Josi Nunes estuda deixar MDB mas garante que decisão será alinhada com governador

A deputada federal e vice-presidente do MDB no Tocantins, Josi Nunes falou nesta segunda-feira, 12 sobre sua situação na legenda.

Após várias especulações a deputada revelou que está mesmo pensando em deixar os quadros da sigla porém avisa: ” tudo isso será alinhado com o governador Marcelo Miranda”, disse.

Josi disse que recebeu vários convites de partidos e agradeceu porém deixa claro: ” não defini ainda se vou sair mesmo ou para qual partido irei, essa é uma discussão que já conversei com o governador mas que vou conversar com ele novamente e também com o presidente do partido, Derval”, frisou.

Ela deve apeoveitar a janela partidária para mudar de sigla.

A parlamentar contou ainda que não tem nenhum problema com a direção estadual da legenda e que entende as cobranças por fidelidade partidária.

Josi é uma das maiores defensoras da atual gestão do governo e também da candidatura á reeleição do governador Marcelo Miranda, de quem é aliada de primeira hora e permanecerá independente se mudar de legenda.

Movimentações no interior

Por onde passa a deputada vai também ouvindo suas bases.

Com intuito de “descentralizar” as atividades de seu gabinete parlamentar, a deputada realizou no último final de semana, as atividades do seu projeto “Roda de Conversa” nos municípios de Pugmil, Brejinho de Nazaré,  Nova Rosalândia  e Ponte Alta do Tocantins.

Por meio de um bate papo descontraído, a parlamentar ouviu os moradores e suas reivindicações de melhorias para as cidades.

“Sempre que faço minhas visitas aos nossos municípios, procuro me reunir com a comunidade  para ouvir o que o cidadão tem a nos dizer.   Esse contato direto com os eleitores é muito importante para que nós possamos realizar nossa atividade parlamentar pautada pelas necessidades da população”, explica a deputada.

Morador do município de Ponte Alta do Tocantins, o ex-vereador Augustinho Tavares do Santos elogiou a iniciativa da parlamentar. 

“Gosto muito do jeito da Josi e principalmente  de sua maneira de agir. Ela está sempre ao lado do povo; ela vê com carinho os problema s de cada município. A presença dela em nossa comunidade  é um grande diferencial. Ela está sempre presente, essa é a maior qualidade da deputada Josi”, avaliou.

Vale lembrar que o Projeto Roda de Conversa é desenvolvido pelo gabinete da tocantinense  desde o inicio de seu mandato de federal.  O Projeto consiste no contato permanente com a comunidade mostrando como é realizado o trabalho na Câmara Federal e como o cidadão, pode colaborar.

Gazeta do Cerrado/Maju Cotrim

Após rebeliões, governo estuda terceirizar administração de presídios de Goiás

Diretor afirmou que áreas como saúde, telefonia e administração, podem ser geridas por meio de Organizações Sociais (OSs); motins deixaram 9 mortos e 14 feridos na última semana.

Após três rebeliões em menos de uma semana, o diretor Geral de Administração Penitenciária, o coronel Edson Costa, afirmou, nesta quarta-feira (10), que o governo pode terceirizar a gestão de alguns serviços nos presídios de Goiás.

Em entrevista à TV Anhanguera, nesta quarta-feira (10), o coronel afirmou que áreas como saúde, telefonia e administração, podem ser geridas por meio de Organizações Sociais (OSs).

“É importante que tenhamos a visão daquilo que é efetivamente operacional, que é atividade fim, que é de responsabilidade do Estado. Agora Saúde, administração, atendimento de telefone, secretária, todo este serviço nós estamos levantando e ele pode ser terceirizado no sentido de viabilizar que a mão de obra profissional, estes homens que são contratados e são preparados para atuarem na carceragem do sistema prisional, possam realmente ser deslocados para este serviço”, disse o coronel.

Segundo o diretor, medidas como a transferência de presos perigosos para presídios federais, atendendo à determinação da Justiça Federal, bem como a intensificação de vistorias por parte da Administração Penitenciária e os mutirões carcerários previstos pelo Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO) devem melhorar o cenário no sistema prisional.

As medidas foram definidas após visita a Goiânia da ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Ela, que a princípio visitaria o Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, onde rebeliões deixaram 9 mortos e 14 feridos, desistiu da vistoria “por questões de segurança”.

Apesar disto, o coronel Edson Costa reafirmou que o Estado mantém o controle do Complexo Prisional. “Apesar das consequências, nós mantivemos o controle e podemos afirmar para a sociedade que, apesar das dificuldades, nós temos o controle dos presídios”, reforçou.

O coronel disse ainda que, em reunião, na terça-feira (9), com o ministro da Justiça, Torquato Lorena Jardim, o governador Marconi Perillo pediu mais recursos para sanar os problemas carcerários no estado.

“Esse é um problema crônico do país, não é de Goiás, ela continua e precisa de muito recurso. Os problemas no sistema prisional não se resolvem com pouco dinheiro, o investimento é alto”, disse.

Crise no sistema

Até a manhã desta quarta-feira, 71 presos continuavam foragidos do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, em virtude das fugas durante as rebeliões ocorridas na última semana. Revistas após as três ações dos presos encontraram seis armas de fogo.

A primeira rebelião ocorreu no dia 1º de janeiro na Colônia Agroindustrial do Regime Semiaberto, dentro do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. Na ocasião, nove detentos foram mortos, outros 14 ficaram feridos e mais de 200 conseguiram fugir. Quatro dos nove corpos já foram identificados.

A segunda ação ocorreu na mesma unidade prisional, foi controlada pela Polícia Militar e registrou uma fuga. O terceito motim foi feito por presos da Penitenciária Coronel Odenir Guimarães (POG), também situada no Complexo.

Visita da ministra

Cármen Lúcia visitou Goiás na segunda-feira (8). Ela chegou ao Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJ-GO) por volta das 8h50. No local, se encontrou com autoridades como o presidente do órgão, Gilberto Marques Filho, e o governador do estado, Marconi Perillo (PSDB).

Estava prevista uma visita da ministra ao Complexo Prisional, onde ocorreram as três rebeliões. No entanto, a agenda foi cancelada por “questões de segurança”.

Durante o encontro, a ministra alertou para a gravidade da presença de facções criminosas e do tráfico de drogas nos presídios e pediu ações conjuntas e práticas das instituições. Ela também determinou que seja feita nova vistoria nas unidades em que ocorreram as rebeliões na próxima sexta-feira (12).

A ministra já havia ordenado uma vistoria na Colônia Agroindustrial do Regime Semiaberto, onde ocorreram as duas primeiras rebeliões. O relatório com os resultados da inspeção apontou diversas irregularidades no Complexo Prisional.

Além disso, o CNJ já havia avaliado a Colônia e a Penitenciária Coronel Odenir Guimarães (POG) e concluído que a unidade estava em “péssimas” condições. Atualmente, o complexo abriga quase três vezes mais presos do que a capacidade para a qual foi projetado.

Detentos fazem rebeliões em presídios de Aparecida de Goiânia, em Goiás (Foto: Juliane Monteiro/G1)

G1/Goiás