Direção Nacional usa resolução e intervém para impedir PT de disputar contra Kátia

Suplente da senadora Katia Abreu, Donizeti Nogueira confirmou que entrou com recurso contra decisão do PT Regional de apoiar Amastha e foi acolhido pela Direção Nacional.

“O PT não pode ficar de sacana, de desleal. A senadora Gleisi Hoffman fez um acordo ontem, que foi desrespeitado. Então nós entramos com um recurso e a Direção Nacional usou uma resolução que determina que a posição do partido em eleições estaduais seja discutida com  a Nacional”.

Com estas palavras, o suplente de Senador, Donizeti Nogueira confirmou ao site que o PT Nacional intervirá no Tocantins nas próximas horas impedindo a aliança da legenda com o ex-prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PSB).

Segundo Nogueira, após uma conversa com a Nacional, o deputado Paulo Mourão havia retirado sua candidatura. Durante o dia no entanto, seu grupo articulou para levar o partido para o palanque de oposição à senadora Kátia Abreu, da qual  a legenda tem o suplente. “Depois de toda a defesa que a senadora fez, em nível nacional, pela presidente Dilma, pelo PT, pelo presidente Lula, e contra o impeachment é impensável que o partido vá subir num palanque de oposição a ela, para tentar derrotá-la no Tocantins”, disse Nogueira.

A decisão que acata o recurso impetrado na Nacional deverá ser comunicada ao partido nas próximas horas, informou Nogueira.

O site entrou em contato com a direção nacional, que confirmou que “o Diretório Nacional do PT, reunido nesta segunda-feira, 23, em Curitiba, anulou os atos da Convenção do PT Tocantins e determinou a retificação da ata incluindo o partido na Coligação que apoia a candidatura da senadora Kátia Abreu ao governo do Estado nas eleições suplementares de 3 de junho”, declara a Executiva Nacional em nota.

Com a intervenção confirmada caberá ao PSB substituir o vice, ou mantê-lo e recorrer judicialmente.

T1noticias

Fora do PR e ainda impedido, Raul Filho diz que pretende disputar vaga no Senado

Com título suspenso (não pode votar, nem ser votado), Raul Filho disse ao T1 que pretende concorrer a uma cadeira no Senado; caso sua candidatura não se viabilize, Solange Duailibe tentará vaga na AL.

Após entregarem carta de desfiliação ao Partido da República (PR) na segunda-feira, 19, o ex-prefeito de Palmas, Raul Filho, e a suplente de deputado estadual Solange Duailibe, ainda não definiram para qual sigla devem migrar, mas já sabem que vão concorrer a algum cargo eletivo este ano.

Em entrevista nesta quarta-feira, 21, Raul Filho justificou sua saída do PR por almejar um cargo na majoritária. “Não houve insatisfação com o PR. Foi muito bom o período em que estivemos lá. Mas nós tomamos essa decisão de procurar um partido em que pudéssemos concorrer num espaço de acordo com a nossa coragem. Por mais que o presidente metropolitano, Lúcio Campelo, não queira compreender, eu precisei tomar essa decisão. Eu sei que o presidente tem suas pretensões, mas eu gostaria de concorrer ao Senado”, justifica Raul.

O ex-prefeito e Solange Duailibe definem em qual partido se filiarão até o dia 30 deste mês. Com pretensões de concorrer ao Senado, mesmo estando inelegível e com o título de eleitor suspenso (não pode votar ou ser votado), Raul informou que há alguns projetos de governo que o atraem e já adiantou que apenas um deles, Raul ou Solange, deverá buscar um mandato nas eleições deste ano.

“Já conversamos com a senadora Kátia Abreu, com o deputado Mauro Carlesse, com o senador Ataídes, temos recebido convites do PT, que são alguns projetos com os quais acabamos nos identificando com o discurso, mas precisamos conhecer melhor a plataforma. Se eu disputar ao Senado, Solange vai para a coordenação da minha campanha. Caso ocorra uma mudança de projeto, eu não concorro e vamos tentar alocar Solange para reeleição, só que dessa vez como titular e não suplente de deputado. É bem provável que só um de nós dois vai disputar”, informou o ex-prefeito.  

Oficialmente pré-candidato ao governo do Tocantins, Carlesse descarta disputar outros cargos

Sobre projetos ele disse que investir e organizar as finanças seriam as prioridades necessárias.

O deputado e presidente da Assembleia Legislativa Mauro Carlesse lançou oficialmente a pré-candidatura ao governo do Tocantins.

A coletiva de imprensa teve apenas a equipe do deputado e não contou com presença dos aliados ou deputados da base dele.

O foco de Carlesse será “Municipalismo e gestão de futuro”. ” Vejo que um estado igual ao nosso tem muita coisa a se resolvida”, comentou.

Questionado por qual motivo já quer disputar o governo tendo sido eleito até hoje apenas para deputado estadual ele ponderou: “acho que o momento é esse. Não ter passado por alguns cargos vejo que é justamente essa a minha vontade: não ter vícios políticos. Estou preparado”, frisou.

“Ainda é cedo, estou aguardando definições”, disse sem estimar quantos deputados tem na sua base de apoio.

Questionado qual sua diferença com relação aos outros nomes ele pontuou: ” não sou político polido mas não vejo nenhum político falando em projeto, só vejo falando de pra trás e para trás….o elo está aberto, faltam projetos para o Estado”, pontuou.

Sobre as dificuldades encontradas na busca de apoios pelo Estado ele citou o descrédito da população como a maior delas.

Sobre projetos ele disse que investir e organizar as finanças seriam as prioridades necessárias. ” Na hora adequada estarei colocando para a imprensa os projetos”, disse.

Falando sobre a região Sudeste ele disse que é preciso mais estrutura para melhorar o desenvolvimento regional. Ele defendeu estudos para as áreas do turismo e agricultura.

Carlesse foi questionado se descarta disputar outro cargo na majoritária e foi claro: ” não tenho outro caminho a não ser esse”, disse.

Sobre os adversários ele comentou: ” respeito todos os candidatos, todos eles…mas os novos projetos tem um horizonte melhor para a população”, contou.

Palmas e velha política

Carlesse foi questionado também sobre a capital Palmas, maior colégio eleitoral do Estado: ” Palmas por ser capital está sendo bem cuidada com um pouco de exagero…tem que cuidar não com sacrifício da forma que está sendo feito com a população. Tem que melhorar a vida da população não aumentando os impostos”, disse ao criticar também os impostos no Estado. ” Tem que colocar bons projetos sem o sacrifício do imposto”, pontuou.

O deputado comentou ainda sobre a nova e velha política e disse que os que tem os interesses próprios são de fato os que tem velhas práticas.

Carlesse defendeu a industrialização e política de atração de investimentos para o Estado. “Um Estado que não tem política para receber empresários vai ficar sempre com o penico na mão”, falou.

Articulações

Carlesse tem articulado com vários partidos dentre eles o MDB de Marcelo Miranda. Sobre os partidos aliados ele disse não ter definições.

Ele falou também à imprensa do histórico de vida familiar e da vinda para o Tocantins. O parlamentar diz ter tido uma vida dura trabalhando muito na ausência do pai.

Começou a vida profissional aos 18 anos. Carlesse disse ter sido bem sucedido como empresário no Tocantins.

Maria José Cotrim – Gazeta do Cerrado

Amastha deixa a prefeitura por 40 dias e reafirma que vai disputar governo

Prefeito de Palmas vai assumir de forma interina a Frente Nacional dos Prefeitos. Durante coletiva, ele anunciou medidas para 2018 e disse que vai renunciar no dia 13 de abril.

A prefeito Carlos Amastha (PSB) anunciou nesta segunda-feira (8) um afastamento de 40 dias da Prefeitura de Palmas. Ele vai assumir de forma interina a Frente Nacional dos Prefeitos (FNP) até 20 de fevereiro.

O prefeito disse que vai “aproveitar os fins de semana para fazer política”. Quem assume é a vice-prefeita Cinthia Ribeiro (PSDB).

Amastha também é pré-candidato a governador e avisou ainda em dezembro que deve renunciar para concorrer ao cargo nas próximas eleições. Nesta segunda-feira (8), ele reafirmou a decisão e disse que deixa o cargo no dia 13 de abril.

Durante a coletiva, a prefeita em exercício Cinthia Ribeiro informou ainda que pelo menos oito secretários devem deixar os cargos para disputar as eleições deste ano.

Durante a coletiva, a Câmara de Vereadores devolveu ao executivo mais de R$ 1,5 milhão. Conforme a prefeitura, o dinheiro vai para o Banco do Povo e deve fortalecer o empreendedorismo da cidade. Além disso, foram anunciadas medidas para o primeiro semestre de 2018:

  • A partir de abril haverá unidade do Resolve Palmas no Capim Dourado Shopping;
  • Um anexo da Fundação Cultural de Palmas está em funcionamento no mesmo shopping;
  • Criação da Agência Municipal de Tecnologia;
  • Fim do papel: A partir de agora, os processos administrativos passam a ser todos digitais;
  • Doação de área para entidades que fazem tratamento de crianças com autismo.

A prefeitura divulgou ainda a assinatura de convênio para a criação do programa Estação Juventude e lançou a campanha do Fundo da Criança e Adolescente.

“O Estação Juventude 2.0 é um programa do Governo Federal que tem por objetivo promover a inclusão e emancipação dos jovens. Palmas já conta com um Estação da Juventude no setor Santa Barbara, que atende 2000 jovens/mês. O segundo Estação Juventude de Palmas, será implantando no antigo complexo da 51, região norte da Capital”, disse o prefeito. 

Por fim, Amastha também assinou a autorização para licitar obras de pavimentação, drenagem, sinalização, calçadas e ciclovias de seis quadras do Taquari, além da 408 e 508 Norte. O valor aproximado das obras é de R$ 90 milhões.

G1 Tocantins