Suspeito de matar diarista em Gurupi é apreendido com motocicleta da vítima

O suspeito é um menor. Ele foi apreendido na companhia de outro jovem. Márcia Helena Ferreira Costa, de 47 anos, foi encontrada morta neste sábado.

Um menor, suspeito de matar a diarista Márcia Helena Ferreira Costa, de 47 anos, foi apreendido. Ela foi encontrada morta na manhã deste sábado (18) em sua casa, em Gurupi, sul do estado. O suspeito foi apreendido na noite desta sexta-feira (17).

Segundo a Polícia Militar, o menor trafegava em uma motocicleta na companhia de um jovem na noite desta sexta-feira em um bairro de Gurupi, e ao perceberem a viatura da polícia, os dois pularam da moto e tentaram fugir, mas foram apreendidos em seguida.

Os dois foram levados junto com a motocicleta para a Central de Flagrantes de Gurupi. A PM informou que durante a prisão não imaginava, que o menor seria o principal suspeito de matar a diarista Márcia Helena Ferreira Costa. A motocicleta pertence à vítima.

A PM informou que o menor ficará a cargo da Polícia Judiciária.

Entenda

O corpo da diarista Márcia Helena Ferreira Costa, de 47 anos, foi encontrado neste sábado (18) dentro da casa dela. Vizinhos foram ao local após perceberem que a mulher não aparecia na rua e nem ia ao trabalho desde a última quarta-feira (15). Ela tinha marcas de perfurações por arma branca.

A Polícia Civil acredita que o caso seja um latrocínio, que significa um roubo seguido de morte. A motocicleta da diarista foi levada do local.

Diarista foi encontrada morta dentro de casa (Foto: Divulgação)

Suspeito de matar Patrícia Aline dá detalhes do crime: ‘Ela saiu correndo e eu atirei’

Suspeito disse que cometeu o crime por causa de uma traição.

Um vídeo gravado pela polícia mostra Iury Italu Mendanha confessando ter matado Patrícia Aline dos Santos. As imagens foram feitas logo após a prisão dele em Campos Lindos, no interior do Tocantins, nesta terça-feira (14). O suspeito disse que cometeu o crime após uma traição e ainda detalhou como agiu.

A jovem foi encontrada morta em um matagal na última quinta-feira (9), perto de um shopping, na quadra 107 Norte, em Palmas. 

Dias antes do crime, ela pediu ajuda para uma amiga pelo WhatsApp, afirmando que o namorado queria matá-la. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios de Palmas.

Medanha foi preso junto com Silas Barreira Borges, que também é suspeito de envolvimento no crime. Os dois foram levados para Araguaína e estão detidos na Casa de Prisão Provisória da cidade, mas devem ser transferidos para Palmas ainda nesta quarta-feira (15).

No vídeo, o ex-namorado de Patrícia Aline conta o motivo do crime.

Agente: porque você matou a sua ex-namorada?

Mendanha: porque ela me traiu.

Agente: você matou ela como?

Mendanha: de tiro.

O site tenta contato com a defesa dos suspeitos, mas não há informações se eles têm advogados.

Iury e Silas aparecem em um vídeo horas antes de a jovem ser encontrada morta. Nas imagens, gravadas pela câmera de segurança de uma padaria, é possível ver que Iury chega à casa de Patrícia acompanhado pelo amigo. Após alguns minutos de conversa, os três entram em um carro.

Medanha deu detalhes do que teria acontecido após esse momento.

Agente: Quantos tiros você deu nela?

Mendanha: Três […] eu fechei minha loja cedo, sai da loja e fui. Quando parei o carro, eu desci mais ela. Ela saiu correndo, eu atirei e matei ela.

Agente: Você atirou pelas costas dela?

Mendanha: Não. Foi o seguinte, chamei ela para sair, ela falou que tinha arrumado outro. Eu dei o primeiro tiro nela, ela correu e eu dei mais dois.

Patrícia Aline dos Santos foi encontrada morta em matagal na zona norte de Palmas (TO) (Foto: Arquivo Pessoal)

O caso

A jovem foi encontrada morta em um matagal na última quinta-feira (9), perto de um shopping, na quadra 107 Norte, em Palmas. Dias antes do crime, ela pediu ajuda para uma amiga pelo WhatsApp, afirmando que o namorado queria matá-la.

“Na nossa linha de investigação, o principal suspeito do crime é o atual namorado da Patrícia, o Iury. Várias testemunhas apontam que era um relacionamento conturbado. E que eles tinham terminado e voltado, então ele descobriu que ela tinha ficado com alguém, não gostou e passou a ameaçá-la, inclusive com um revólver. Há vários pedidos dela de socorro, reclamando da agressividade do Iury”, disse o delegado Israel Andrade, responsável pelas investigações.

Dias antes do crime, a jovem também havia pedido ajuda à amiga e afirmou que estava com medo que o namorado a matasse.

Câmera de segurança

Iury e Silas aparecem em um vídeo horas antes de a jovem ser encontrada morta. Nas imagens, gravadas pela câmera de segurança de uma padaria, é possível ver que Iury chega à casa de Patrícia acompanhado pelo amigo.

A jovem parecia tranquila e chegou a abraçar o suspeito durante a conversa. Amigos de Patrícia disseram à polícia que ela usou a mesma roupa durante todo o dia, o que pode indicar que ela não esperava a visita e não estava preparada para sair de casa. O vestido é o mesmo com o qual ela foi encontrada morta.

Suspeitos de matar Patrícia Aline são presos (Foto: Polícia Civil).

Veja o video no G1 Tocantins.

 

Homem é preso após ameaçar matar a própria mulher e preparar cova para enterrá-la

Caso foi registrado em Arapoema, norte do Tocantins. Após a prisão, delegado descobriu que homem é acusado de matar uma ex-companheira e estava foragido.

Ildo Francisco de Viveiros, de 34 anos, foi preso na manhã desta terça-feira (14) em Arapoema, no norte do Tocantins. Segundo a Polícia Civil, ele teria agredido a própria mulher e preparado uma cova no fundo da casa deles para enterrá-la. Após a prisão, o delegado responsável pelo caso descobriu que o homem tinha um mandado de prisão em aberto no Maranhão, onde é acusado de matar uma ex-companheira.

O delegado Marco Aurélio Barbosa Lima informou que a atual mulher do suspeito procurou a delegacia durante a manhã e denunciou as agressões. Momentos depois, o homem passou na frente da delegacia e acabou sendo preso.

“Ela foi fazer um B.O. por violência doméstica. Contou que já tinha sido agredida algumas vezes e que ele tinha cavado uma cova no fundo do quintal e prometido enterrá-la no local após matar”, contou o delegado Marco Aurélio.

Ainda segundo a polícia civil, após a prisão os agentes pesquisaram o nome de Viveiros e descobriram que ele é acusado de matar a ex-companheira Vera Lúcia Crispim dos Santos. A mulher foi morta com golpes de foice enquanto estava deitada em uma cama, em 2015.

Viveiros chegou a ser preso em flagrante pela morte, mas fugiu após arrebentar a porta da cela de uma delegacia no Maranhão. “Ele ainda é suspeito de tentar abusar da filha de 11 anos que teve com essa mulher. Na época ele foi indiciado por homicídio qualificado, que hoje corresponde ao crime de feminicídio, e estava foragido desde 2016”, contou o delegado.

O suspeito tinha fugido para o Tocantins e vivia com a atual companheira em um povoado na zona rural de Arapoema. O delegado afirmou ainda que ele vai responder por violência doméstica. Porém, deve ser transferido para o Paraibano (MA), onde responderá pelo homicídio.

G1 não encontrou nenhum advogado que represente o suspeito.

G1 Tocantins.

Jovem procurado por matar namorada posta foto com segundo suspeito de crime: ‘tamo junto’

Silas Barreira Borges, de 23 anos, é amigo do principal suspeito do assassinato, Iury Mendanha. Patrícia Aline dos Santos foi encontrada morta em um matagal de Palmas.

A Polícia Civil identificou o segundo suspeito do assassinato de Patrícia Aline dos Santos, de 29 anos. Ele é Silas Barreira Borges dos Santos, de 23 anos, e é amigo do namorado da vítima, Iury Italu Mendanha, principal suspeito do crime. Os dois aparecem juntos numa foto publicada em uma rede social no mesmo dia em que o corpo da vítima foi encontrado, na última quinta-feira (8), com a seguinte legenda: “Tamo junto meu irmãozinho”. As informações são do delegado Israel Andrade, responsável pelas investigações.

Silas também está sendo procurado pela polícia. O delegado Israel disse que vai pedir a prisão dele, já que o jovem não se apresentou na delegacia e nem foi encontrado em casa.

Ele seria o homem que aparece em um vídeo, juntamente com Iury, horas antes de a jovem ser encontrada morta. Nas imagens, gravadas pela câmera de segurança de uma padaria, é possível ver que Iury chega ao local acompanhado pelo amigo.

Patrícia Aline dos Santos foi encontrada morta em matagal na zona norte de Palmas (TO) (Foto: Arquivo Pessoal)Patrícia Aline dos Santos foi encontrada morta em matagal na zona norte de Palmas (TO) (Foto: Arquivo Pessoal)

Patrícia Aline dos Santos foi encontrada morta em matagal na zona norte de Palmas (TO) (Foto: Arquivo Pessoal)

No vídeo, Iury chega dirigindo e desembarca sozinho do carro. Ele chama Patrícia na porta e os dois conversam por alguns minutos até que o homem, que seria Silas, também desce do veículo. Os três ficam no local por mais alguns minutos e voltam para o carro juntos, desta vez com Iury no banco do passageiro e Patrícia no banco de trás.

A jovem parecia tranquila e chegou a abraçar o suspeito durante a conversa. Amigos de Patrícia disseram à polícia que ela usou a mesma roupa durante todo o dia, o que pode indicar que ela não esperava a visita e não estava preparada para sair de casa. O vestido é o mesmo com o qual ela foi encontrada morta.

Patrícia entrou no carro com ex-namorado e um amigo (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)Patrícia entrou no carro com ex-namorado e um amigo (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Patrícia entrou no carro com ex-namorado e um amigo (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

A morte

A jovem foi encontrada em um matagal na última quinta-feira (9), perto de um shopping, na quadra 107 Norte, em Palmas. Dias antes do crime, ela pediu ajuda para uma amiga pelo WhatsApp, afirmando que o namorado queria matá-la. Segundo o delegado responsável pelo caso, Israel Andrade, o corpo de Patrícia tinha marcas de tiros.

As amigas chegaram a orientar que ela procurasse a polícia, mas durante os dois meses em que estiveram juntos, Patrícia nunca apresentou queixa contra ele na polícia.

“Inclusive, um dia antes de morrer, em uma das mensagens, ela diz: ‘Amiga, eu estou com um mau pressentimento, eu acho que o Iury vai me matar’. A amiga falou para ela procurar a polícia, ela não quis, falou que não queria que chegasse a esse ponto, que iria deixar”, relatou o delegado.

A Polícia Civil revelou ainda que Patrícia já sofreu violência de um ex-companheiro, com quem morou na capital. “Achamos o boletim de ocorrência que ela registrou junto à delegacia da mulher reclamando que o seu atual companheiro, na época, havia agredido e ameaçado ela de morte. A Justiça deferiu a medida protetiva afastando ele de chegar perto dela, ele descumpriu a medida protetiva, chegou a agredi-la novamente e ameaçá-la. Está tudo registrado”, informou o delegado Israel.

Áudio de Patrícia

Em uma mensagem de áudio enviada para uma amiga, Patrícia relata momentos de terror que viveu quando o namorado pulou o muro da casa dela e disse que ia matá-la. A Polícia ainda procura por Iury Italu Mendanha.

Patrícia: Eu não quero mais. Uma que nós estamos brigando muito e outra que ele quer ficar me xingando, amiga, de vagabunda. E ele já avançou em mim duas vezes. Uma ele bateu na minha cara e a outra ele jogou o celular nos meus braços. Não quero uma pessoa que fica com esse ciúme obsessivo de amiga, de cachorro, de academia. Não tô aguentando mais não. Aí eu fui, larguei, ele foi e perdeu a cabeça. Saiu do serviço, foi direto pra minha casa e pulou o muro. Aí eu não quis abrir a porta pra ele, e ele foi e falou que ia me matar. Eu fui, liguei pra minha amiga, pedi ajuda e ela foi lá me buscar. Ele pegou e falou que ia atrás de uma arma, ia voltar e ia me matar.

G1 Tocantins.

Homem é preso suspeito de matar o próprio pai a facadas e ferir mãe

Colônia Agrícola Samambaia, no Distrito Federal.

A PM foi acionada e os agentes arrombaram a porta da residência da família para tentar impedir o crime. As duas vítimas e o suspeito foram encontrados no local.
O casal foi socorrido e levado ao Hospital Regional de Taguatinga (HRT). O homem não resistiu aos ferimentos e morreu. A mulher continua internada.

De acordo com o portal ‘Metrópoles’, o suspeito foi autuado por homicídio e tentativa de homicídio na 12ª Delegacia de Polícia (Taguatinga).

Por Noticia ao Minuto

Delegado diz que suspeito de matar Patrícia Aline fugiu para outro estado

Declaração foi dada por Israel Andrade durante entrevista ao Jornal Anhanguera 2ª Edição. Prisão de Iury Italu Mendanha foi decretada pela Justiça.

O delegado de homicídios de Palmas, Israel Andrade, disse nesta sexta-feira (10) que o suspeito de matar a jovem Patrícia Aline dos Santos fugiu do estado. Iury Italu Mendanha namorou com a vítima por dois meses e segundo a investigação, reagiu mal ao fim do relacionamento. A declaração do delegado foi durante uma entrevista ao vivo para o Jornal Anhanguera 2ª Edição.

“Nós tentamos de todas as maneiras prendê-lo em flagrante, no entanto descobrimos que ele havia se evadido. Havia fugido inclusive para outro estado. Mais tarde ele entrou em contato com a família e ele se propôs a se entregar na delegacia, já que a prisão preventiva já estava decretada.”

Durante toda a tarde houve a expectativa de que o suspeito se apresentaria, mas isso acabou não acontecendo. O delegado disse que Mendanha já é considerado foragido e pode ser preso a qualquer momento. Ele informou ainda que a investigação está na fase final e que falta apenas a prisão do ex-namorado para que o inquérito possa ser encerrado.

Israel Andrade destacou ainda que as mulheres vítimas de violência devem procurar a polícia já na primeira agressão.

“A Patrícia imaginava, sentia, que iria morrer. Diversas mensagens dela com a amiga falando ‘eu acho que o Iury vai me matar'[…] É bom procurar a polícia o quanto antes, a fim de evitar uma tragédia dessa”.

O crime

A jovem foi encontrada morta em um matagal nesta quinta-feira (9), perto de um shopping, na quadra 107 Norte, em Palmas. Dias antes do crime, ela pediu ajuda para uma amiga pelo WhatsApp, afirmando que o namorado queria matá-la. Segundo o delegado responsável pelo caso, Israel Andrade, o corpo de Patrícia tinha marcas de tiros.

Patrícia morava em Palmas há um ano (Foto: Arquivo Pessoal)Patrícia morava em Palmas há um ano (Foto: Arquivo Pessoal)

Patrícia morava em Palmas há um ano (Foto: Arquivo Pessoal)

Mensagem de áudio

Em um áudio enviado para amiga, Patrícia relata momentos de terror que viveu quando o namorado pulou o muro da casa dela e disse que ia matá-la.

Patrícia: Eu não quero mais. Uma que nós estamos brigando muito e outra que ele quer ficar me xingando, amiga, de vagabunda. E ele já avançou em mim duas vezes. Uma ele bateu na minha cara e a outra ele jogou o celular nos meus braços. Não quero uma pessoa que fica com esse ciúme obsessivo de amiga, de cachorro, de academia. Não tô aguentando mais não. Aí eu fui, larguei, ele foi e perdeu a cabeça. Saiu do serviço, foi direto pra minha casa e pulou o muro. Aí eu não quis abrir a porta pra ele, e ele foi e falou que ia me matar. Eu fui, liguei pra minha amiga, pedi ajuda e ela foi lá me buscar. Ele pegou e falou que ia atrás de uma arma, ia voltar e ia me matar.

G1 Tocantins.

Jovem encontrada morta em matagal pediu ajuda para amiga no Whatsapp: “Yure quer me matar”

O principal suspeito do crime é o namorado da vítima Iury Italo Medanha que ainda não foi encontrado. Na casa dele os policiais apreenderam duas espingardas e munições.

A Polícia Civil apontou Iury Italu Medanha como principal suspeito do assassinato de Patrícia Aline dos Santos, ele era namorado da vítima. A jovem de 29 anos foi encontrada morta e seminua em um matagal nesta quinta-feira (9), perto de um shopping, na quadra 107 Norte, em Palmas. Dias antes do crime, ela pediu ajuda para uma amiga pelo Whatsapp, afirmando que o namorado queria matá-la.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Israel Andrade, o corpo de Patrícia tinha marcas de tiros e ferimentos no rosto. Testemunhas disseram que a vítima e o namorado estavam juntos há dois meses e tinham um relacionamento conturbado.

“Na nossa linha de investigação, o principal suspeito do crime é o atual namorado da Patrícia, o Iury. Várias testemunhas apontam que era um relacionamento conturbado. E que eles tinham terminado e voltado, então ele descobriu que ela tinha ficado com alguém, não gostou e passou a ameaçá-la, inclusive com um revólver. Há vários pedidos dela de socorro, reclamando da agressividade do Iury”, disse Andrade.

A polícia procura pelo suspeito que ainda não foi econtrado. Na casa dele, os policiais apreenderam duas espingardas e munição.

“Nem a família dele consegue contato com ele desde ontem. Estamos à procura dele para ser ouvido. Há fortes indícios contra ele e se encontrado vai ser preso em flagrante. Caso ele não seja encontrado, tomaremos as medidas necessárias para que ele seja preso em qualquer outro momento.”

Patrícia pediu ajuda a amiga antes de ser morta (Foto: Reprodução/Whatsapp)Patrícia pediu ajuda a amiga antes de ser morta (Foto: Reprodução/Whatsapp)

Patrícia pediu ajuda a amiga antes de ser morta (Foto: Reprodução/Whatsapp)

Entenda

O corpo de Patrícia Aline Santos, de 29 anos, foi encontrado num matagal, perto de um shopping na região norte de Palmas, na manhã desta quinta-feira (9). O corpo foi achado por funcionários que trabalham na construção da avenida NS-15. A Polícia Militar e o Instituto Médico Legal (IML) foram ao local e as informações da testemunha estão sendo investigadas.

Testemunhas acreditam que o corpo tenha sido deixado na região, pois os funcionários que chegam cedo para trabalhar não o viram pela manhã.

Corpo de Patrícia foi encontrado em matagal (Foto: Arquivo Pessoal)Corpo de Patrícia foi encontrado em matagal (Foto: Arquivo Pessoal)

Corpo de Patrícia foi encontrado em matagal (Foto: Arquivo Pessoal).

G1 Tocantins.

Justiça aceita denúncia contra marido acusado de matar Tatiane Spitzner

Luis Felipe Manvailer passa a responder ao processo como réu. Mulher foi encontrada morta depois de cair do 4º andar do prédio em que eles moravam, em Guarapuava, no Paraná.

A Justiça aceitou denúncia contra Luis Felipe Manvailer, acusado de matar a mulher, Tatiane Spitzner, pelos crimes de homicídio com quatro qualificadoras (meio cruel, dificultar defesa da vítima, motivo torpe e feminicídio), cárcere privado e fraude processual.

Com isso, ele passa a responder ao processo como réu. A decisão foi proferida pela juíza Paola Gonçalves Mancini da 2ª Vara Criminal de Guarapuava, nesta quarta-feira (8).

  • O que se sabe do caso de Tatiane Spitzner

Os advogados de Manvailer têm dez dias para apresentar a defesa preliminar e arrolar testemunhas, conforme determinação da juíza. A denúncia do Ministério Público do Paraná (MP-PR) foi apresentada nesta terça-feira (7).

Tatiane era advogada. Ela foi encontrada morta depois de cair do 4º andar do prédio em que eles moravam, em Guarapuava, na região central do Paraná, em 22 de julho.

Para o MP-PR, Luís Felipe, que foi flagrado pelas câmeras de segurança agredindo a mulher minutos antes da queda, é o responsável pela morte dela.

Em nota, os advogados de Manvailer disseram que permanecem no “aguardo do resultado de exames periciais no corpo da vítima, no apartamento do casal, nas câmeras de segurança, nos smartphones, computadores e HDs apreendidos e na realização de reprodução simulada dos fatos com a participação do acusado”.

A defesa disse ainda que nesse momento é importante reafirmar que qualquer posicionamento sobre o caso pode se tratar de “hipóteses especulativas, baseadas em fragmentos, que destoam de comprovação técnica científica”.

Advogada Tatiane Spitzner foi encontrada morta em Guarapuava (Foto: Reprodução/TV Globo)Advogada Tatiane Spitzner foi encontrada morta em Guarapuava (Foto: Reprodução/TV Globo)

Advogada Tatiane Spitzner foi encontrada morta em Guarapuava (Foto: Reprodução/TV Globo)

A perícia feita no local da morte constatou que ela teve uma fratura no pescoço, característica de quem sofreu esganadura.

Defesa pede transferência para ‘atendimento psiquiátrico urgente’

A defesa de Luís Felipe Manvailer pediu que ele seja transferido da Penitenciária Industrial de Guarapuava (PIG), depois da tentativa de “tirar a própria vida”, para o Complexo Médico-Penal (CMP), em Pinhais, na Região de Curitiba.

O CMP é um estabelecimento penal de regime fechado, destinado a presos do sexo masculino e feminino, em cumprimeto de medida de segurança e/ou que necessitam de tratamento psiquiátrico e ambulatorial.

No despacho em que aceitou a denúncia, a juíza Paola Mancini disse que “já adotou as providências necessárias para análise de eventual remoção”.

Sobre a “tentativa de suicídio”, a Penitenciária Industrial de Guarapuava informou que ele apresentou hematomas no pescoço e que “aparentemente havia se cortado”.

Conforme a Divisão de Segurança e Disciplina da penitenciária, o preso recebeu atendimento médico e está bem fisicamente, mas abalado emocionalmente.

Segundo a penitenciária, o professor confessou que havia se cortado para “acabar com o sofrimento”.

A PIG também disse que o marido desistiu do suicídio depois de se lembrar da mãe. Ainda conforme a penitenciária, Luís Felipe está em uma cela especial por ser um preso provisório e ter ensino superior completo.

G1 Tocantins.

Jovem é suspeito de intervir em briga e matar pai para defender a mãe de agressão, em Anápolis

Rapaz fugiu em seguida. À PM, mãe afirmou que marido não aceitava separação.

Um jovem de 20 anos é suspeito de matar o pai enforcado para defender a mãe durante uma briga do casal, na madrugada desta sexta-feira (3), em Anápolis, a 55 km de Goiânia. Ele fugiu em seguida e não havia sido localizado até a última atualização desta reportagem. A vítima foi identificada como Wanderli Rodrigues de Oliveira, de 40 anos, que trabalhava como vigilante.

Testemunhas afirmaram à TV Anhanguera que a mulher era constantemente agredida pelo marido. O caso é investigado pela Polícia Civil. O delegado responsável, Cleiton Lobo, disse que nenhum dos dois tinha antecedentes criminais. A reportagem não conseguiu contato com a família.

O crime aconteceu no Parque dos Pireneus, na região norte da cidade, por volta de 3h. Os três – o casal e o filho – moravam na mesma casa. Ao perceber a briga, o rapaz tentou separar o pai e a mãe.

“Segundo a esposa, ela estava querendo separar do Wanderly, esse não aceitou e passou a agredi-la. Os filhos acordaram, e o Reginaldo, o autor, no intuito de proteger a mãe, acabou entrando em luta corporal com o pai. Deu um mata-leão. Após o pai desacordar, eles tentaram uma reanimação”, disse o tenente- coronel Efigênio de Almeida.

A família contou à TV Anhanguera que as brigas entre o casal eram constantes. Apesar disso, não havia registro de denúncias contra o agressor. Este é o segundo crime do tipo em duas semanas.

G1 Tocantins.

Mãe julgada por matar bebê diz que morte foi acidental e afirma que o marido teve a ideia de esconder corpo

Márcia Zaccarelli alegou que a filha recém-nascida morreu nos braços dela, enquanto ela a segurava contra o peito para que o companheiro não a tomasse. Homem não compareceu ao júri.

A professora Márcia Zaccarelli Bersaneti, de 37 anos, acusada de matar a filha recém-nascida e guardar o corpo em um escaninho por cinco anos, disse durante júri popular, nesta quarta-feira (1°), que a morte da bebê foi acidental e que a ideia de esconder o corpo foi do ex-companheiro, Glaudson de Souza Costa. A mulher afirmou que a menina morreu nos braços dela, enquanto ela a segurava contra o peito para que o marido não a tomasse.

A ré deu à luz uma menina no dia 15 de março de 2011. A filha foi fruto de um relacionamento extra-conjugal com um colega de trabalho. O marido de Márcia não podia ter filhos por já ter feito vasectomia. Quando ela começou a sentir contrações, ela ligou para um amigo que a levou para o hospital. Esse amigo ainda deu R$ 3 mil para que a professora fizesse o parto cesárea.

“Meu ex-marido sabia de tudo, que eu estava grávida. Quando eu saí do hospital por não ter mais dinheiro para continuar lá, fui para uma praça. O Glaudson me ligou e me encontrou lá. Ele tentou a todo custo retirar a minha filha dos meus braços, e eu apertava ela contra o meu peito para protegê-la. Ficamos um tempo nessa briga até que fomos para casa. Quando eu cheguei, percebi que minha filha não estava mais respirando. Nesse momaento o Glaudson só ficou rindo.

“Eu não queria matar minha filha. A ideia de colocar no escaninho foi dele, que não queria se desfazer da prova, porque era uma forma dele me manter com ele”, disse a mulher.

O ex-marido de Márcia foi arrolado como testemunha do júri, mas não foi localizado para ser intimado e não compareceu ao julgamento. O G1 não conseguiu localizar a defesa dele até a última atualização desta reportagem.

O júri popular começou por volta de 9h desta quarta-feira, no Tribunal do Júri de Goiânia. A professora foi presa no dia 9 de agosto de 2016, quando o ex-marido encontrou o corpo do bebê no escaninho do prédio em que a mulher morava. Após ser detida, confessou em um vídeo que a matou e escondeu o cadáver no local (veja abaixo).

A defesa alega que, no momento do crime, ela sofria de um transtorno psicológico. Já o Ministério Público defende que ela é totalmente apta para responder por seus atos e pede a condenação dela pelo homicídio.

“O que aconteceu foi um infanticídio. Ela sofria de uma psicose neural, estava muito abalada porque sofria agressões do marido e do amante, então não tinha estrutura financeira, psicológica e emocional”, disse o advogado dela, Paulo Roberto Borges da Silva.

O Ministério Público discorda da alegação do advogado. “Um laudo da junta médica aponta que ela era perfeitamente capaz de responder pelos atos na época do crime. A ré não apresenta uma versão única para os fatos, já mudou algumas vezes. Mas temos provas suficientes para pedir a condenação pelo homicídio”, disse o promotor José Eduardo Veiga Braga Filho.

Mãe acusada de matar recém-nascida e esconder corpo por 5 anos vai júri popular em Goiânia

Mãe acusada de matar recém-nascida e esconder corpo por 5 anos vai júri popular em Goiânia

Durante o julgamento, Márcia disse que a bebê era fruto de uma relação extraconjugal que ela havia tido. Ela afirmou que tanto o marido, quanto o amante, sabiam da gravidez, mas nenhum deles queriam assumir a filha e haviam pedido para ela praticar aborto. A professora se recusou a fazer o aborto.

Segundo Márcia, quando ela entrou em trabalho de parto, o marido disse que ela “sumir e dar um jeito” na criança.

“Eu jamais abortaria. Quando eu entrei em trabalho de parto, o Glaudson disse que era para eu sumir e dar um jeito na criança, não voltar para casa com ela, porque ele não passaria por essa vergonha”, disse durante o depoimento.

A mulher disse que era mal tratada pelo ex-companheiro e que o homem só denunciou o caso à polícia para que, no processo de separação, ela não tivesse acesso aos bens do casal.

“Ele me tratava feito lixo. Eu queria me separar, a relação era péssima, era agredida. Mas eu não tinha condições de sair”, contou.

A filha de Márcia Zaccarelli também prestou depoimento. A adolescente de 14 anos relatou que sentia medo do seu padrasto, Glaudson, porque, segundo ela, era um homem que fazia a mãe dela sofrer.

“Ele me tratava com indiferença e era agressivo com minha mãe. Gritava com ela, batia. Em 2015, quando ele descobriu uma suposta traição, me bateu, machucou minha mãe. Eu não gostava dele porque sempre via minha mãe chorando pelos cantos”, relatou.

Ao final do depoimento, Márcia contou que ia diariamente ao escaninho para ver o corpo da criança. “Eu a arrumei bonitinha, queria que ela ficasse protegida. Todo dia eu ia, rezava para ela, pedia perdão. Até escutava a vozinha dela conversando comigo”, disse, chorando.

A professora Márcia Zaccarelli enfrenta júri popular por matar recém-nascida e esconder corpo por 5 anos, em Goiânia (Foto: Vitor Santana/G1)A professora Márcia Zaccarelli enfrenta júri popular por matar recém-nascida e esconder corpo por 5 anos, em Goiânia (Foto: Vitor Santana/G1)

A professora Márcia Zaccarelli enfrenta júri popular por matar recém-nascida e esconder corpo por 5 anos, em Goiânia (Foto: Vitor Santana/G1)

Versão anterior

Um vídeo feito pela Polícia Civil mostra o depoimento da professora após a prisão. Na gravação, ela deu detalhes de como cometeu o crime e diz que não queria fazer mal à criança. No entanto, descreveu como asfixiou o bebê.

“Na rua, andando, eu não sabia mais o que fazer. Ela começou a chorar. Estava começando a chover. Eu olhava para ela, depois ela dormiu de novo [respira fundo]. Apertei o narizinho dela”, disse na ocasião.

No registro, a mulher chora por diversas vezes. Quando deixou a maternidade com a filha nos braços, a mulher contou que pegou um táxi e parou em uma praça “sem saber o que fazer”.

Nesse momento, alegou que não tinha intenção de matar a filha, mas diz que ficou com “medo”.

Logo em seguida, a mulher afirmou que tem consciência do que fez, mas que é uma boa pessoa. “Eu sei que feri alguém, mas o senhor pode me perguntar, sou uma excelente mãe e sempre fui”, comentou.

Márcia Zaccarelli chora durante julgamento em Goiânia (Foto: Vitor Santana/G1)Márcia Zaccarelli chora durante julgamento em Goiânia (Foto: Vitor Santana/G1)

Márcia Zaccarelli chora durante julgamento em Goiânia (Foto: Vitor Santana/G1

G1 Tocantins.