Projeto Nossa Energia em parceria com Assistência Social reúne crianças e adultos em Palmeirópolis

A meta é visitar (49) municípios até final do ano.

Aconteceu nesta quarta-feira (7), na feira do Produtor Rural, da Praça Limirio Viana Guimarães em Palmeirópolis, atividades do Projeto Nossa Energia, desenvolvido pela empresa Energisa em parceria com a secretaria de Assistência Social.

Durante a tarde e à noite, foram promovidas ações de conscientização sobre o uso adequado da energia elétrica, sem desperdício e riscos.

O evento foi aberto ao público e todos puderam participar de brincadeiras, apresentações de teatro com dicas e orientações, palestras educativas e um cinema acompanhado  de pipoca.

Unidade móvel também pode se transformar em palco para apresentações

A ação da Energisa conta com um caminhão totalmente equipado e adaptado para atividades de eficiência energética.

A unidade móvel também pode se transformar em palco para apresentações ou em laboratório completo, com diversas atividades e experiências sobre consumo consciente.

O presidente do Conselho dos Consumidores de Energia do estado Tocantins Rudnei Fonseca, destacou a nossa equipe que está participando junto com a Energisa, levando cultura e educação as crianças. “Realizamos ações educativas e interativas, uma forma de atrair o público infantil e fazer com que cada um entenda a importância do uso correto, seguro e racional da energia”, ressalta.

Presidente do Conselho dos Consumidores de Energia do estado Tocantins Rudnei Fonseca.

Rudnei aproveitou a oportunidade para agradecer a primeira dama Ana Paula e o prefeito Fabio Vaz, pelo espaço em Palmeirópolis.

O Projeto Nossa Energia faz parte do Programa de Eficiência Energética da Aneel e é desenvolvido pela Energisa.

Todas as crianças puderam participar de brincadeiras

Da redação

Carreta desgovernada derruba poste e deixa quase três mil casas sem energia

Ao todo, 2.983 unidades consumidoras ficaram sem energia em Paraíso do Tocantins. Testemunhas contaram que carreta estava sem motorista e desceu avenida desgovernada.

Uma carreta desgovernada derrubou um poste na Avenida Transbrasiliana e deixou quase 3 mil unidades consumidoras sem energia em Paraíso do Tocantins, a 63 quilômetros de Palmas. Testemunhas contaram que o veículo estava parado sem o motorista e começou a descer a avenida desgovernado. Com o impacto, a frente da carreta ficou destruída.

A concessionária de energia do Tocantins, Energisa, disse que 2.983 clientes tiveram o fornecimento de energia prejudicado. Porém, o serviço foi reestabelecido para a maioria antes das 15h. Cerca de 330 unidades devem ter a eletricidade religada nas próximas horas.

Apesar do susto, ninguém se feriu. A Polícia Militar foi acionada para controlar o tráfego e a perícia esteve no local.Acidente deixou diversas casas sem energia elétrica (Foto: Divulgação/Surgiu)

Um caso semelhante foi registrado há duas semanas no centro de Darcinópolis, região norte do Tocantins. Uma carreta que estava estacionada em um posto de combustíveis desceu uma ladeira após ter uma falha mecânica. O carro atravessou a BR-226 e ainda derrubou um poste de energia elétrica antes de bater em uma casa e parar. Ninguém se feriu. 

G1/Tocantins

Energisa afirma que taxas do Governo encarecem energia no Estado

Para Damaso, a população do Tocantins paga uma tarifa muito cara e ainda recebe serviços mal prestados pela concessionária.

O presidente da Energisa, Márcio Zidan, disse em audiência pública realizada pela Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa na manhã desta terça-feira, dia 31, que o valor da energia no Tocantins vem sendo acrescido em função do aumento das taxas do governo estadual.

Solicitada pelo deputado Osires Damaso (PSC) e coordenada por Elenil da Penha (PMDB), a audiência pretendia obter esclarecimento sobre as razões que levam a população a pagar uma das tarifas de energia mais altas do país.

Segundo dados apresentados na reunião, a conta de energia vem sofrendo acréscimos desde 2013, sendo que a chamada parcela “A”, composta por 70% das tarifas comandadas pelo Governo e o transmissor da energia, é justamente a reajustada no período. Já os 30% restantes, denominados parcela “B”, que segundo Márcio cabem à Energisa, tiveram decréscimo de 0,30% de 2013 para 2017.

Para Damaso, a população do Tocantins paga uma tarifa muito cara e ainda recebe serviços mal prestados pela concessionária. “Além da conta de luz, tudo que se precisa da Energisa se paga. Se a empresa troca um poste mal colocado na porta de um estabelecimento, o proprietário tem de pagar pelo serviço e pelo novo material”, criticou.

Olyntho Neto (PSDB), por sua vez, comentou sobre a falta de energia provocada por queimadas. Ele lembrou o ocorrido em Carmolândia, onde um incêndio causou inúmeros prejuízos, como a morte de animais. Segundo o parlamentar, a causa do acidente foi apontada por “falha na rede elétrica”.

Conforme o deputado, o caso está sob inquérito da Polícia Federal (PF) e outros órgãos, que deverão apontar os culpados pelo incêndio. Olyntho ainda pediu que a empresa apresente plano de investimento em manutenção das redes de transmissão da Energisa.

Presente à reunião, o defensor público Edivan de Carvalho Miranda questionou o presidente da Energisa sobre as soluções para acelerar o atendimento nas ocorrências acerca de equipamentos queimados por queda de energia e no caso de contas cobradas acima da média.

Edivan disse que o consumidor, quando vai à Defensoria Pública, já recorreu à empresa e até mesmo ao Procon e não teve seu problema resolvido. “Recebemos situações em que uma unidade consumidora que paga uma tarifa mínima, de uma hora pra outra a conta supera os mil reais, num flagrante erro da empresa”, exemplificou.

Por fim, Márcio Zidan garantiu que o investimento da concessionária continua alto em prevenção das redes e investe maciçamente em campanha contra queimadas. Em resposta ao deputado Olyntho Neto, Zidan mencionou que colabora com as investigações em Carmolândia e que os materiais danificados por queimadas são substituídos, pois não usa cabos nem outro material com defeito.

Elpídio Lopes
Foto: Isis Oliveira

Audiência debate aumento de tarifas de energia elétrica nesta terça-feira

Conta de luz poderá ficar ainda mais cara, revela Ministro de Energia.

A Assembleia Legislativa do Tocantins, por intermédio do deputado Osires Damaso (PSC), realiza nesta terça-feira, dia 31, audiência pública para discutir o aumento das tarifas de energia elétrica no Estado. A sessão começa às 8 horas, no plenarinho da Casa.

O deputado quer mais esclarecimentos sobre as razões que levam a população do Tocantins a pagar uma das tarifas de energia mais altas do país. Também estão na pauta de discussão os últimos aumentos de tarifas repassados aos consumidores e a qualidade dos serviços prestados pela concessionária de energia no Estado, a Energisa.

A sessão será aberta à participação da população e vai contar com representantes do Procon, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-TO), Defensoria Pública, Ministério Público Estadual,  Fieto, entidades classistas e representantes da sociedade civil.

Coordenadoria Imprensa e Divulgacao
Penaforte Diaz.
Foto: Isis Oliveira

 

Corpo de bebê que morreu em hospital de Palmas após queda de energia é enterrado

Corpo de bebê que morreu em hospital de Palmas após queda de energia é enterrado.

O corpo do bebê João Marques de Sá, de 10 meses, foi enterrado na noite desta quinta-feira (5), em Araguacema, região norte do Tocantins. A amiga da família, Mara Cleide, contou que o corpo chegou à cidade por volta das 20h e uma hora depois, foi realizado o enterro. O menino morreu na última quarta-feira (4) na emergência do Hospital Infantil de Palmas, após uma queda de energia durante chuva.

Mara disse que a família não tinha condições para fazer o embalsamento, por isso houve rapidez no enterro. “Os pais estão muito mal e revoltados. Estão indignados porque não precisava ter acontecido isso”, argumentou a assistente social, que mora em Palmas e deu suporte à família.

O bebê estava internado na unidade com pneumonia. Ele respirava com ajuda de aparelhos. Segundo os pais, o equipamento parou de funcionar quando o hospital ficou sem energia. O gerador que deveria evitar o transtorno também parou. Os médicos tentaram improvisar com uma extensão, mas não deu certo.

“A extensão que eles arrumaram não dava para ligar todos os aparelhos que tinham lá. Até a médica brigou, mas eles falaram que não poderiam fazer nada”, conta a mãe Larissa de Souza Sá.

Sem receber oxigênio pelo aparelho, João Marques de Sá, de 10 de meses, não resistiu. A dona de casa Deuziane Batista, que estava com a filha internada na unidade, presenciou o momento de aflição. “A gente ficou usando lanterna de celular e umas lanternas que ficam nas tomadas enquanto o gerador não voltava”.

Um trecho do laudo do Serviço de Verificação de Óbito diz que o bebê estava entubado com ventilação mecânica, faltou energia e o respirador não funcionou, então, foi tentado cateter nasal, sem êxito. Na certidão de óbito, o médico do IML, disse que o bebê morreu por causa de problemas respiratórios.

A Secretaria Estadual de Saúde confirmou que as frequentes quedas de energia causaram transtornos no Hospital Infantil, mesmo abastecido por um gerador e que em consequência disto, João Marques, morreu. A secretaria também informou que abriu uma sindicância para investigar a morte do bebê.

Menino morreu em hospital após queda de energia (Foto: Arquivo Pessoal)

João era o único filho de José Marques e da Larissa. Eles querem que o caso seja investigado. “Tinha que ter uma manutenção, tinha que fazer alguma coisa porque isso não pode acontecer com outras crianças. Meu bebezinho só tinha 10 meses”, disse emocionado.

Pais de bebê que morrem em hospital cobram investigação (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

G1/TO

Deputado Gaguim solicitou estudo afim de reduzir tarifas de energia no TO

Atuação Parlamentar Deputado Carlos Henrique Gaguim.

O Deputado Federal, Carlos Henrique Gaguim, Podemos-TO, utilizou a Tribuna da Câmara dos Deputados para informar que solicitou um estudo para técnicos da área de energia, no sentido de se verificar uma forma de redução do valor das tarifas de energia elétrica praticada no Estado do Tocantins.

O ex-governador explicou: “o Estado do Tocantins, tem a energia elétrica mais cara do País, no entanto o Tocantins é gerador de energia elétrica, distribui a energia para outros estados e está comprando esta mesma energia por um alto valor. Temos que mudar isso!”

Taxa mais cara do Brasil

Há dois meses, o tocantinense teve um aumento de 10,75% na tarifa de energia elétrica, já que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorizou a Companhia de Energia Elétrica do Estado do Tocantins (Celtins) a reajustar os preços.

Segundo a Aneel o reajuste de 10,75% foi para os consumidores residenciais (Classe B1) e afetou 34 mil unidades consumidoras localizadas nos 139 municípios de Tocantins.

“A terceira tarifa de energia elétrica mais cara do Brasil. Esse é o problema que temos que resolver! finalizou Gaguim.

Ascom/Deputado Gaguim/Câmara dos deputados

Caminhão da companhia de energia pega fogo durante atendimento na zona rural

Incêndio que destruiu o veículo aconteceu na Serra do Carmo, zona rural de Palmas. Causas das chamas estão sendo investigadas.

Um veículo da companhia de energia elétrica do Tocantins, a Energisa, pegou fogo na Serra do Carmo, na zona rural de Palmas. O incidente aconteceu enquanto uma equipe fazia serviços de manutenção no local.

O caso foi registrado nesta segunda-feira (7). A companhia de energia informou que as chamas atingiram apenas o veículo. O local ficou tomado por fumaça, mas ninguém ficou ferido.

O Corpo de Bombeiros não deu detalhes sobre o caso. As causas do incêndio ainda são desconhecidas, mas estão sendo investigadas.

G1/TO

Tarifa de energia para os consumidores do Tocantins terá alta em julho

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) autorizou nesta terça-feira (27) um aumento médio de 6,02% para as tarifas de energia da Energisa Tocantins, distribuidora responsável por atender aos consumidores do estado do Tocantins.

Para residenciais, o reajuste médio será de 5,5%. Para os consumidores industriais, atendidos em alta tensão, a alta médi será de 7,72%.

As novas tarifas podem ser aplicadas a partir do dia 4 de julho.

G1/TO

Conta de luz terá bandeira amarela em março, com extra de R$ 2 a cada 100 kWh

A bandeira tarifária que será aplicada nas contas de luz em março será amarela, ou seja, com cobrança extra de R$ 2 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. A bandeira amarela é ativada quando é preciso acionar mais usinas termelétricas, por causa da falta de chuvas.

Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a previsão de chuvas nos reservatórios das hidrelétricas no mês de março ficou abaixo da expectativa anterior, o que levou a indicação de maior geração termelétrica como medida para preservar os níveis de armazenamento e garantir o atendimento à carga do sistema.

Desde dezembro, a bandeira tarifária estava verde, sem custo extra para os consumidores. Na semana passada, a Aneel aprovou os novos valores para as bandeiras neste ano.

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado em 2015 como forma de recompor os gastos extras com a utilização de energia de usinas termelétricas, que é mais cara do que a de hidrelétricas. A cor da bandeira é impressa na conta de luz (vermelha, amarela ou verde) e indica o custo da energia em função das condições de geração de eletricidade.

Quando chove menos, por exemplo, os reservatórios das hidrelétricas ficam mais vazios e é preciso acionar mais termelétricas para garantir o suprimento de energia no país. Nesse caso, a bandeira fica amarela ou vermelha, de acordo com o custo de operação das termelétricas acionadas.(Fonte:Agência Brasil)

Horário de verão termina daqui a uma semana

O horário de verão acaba no próximo domingo (19), a partir da 0h, quando os relógios devem ser atrasados em uma hora nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. A medida, em vigor desde outubro, tem como objetivo aproveitar melhor a luz solar durante o período do verão, além de estimular o uso consciente da energia elétrica.

A mudança de horário é adotada no Brasil desde 1931, e visa proporcionar uma economia de energia para o país, com um menor consumo no horário de pico (das 18h às 21h), pelo aproveitamento maior da luminosidade natural. Com isso, o uso de energia gerada por termelétricas pode ser evitado, reduzindo o custo da geração de eletricidade.

A previsão do governo é que o Horário de Verão deste ano resulte em uma economia de R$ 147,5 milhões, por causa da redução do uso de energia de termelétricas. Na edição anterior (2015/2016), a adoção do horário de verão possibilitou uma economia de R$ 162 milhões.(fonte:agência brasil)