Criminosos usam caminhão para furtar cabeças de gado

Foram furtadas 45 vacas e novilhas, numa fazenda em Natividade. No mesmo dia, outro crime semelhante foi registrado em uma propriedade na cidade de São Salvador.

Um furto de cabeças de gado na fazenda Nova Querência em Natividade causou um prejuízo de mais de R$ 100 mil a um produtor rural. O caso aconteceu nesta sexta-feira (27). Segundo a Polícia Civil, 45 vacas e novilhas foram levadas da propriedade.

A suspeita, segundo a delegada Melicia Ganzaroli, é que os criminosos sabiam que o dono e o caseiro não estavam no local. Eles chegaram em um caminhão e retiraram um parafuso da cancela para entrar. Um deles desceu para certificar de que não havia ninguém. Os suspeitos deixaram para trás uma camiseta, que será periciada.

Depois, os ladrões entraram com o caminhão e juntaram o gado, usando um cavalo que estava no local. A delegada disse que a ação foi rápida, já que os colchetes da propriedade estavam quebrados. Eles podem ter usado um carro, uma motocicleta ou animais assustados para avançar contra os colchetes.

Durante o depoimento, o caseiro disse que estava voltando com a mulher da cidade de Santa Rosa do Tocantins, quando percebeu um caminhão carregado de gado trafegando em alta velocidade pela rodovia.

“Os bandidos agora voltaram contra a população rural. O gado virou produto caro e requisitado no mercado e de fácil negociação. É lucro certo. E qualquer animal subtraído tem um custo elevado. Muitos [produtores] ficam anos sem vender animais para esperar o lucro e quando se dão conta perdem todo o patrimônio com atitudes criminosas”, comentou Melicia.

Ainda segundo ela, muitos fazendeiros que são alvos de furtos não registram boletim de ocorrência por medo. “Quando vão a delegacia e pela questão de localização geográfica, quando registram o furto, já se passaram muitas horas e se perdem vestígios e provas dos autores que agem em bando e de forma coordenada”, informou.

O gado furtado tem marcas LJ e LO.

Outros casos

Também nesta sexta-feira (27) foi registrado um furto a gado em São Salvador. A delegada informou que a ação dos criminosos foi semelhante. Não foi informado o número de gado furtado. Os animais têm a marca JR.

Há três meses, outro furto foi registrado na Fazenda Veneza, em Natividade. Na época, foram levadas 70 cabeças de gado, com a marca FV, causando um prejuízo de mais de R$ 140 mil.

A delegada informou que denúncias anônimas ou qualquer informação sobre os crimes podem ser enviadas por meio desse telefone: (63) 99240-6443.

G1 Tocantins.

Suspeito de furtar R$ 750 mil em gado de fazenda em GO é preso no Tocantins

Suspeito foi detido em Gurupi, na região sul do Tocantins. Rebanho de gado foi recuperado no estado de São Paulo; grupo teria usado seis carretas para levar 420 animais.

Pai e filho são presos suspeitos de furtar gado em fazendas no Tocantins

Segundo a polícia, suspeitos eram considerados foragidos desde 2017. Dupla foi presa em Luzimangues, distrito de Porto Nacional, e levada para complexo de delegacias em Palmas.

Pai e filho foram presos pela Delegacia de Investigações Criminais (Deic) e Grupo de Operações Táticas Especiais (GOTE) suspeitos de furtar gado em fazendas do Tocantins. Eles foram detidos na manhã desta segunda-feira (9) e levados para o complexo de delegacias da Polícia Civil, em Palmas.

João Antônio da Silva, de 59 anos e João Antônio da Silva Júnior, de 36 anos, foram detidos por furto qualificado de gado e associação criminosa. Segundo a polícia, havia mandado de prisão contra eles desde 2017 e os dois eram considerados foragidos.

Eles teriam participado de um roubo a uma fazenda de Paraíso do Tocantins. Na época, foram furtados 19 gados da propriedade. O crime ocorreu em novembro de 2016 e os dois foram denunciados pelo Ministério Público Estadual (MPE) no ano passado.

De acordo com o delegado Wanderson Chaves, da DEIC, o pai fazia um ‘estudo’ de quais fazendas eram mais vulneráveis e o filho realizava os furtos. Com os suspeitos a polícia encontrou um caminhão, um carro de passeio e duas armas.

“Estávamos há algum tempo na busca dos acusados e nesta manhã conseguimos capturá-los em uma fazenda próxima de Porto Nacional”, afirmou. Ainda de acordo com o delegado os dois não resistiram à prisão.

Os dois foram detidos na região do distrito de Luzimangues, distrito de Porto Nacional. A polícia ainda não sabe se o caminhão encontrado era usado por eles para o transporte do gado. Após serem ouvidos, os dois serão levados para a Casa de Prisão Provisória de Palmas.

O site ainda tenta contato com a defesa das vítimas.

Homem é preso suspeito de furtar cartões da mãe e sacar dinheiro no Tocantins

Segundo delegado responsável pelo caso, homem gastou R$ 1 mil comprando drogas. O caso foi denunciado pela própria mãe, de 77 anos.

Francivaldo Coelho da Silva, de 38 anos, foi preso suspeito de furtar cartões bancários e de aposentadoria da mãe e sacar R$ 1 mil que estava guardado na poupança. A idosa tem 77 anos e denunciou o caso à Polícia Civil, neste domingo (6). O filho aproveitou que ela estava na missa para praticar o crime.

Segundo o delegado Wilson Cabral, responsável pelo caso, os policiais fizeram buscas em bares e chácaras na tentativa de encontrar o suspeito. Ele foi preso por volta das 19h, depois de voltar para casa. O delegado informou que no momento da prisão, Silva consumia maconha. Ele havia gastado o dinheiro todo comprando drogas, conforme as investigações.

Silva foi levado para a Casa de Prisão Provisória de Araguaína e deve responder por furto qualificado pelo abuso de confiança e posse de droga para consumo. A mãe informou à polícia que o fiho já furtou vários objetos da casa.

G1 Tocantins

Foto ilustrativa/niteroiurgente.com

Cantor sertanejo é condenado por furtar correntes de ouro avaliadas em R$ 16 mil

Crime aconteceu em joalheria de Gurupi, no sul do Tocantins, em 2009. Dudu di Valença foi condenado a dois anos de reclusão, mas teve pena substituída por serviços comunitários.

O cantor sertanejo Altemir Candido Barreiras foi condenado a dois anos de reclusão e pagamento de multa por furtar joias em uma joalheria de Gurupi, no sul do Tocantins. A pena de prisão de Dudu di Valença, nome artístico do cantor, acabou sendo substituída por serviços comunitários. O crime aconteceu em 2009 e o acusado ainda pode recorrer da decisão.

O cantor também é suspeito por outros crimes semelhantes em outros estados. No Tocantins, ele foi condenado por ter furtado seis correntes de ouro avaliadas em R$ 16 mil no total. Segundo a denúncia, ele se passou por um bancário e chegou na joalheira dizendo que queria comprar um presente para a esposa.

Porém, quando a vendedora se distraiu ele colocou as correntes no bolso e deixou a loja dizendo que voltaria para escolher a joia. Conforme a decisão da juíza Joana Augusta Elias da Silva, da 2ª vara criminal de Gurupi, o homem foi reconhecido por testemunhas após ser preso em outro estado.

“As três testemunhas reconheceram o acusado, por meio de reportagem televisiva, o qual foi preso, dias após os fatos, por prática de crime da mesma espécie no estado de São Paulo”, afirmou.

Em 2011, Barreira e o irmão, com quem formava dupla, foram presos suspeitos de vários furtos em joalherias. Naquela ocasião, eles foram reconhecidos por pelo menos três donos de lojas. Depois de ficarem mais de dois meses presos em Ibitinga, no interior de São Paulo, foram soltos após pagar fiança.

“[…] modo de agir era o mesmo utilizado no crime em análise, a saber, apresentava-se sempre muito bem vestido, identificando-se como funcionário de instituição financeira”, relatou a juíza.

Após condenar o cantor a dois anos de prisão e pagamento de multa, a juíza decidiu substituir a pena por serviço comunitário. Barreiras terá que trabalhar uma hora por dia e depositar R$ 50 para uma entidade de assistência social durante um ano. G1 ligou para o advogado do cantor no Tocantins, mas as ligações não foram atendidas.

 G1/Tocantins

Trio é preso suspeito de furtar 12 mil litros de combustíveis em Goiás

Combustível era armazenado em uma casa no Setor Marista Sul; Polícia Civil tenta identificar compradores do produto.

Três homens foram presos, nesta sexta-feira (3), suspeitos de furtar, armazenar irregularmente e vender combustíveis em Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital. De acordo com a Polícia Civil, em menos de um mês foram desviados mais de 12 mil litros de diesel de uma transportadora. O produto era vendido mais barato para consumidores, que podem ser responsabilizados.

De acordo com o delegado André Fernandes, responsável pelas investigações, os tanques clandestinos ficavam dentro de uma residência, e que o ponto foi descoberto pela polícia após vizinhos reclamarem do forte cheiro do combustível. Segundo ele, o funcionário de uma transportadora desviava a rota, e passava pelo local para vender o produto a R$ 2 o litro para os receptadores.

“Nós descobrimos que este caminhão, que é responsável por abastecer a frota desta transportadora, saía antes do horário, para desviar a rota, e vender para os receptadores. Nós conseguimos pegar o exato momento em que estava ocorrendo o desvio do caminhão para estes tanques em uma residência”, contou o delegado.

A operação foi deflagrada nesta madrugada, em Aparecida de Goiânia. Os suspeitos foram encontrados em um dos pontos onde havia o armazenamento clandestino do combustível, no Setor Marista Sul. Foram presos o motorista do caminhão, o gerente responsável pelo controle numerário, para organizar a fraude do combustível, e o receptador.

“No momento em que realizamos a prisão, entramos em contato com o dono da empresa, que ficou surpreso. Ele nos informou que aquela rota não pertencia à rota habitual do caminhão, então ficou clara a questão do furto qualificado pelos empregados desta empresa de transporte”, contou.

Conforme o delegado, cada vez que o caminhão-tanque parava no depósito clandestino, eram armazenados cerca de 1,5 mil litros de diesel. Além da casa onde eles foram presos, a polícia identificou outros dois pontos de venda clandestina. O próximo passo das investigações, segundo Fernandes, é identificar os consumidores.

“Estas pessoas estão sendo investigadas. A investigação já perdurava por dois meses, então temos muitas filmagens ao longo deste período. Alguns caminhoneiros paravam em ruas pouco movimentadas, para transferir o combustível de um para o outro”, completou.

Os envolvidos foram levados para o 1º Distrito Policial de Aparecida de Goiânia e devem responder por crime ambiental, furto qualificado e receptação.

G1/Goiás

Fazendeiro é preso suspeito de furtar e abater gado dos vizinhos no sul do Tocantins

Cova com 25 carcaças queimadas e a cabeça de uma vaca com marca de outro rebanho foram encontradas na propriedade dele. Ao menos 100 animais desapareceram na região no último ano.

Um fazendeiro de 48 anos foi preso na região sul do Tocantins suspeito de furtar gado de vizinhos e abater os animais. De acordo com a Polícia Civil, a cabeça de uma vaca marcada com o símbolo do rebanho de outra propriedade da região foi encontrada no local. Além disso, uma cova com 25 carcaças de outros animais também foi identificada dentro da fazenda.

A propriedade em questão fica a cerca de 30 km de Dueré, próximo a Gurupi Tocantins. Segundo as investigações, pelo menos 100 cabeças de gado desapareceram na região no último ano. O homem teria enterrado as carcaças dos animais na tentativa de destruir provas. Os vizinhos contam que o gado desaparecia pouco a pouco e que algumas fazendas perderam mais de 30 animais no ano.

A suspeita é de que a carne era vendida em estabelecimentos da região. Os ossos eram queimados antes de ser enterrados, para dificultar a identificação. De acordo com a Polícia Civil, o homem confessou os crimes. Ele está preso na Casa de Prisão Provisória de Gurupi.

G1/TO

Jovem quebra vidraça para furtar lanchonete, mas é flagrado e detido por segurança

Segundo a polícia, suspeito jogou pedra em vidro e furtou celular de estabelecimento. Segurança viu ação e fez imobilização até a chegada da PM.

Um jovem de 22 anos foi detido pelo segurança de uma lanchonete em Araguaína, norte do Tocantins, na madrugada desta terça-feira (22). Segundo a Polícia Militar, o vigia flagrou o jovem jogando uma pedra na vidraça do estabelecimento para praticar um furto.

A ação aconteceu por volta das 3h. Enquanto o jovem arrombava o comércio, o segurança observava de longe. Depois que o suspeito saiu da loja, o segurança o imobilizou até a chegada da Polícia Militar.

Com o suspeito foi encontrado um aparelho celular, segundo a PM. Ele foi levado para a delegacia de Polícia Civil em Araguaína.

O proprietário disse que esta não é a primeira vez que o comércio é alvo desse tipo de ação. Só este ano, a lanchonete foi arrombada outras quatro vezes. A suspeita é que o mesmo jovem tenha participado dos outros crimes. A presença do segurança foi uma alternativa do dono para evitar maiores prejuízos.

G1/TO

Homem é preso após furtar botijão de gás e carne de comércio

Suspeito havia deixado um presídio onde respondia por outro furto há menos de um mês. PM desconfiou quando ele tentou jogar os objetos fora ao ver a viatura.

Um homem de 22 anos foi preso na madrugada desta quarta-feira (2) com produtos roubados de um comércio no centro de Palmas. Entre os itens encontrados com ele, estão um botijão de gás, 10 quilos de carne, um ventilador e dois litros de leite. Os policiais acharam a atitude do homem suspeita, já que ele tentou se esconder e jogar fora os objetos quando o carro da polícia se aproximou.

O suspeito estava livre há menos de um mês, ele deixou um presídio onde respondia por outro furto realizado na capital recentemente. Além dos produtos roubados também foi encontrado um pé-de-cabra que pode ter sido usado no arrombamento. O comércio assaltado fica na quadra 103 Norte.

Como a prisão foi em flagrante, o homem voltou para o presídio, onde deve aguardar decisão da Justiça.

G1/TO

Polícia desmonta grupo que usa menores para furtar celular

Crimes ocorriam em shoppings e em lojas de operadoras. Chefes do grupo pagavam até R$ 1 mil para adolescentes, que também podiam ficar com celulares.

A Polícia Civil do Distrito Federal iniciou nesta terça-feira (20) uma operação para prender um grupo que furtava celulares de shoppings e lojas de operadoras telefônicas, “empregando” adolescentes. Segundo a Delegacia de Repressão a Roubos e Furtos (DRF), os chefes do grupo pagavam entre R$ 500 e R$ 1 mil pelos serviços e ainda davam um celular para os jovens que fizessem os furtos.

“Em algumas das ações, os menores entravam nas lojas durante o dia e se escondiam atrás de camas e até na tubulação dos shoppings para entrar nas lojas após elas fecharem”, informou o delegado-chefe da DRF, Fernando César Costa. Ao entrarem, os rapazes colocavam tudo em mochilas e só saíam de madrugada, sem serem incomodados por seguranças.

Os adolescentes também contavam com advogado, caso fossem flagrados pela polícia cometendo os crimes. Eles também tinham motoristas à disposição, que ajudavam a fugir em dois carros considerados de alto padrão, que também pertencem ao bando.

As investigações apontam que 1.225 celulares foram levados em todo o país. Considerando apenas 5 das 47 ocorrências de furtos entre janeiro de 2015 e agosto de 2016, o prejuízo é estimado em R$ 2 milhões. Entre outros pontos, os celulares eram revendidos em feiras de Brasília por receptadores.

A ação

Nesta terça, a operação “Parasitus” é concentrada em Santo Antônio do Descoberto, no Entorno do DF. Segundo a polícia, um dos integrantes do grupo chegou a construir uma casa com piscina na cidade.

Ao todo, foram expedidos 45 mandados de busca e apreensão e 32 de prisão. Nesta primeira fase, todos os alvos são maiores de idade. Pelo menos 250 policiais foram mobilizados na operação.

Até a última atualização desta reportagem, três carros e um colete a prova de balas haviam sido apreendidos.

Carro comprado por um dos líderes do grupo cerca de dois meses antes do início da operação (Foto: Polícia Civil/Divulgação)
Carro comprado por um dos líderes do grupo cerca de dois meses antes do início da operação (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Veja onde foram os crimes

  • Distrito Federal: 19
  • São Paulo: 18
  • Bahia: 2
  • Goiás: 2
  • Rio de Janeiro: 2
  • Mato Grosso: 1
  • Minas Gerais: 1
  • Pará: 1
  • Santa Catarina: 1

Três núcleos envolvidos, segundo a polícia

  • Núcleo estratégico: É a cúpula do grupo. Os integrantes deste núcleo possuem poder de comando e decisão. Possivelmente fazem as transações dos produtos furtados com os receptadores e planejam as ações criminosas a nível macro, fornecendo suporte financeiro e até de advogados quando necessário. Os indivíduos quem compõem esse estrato, em regra, possuem diversos antecedentes criminais. O núcleo estratégico é sbudvividido em membros que moram em Santo Antônio do Descoberto (GO) e em Ceilândia (DF).
  • Suporte logístico: Os integrantes deste núcleo fazem a ligação entre os chefes da organização e os infratores que realizam operacionalmente os crimes. São os “aliciadores” (para recrutar os menores de idade, estudar o local dos crimes e até colocar ferramentas para arrombamento) e os motoristas de fuga.
    “Os aliciadores e os motoristas de fugas, em regra, possuem extensa lista de antecedentes criminais, principalmente de crime análogo a furto em comércio quando menores de idade. Esses dados demonstram que ocorre algo semelhante a uma progressão de carreira dentro da organização”, informou o delegado.
  • Núcleo operacional: São os responsáveis pelos crimes de furto de aparelhos celulares em lojas comerciais. Em regra, menores de idade ou indivíduos com aparência infantil e/ou corpo esbelto. São aliciados por um integrante do grupo e começam realizando furto de menor quantidade de eletrônicos em lojas no DF. Posteriormente são levados para cometer semelhante tipo de crimes em outros estados e furtando maior quantidade de aparelhos celulares.