Investigação aponta que jovem encontrada perto de lixão no Tocantins foi morta por vizinho

Suspeito passou cerca de 40 vezes na frente da casa da vítima um dia antes do crime. Após quebra de sigilo telefônico, delegada verificou que rapaz tinha paixão não correspondida pela mulher.

A polícia identificou o suspeito de ter matado a jovem Taísa Ribeiro, 24 anos, em Paraíso do Tocantins. Ela desapareceu em novembro e foi encontrada quatro dias depois perto de um lixão. Conforme a delegada Raimunda Bezerra, o suspeito é o mesmo que aparece pulando o muro da vítima na noite em que ela desapareceu.

O crime foi supostamente cometido por um vizinho que tinha uma paixão não correspondida pela vítima há pouco mais de um mês. “Um dia antes de ela desaparecer, ele passou de 30 a 40 vezes na frente da casa dela, indo e voltando”, afirmou a delegada. A vítima pode ter sido morta por asfixia, pois não foram encontradas marcas de violência no corpo.

A delegada revelou que as imagens não mostram o suspeito entrando na casa de Taísa, o que sugere que ele entrou por outro local. “O exame pericial constatou que ele só pulou para sair, ou seja, estava no local e possivelmente entrou pelo fundo.

Mas o muro na parte de trás e bem alto e tem apenas uma brecha que dá na casa em que o suspeito morava. Segundo testemunhas, era comum ele pular e ficar vigiando ela.” 

Inicialmente, a polícia investigava dois ex-companheiros da mulher e um terceiro sujeito com quem ela tinha marcado um encontro no dia que desapareceu.

Porém, as suspeitas foram descartadas depois que a delegada conseguiu quebrar o sigilo do telefone da vítima. “De toda forma foi um crime passional, um feminicídio”, comentou.

As investigações foram feitas pela Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) de Paraíso do Tocantins.

A delegada Raimunda Bezerra pediu a prisão do suspeito, que tem 24 anos, e diz que ele possuía histórico de violência doméstica.

“Ele tem um problema, ficou vários dias na UTI após um acidente e devido a esse amor não correspondido ficou mais introspectivo e depressivo. É uma pessoa sem residência fixa, rejeitado pela família.”

Entenda

Câmeras de segurança de um comércio registraram os últimos momentos de Taísa Ribeiro, 24 anos, antes de desaparecer. O corpo dela foi encontrado no dia 23 de novembro próximo de um lixão, após a jovem ficar quatro dias desaparecida em Paraíso do Tocantins.

As imagens são da madrugada de domingo (19) e mostram a mulher saindo de casa e sendo seguida por um homem. Conforme a Polícia Civil, a vítima sumiu depois de marcar um encontro por meio de um aplicativo de celular. 

A mulher deixou três filhos de 5, 7 e 11 anos. 

G1 Tocantins

Corpo de jovem encontrada morta após marcar encontro foi enterrado no TO

Taísa Ribeiro deixa três filhos, de cinco, sete e 11 anos. Ela desapareceu no dia 19 deste mês; imagens de câmeras de segurança mostram homem seguindo vítima.

O corpo de Taísa Ribeiro, de 24 anos, que foi encontrada morta perto do lixão de Paraíso do Tocantins, foi enterrado na manhã desta sexta-feira (24), em um cemitério da cidade. 
Ela sumiu no dia 19 deste mês após marcar um encontro com um homem. O tio da vítima, Edvaldo Gonçalves disse que os parentes ainda não sabem o que realmente aconteceu. Taísa deixa três filhos, de 5, 7 e 11 anos.

O velório começou por volta das 15h30 desta quinta-feira e seguiu até a manhã desta sexta. O corpo foi encontrado em avançado estado de decomposição, no setor Nova Esperança.

“Estamos sem resposta, não sabemos o que aconteceu. Como podem ter feito tamanha crueldade. Nós que tínhamos sempre a presença dela, sabemos que ela queria o bem de todos. Os filhos são muito pequenos, eles ainda não conseguem saber o tamanho da gravidade disso na vida deles”, disse.

Câmeras de segurança de um comércio registraram os últimos momentos de Taísa antes de desaparecer. As imagens mostram a jovem saindo da casa dela 1h07 da madrugada de domingo (19). Cerca de um minuto depois, um homem aparece no vídeo após pular um muro e começa a correr pela rua, supostamente atrás da vítima.

“O vídeo está sendo periciado e os parentes dela identificaram como sendo um dos ex-companheiros da vítima”, disse a delegada. 

A polícia investiga o caso como crime passional e até o momento tem três suspeitos, dois ex-companheiros da jovem e o homem com quem ela marcou o encontro. Os nomes dos suspeitos não foram divulgados para não atrapalhar as investigações.

Um dos suspeitos é o pai dos três filhos da jovem. Ele mora no Pará e foi ouvido por um delegado em Redenção. Durante a manhã desta quinta-feira (23), o outro homem que marcou encontro com Taísa foi ouvido em Paraíso do Tocantins e liberado. A polícia ainda não ouviu o segundo ex-companheiro da vítima.

O corpo de Taísa foi encaminhado para o IML de Palmas e passou por exames antes de seguir para o velório. 

G1/Tocantins

Jiboia de 2 metros é encontrada dentro do quarto em uma casa no Tocantins

Segundo Polícia Militar Ambiental, o animal estava bem e o por isso os policias resolveram soltá-lo em uma mata da cidade.

Uma jiboia de dois metros foi encontrada dentro do quarto de uma casa na cidade de Pedro Afonso, a 304 km de Palmas. O caso aconteceu nessa quinta-feira (9). Os moradores acionaram o Batalhão da Polícia Militar Ambiental.

De acordo com o BPMA, o animal estava bem e por isso os policias resolveram soltá-lo em uma unidade de conservação da cidade.

G1/Tocantins

Polícia investiga morte de idosa encontrada queimada

A principal suspeita é que a produtora rural de 91 anos tenha encostado a roupa de frio nas chamas do fogão.

Polícia Civil investiga a morte da produtora rural Doroty Leão Barros, de 91 anos, que foi encontrada queimada na casa onde morava, na zona rural de Rio Verde, no sudoeste de Goiás. A principal suspeita é que tenha acontecido um acidente doméstico enquanto ela cozinhava.

Segundo familiares, a idosa morava na fazenda junto com um funcionário. Na noite de segunda-feira (17), por conta do frio, ela estava usando muitos agasalhos e acabou enconstando parte da roupa nas chamas do fogão sem perceber.

“Foi um acidente doméstico que aconteceu com ela. Tem lá vinte e tantos netos, filhos, genros, amigos, por perto e ela preferia ir para a cozinha, deixar o povo a vontade se deliciando com as coisas maravilhosas que ela fazia”, disse o filho Lázaro Leão Barros.

A delegada Taisa Antonelo, responsável pelo caso, diz que a investigação aponta realmente, a princípio, para um acidente.

“Essa senhora estava com muitas roupas de frio, chegou perto do fogão, provavelmente as chamas vieram até a roupa e como se trata de uma pessoa idosa, ela não teve a agilidade necessária para tirar as roupas para conseguir apagar. Assim que viu as chamas, a testemunha correu ao local para tentar oferecer socorro, mas a vítima já tinha vindo a óbito”, explicou.

G1/GO