Seis postes são derrubados e moradores ficam sem energia após batida de carro

Ocorrência foi registrada na Arse 22 (antiga 306 sul) em Palmas. De acordo com a Energisa, até julho desse ano, 250 foram danificados em acidentes de trânsito no Tocantins.

Seis postes foram derrubados em uma batida de carro na manhã deste domingo (12). O acidente aconteceu às 6h39, na Arse 22 (antiga 306 sul), em Palmas. Alguns moradores da quadra estão sem energia. O Corpo de Bombeiros informou que o motorista recusou atendimento.

Segundo a concessionária de energia elétrica, Energisa, ao todo, 2.958 clientes foram impactados. Desses, 22 continuam sem energia. O fornecimento deve ser restabelecido até o final da obra de correção que a distribuidora está realizando no local.

De acordo com a Energisa, até julho desse ano, 250 postes foram danificados em acidentes de trânsito no Tocantins.

Conforme a Energisa, o desligamento dos clientes ocorreu de forma automática, sendo realizado pelo sistema de proteção da rede, para garantir a segurança de quem estava no veículo e da comunidade do entorno.

Batida de carro provocou a queda de seis postes (Foto: Divulgação)Batida de carro provocou a queda de seis postes (Foto: Divulgação)

Batida de carro provocou a queda de seis postes (Foto: Divulgação)

Outros acidentes

No dia 8 de junho, um caminhão e um carro de passeio se envolveram em um acidente na avenida Juscelino Kubitschek, perto de um shopping de Palmas. Testemunhas relataram que ao passar por uma rotatória, o caminhão imprensou o carro, que bateu em um poste. O veículo ficou completamente destruído.

Imagens feitas pela TV Anhanguera mostraram o momento em que a estudante de medicina Laís Gontijo, de 24 anos, foi resgatada. Ela ficou presa às ferragens após bater o carro em um poste, na avenida Juscelino Kubitschek, perto de um shopping de Palmas.

Em abril, um casal ficou ferido após um carro bater de frente com um poste em Palmas. O acidente aconteceu na Avenida JK, saída para Paraíso do Tocantins. A mulher ficou presa às ferragens e o carro teve a frente destruída.

Prejuízo

A Energisa informou que o custo médio de substituição de postes é de R$ 3 mil e deve ser pago pelo condutor responsável pela batida. Quando um transformador é afetado no acidente envolvendo poste, esse custo pode ultrapassar os R$ 10 mil.

“O custo de substituição não se resume somente aos postes derrubados, pois depois de trocar o poste é necessário que seja feita uma inspeção no trecho afetado com o intuito de verificar a existência de alguma anomalia na rede consequente da colisão. Caso existam mais estruturas condenadas pela colisão, o custo pode se elevar bastante”, disse a concessionária.

Recomendação

A Energisa orienta que, caso tenha cabo rompido por causa da batida, a vítima deve permanecer dentro do veículo e pedir ajuda, acionando o Corpo de Bombeiros e a Energisa pelo 0800 721 3330.

Para quem presencia o acidente, a orientação é a mesma: entrar em contato com a distribuidora e jamais se aproximar dos cabos de energia. Chegando ao local, a Energisa irá isolar a área de risco e adotar as medidas de segurança necessárias.

Com a batida, seis postes foram danificados  (Foto: Mazim Aguiar/TV Anhanguera)Com a batida, seis postes foram danificados  (Foto: Mazim Aguiar/TV Anhanguera)

Com a batida, seis postes foram danificados (Foto: Mazim Aguiar/TV Anhanguera).

G1 Tocantins.

Aumento na tarifa de energia no período de estiagem preocupa consumidores

O Governo Federal programou uma nova taxa que passar a valer no próximo ano. A população atualmente recebe diversas cobranças obrigatórias em sua tarifa; entenda.

A tarifa de energia elétrica tem pesado no orçamento de muita gente no Tocantins. E nesse período do ano, a conta só tende a aumentar por causa do período quente e do uso de equipamentos como o ar-condicionado. Além disso, o Governo Federal anunciou uma nova taxa na conta de luz que deve começar a valer no próximo ano.

Essa novidade causou mais preocupação nos consumidores. A funcionária Pública Simone Dias reclama que a conta tem aumentado todos os meses e a concessionária diz que cobrança está normal.

“Eles falam que é por causa da bandeira tarifária que agora está vermelha, além daquele aumento anual que tem da própria empresa. Por isso teve esse aumento, mas quando você vai olhar o consumo você vê que não justifica isso”, disse.

Para tentar diminuir a conta, a servidora pública tem procurado economizar. Quando pode, desliga até algumas chaves do disjuntor e evita utilizar o ar-condicionado.

A tarifa de energia elétrica possui diversas cobranças obrigatórias. Sendo 30,68% para a geração de energia, 3,07% para a transmissão e 30,20% que é recebido pela concessionária. Além disso, 36,05% são de tributos e encargos setoriais que vão para o governo.

Em cada região, a prefeitura também estipula um valor para a taxa de iluminação pública, além de contar também com a bandeira tarifária, que está no vermelho desde junho deste ano.

Para o economista Marcello Bezerra, os consumidores precisam se organizar. “O que ele tem que fazer é reduzir a despesa em outras áreas. Além de diminuir o uso do ar-condicionado ou não utilizar. Só assim, vai conseguir reduzir o valor da tarifa”, afirmou.

G1 Tocantins.

OAB-TO cobra explicações sobre aumento de energia no Tocantins

Ofícios foram enviados à Aneel e à Energisa, após anúncio de reajuste de 10,13% na tarifa.

A OAB-TO (Ordem dos Advogados do Brasil no Tocantins), por meio da Comissão de Defesa do Consumidor, enviou, nesta quinta-feira, 5 de julho, ofícios para a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) e para Energisa, concessionária responsável pela distribuição de energia no Tocantins, cobrando explicações para o reajuste de 10,13% na conta de energia dos tocantinenses.

No ofício, a comissão quer saber os detalhes dos motivos que levaram a Aneel a autorizar e a Energisa aplicar tal aumento, que vai incidir diretamente no aumento do custo de vida e do trabalho de todas as empresas do Estado.

Para o presidente da comissão, Ênio Horst, o reajuste é elevado é muito acima da inflação. A comissão quer as respostas oficiais para estudar as medidas a serem tomadas, ou não, posteriormente. “Sabemos que houve reajustes em quase todo o Brasil, mas vamos analisar com detalhes o nosso caso”, destacou.

Foto: Ênio Horst, presidente da Comissão
Daniel Machado

Energia elétrica vai ficar 10,13% mais cara no Tocantins a partir desta quarta-feira (4)

Aumento foi anunciado durante a manhã, em Palmas. Mais de 575 mil unidades consumidoras serão impactadas no estado.

Foi anunciado na manhã desta terça-feira (3) um aumento médio de 10,13% na tarifa de energia elétrica no Tocantins. O aumento foi autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e anunciado pela Energisa. A empresa atende mais de 575 mil unidades consumidoras no Tocantins.

A nova tarifa começa a valer a partir desta quarta-feira (4). O aumento será de 10,15% para consumidores residenciais. Para as indústrias, o reajustes é de 10,04%.

Os novos percentuais foram aprovados nesta terça-feira (3) pela diretoria da Aneel.

O reajuste é calculado considerando a variação de custos da prestação do serviço. Além disso, o cálculo leva em conta a aquisição e a transmissão de energia elétrica e os encargos setoriais.

Mais de 750 ‘gatos’ de energia são encontrados por mês no Tocantins

 

Foram 12,7 mil ligações irregulares encontradas entre janeiro de 2017 e maio de 2018.Todos os consumidores acabam pagando a conta, pois 6% da tarifa são para cobrir perdas com furtos.

Mais de 12,7 mil ligações clandestinas na rede de energia elétrica foram encontradas no Tocantins entre janeiro de 2017 e maio de 2018. São mais de 750 ‘gatos’ localizados por mês, 24 por dia. Segundo a Energisa, concessionária de energia do estado, a eletricidade furtada seria suficiente para abastecer 22 mil casas. Além disso, todos os usuários acabam pagando a conta deste crime.

De acordo com a empresa, houve uma redução de 44% nos furtos de energia, entre 2016 e 2017. Porém, cada vez mais é necessário investimento na fiscalização dos ‘gatos’, aumentando também o custo do serviço.

Além disso, 6% do valor pago em cada tarifa são destinados para cobrir os gastos com o furto de energia. “Parte do valor da energia furtada é dividida entre todos os outros clientes. Quando alguém furta energia está prejudicando toda vizinhança”, afirma o gerente de Combate a Perdas da Energisa, Helier Fioravante.

Os furtos de energia vão desde ligações clandestinas até fraudes nos medidores. Ambos os casos são crimes previstos no código penal e pelo menos 15 pessoas foram presas neste ano. Os ‘gatos’ também podem causar acidentes fatais, interromper os serviço e prejudicar a qualidade da distribuição de energia.

G1 Tocantins.

Conta de energia elétrica: maio começa com bandeira tarifária mais cara

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) mudou a bandeira tarifária de verde para amarela.

Com a entrada no mês de maio, os consumidores sentirão um aumento nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) mudou a bandeira tarifária de verde para amarela.

O valor cobrado com a alteração será de R$ 1 a cada 100 kilowatt hora (kWh) consumidos. Segundo a Aneel, a mudança ocorre em razão do final do período chuvoso.

Com o início do período seco, cai o volume de chuva sobre os reservatórios das principais usinas hidrelétricas geradoras do país. Com isso, há a necessidade de se fazer uso da energia produzida pelas usinas termelétricas, que têm maior custo de produção.

Composto pelas cores verde, amarela e vermelha (patamar 1 e 2), o sistema de bandeiras foi criado, de acordo com a Aneel, para sinalizar aos consumidores os custos reais da geração de energia elétrica.

Com a adoção da bandeira amarela, a Aneel aconselha os consumidores a adotar hábitos que contribuam para a economia de energia, como tomar banhos mais curtos utilizando o chuveiro elétrico, não deixar a porta da geladeira aberta e não deixar portas e janelas abertas em ambientes com ar-condicionado.

Projeto de Lei que proíbe cobrança de taxa de religação de água e energia é aprovado

Aprovado por unanimidade, o projeto agora precisa ser sancionado pela prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro (PSDB), para entrar em vigor.

O projeto de Lei que proíbe a cobrança de taxas para religação ou restabelecimento dos serviços de água e energia, de autoria do vereador Diogo Fernandes (PSD), foi aprovado em sessão plenária na manhã desta quarta-feira, 18. Em entrevista, Diogo disse que o projeto “visa corrigir uma injustiça que as concessionárias comentem com os consumidores”.

Aprovado por unanimidade, o projeto agora precisa ser sancionado pela prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro (PSDB), para entrar em vigor, como ressaltou o vereador.

Diogo expôs que outras taxas já estão embutidas na próxima fatura caso ocorra atraso no pagamento da conta, que são os juros e multas cobrados pelas concessionárias de água e energia.

Portanto, não há, de acordo com o vereador, necessidade de uma taxa extra de religamento. “O consumidor quando deixa a fatura atrasar, ele paga juros e multas, que inclusive estão acima da inflação, que são altíssimas”.

O vereador apontou, também, que as empresas responsáveis pelo fornecimento de água e energia obtem lucros altos, não justificando a cobrança de mais ônus ao consumidor. “Os lucros dessas empresas são bilionários. Não justifica a taxa. Água e energia são bens sociais” finalizou Diogo.

Projeto de Lei

Em caso de descumprimento, está prevista a cobrança de multas nos valores de R$ 5 mil reais e de R$ 10 mil reais no caso de reincidência da cobrança dos serviços de religação. A Secretaria Municipal de Finanças e a Agencia Reguladora serão as  responsáveis pela fiscalização e para receberem as denúncias por parte da população. 

“A gente já paga uma taxa tão alta de energia aqui em Palmas”, apontou Francisca Darc, moradora da capital. “Além de ter cobranças altíssimas, depois de pagar por juros e multas ainda ter que pagar mais esta conta na hora da religação é muito absurdo mesmo”.

Energia é restabelecida nas cidades; ONS vai investigar causas do apagão

Aos poucos energia é restabelecida nas cidades e estados que sofreram com apagão.

À imprensa, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) informou por meio de nota que o apagão que atingiu vários estados em todo o país ocorreu devido falhas técnicas na Usina de Belo Monte. A queda ocorreu principalmente no Norte e Nordeste.

No fim da tarde desta quarta-feira, 21, a energia estava restabelecida em algumas cidades, progressivamente nos estados, mas ainda não há dados oficiais.

No Tocantins, a energia foi restabelecida nas cidades de Palmas, Araguaína, Gurupi, Colinas e no Bico do Papagaio após quase duas horas de interrupção.

Todas as 139 cidades do Estado foram afetadas. Na Capital os semáforos deixaram de funcionar e a Prefeitura orientou, por nota, aos palmenses, prudência no trânsito.

Além do Tocantins também foram atingidos os Estados de Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Piauí, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rondônia e Sergipe. As causas de desligamento estão sendo investigadas. 

Confira a nota na íntegra:

NOTA À IMPRENSA – OCORRÊNCIA NO SIN – 21/03/2018

Hoje, 21 de março, às 15h48, uma perturbação no Sistema Interligado Nacional – SIN causou o desligamento de cerca de 18.000MW, majoritariamente localizados nas regiões Norte e Nordeste, correspondendo a 22,5% da carga total do SIN naquele momento.

Em consequência da perda de carga, entrou em funcionamento o primeiro estágio do Esquema Regional de Alívio de Carga do Sistema Sul, Sudeste e Centro-Oeste, com corte automático de consumidores, no montante de 4.200MW. 

Os sistemas Sul, Sudeste e Centro-Oeste ficaram desconectados do Norte e Nordeste.

Às 16h15 já havia sido realizada a recomposição de praticamente toda a carga no Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

As equipes do ONS estão neste momento dedicadas à recomposição dos sistemas Norte e Nordeste, já em curso.

As causas de desligamento estão sendo investigadas. 

Novas informações serão atualizadas tão logo estejam disponíveis. 

Assessoria de Imprensa/Operador Nacional do Sistema Elétrico

Not

Todas as cidades do TO ficam sem energia após apagão no Norte e Nordeste do país

Amazonas, Alagoas, Sergipe, Ceará, Paraíba, Piauí, Pernambuco, Amapá, Rio Grande do Norte, Pará, Maranhão e Bahia também registraram o problema.

A energia voltou em Palmas, Araguaína, Gurupi, Colinas e na região do Bico do Papaguaio, após 1h30 de interrupção.

O Hospital Geral de Palmas, a Universidade Federal do Tocantins e vários semáforos, além de quadras na região sul da capital foram afetados na tarde desta quarta-feira (21) por causa de um apagão.

Todas as cidades do estado foram atingidas.

Segundo a Energisa, energia será retomada aos poucos em todo o estado. Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Piauí, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe também registraram o problema.

Também houve registro de falta de energia em São Paulo e Minas Gerais.

Em nota, a Prefeitura de Palmas pediu colaboração e prudência dos motoristas, motociclistas, ciclistas e pedestres enquanto a queda de energia persistir. Informou que quipes de agentes de trânsito estão transitando por toda a Avenida Teotônio Segurado.

Segundo a Energisa um problema técnico na Usina de Belomonte interrompeu o fornecimento de energia para as regiões Norte, Nordeste e parte do Sudeste.

O Operador Nacional do Sistema Elétrico informou que por volta das 15h48, uma perturbação causou o desligamento nas regiões Norte e Nordeste.

Em consequência da perda de carga, entrou em funcionamento o primeiro estágio do Esquema Regional de Alívio de Carga do Sistema Sul, Sudeste e Centro-Oeste, com corte automático de consumidores.

Os sistemas Sul, Sudeste e Centro-Oeste ficaram desconectados do Norte e Nordeste.

Às 16h15 já havia sido realizada a recomposição de praticamente toda a carga no Sul, Sudeste e Centro-Oeste. 

O site segue acompanhando o caso.

G1 Tocantins

Projeto Nossa Energia em parceria com Assistência Social reúne crianças e adultos em Palmeirópolis

A meta é visitar (49) municípios até final do ano.

Aconteceu nesta quarta-feira (7), na feira do Produtor Rural, da Praça Limirio Viana Guimarães em Palmeirópolis, atividades do Projeto Nossa Energia, desenvolvido pela empresa Energisa em parceria com a secretaria de Assistência Social.

Durante a tarde e à noite, foram promovidas ações de conscientização sobre o uso adequado da energia elétrica, sem desperdício e riscos.

O evento foi aberto ao público e todos puderam participar de brincadeiras, apresentações de teatro com dicas e orientações, palestras educativas e um cinema acompanhado  de pipoca.

Unidade móvel também pode se transformar em palco para apresentações

A ação da Energisa conta com um caminhão totalmente equipado e adaptado para atividades de eficiência energética.

A unidade móvel também pode se transformar em palco para apresentações ou em laboratório completo, com diversas atividades e experiências sobre consumo consciente.

O presidente do Conselho dos Consumidores de Energia do estado Tocantins Rudnei Fonseca, destacou a nossa equipe que está participando junto com a Energisa, levando cultura e educação as crianças. “Realizamos ações educativas e interativas, uma forma de atrair o público infantil e fazer com que cada um entenda a importância do uso correto, seguro e racional da energia”, ressalta.

Presidente do Conselho dos Consumidores de Energia do estado Tocantins Rudnei Fonseca.

Rudnei aproveitou a oportunidade para agradecer a primeira dama Ana Paula e o prefeito Fabio Vaz, pelo espaço em Palmeirópolis.

O Projeto Nossa Energia faz parte do Programa de Eficiência Energética da Aneel e é desenvolvido pela Energisa.

Todas as crianças puderam participar de brincadeiras

Da redação