Suspeito de matar homem por ciúmes é preso no momento em que tentava fugir em Araguaína

Homicídio aconteceu depois de uma discussão. Suspeito tinha ido à casa da vítima para buscar a namorada a força.

Eduardo Venâncio Santos, de 29 anos, foi preso nesta terça-feira (17) no momento em que se preparava para fugir, em Araguaína. Ele é suspeito de matar José Roberto de Sousa, de 65 anos, após uma discussão.

A Polícia Civil acredita que o crime tenha sido motivado por ciúmes. No dia do crime, Eduardo foi até a casa de José Roberto para buscar a namorada a força. No momento, ele interveio e foi atingido por disparos de arma de fogo.

A vítima chegou a ser socorrida, mas não resistiu e morreu antes de chegar no Hospital Regional de Araguaína.

G1 Tocantins.

Mulher é suspeita de matar companheiro a facadas durante briga, em Goiás

Segundo Polícia Civil, David Antônio da Silva, de 29 anos, foi encontrado morto na casa da companheira, que fugiu do local; testemunha disse à polícia que suspeita fez ligação antes de fugir.

Uma mulher, de idade não divulgada, é suspeita de matar a facadas o namorado, David Antônio da Silva, de 29 anos, em Luziânia, no Entorno do Distrito Federal. Segundo a Polícia Civil, uma testemunha disse à Polícia Militar que recebeu uma ligação da suspeita, afirmando que havia dado uma facada no namorado durante uma briga.

O crime ocorreu no último domingo (15), na casa em que a mulher mora, no Parque Estrela Dalva 7, em Luziânia. Conforme informações divulgadas pela assessoria de imprensa da Polícia Civil, a PM foi acionada para averiguar um homicídio, mas quando chegou ao local o Corpo de Bombeiros já havia feito os primeiros atendimentos e constatado a morte de David Antônio.

No local, uma testemunha disse à PM que, após receber a ligação da mulher afirmando que tinha esfaqueado o namorado, ligou para os parentes da suspeita, que foram até o local. Chegando à casa, segundo a corporação, uma tia da mulher encontrou o namorado dela caído desacordado no chão e acionou o socorro.

O corpo de David foi retirado do local pelo Instituto Médico Legal (IML) e levado para Formosa, onde a Polícia Técnico-Científica está funcionando, e, segundo o órgão, foi liberado à família na segunda-feira (16).

G1 entrou em contato como delegado responsável pelo caso, Maurício Passerini, mas as ligações não foram atendidas até a publicação desta reportagem.

Travesti é presa suspeita de espancar e matar colega em Araguaína

Tyfanni Sandes Dutra é suspeita de envolvimento na morte de outra travesti em Araguaína, norte do Tocantins. Crime aconteceu em 2017 e uma terceira travesti também está presa pelo crime.

A Polícia Civil prendeu uma travesti suspeita de envolvimento em um assassinato em Araguaína, norte do Tocantins. Tyfanni Sandes Dutra foi detida na noite desta quinta-feira (12) em cumprimento a um mandado de prisão temporária. Ela é suspeita de ser uma das executoras das agressões contra a travesti Vitória Castro, de 36 anos, que morreu no hospital em 2017.

Tyfanni Sandes foi presa em Imperatriz (MA) por agentes da Delegacia de Homicídios e Delegacia Regional de Araguaína. O crime contra Vitória Castro aconteceu em abril do ano passado em uma esquina da cidade. Ela teria sido morta porque não aceitou fazer parte de um esquema de aliciamento.

Após ser presa no Maranhão, Tyfanni Sandes foi levada para uma delegacia de Imperatriz e colocada em uma cela. Ela deve ser transferida para o Tocantins nos próximos dias.

Uma terceira travesti, Kellyta Rodrigues de Sousa, foi presa em junho deste ano acusada de ser a mandante das agressões. Ela foi transferida para um presídio feminino após uma decisão da Justiça.

G1 Tocantins.

Homem é preso suspeito de matar a própria mulher com facada no pescoço

Crime aconteceu na casa onde os dois moravam, em Araguaçu. Mulher foi encontrada seminua, deitada num colchão; homem foi preso momentos depois pela polícia.

Foi preso em Araguaçu, região sul do estado, Ronair Barreto, de 27 anos, suspeito de matar a própria mulher Rosilene Pinheiro de Sousa, de 45, com uma facada no pescoço. O crime aconteceu na noite desta segunda-feira (9), na casa onde os dois moravam, no setor Vale do Araguaia.

Segundo informações da polícia, durante uma briga, ele teria esfaqueado a vítima. O homem fugiu em seguida, mas foi preso pela Polícia Militar e levado para a Delegacia de Central de Flagrantes de Alvorada. Rosilene foi encontrada seminua sobre um colchão. Ela morreu no local.

Outro homicídio foi registrado na cidade no último domingo (8). Um homem foi morto com dois golpes de faca durante uma discussão. O suspeito ainda não foi preso.

G1 Tocantins.

Trio é preso suspeito de matar três pessoas durante festa junina em Goiás

Alvo era jovem que teria envolvimento com tráfico de drogas na região do Jardim Florença. Ele foi atingido por 50 tiros.

Três jovens foram presos suspeitos de matar três pessoas e deixar outros cinco feridas durante uma festa junina no Jardim Florença, em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital. Segundo o Grupo de Investigação de Homicídios (GIH), o alvo do grupo era Vinicius Athos Dias, de 26 anos, que foi atingido por 50 tiros. Também morreram a namorada dele, Emili Daniela Veloso da Silva, de 19 anos, e o segurança dele, Wilian Barreto da Silva, de 18. O motivo seria o tráfico de drogas. Os detidos negam o crime.

“O alvo principal seria Vinicius porque ele era um traficante da região e certamente houve a disputa pelo tráfico de drogas. Já a Emili e o Wilian, não sabemos se foi intencional ou não. As outras pessoas baleadas eram transeuntes, estavam na festa e, a princípio, não eram alvos”, disse o delegado responsável pelo caso, Klayter Camilo.

O crime aconteceu por volta das 22h do dia 15 junho, durante uma festa organizada pela própria comunidade, chamada “Arraiá dos Cachaceiros”. Havia cerca de 600 pessoas no local. A investigação apontou que os autores dispararam 61 tiros.

As prisões ocorreram na sexta-feira (29), durante a Operação São João, em Aparecida de Goiânia. Yan Lesley Macedo Silva, de 22 anos, foi preso na casa dele, no Setor Conde dos Arcos, onde os policiais localizaram munição, uma pistola iraraense calibre 9 milímetros e uma mira a laser, que são de uso restrito. Por isto, ele também foi preso em flagrante por posse irregular de arma de fogo.

Reildo Caetano da Silva Júnior, de 24 anos, foi detido na residência dele, no Setor Colina Azul. Alexsander Sousa Oliveira, de 18, também foi preso em casa, no Jardim Tiradentes.

Todos negaram à polícia a participação no caso. Ao serem apresentados à imprensa nesta terça-feira(3), Reildo e Alexander voltaram a dizer que não cometeram o crime e que não conheciam Vinicius. Yan não foi apresentado porque já foi transferido para o Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia.

Os policiais cumpriram, além dos três mandados de prisão temporária, três de busca e apreensão nas casas dos suspeitos. Segundo o delegado, os agentes encontraram diversos objetos que podem ajudar nas investigações.

Investigação

Apesar de os detidos negarem envolvimento no caso, o delegado afirmou que há provas suficientes da participação deles. “Há elementos que vamos manter em sigilo, mas o depoimento das vítimas e levantamento dos setores de inteligência permitem a comprovação da participação deles, independente da confissão”, disse Klayter.

O investigador explicou que mais pessoas estão envolvidas no crime. A apuração ainda continua para esclarecer a participação de cada um. “Estamos individualizando a conduta no local do crime, temos mais dois envolvidos com mandado de prisão expedidos e trabalhamos na localização deles”, afirmou.

De acordo com a investigação, Vinicius já tinha sofrido duas tentativas de homicídio neste ano, sendo uma dois meses e outra uma semana antes de ser executado. “A hipótese é que as tentativas tenham sido praticadas pelo mesmo grupo. Acreditamos que eles sejam ligados a uma facção criminosa”, disse o delegado.

Os três jovens devem ser indiciados por homicídio qualificado por impossibilitarem a defesa das vítimas, além das tentativas de homicídio. Se condenados, podem pegar de 12 a 30 anos de prisão por cada morte.

Crime

O material de divulgação do “Arraiá dos Cachaceiros”, avisava que era “proibido arma de fogo e arma branca” e informou que quem brigasse seria “retirado do local”.

No dia do crime, uma testemunha contou à TV Anhanguera que, ao ouvir o primeiro tiro, pensou que se tratava de bomba. Segundo ela, quando as pessoas perceberam que eram disparos de arma de fogo, houve correria e confusão.

“Começou o primeiro tiro, ‘pá’. Aí o povo já assustou, pensou que era bomba, né. Aí começou ‘tá, tá, tá’, descarregar, e foi na hora que o povo começou a correr”, lembra.

De acordo com a polícia, Vinícius morreu na hora. Wilian correu por alguns metros, mas também morreu no local. A mulher do Vinícius chegou a ser socorrida e levada à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Buriti Sereno, mas também não resistiu aos ferimentos.

Defesa pede que suspeito de matar filha de 2 anos com golpe de foice em Minaçú seja submetido a avaliação médica

Crime aconteceu no dia 29 de maio, em Minaçu. Avó e tio paternos buscaram criança na casa da mãe para ‘animar’ lavrador, que estaria em quadro depressivo.

O esponsável pela defesa do lavrador preso suspeito de matar a filha de 2 anos com um golpe de foice em Minaçu, na região norte do estado, o advogado Elisandrio Ramalho disse que pediu à junta médica do Tribunal de Justiça de Goiás que Fabiano de Souza Medeiros seja submetido a exame psicológico e internado.

O crime foi na última terça-feira (29). A avó e um tio paternos teriam buscado Ana Julya na casa da mãe com intuito de “animar” o lavrador, que havia dias estava em suposto quadro depressivo.

“Já solicitamos que seja acompanhado por equipe de profissionais que possa aferir com precisão o que aconteceu com dele. A família nos contou que de quatro a cinco dias antes do fato ele já estava sem conversar. Inclusive, a mãe dele procurou atendimento no Caps [Centro de Atenção Psicossocial] antes do crime”, disse o defensor.

O delegado responsável pelo caso, André Luís Barbosa Campos Medeiros, informou que o suspeito ficou em silêncio durante o depoimento. A intenção da Polícia Civil é tentar, mais uma vez, que ele conte o que aconteceu. Depoimentos da mãe do suspeito e de um dos irmãos devem ser colhidos nos próximos dias.

O lavrador Fabiano de Souza Medeiros, preso suspeito de matar a filha de 3 anos com golpe de foice, em Minaçu (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

O advogado se disse “preocupado” com a saúde do cliente. “Ele não conversa, não está se alimentado. Desde antes do fato ele vem apresentando anormalidades. Ele não fala com ninguém, perguntam, e ele não responde. Acredito que ele deu um surto de saúde, mas apenas a junta médica que pode aferir e fazer o devido diagnóstico.”

“A defesa pede que ele seja submetido a tratamento, a família está muito preocupada, só depois vamos ver o que fazer em relação à defesa dele. Nesse momento, a nossa preocupação é resolver o problema de saúde”, continuou Ramalho.

“Ele apresenta um quadro de enfraquecimento, de tristeza, uma pessoa abatida. As duas famílias estão abaladas, perderam alguém de valor, os irmãos, a mãe, não está sendo fácil para eles”, completou.

Thaynara Gonçalves e Ana Julya, em Minaçu, Goiás (Foto: Thaynara Gonçalves/Arquivo Pessoal)

Indignação

A dona de casa Thaynara Gonçalves, de 21 anos, diz que o ex-marido sempre foi violento durante o casamento, mas não imaginava que ele pudesse fazer qualquer coisa contra a filha. “Ele é um monstro, não é um homem”, disse.

Thaynara e Fabiano foram casados por um ano. A jovem conta que durante o relacionamento, sofria agressões por parte do rapaz. “Ele me batia, fugi várias vezes. Uma vez quase me matou quando estava grávida ainda. Foi por isso que separei”, contou.

Apesar disso, ela não esperava que ele pudesse fazer qualquer coisa contra a filha. “Ele era violento comigo, não com ela. Tanto que a Ana Julya sempre ia para a casa dele, voltava, não acontecia nada. Então isso causa uma revolta”, contou.

Mesmo depois de separada, ela conta que sofria ameaças do ex-marido. “Ele estava sempre bêbado, ou tinha fumado maconha, então não chegava a denunciar porque achava que isso era porque ele tinha bebido”, completou.

O crime

Segundo a Polícia Civil, o homem contou que estava deprimido, sentindo falta da filha e pediu para vê-la. A ex-sogra de Thaynara, então, buscou a menina na casa da mãe e levou até a residência de Fabiano.

No local, segundo a corporação, ele golpeou a menina com uma foice na cabeça. A mãe da vítima diz que não tem suspeita do que levou o ex a cometer o crime.

A família de Thaynara, no entanto, acredita que o crime foi causado por ciúmes. “A Thaynara já tinha casado novamente, teve um filho há sete dias, já está com um novo relacionamento há um ano e ele não aceitava”, contou a irmã de Thaynara, Rosania dos Santos Rosa.

O corpo de Ana Julya foi velado na casa dela, em Minaçu. O enterro aconteceu no dia 31, no cemitério municipal.

Motorista da dupla Henrique e Juliano foi preso por matar esposa grávida em GO

Denise da Silva, de 34 anos, foi morta com um tiro na cabeça, no condomínio onde morava, em Goiânia.

O crime foi cometido numa rua próxima da casa da vítima, em um condomínio do Setor Orienteville, na capital, na madrugada desta segunda-feira. Conforme as investigações, como o casal estava separado, o motorista arrombou a porta da casa e começou a discutir com a esposa. Após ser agredida, ela tentou fugir, mas acabou baleada na cabeça.

O preso foi levado para a Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH), em Goiânia. Ele chegou ao local por volta de 16h50 e respondeu à reportagem que “não sabe” o que o levou a cometer o crime.

O suspeito trabalha como motorista do ônibus da dupla sertaneja Henrique e Juliano. A assessoria dos artistas informou que o funcionário estava de folga quando o crime ocorreu e que o contato dele com os músicos é “estritamente profissional”.

O delegado responsável pela investigação, Danilo Proto, havia dito que, apesar de casados formalmente, Denise tinha interesse em se divorciar. Os dois, inclusive, já não estavam morando juntos havia alguns meses.

Grávida é morta após ser baleada em Goiânia (Foto: Facebook/Reprodução)

Natural de São Paulo, Denise se mudou para Goiânia há cerca de 5 anos, quando começou a namorar com Aginaldo. No ano passado, eles se casaram. Tia da vítima, a advogada Idivonete Ferreira Martins afirmou que o casal tinha um relacionamento bastante conturbado e que Aginaldo era violento.

“Para nós, era uma tragédia anunciada. Ele já esteve em minha casa algumas vezes e a postura dele transparecia isso, de um cara violento. Eu já tinha falado para ela vender tudo e voltar para São Paulo. Ela falou que iria resolver tudo, mas a notícia da gravidez os reaproximou”, afirma.

A advogada relatou que há alguns meses, quando a relação estava muito desgastada, Aginaldo ameaçou a mulher durante um episódio.

“Há algum tempo atrás, ela me ligou para se orientar juridicamente. Ela disse que ele chegou na casa dela, que ela comprou, pôs vários móveis em um caminhão e levou embora. Nessa ocasião, ele disse que queria a casa e que, se ela não a cedesse, ‘iria se ver com ele'”.

No entanto, algum tempo depois, segundo Idivonete, ele voltou, pediu perdão, prometeu que ia ser diferente e ela o aceitou de volta.

Grávida é morta após ser baleada; marido é preso suspeito do crime (Foto: Arquivo pessoal)

Em Minaçú, pai é preso suspeito de matar filha de 3 anos com golpe de foice

Menina morava com a mãe e visitava o pai eventualmente. Familiares disseram à polícia que buscaram a criança pensando que animariam lavrador, que estava há três dias em suposto quadro de depressão.

Um lavrador de 27 anos foi preso na tarde desta terça-feira (29) suspeito de matar a própria filha, de 3 anos, com um golpe de foice na cabeça, em Minaçu, no norte de Goiás. A criança vivia com a mãe e visitava o pai eventualmente.

De acordo com a Polícia Civil, familiares disseram que Fabiano de Souza Medeiros estava há três dias dentro do quarto, em um suposto quadro de depressão, e que por isso buscaram a menina, pensando que iriam conseguir animá-lo.

O delegado André Luís Barbosa Campos Medeiros informou que o homem ficou calado durante depoimento. As motivações para o crime não foram identificadas. O suspeito não havia apresentado advogado até o final da tarde desta terça e foi encaminhado para a cadeia da cidade.

O lavrador Fabiano de Souza Medeiros, preso suspeito de matar a filha de 3 anos com golpe de foice, em Minaçu (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Ainda segundo a polícia, dois irmãos de Fabiano prestaram depoimento. Eles disseram que viram o momento em que o jovem pegou a foice, usada no trabalho, mas não imaginaram que ele agrediria alguém. Os irmãos também afirmaram que não têm conhecimento sobre se o rapaz usa drogas.

A polícia disse que Ana Julya brincava sentada no chão quando foi atingida. O suspeito também teria golpeado a própria mãe, com o cabo, no ombro. O Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar foram acionados, mas as vítimas já haviam sido transportadas quando as equipes chegaram.

Fachada do Hospital Municipal de Minaçu, para onde menina de 3 anos foi levada após levar golpe de foice na cabeça (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

A criança não resistiu aos ferimentos e já chegou morta ao hospital. Já a avó recebeu atendimento e, de acordo com informações preliminares, está em estado de choque.

O corpo de Ana Julya vai ser levado para Porangatu, para o exame cadavérico. A mãe da criança e ex-mulher do suspeito precisou de atendimento médico após saber do ocorrido, informou a polícia.

Jovem é condenado a 24 anos de reclusão por matar o tio a golpe de foice em Arraias

A pena pelo crime foi estabelecida pelo magistrado em 24 anos de reclusão. O julgamento ocorreu na quarta-feira, 4, na Comarca de Arraias.

O Tribunal do Júri acatou as teses do Ministério Público Estadual (MPE) e condenou o réu Jardel Batista Macedo, de 22 anos, pelo crime de homicídio triplamente qualificado. Ele foi acusado de assassinar seu tio Sandoval Serafim dos Reis com um golpe de foice na cabeça, em 29 de setembro de 2016, na zona rural de Arraias. 

Segundo foi sustentado pelo Promotor de Justiça João Neumann Marinho da Nóbrega na denúncia, o crime foi cometido por motivo fútil, referente à insatisfação do réu com relação ao atraso no pagamento de diárias pelo trabalho rural que ele estava prestando à vítima.

As outras qualificadores são de crime praticado de forma cruel e de modo a impossibilitar a defesa da vítima, uma vez que Jardel Batista Macedo surpreendeu com o golpe de foice a vítima que se encontrava deitada em uma rede e desarmada.

Após o crime, Jardel Batista Macedo foi detido preventivamente na Cadeia Pública de Arraias, onde se encontrava até o dia de seu julgamento. O magistrado manteve prisão cautelar por entender que subsistem os requisitos da prisão preventiva.

Imprensampto
Flávio Herculan
Foto ilustrativa/darciorabelo.com

Acusado de tentar matar ex-namorada com golpes de facão será levado a júri popular

Crime aconteceu em novembro do ano passado, após vítima sair de um show em Araguaína. Milena Abreu ficou com o rosto desfigurado.

Divino da Silva Marinho, acusado de tentar matara namorada com golpes de facão, vai ser levado a júri popular. A decisão foi tomada nesta terça-feira (27) pela 1ª Vara Criminal de Araguaína. 

O crime ocorreu no dia 15 de novembro do ano passado, quando Milena Abreu de Moura estava saindo de um show realizado para comemorar o aniversário de Araguaína.

A data do julgamento ainda não foi divulgada. Na decisão, o juiz Francisco Vieira Filho disse que o laudo de exame pericial demonstra que houve crime contra a vida. A vítima foi agredida com vários golpes de facão, que desfiguraram o rosto dela.

O crime foi praticado porque o acusado não aceitava o término do relacionamento, segundo Milena.

Conforme o juiz, caberá aos jurados definirem o real motivo da agressão e se houve motivo torpe. Ele afirmou ainda, na decisão, que é possível que o fato tenha sido praticado por causa da condição de sexo feminino da vítima, fato que qualifica o crime.

Milena Abreu foi agredida com golpes de facão (Foto: Divulgação)

Crime

A tentativa de homicídio aconteceu no final da Avenida Via Lago, próximo de uma ponte, em novembro do ano passado. A jovem Milena Abreu de Moura, de 18 anos, foi agredida no rosto com golpes de facão.

Ela foi socorrida pelos Bombeiros com fraturas expostas na mandíbula e mão direita. Também apresentava ferimentos nos braços e pernas. A jovem foi levada para o Hospital Regional de Araguaína em estado grave.

Uma tia da vítima contou que o homem estava inconformado com o término do relacionamento. Conforme a polícia, o suspeito é ex-presidiário do presídio Barra da Grota, onde cumpriu pena por roubo.

G1 Tocantins