Pai e filho são presos suspeitos de furtar gado em fazendas no Tocantins

Segundo a polícia, suspeitos eram considerados foragidos desde 2017. Dupla foi presa em Luzimangues, distrito de Porto Nacional, e levada para complexo de delegacias em Palmas.

Pai e filho foram presos pela Delegacia de Investigações Criminais (Deic) e Grupo de Operações Táticas Especiais (GOTE) suspeitos de furtar gado em fazendas do Tocantins. Eles foram detidos na manhã desta segunda-feira (9) e levados para o complexo de delegacias da Polícia Civil, em Palmas.

João Antônio da Silva, de 59 anos e João Antônio da Silva Júnior, de 36 anos, foram detidos por furto qualificado de gado e associação criminosa. Segundo a polícia, havia mandado de prisão contra eles desde 2017 e os dois eram considerados foragidos.

Eles teriam participado de um roubo a uma fazenda de Paraíso do Tocantins. Na época, foram furtados 19 gados da propriedade. O crime ocorreu em novembro de 2016 e os dois foram denunciados pelo Ministério Público Estadual (MPE) no ano passado.

De acordo com o delegado Wanderson Chaves, da DEIC, o pai fazia um ‘estudo’ de quais fazendas eram mais vulneráveis e o filho realizava os furtos. Com os suspeitos a polícia encontrou um caminhão, um carro de passeio e duas armas.

“Estávamos há algum tempo na busca dos acusados e nesta manhã conseguimos capturá-los em uma fazenda próxima de Porto Nacional”, afirmou. Ainda de acordo com o delegado os dois não resistiram à prisão.

Os dois foram detidos na região do distrito de Luzimangues, distrito de Porto Nacional. A polícia ainda não sabe se o caminhão encontrado era usado por eles para o transporte do gado. Após serem ouvidos, os dois serão levados para a Casa de Prisão Provisória de Palmas.

O site ainda tenta contato com a defesa das vítimas.

Tempestade de raios mata 80 cabeças de gado em fazenda no Tocantins

Gado deve ser enterrado em valas na própria fazenda, em Talismã, sul do estado. Outros 24 animais morreram após serem atingidos por descargas em fazendas na região sul e sudeste do estado.

Chuvas com raios seguem causando a morte de gado em fazendas do Tocantins. Desta vez, conforme a Defesa Civil, 80 animais morreram após uma descarga atmosférica atingir a fazenda Santo Antônio, na zona rural de Talismã, na noite deste domingo (7) durante uma tempestade.

Em cerca de 10 dias, outros 24 animais foram eletrocutados em propriedades rurais da região sul do estado.

A fazenda onde os 80 animais morreram fica a cerca de 20 km de Talismã. Segundo a Defesa Civil, a propriedade rural atingida está em uma das regiões mais altas do município. Um vídeo feito por um funcionário da fazenda mostra os animais espalhados pelo pasto. 

Como a carne do gado é imprópria para consumo, uma vala deve ser aberta por uma retroescavadeira para que os animais sejam enterrados. A Defesa Civil da cidade informou ainda que foram registrados apenas sete milímetros de precipitação, porém, houve grande quantidade de raios.

Outros 24 animais morreram em fazendas do sul e sudeste do estado desde o início do ano. Um levantamento feito pela TV Anhanguera, apontou que quatro animais morreram em Gurupi, sete em Talismã e 13 em Pindorama.

G1 Tocantins

Homem é preso após ser flagrado com gado furtado de fazenda no Tocantins

Os 10 animais foram levados de Divinópolis para uma propriedade rural em Dois Irmãos do Tocantins. Suspeito pagou fiança no valor de R$ 5 mil e foi liberado.

Um homem de 55 anos foi detido após a polícia encontrar 10 animais, entre vacas e bois, furtados de uma fazenda em Divinópolis, na região oeste do Tocantins, na propriedade dele. A Polícia Militar (PM) informou que o caso foi em Dois Irmãos do Tocantins. A prisão foi nessa quarta-feira (22).

A vítima disse aos policiais que no último dia 15 eles haviam sumido. O homem descobriu onde os animais foram deixados e informou o local aos policiais. A PM foi até a propriedade, em Dois Irmãos do Tocantins, e todos eles foram encontrados.

O suspeito disse ter comprado o gado por R$ 10,2 mil mas não soube informar quem os vendeu.

Segundo a Polícia Civil, ele foi preso pelo crime de receptação, mas pagou fiança de R$ 5 mil e vai responder em liberdade.

G1/Tocantins

Fazendeiro é preso suspeito de furtar e abater gado dos vizinhos no sul do Tocantins

Cova com 25 carcaças queimadas e a cabeça de uma vaca com marca de outro rebanho foram encontradas na propriedade dele. Ao menos 100 animais desapareceram na região no último ano.

Um fazendeiro de 48 anos foi preso na região sul do Tocantins suspeito de furtar gado de vizinhos e abater os animais. De acordo com a Polícia Civil, a cabeça de uma vaca marcada com o símbolo do rebanho de outra propriedade da região foi encontrada no local. Além disso, uma cova com 25 carcaças de outros animais também foi identificada dentro da fazenda.

A propriedade em questão fica a cerca de 30 km de Dueré, próximo a Gurupi Tocantins. Segundo as investigações, pelo menos 100 cabeças de gado desapareceram na região no último ano. O homem teria enterrado as carcaças dos animais na tentativa de destruir provas. Os vizinhos contam que o gado desaparecia pouco a pouco e que algumas fazendas perderam mais de 30 animais no ano.

A suspeita é de que a carne era vendida em estabelecimentos da região. Os ossos eram queimados antes de ser enterrados, para dificultar a identificação. De acordo com a Polícia Civil, o homem confessou os crimes. Ele está preso na Casa de Prisão Provisória de Gurupi.

G1/TO

Onze cabeças de gado são furtadas de fazenda no município de Paranã TO

Ladrões invadiram fazenda e levaram o rebanho do local.

Cerca de onze cabeças de gado foram furtadas ontem a tarde de uma propriedade rural por nome Sítio Maré Mansa, localizada no trevo da Usina Hidrelétrica de São Salvador, na TO 387, cerca de 48 km de Paranã Tocantins. A ocorrência foi registrada na manhã desta sexta-feira (18), pelo proprietário José Alves de Souza (Professor Zezinho).

De acordo com o proprietário Zezinho, ele foi à fazenda ontem como de costume, ao chegar à porteira, notou o cadeado cortado e rasto de botina diferente da que normalmente usa.

Em seguida, desceu o corredor da fazenda e percebeu que havia rastros de uma caminhonete, indicando ser uma F.4000.

Quando foi ao curral viu o cocho com ração que ele não havia colocado.

Desconfiado foi até o pasto para conferir o gado, foi então que notou a falta de onze cabeças de gado, sendo dez (10) “novilhas” leiteiras e um garrote.

Imediatamente correu para São Salvador e procurou a polícia. A PM acompanhou o proprietário de volta a fazenda e fez as verificações. Como a propriedade é situada no município de Paranã, foi orientado a procurar a delegacia de lá para registrar o (BO), Boletim de Ocorrência.

Ao chegar à delegacia, José Alves de Souza disse que o filho dele Thiago contou que,  quando estava voltando do trabalho indo para Palmeirópolis viu dois carros parados no trevo da entrada da fazenda, sentido São Salvador/Paranã, o condutor estava do outro lado da pista falando ao celular e olhando exatamente para a entrada da fazenda. O outro carro também não identificado, estava do outro lado do trevo sentido Paranã/São Salvador com o pisca alerta ligado.

A vitima desconfia que estas pessoas estavam vigiando a entrada da fazenda para facilitar o furto do gado.

Até o momento ninguém sabe dizer quem cometeu o crime. A polícia continua as investigações para descobrir os autores do furto.

A marca do gado é um CORAÇÃO com as letras JS dentro, quem souber de alguma informação ligar para polícia.

Da redação

Caminhão com 9 mil litros de produtos químicos bate em gado, e carga cai perto de córrego

Motorista e passageiro tiveram ferimentos e foram atendidos por bombeiros, em Abadia de Goiás.

Um caminhão que transportava cerca de nove mil litros de produtos químicos bateu em um rebanho de bovinos, saiu da pista, e a carga caiu perto de um córrego, às margens da BR-060, nesta quarta-feira (9), em Abadia de Goiás, na Região Metropolitana da capital. Segundo o Corpo de Bombeiros, o motorista e o passageiro tiveram ferimentos leves e foram atendidos no local.

O acidente aconteceu por volta das 5h30 desta quarta-feira no km 186 da rodovia. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o veículo, um Mercedes Benz, saiu de Aparecida de Goiânia e levava os produtos para Mineiros, na região sudoeste de Goiás. O motorista relatou à polícia que atropelou seis bovinos, e acabou saindo da pista.

O caminhão transportava nove mil litros de produtos de limpeza, distribuídos em tambores de 200 linhos. A maioria da carga foi perdida.

Conforme informou a corporação, equipes do Corpo de Bombeiros avaliam se houve dano ambiental causado pelo derramamento dos compostos químicos. Segundo a PRF o trânsito não foi prejudicado.

G1/GO

Morte de mais de mil cabeças de gado em Água Clara ainda é um mistério

Botulismo pode ter sido a causa da morte de mais de mil cabeças de gado em Água Clara.

Na tarde desta segunda-feira (7), o pecuarista Pérsio Airton Tozzi teve um prejuízo de mais de R$ 2 milhões com o falecimento de 1.100 animais que estavam confinados na fazenda Marca 7, localizada no município de Água Clara, a 200 km da capital do Mato Grosso do Sul, Campo Grande. Os animais estão sendo enterrados na própria fazenda e não há registro da doença nas propriedades vizinhas.

De acordo com a Agência Estadual de Defesa Sanitária e Animal (Iagro), a suspeita clínica da causa da morte dos animais é botulismo, mas o resultado laboratorial só será divulgado em uma semana. Amostras da ração oferecida aos animais, que é produzida na própria fazenda, e da água da localidade foram enviadas para o laboratório estadual e, caso o resultado seja positivo, será enviado para uma segunda análise em um laboratório de São Paulo.

O botulismo ataca o sistema nervoso do animal provocando paralisia motora e o período de incubação é de uma semana a oito dias. A gravidade da doença está diretamente ligada à quantidade de toxinas que o animal ingeriu e pode ser dividia em quatro graus: Super aguda, Aguda, Subaguda e Crônica. Os principais sintomas são anorexia, falta de coordenação e ataxia.

 No ser humano, a doença também ataca o sistema nervoso, podendo levar a morte conforme a quantidade de toxina expelida pela bactéria. Os principais sintomas no ser humano são visão dupla e embaçada, fotofobia (aversão à luz), ptose palpebral (queda da pálpebra), tonturas, boca seca, intestino preso e dificuldade para urinar.2147-botulismo-agua-clara-fazenda-percio1-a

Informaçoes: ruralnewsms

Quadrilha que invadia fazendas para abater gado e levar carne é presa

Quatro homens foram presos com armas e carnes furtadas de propriedades no Tocantins. Eles esquartejavam os animais nos pastos e deixavam as carcaças para trás.

 Quatro homens foram presos nesta sexta-feira (14) suspeitos de fazer parte de uma quadrilha que invadia fazendas, matava o gado e furtava a carne no sul do Tocantins. De acordo com a Polícia Civil, o grupo agia desde novembro e já tinha cometido o crime em ao menos 12 fazendas. A carne furtava era revendida clandestinamente. Os suspeitos têm idades entre 20 e 28 anos.

As prisões foram na cidade de Formoso do Araguaia, na região sul do estado. Junto com o grupo, foram encontradas armas e pedaços de carne do último furto. A polícia informou que os homens conheciam a região e levavam o gado para partes mais afastadas das pastagens onde matavam e esquartejavam os animais. O grupo levava apenas as partes mais macias e deixava as carcaças para trás

Os quatro foram levados para a cadeia pública de Formoso do Araguaia. De acordo com a Polícia Civil, eles confessaram participação em ao menos dois casos.

G1/To

IBGE aponta que Tocantins teve crescimento de 455,9% na exportação de frango e queda de 6,8% no abate de bovinos

Conforme o estudo, em 2015 o Estado registrou abate de 1.097.704 cabeças de gado. Já, em 2016, o número de animais abatidos foi de 1.022.512, ou seja, retração de 6,8%.

Levantamento divulgado nesta quarta-feira, 15, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta crescimento da exportação de frango e redução no abate de bovinos no Tocantins entre 2015 e 2016.

Conforme os dados do IBGE, em 2015 o Tocantins exportou 936.752 quilos de frango in natura. Já no ano passado o número foi de 5.207.630 quilos, aumento de 455,9%. O resultado se deve à abertura de mercado do produto tocantinense conquistado pelo país.

Já o abate de bovinos no Tocantins registrou queda de 6,8% no ano passado. Conforme o estudo, em 2015 o Estado registrou abate de 1.097.704 cabeças de gado. Já, em 2016, o número de animais abatidos foi de 1.022.512, ou seja, retração de 6,8%.

Em todo o país, em 2016, o resultado também foi negativo: houve abate de 982,83 mil cabeças de bovinos a menos, no comparativo 2016/2015, impulsionado por reduções em 20 das 27 Unidades da Federação. As quedas mais intensas ocorreram em Minas Gerais (-370,94 mil cabeças), São Paulo (-260,16 mil cabeças), Goiás (- 239,48 mil cabeças), Mato Grosso do Sul (-116,46 mil cabeças), Bahia (-78,4 mil cabeças), Tocantins (-75,19 mil cabeças), Maranhão (-62,35 mil cabeças), Rio de Janeiro (-54,39 mil cabeças), Paraná (-48,49 mil cabeças) e Espírito Santo (-41,71 mil cabeças). Já os maiores aumentos ocorreram em Rondônia (+250,49 mil cabeças), Pará (+83,64 mil cabeças), Rio Grande do Sul (+76,04 mil cabeças), Mato Grosso (+36,65 mil cabeças) e Acre (+33,39 mil cabeças).

Ainda no segmento da pecuária, o Tocantins registrou variações em relação a compra e recebimento de couro de terceiros. A produção total de couro registrou em 2015 no Tocantins 1.694.917. Já em 2016 foram 1.853.100, um aumento de 9,3%. O resultado é obtido por unidade.

Os curtumes compraram em 2015 o montante de 1.516.236. No ano seguinte, a compra registrada foi de 1.709.110, aumento de 12,7%. Entretanto, houve queda no recebimento de couro por terceiros. Em 2015 foram 178.681 unidades. No ano seguinte, 143.990. A queda foi de 19,4%.

LEITE CRU

Outro dado positivo do Tocantins é na aquisição e industrialização de leite cru. De acordo com IBGE, em 2015 o Tocantins comprou 109.054 milhões de litros. Já em 2016 foram 124.648 milhões de litros, aumento de 14,3%. Já o crescimento da industrialização do leite foi de 13,6%. Em 2015 industrializou 109.677 milhões de litros, enquanto em 2016 foram industrializados 124.620 milhões de litros. 

Os aumentos mais expressivos ocorreram em Santa Catarina (+89,77 milhões de litros), Rio de Janeiro (+18,7 milhões de litros), Pará (+15,95 milhões de litros) e Tocantins (+15,6 milhões de litros). Minas Gerais manteve ampla liderança do ranking das UFs, com 26,4% de participação nacional, com Rio Grande do Sul (14,0%) e Paraná (11,8%) a seguir.

Já em todo o país, em 2016, os estabelecimentos de laticínios sob algum tipo de inspeção sanitária captaram 23,17 bilhões de litros. Houve queda de 3,7% em relação ao ano anterior, o que representou menos 893,23 milhões de litros de leite adquiridos. Essa foi a segunda queda consecutiva na serie histórica anual da aquisição de leite.

OVOS DE GALINHAS

Em 2016 foram produzidos 3,10 bilhões de dúzias de ovos de galinha, com aumento de 5,8% em relação a 2015, ou 51,28 milhões de dúzias de ovos a mais. Foi um novo recorde anual da série. Houve aumentos em 19 das 26 UFs no universo da pesquisa. Os maiores aumentos foram em São Paulo (+49,94 milhões de dúzias), Ceará (+28,95 milhões de dúzias), Espírito Santo (+19,35 milhões de dúzias), Goiás (+19,1 milhões de dúzias), Minas Gerais (+13,18 milhões de dúzias) e Tocantins (+10,06 milhões de dúzias). Já as reduções mais intensas ocorreram no Amazonas (-4,31 milhões de dúzias) e na Bahia (-1,52 milhões de dúzias). Responsável por 29,5% da produção nacional de ovos de galinha, São Paulo continua líder, seguido por Minas Gerais (9,8%) e Paraná (9,3%).

Fonte:Norte Agropecuário

Prazo para entrega de declaração do rebanho termina hoje

Nesta terça-feira, 31, termina o prazo para a entrega da Declaração do Resumo da Movimentação do Rebanho e Inventário de Gado, exercício 2016. Dos mais de 87 mil produtores rurais do estado do Tocantins, 65 por cento ainda não entregaram a documentação.

O diretor de Informações Econômicas e Fiscais, da Secretaria da Fazenda, Mayko Tenório, alerta que não haverá prorrogação do prazo para o envio das informações, e ressalta a necessidade da entrega do documento. “Os produtores rurais devem ficar atentos para o prazo estabelecido, pois não será prorrogado. A apresentação da declaração do rebanho é importante para elaboração e implementação de políticas públicas para o setor pecuário, além de contribuir para o controle fiscal do rebanho tocantinense”, enfatiza.

A partir de 1º de fevereiro, o produtor que estiver omisso das informações sobre a movimentação do seu rebanho, estará sujeito às penalidades previstas em lei, como por exemplo, uma multa no valor de R$ 1.100, suspensão de ofício e restrições de alguns serviços oferecidos pela Secretaria da Fazenda, entre eles, a emissão de nota fiscal avulsa e alteração no cadastro de contribuinte.

Para fazer a declaração o produtor rural deve preencher o formulário online, no site www.sefaz.to.gov.br, com todas as movimentações ocorridas no rebanho no ano de 2016, incluindo as entradas, saídas e mudanças de era. O demonstrativo também deve discriminar todos os animais da propriedade ou de terceiros, inclusive sob o regime de pasto ou confinamento.

A declaração é anual e obrigatória para todos os criadores de gado inscritos no Cadastro de Contribuintes do ICMS do Tocantins (CCI-TO) e que possuem animais em seu estabelecimento ou de terceiros, inclusive sob o regime de pasto ou confinamento.(Fonte:Portal Benício)