Por falta de provas, pai e filho são liberados após serem presos por roubo de gado no Tocantins

O gado foi roubado em Paraíso do Tocantins, ainda em 2016. Os dois tinham sido presos em julho, em uma fazenda em Porto Nacional.

João Antônio da Silva e João Antônio da Silva Júnior foram absorvidos pela Justiça na noite deste domingo (12), em Paraíso. Pai e filho haviam sido presos último no dia 9 de julho. Eles foram apontados pela polícia como suspeitos pelo furto de 19 cabeças de gado no município, ainda em 2016. Em sua decisão a juíza Renata do Nascimento e Silva considerou que faltou provas robustas para a condenação no caso.

Os dois tinha sido presos  quando estavam em uma propriedade rural no município de Porto Nacional. Eles haviam sido autuados pelos crimes de furto qualificado e associação criminosa. Com eles, a por polícia apreendeu um caminhão, um veículo de passeio e duas armas de fogo de fabricação caseira.

Na época João Antônio e seu filho foram presos preventivamente por terem seus nomes supostamente associados a uma quadrilha de furto especializado de gado, em outros inquéritos, nas cidades de Marianópolis e Cristalândia. Porém, eles foram absorvidos – nos termos do art. 386, inciso VII do Código de Processo Penal – devido a falta de provas suficientes para condenação,  já que no processo penal cabe à acusação demonstrar e provar de forma cristalina quem são os autores do delito.

Conforme costa nos autos, a vítima que foi roubada informou que na data dos fatos não tinha ninguém dormindo no imóvel e que só na manhã seguinte, quando seu filho chegou ao local, percebeu que boa parte dos animais havia sido furtada. Para o advogado de defesa, Fabrício da Fonseca Ferreira, “eles foram absolvidos por falta de provas, haja vista que o titular da ação penal não conseguiu lograr êxito em demonstrar e provar nos autos que os acusados são realmente os autores dos delitos imputados na peça ministerial”.

O advogado explicou ainda que , “Na dúvida, quando há falta de provas, deve prevalecer a aplicação do princípio do indúbio pró réu”.

Após a decisão, pai e filho foram liberados na tarde dessa segunda-feira (13).

veja a sentença

 Sentença

Polícia prende suspeitos de roubar R$ 750 mil em cabeças de gado em fazenda de Porangatu

No dia do crime, dupla rendeu os caseiros, alugaram caminhões e transportaram 420 animais. Outras duas pessoas já estavam detidas investigadas por envolvimento no crime.

A Polícia Civil prendeu na terça-feira (8) dois homens suspeitos de integrar uma quadrilha que furtou R$ 800 mil em cabeças de gado, em Porangatu, no norte de Goiás. No dia do crime, em julho deste ano, criminosos renderam os caseiros, alugaram caminhões e transportaram 420 cabeças de gado.

Hugo Leonardo Gomes da Cruz e Matheus Gomes Oliveira foram presos em Anápolis. Segundo a polícia, eles são os responsáveis diretos pelo roubo. O G1 não conseguiu localizar a defesa dos presos até a publicação dessa reportagem.

“Após o crime, nós conseguimos prender um suspeito de ter organizado todo o crime. O pai dele é vizinho da fazenda roubada e sabia de todos os detalhes e encomendou o roubo. O Hugo e o Matheus cometeram o crime e encaminharam o gado para um receptador em São Paulo, que foi preso no domingo (5)”, explicou o delegado Glaydson Carvalho, responsável pelo caso.

O gado de corte foi recuperado no dia seguinte ao crime. Parte dele na cidade de Piracanjuba e a outra, em Frutal, Minas Gerais. Os animais foram devolvidos ao proprietário.

“No dia do roubo, os criminoso alugaram seis caminhões para transportar os animais. Com o caseiro e a esposa dele rendidos, pararam os veículos no curral e passaram o dia carregando os animais”, completou o delegado.

Os motoristas dos caminhões não foram presos porque, segundo o responsável pelo caso, eles não sabiam do crime.

Os presos vão responder por roubo e o fazendeiro que comprou o gado vai responder por receptação.

G1 Tocantins.

Suspeito de furtar R$ 750 mil em gado de fazenda em GO é preso no Tocantins

Suspeito foi detido em Gurupi, na região sul do Tocantins. Rebanho de gado foi recuperado no estado de São Paulo; grupo teria usado seis carretas para levar 420 animais.

Pai e filho são presos suspeitos de furtar gado em fazendas no Tocantins

Segundo a polícia, suspeitos eram considerados foragidos desde 2017. Dupla foi presa em Luzimangues, distrito de Porto Nacional, e levada para complexo de delegacias em Palmas.

Pai e filho foram presos pela Delegacia de Investigações Criminais (Deic) e Grupo de Operações Táticas Especiais (GOTE) suspeitos de furtar gado em fazendas do Tocantins. Eles foram detidos na manhã desta segunda-feira (9) e levados para o complexo de delegacias da Polícia Civil, em Palmas.

João Antônio da Silva, de 59 anos e João Antônio da Silva Júnior, de 36 anos, foram detidos por furto qualificado de gado e associação criminosa. Segundo a polícia, havia mandado de prisão contra eles desde 2017 e os dois eram considerados foragidos.

Eles teriam participado de um roubo a uma fazenda de Paraíso do Tocantins. Na época, foram furtados 19 gados da propriedade. O crime ocorreu em novembro de 2016 e os dois foram denunciados pelo Ministério Público Estadual (MPE) no ano passado.

De acordo com o delegado Wanderson Chaves, da DEIC, o pai fazia um ‘estudo’ de quais fazendas eram mais vulneráveis e o filho realizava os furtos. Com os suspeitos a polícia encontrou um caminhão, um carro de passeio e duas armas.

“Estávamos há algum tempo na busca dos acusados e nesta manhã conseguimos capturá-los em uma fazenda próxima de Porto Nacional”, afirmou. Ainda de acordo com o delegado os dois não resistiram à prisão.

Os dois foram detidos na região do distrito de Luzimangues, distrito de Porto Nacional. A polícia ainda não sabe se o caminhão encontrado era usado por eles para o transporte do gado. Após serem ouvidos, os dois serão levados para a Casa de Prisão Provisória de Palmas.

O site ainda tenta contato com a defesa das vítimas.

Tempestade de raios mata 80 cabeças de gado em fazenda no Tocantins

Gado deve ser enterrado em valas na própria fazenda, em Talismã, sul do estado. Outros 24 animais morreram após serem atingidos por descargas em fazendas na região sul e sudeste do estado.

Chuvas com raios seguem causando a morte de gado em fazendas do Tocantins. Desta vez, conforme a Defesa Civil, 80 animais morreram após uma descarga atmosférica atingir a fazenda Santo Antônio, na zona rural de Talismã, na noite deste domingo (7) durante uma tempestade.

Em cerca de 10 dias, outros 24 animais foram eletrocutados em propriedades rurais da região sul do estado.

A fazenda onde os 80 animais morreram fica a cerca de 20 km de Talismã. Segundo a Defesa Civil, a propriedade rural atingida está em uma das regiões mais altas do município. Um vídeo feito por um funcionário da fazenda mostra os animais espalhados pelo pasto. 

Como a carne do gado é imprópria para consumo, uma vala deve ser aberta por uma retroescavadeira para que os animais sejam enterrados. A Defesa Civil da cidade informou ainda que foram registrados apenas sete milímetros de precipitação, porém, houve grande quantidade de raios.

Outros 24 animais morreram em fazendas do sul e sudeste do estado desde o início do ano. Um levantamento feito pela TV Anhanguera, apontou que quatro animais morreram em Gurupi, sete em Talismã e 13 em Pindorama.

G1 Tocantins

Homem é preso após ser flagrado com gado furtado de fazenda no Tocantins

Os 10 animais foram levados de Divinópolis para uma propriedade rural em Dois Irmãos do Tocantins. Suspeito pagou fiança no valor de R$ 5 mil e foi liberado.

Um homem de 55 anos foi detido após a polícia encontrar 10 animais, entre vacas e bois, furtados de uma fazenda em Divinópolis, na região oeste do Tocantins, na propriedade dele. A Polícia Militar (PM) informou que o caso foi em Dois Irmãos do Tocantins. A prisão foi nessa quarta-feira (22).

A vítima disse aos policiais que no último dia 15 eles haviam sumido. O homem descobriu onde os animais foram deixados e informou o local aos policiais. A PM foi até a propriedade, em Dois Irmãos do Tocantins, e todos eles foram encontrados.

O suspeito disse ter comprado o gado por R$ 10,2 mil mas não soube informar quem os vendeu.

Segundo a Polícia Civil, ele foi preso pelo crime de receptação, mas pagou fiança de R$ 5 mil e vai responder em liberdade.

G1/Tocantins

Fazendeiro é preso suspeito de furtar e abater gado dos vizinhos no sul do Tocantins

Cova com 25 carcaças queimadas e a cabeça de uma vaca com marca de outro rebanho foram encontradas na propriedade dele. Ao menos 100 animais desapareceram na região no último ano.

Um fazendeiro de 48 anos foi preso na região sul do Tocantins suspeito de furtar gado de vizinhos e abater os animais. De acordo com a Polícia Civil, a cabeça de uma vaca marcada com o símbolo do rebanho de outra propriedade da região foi encontrada no local. Além disso, uma cova com 25 carcaças de outros animais também foi identificada dentro da fazenda.

A propriedade em questão fica a cerca de 30 km de Dueré, próximo a Gurupi Tocantins. Segundo as investigações, pelo menos 100 cabeças de gado desapareceram na região no último ano. O homem teria enterrado as carcaças dos animais na tentativa de destruir provas. Os vizinhos contam que o gado desaparecia pouco a pouco e que algumas fazendas perderam mais de 30 animais no ano.

A suspeita é de que a carne era vendida em estabelecimentos da região. Os ossos eram queimados antes de ser enterrados, para dificultar a identificação. De acordo com a Polícia Civil, o homem confessou os crimes. Ele está preso na Casa de Prisão Provisória de Gurupi.

G1/TO

Onze cabeças de gado são furtadas de fazenda no município de Paranã TO

Ladrões invadiram fazenda e levaram o rebanho do local.

Cerca de onze cabeças de gado foram furtadas ontem a tarde de uma propriedade rural por nome Sítio Maré Mansa, localizada no trevo da Usina Hidrelétrica de São Salvador, na TO 387, cerca de 48 km de Paranã Tocantins. A ocorrência foi registrada na manhã desta sexta-feira (18), pelo proprietário José Alves de Souza (Professor Zezinho).

De acordo com o proprietário Zezinho, ele foi à fazenda ontem como de costume, ao chegar à porteira, notou o cadeado cortado e rasto de botina diferente da que normalmente usa.

Em seguida, desceu o corredor da fazenda e percebeu que havia rastros de uma caminhonete, indicando ser uma F.4000.

Quando foi ao curral viu o cocho com ração que ele não havia colocado.

Desconfiado foi até o pasto para conferir o gado, foi então que notou a falta de onze cabeças de gado, sendo dez (10) “novilhas” leiteiras e um garrote.

Imediatamente correu para São Salvador e procurou a polícia. A PM acompanhou o proprietário de volta a fazenda e fez as verificações. Como a propriedade é situada no município de Paranã, foi orientado a procurar a delegacia de lá para registrar o (BO), Boletim de Ocorrência.

Ao chegar à delegacia, José Alves de Souza disse que o filho dele Thiago contou que,  quando estava voltando do trabalho indo para Palmeirópolis viu dois carros parados no trevo da entrada da fazenda, sentido São Salvador/Paranã, o condutor estava do outro lado da pista falando ao celular e olhando exatamente para a entrada da fazenda. O outro carro também não identificado, estava do outro lado do trevo sentido Paranã/São Salvador com o pisca alerta ligado.

A vitima desconfia que estas pessoas estavam vigiando a entrada da fazenda para facilitar o furto do gado.

Até o momento ninguém sabe dizer quem cometeu o crime. A polícia continua as investigações para descobrir os autores do furto.

A marca do gado é um CORAÇÃO com as letras JS dentro, quem souber de alguma informação ligar para polícia.

Da redação

Caminhão com 9 mil litros de produtos químicos bate em gado, e carga cai perto de córrego

Motorista e passageiro tiveram ferimentos e foram atendidos por bombeiros, em Abadia de Goiás.

Um caminhão que transportava cerca de nove mil litros de produtos químicos bateu em um rebanho de bovinos, saiu da pista, e a carga caiu perto de um córrego, às margens da BR-060, nesta quarta-feira (9), em Abadia de Goiás, na Região Metropolitana da capital. Segundo o Corpo de Bombeiros, o motorista e o passageiro tiveram ferimentos leves e foram atendidos no local.

O acidente aconteceu por volta das 5h30 desta quarta-feira no km 186 da rodovia. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o veículo, um Mercedes Benz, saiu de Aparecida de Goiânia e levava os produtos para Mineiros, na região sudoeste de Goiás. O motorista relatou à polícia que atropelou seis bovinos, e acabou saindo da pista.

O caminhão transportava nove mil litros de produtos de limpeza, distribuídos em tambores de 200 linhos. A maioria da carga foi perdida.

Conforme informou a corporação, equipes do Corpo de Bombeiros avaliam se houve dano ambiental causado pelo derramamento dos compostos químicos. Segundo a PRF o trânsito não foi prejudicado.

G1/GO

Morte de mais de mil cabeças de gado em Água Clara ainda é um mistério

Botulismo pode ter sido a causa da morte de mais de mil cabeças de gado em Água Clara.

Na tarde desta segunda-feira (7), o pecuarista Pérsio Airton Tozzi teve um prejuízo de mais de R$ 2 milhões com o falecimento de 1.100 animais que estavam confinados na fazenda Marca 7, localizada no município de Água Clara, a 200 km da capital do Mato Grosso do Sul, Campo Grande. Os animais estão sendo enterrados na própria fazenda e não há registro da doença nas propriedades vizinhas.

De acordo com a Agência Estadual de Defesa Sanitária e Animal (Iagro), a suspeita clínica da causa da morte dos animais é botulismo, mas o resultado laboratorial só será divulgado em uma semana. Amostras da ração oferecida aos animais, que é produzida na própria fazenda, e da água da localidade foram enviadas para o laboratório estadual e, caso o resultado seja positivo, será enviado para uma segunda análise em um laboratório de São Paulo.

O botulismo ataca o sistema nervoso do animal provocando paralisia motora e o período de incubação é de uma semana a oito dias. A gravidade da doença está diretamente ligada à quantidade de toxinas que o animal ingeriu e pode ser dividia em quatro graus: Super aguda, Aguda, Subaguda e Crônica. Os principais sintomas são anorexia, falta de coordenação e ataxia.

 No ser humano, a doença também ataca o sistema nervoso, podendo levar a morte conforme a quantidade de toxina expelida pela bactéria. Os principais sintomas no ser humano são visão dupla e embaçada, fotofobia (aversão à luz), ptose palpebral (queda da pálpebra), tonturas, boca seca, intestino preso e dificuldade para urinar.2147-botulismo-agua-clara-fazenda-percio1-a

Informaçoes: ruralnewsms