no nome dela.

Está sendo jugado nesta terça-feira (24) no fórum de Palmas o marido da professora Elizabeth Contini Abílio. João Abílio é acusado de ter matado a mulher em julho de 2010. O corpo da vítima foi encontrado na estrada para a praia do Prata, com mãos e pés amarrados, e enrolado em uma lona. O julgamento em júri popular começou pela manhã e continua durante a tarde.

Conforme investigação da polícia e a denúncia do Ministério Público Federal, o crime aconteceu porque a professora descobriu que o marido fazia empréstimos bancários no nome dela para bancar festas e amantes.

Se for condenado, o réu pode pegar de 12 a 30 anos de prisão. Independentemente do resultado do julgamento desta quarta-feira, os envolvidos podem recorrer da decisão.

Em entrevista à TV Anhanguera, João Abílio negou as acusações e disse não saber quem matou a professora. Segundo o réu, há várias falhas no laudo da perícia científica. A defesa dele contratou um perito particular para fazer uma análise do laudo oficial da polícia.

Elizabeth dava aulas de teatro no Espaço Cultural José Gomes Sobrinho, em Palmas.

G1 Tocantins

Jovem é preso suspeito de matar os pais a pedradas dentro de casa em Goiás

Rapaz foi detido após sofrer um acidente de carro na BR-153, na saída da cidade.

Um jovem de 27 anos foi preso suspeito de matar os pais dentro de casa em Jaraguá. Os corpos foram encontrados com marcas de pedradas e perfurações no pescoço. Vizinhos ficaram assustados com o crime.

“O filho foi preso em flagrante e é o suspeito do crime. Ele segue detido na delegacia da cidade depois de sofrer um acidente de carro”, afirmou o delegado Glênio Alves.

Segundo testemunhas, o corpo do auxiliar de serviços gerais José Antônio da Silva estava caído na cozinha e o da esposa, a merendeira Sirlene Ferreira da Silva, no quarto. Foram encontradas ferramentas dentro da casa. A polícia vai investigar se elas foram usadas no crime.

O filho, que morava com o casal, foi preso após sofrer um acidente de carro. De acordo com o boletim de ocorrências da Polícia Militar, o jovem bateu o carro na BR-153, na saída da cidade. Ele foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros e levado para o Hospital Municipal de Jaraguá.

Ele teria invadido a pista contrária e batido contra uma carreta. Com o impacto, o carro pegou fogo.
Foto: Reprodução/ PRF

Ele foi preso na unidade após receber o atendimento médico e levado para a delegacia. O delegado ainda não informou o que motivou o crime e nem quais os indícios que tornam o jovem suspeito do assassinato dos pais. 

G1/GO

Filho é preso suspeito de matar mãe com golpes de facão

Assassinato ocorreu neste domingo (10), na cidade de Catuípe, localizada no Noroeste do Rio Grande do Sul.

Um jovem, de 20 anos, foi preso em flagrante por suspeita do assassinato da própria mãe com golpes de facão neste domingo (10), na cidade de Catuípe, localizada no Noroeste do Rio Grande do Sul.

De acordo com informações, os policiais encontraram Vanilde Fatima Dornelles, de 45 anos, já sem vida no banheiro. Seu filho disse aos policiais que se tratava e um caso de suicídio. O jovem era o único que estava em casa no momento da morte. No entanto, apresentou um álibi falso para os agentes.

“Ele disse que a mãe tinha se matado, algo que seria impossível em virtude dos tamanhos do corte. Ele era a única pessoa que estava com ela na hora do crime, e depois ainda apresentou um álibi dizendo que estava com a namorada na hora do crime, mas os horários não batiam”, disse o delegado Ricardo Miron, que registrou a ocorrência.

Noticias ao Minuto

Homem é preso suspeito de matar mulher e esconder corpo dentro de mala

Segundo delegada, ele não falou qual foi a motivação do homicídio; vítima ainda não foi identificada.

O corpo de uma mulher ainda não identificada foi encontrado dentro de uma mala, enrolado em um saco plástico, em Rio Verde, na região sudoeste de Goiás. De acordo com a Polícia Civil, Daniel Ramos da Silva, de 37 anos, foi preso suspeito do crime, mas ainda não se sabe a motivação, nem a ligação dele com a vítima. A família dele afirma que ele é usuário de drogas.

Segundo a delegada Taísa Antonello, após matar a mulher, o homem queimou as roupas usadas no crime. “A princípio suspeita-se que ele pegou as roupas que ele usou, queimou, escondeu as cinzas, e ia se livrar tanto do corpo, que já estava dentro de uma mala, enrolado em um saco plástico, quanto das cinzas das roupas que ele usou no cometimento do crime”, contou a investigadora.

O crime aconteceu na madrugada de terça-feira (5), em uma casa, na região leste de Rio Verde. O Instituto Médico Legal (IML) da cidade ainda não divulgou as causas da morte. Conforme o delegada, antes da polícia chegar ao local do crime, o suspeito tinha pedido o carro emprestado para o pai, a suspeita é que Daniel levaria a mala com o corpo para outro lugar.

O sargento Evair Gomes, da Polícia Militar, afirma que o homem tentou fugir ao ver o carro da polícia. “Nós chegamos no local, o suposto suspeito viu a viatura e já empreendeu fuga. Depois de falarmos com os pais, eles nos informaram que desde as quatro, quatro e meia da manhã, seu filho estava perturbado, foi até a residência dele e comentou que realmente ele tinha matado alguém e este corpo estaria dentro de uma mala”, contou.

Ninguem do IML de Rio Verde, atenderam as ligações até o momento.

Daniel Ramos da Silva, de 37 anos, foi preso suspeito de matar mulher e colocar corpo em uma mala, em Rio Verde (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

G1/GO

Garoto de programa é preso suspeito de matar cliente atropelado após encontro em Goiânia

Segundo polícia, jovem alegou que, depois do programa, vítima não pagou e disse que teria lhe transmitido Aids. Mãe nega que filho era portador da doença: ‘É mentira’.

Um garoto de programa de 21 anos foi preso suspeito de matar um cliente, de 52, após os dois saírem de um motel em Goiânia. Segundo a Polícia Civil, Raul Victor Ribeiro de Carvalho alegou que depois de manterem relações sexuais sem preservativo, o estoquista Walter Soares da Silva Júnior disse que teria lhe passado Aids, além de não pagar pelo programa. Os dois discutiram e quando a vítima desceu do carro, o jovem o atropelou e fugiu. 

Walter foi morto ao ser atropelado em Goiânia após programa em motel (Foto: Arquivo pessoal)
Walter foi morto ao ser atropelado em Goiânia após programa em motel (Foto: Arquivo pessoal)

O crime aconteceu na noite de sexta-feira (18), na Avenida Perimetral e até então era tratado como um acidente de trânsito. Porém, a polícia recebeu uma denúncia anônima e começou a investigar a morte como homicídio.

Raul foi preso na segunda-feira (21), em casa. Ele contou à polícia que conheceu Walter pela internet há cerca de dois meses e que esse já era o terceiro programa que eles tinham combinado. Porém, ao final do encontro, os dois tiveram uma discussão.

“Eles discutiram, segundo o Raul Victor, pelo fato do Walter ter tirado o preservativo na hora da relação sexual. Na hora do pagamento, ele disse que não iria pagar e teria afirmado: ‘Eu vou te dar, na verdade, um presente. É o vírus [HIV] que está dentro de você'”, contou. Em sua apresentação à imprensa nesta terça-feira (22), o rapaz cobriu o rosto e ficou em silêncio.

Durante sua apresentação, Raul tapou o rosto e preferiu ficar em silêncio (Foto: Sílvio Túlio/G1)
Durante sua apresentação, Raul tapou o rosto e preferiu ficar em silêncio (Foto: Sílvio Túlio/G1)

Os dois saíram do motel ainda brigando e alguns metros depois, o estoquista desceu do carro. O garoto de programa alega que Walter pegou um tijolo para acertar o veículo e então resolveu atropelá-lo sem prestar socorro em seguida. Foram encontradas marcas de sangue da vítima cerca de 80 metros de distância do atropelamento. No entanto, ainda está sendo investigado se a vítima foi arrastada pelo carro do suspeito ou de outra pessoa.

O veícuolo usado no crime, um GM Corsa de cor branca, pertence ao irmão de Raul e foi apreendido na casa do pai dele já com o para-brisas – danificado no dia do assassinato – consertado.

O delegado disse que ainda não é possível confirmar se Walter era soropositivo e se Raul também teria sido contaminado pela doença.

O suspeito deve responder por homicídio. Se for condenado, pode pegar até 30 anos de prisão.

Mãe de Walter negou que filho era portador da doença: 'É mentira' (Foto: Sílvio Túlio/G1)
Mãe de Walter negou que filho era portador da doença: ‘É mentira’ (Foto: Sílvio Túlio/G1)

Mãe nega doença

A família de Walter esteve na delegacia. Muito abalada e chorando copiosamente, a mãe dele, a aposentada Jorcelina Pereira da Silva, de 72 anos, cobrava Justiça e negou que o filho tinha Aids.

“É mentira. Meu filho se cuidava muito”, afirmou.

Segundo a idosa, o estoquista já é divorciado e deixa um filho de 21 anos e uma neta, de 1. Ela disse que descobriu, pelo celular do filho, que o crime foi cometido por conta de R$ 70, valor cobrado pelo programa.

A vítima trabalhou durante oito anos em uma indústria farmacêutica em Catalão, no sudeste de Goiás. Porém, havia perdido o emprego e vivia há um ano com a mãe, em Goiânia.

“Você não imagina o que estou passando. Não como e não durmo. Minha vida é só chorar. Eu quero Justiça”, desabafou.

Carro usado no atropelamento foi apreendido pela polícia e será periciado (Foto: Sílvio Túlio/G1)
Carro usado no atropelamento foi apreendido pela polícia e será periciado (Foto: Sílvio Túlio/G1)
 G1/GO