Dilma prepara renúncia e deve pedir novas eleições, diz jornal

A presidente Dilma Rousseff (PT) estuda enviar ao Congresso uma proposta de emenda constitucional para que sejam realizadas novas eleições ainda neste ano. De acordo com o jornal O Globo, a petista renunciaria ao cargo e pediria a seu vice, Michel Temer, que fizesse o mesmo.

Ainda segundo o jornal, o pronunciamento da presidente será realizado em cadeia de rádio e televisão nesta sexta, pouco dias antes de o Senado Federal decidir se aceita analisar o processo de impeachment contra Dilma. A publicação diz ainda que alguns ministros, como Jaques Wagner (Casa Civil) e Ricardo Berzoini (Secretaria do Governo), concordam com a ideia da eleição ainda neste ano. Mas não há unanimidade entre os demais ministros. Dilma, por sua vez, ainda gostaria de conquistar o consenso dos movimentos sociais.

Votação

Isolado e com apoio de apenas cinco dos 21 senadores da Comissão Especial do impeachment, o governo não tem expectativa de reverter a provável aprovação do processo de impeachment do relatório do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG). O documento será apresentado na quarta-feira (4) e votado dois dias depois.

O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, terá mais uma chance de defender a presidente Dilma Rousseff antes da votação, mas nem isso deve alterar o quadro desfavorável ao Palácio do Planalto.

A sessão desta segunda-feira (2), será dedicada a ouvir especialistas indicados pela acusação. Senadores do PSDB, que dizem não ser “beneficiários do impeachment” nem condutores do processo, assinaram os convites para trazer à comissão professores e pesquisadores que corroborem a acusação de crime de responsabilidade pelas pedaladas fiscais (atrasos de repasses do Tesouro a bancos públicos) e por decretos orçamentários editados sem aval do Congresso.

O procurador no Tribunal de Contas da União (TCU) Júlio Marcelo de Oliveira será um dos principais nomes da audiência. Seis meses antes do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), deflagrar o processo de impeachment, ele havia assinado representação em que pedia a investigação das pedaladas ficais.

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Carlos Velloso, que defende o processo de impeachment, também vai compor a mesa. Ao lado dele, o professor da USP José Maurício Conti levará seus argumentos já conhecidos sobre a transformação do Orçamento “em peça de ficção”.

No dia seguinte, será a vez dos especialistas convidados por senadores da base de apoio ao governo. Foram convidados os professores Geraldo Luiz Mascarenhas Prado e Ricardo Lodi Ribeiro, ambos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e o advogado Marcello Lavenère, ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) que assinou a denúncia do impeachment do então presidente Fernando Collor de Mello, em 1992.(fonte:msn notícias)

Ibope: Para 62% dos brasileiros, prioridade deve ser nova eleição

Do Msn Noticias

Para a maioria da população brasileira, a melhor saída para a crise política seria a convocação de novas eleições. Pesquisa Ibope feita entre 14 e 18 de abril mostra que 62% dos entrevistados apoiam essa opção.

Na faixa etária entre 16 e 24 anos, o percentual chega a 70%. Foram ouvidas 2.022 pessoas em 142 municípios e a margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Também de acordo com a sondagem, 8% consideram o impeachment da presidente Dilma Rousseffe sua substituição pelo vice Michel Temerseria “a melhor forma de superar a crise política”.

De acordo com as leis brasileiras, só podem ser realizadas novas eleições no caso de dos cargos de presidente e vice ficarem vagos. Nessa hipótese, presidente da Câmara, atualmente Eduardo Cunha (PMDB-RJ), assume o comando do país até o novo pleito.

Até o ano passado, se os cargos ficassem vagos nos dois últimos anos de mandato, seriam convocadas eleições indiretas. Porém, a reforma eleitoral mudou o prazo para os últimos seis meses. A mudança, contudo, pode ser contestada juridicamente.

Outra forma de convocar novas eleições seria por uma emenda à Constituição, hipótesedefendida por alguns parlamentares. A opção também provoca controvérsias jurídicas.

As saídas de Dilma e Temer poderiam acontecer se os dois renunciassem, se o Congresso aprovasse o impeachment de cada um – o de Dilma está no Senado e o de Temer parado na Câmara – ou via cassação da chapa peloTribunal Superior Eleitoral (TSE). Quatro ações investigam o uso de dinheiro público na campanha de 2014.

 

Dilma Rousseff: Brasil tem um “veio golpista adormecido”

Ana Cristina Campos e Yara Aquino – Repórteres da Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (19) que o Brasil tem um “veio golpista adormecido” e que não houve um presidente após a redemocratização do país que não tenha tido um processo de impedimento no Congresso Nacional.

“Se nós acompanharmos a trajetória dos presidentes no meu país no regime presidencialista a partir de Getúlio Vargas, nós vamos ver que o impeachment sistematicamente se tornou um instrumento contra os presidentes eleitos. Tenho certeza que não houve um único presidente depois da redemocratização do país que não tenha tido processos de impedimento no Congresso Nacional. Todos tiveram”, afirmou Dilma, em entrevista a veículos estrangeiros no Palácio do Planalto.

Dilma também ressaltou que se crise econômica fosse argumento “para tirar presidente da República não teria um único presidente da República nos países desenvolvidos que sobrevivesse à profunda crise econômica com desemprego”. Para ela, não é por causa da crise econômica que está ocorrendo a crise política.

A presidenta destacou que a crise atual está acontecendo pelo fato de a eleição de 2014 ter sido vencida por uma margem estreita, de pouco mais de 3 milhões de votos. A petista recebeu 54 milhões de votos. “Essa eleição perdida por essa margem tornou no Brasil a oposição derrotada bastante reativa a essa vitória e por isso começaram um processo de desestabilização do meu mandato desde o início dele. Este meu segundo mandato, há 15 meses, tem o signo da desestabilização política”, afirmou.

Os deputados aprovaram neste domingo (17), por 367 votos a favor e 137 contra, o prosseguimento do processo de impeachment contra a presidenta Dilma. Em uma entrevista concedida à imprensa ontem (18), Dilma disse se sentir indignada e injustiçada com a decisão da Câmara dos Deputados.

Se a admissibilidade do afastamento for aprovada também pelos senadores, a presidenta será afastada do cargo por até 180 dias, enquanto o Senado analisa o processo em si e define se Dilma terá o mandato cassado.

Edição: Denise Griesinger

PTN está dividido em relação ao impeachment

Ivan Richard – Repórter da Agência Brasil

Dividido em relação à admissibilidade do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, o PTN foi o 13º partido a participar da sessão que discute, desde a manhã de ontem (15) a denúncia de crime de responsabilidade contra Dilma Rousseff. Primeira representante da legenda a discursar, a deputada Renata Abreu (SP) manifestou-se favorável ao impeachment.

“Ouvimos as manifestações de pessoas que foram para as ruas porque não estavam próximas aos parlamentares e está na hora de restabelecermos essa comunicação com o povo brasileiro”, disse a parlamentar.

Por outro lado, o deputado Bacelar (BA) disse que seu voto e suas convicções “não estão à venda” e que, por isso, votaria contra o parecer que pede a admissibilidade do prosseguimento do impeachment. Para ele, o afastamento de Dilma sem um crime de responsabilidade representa um “golpe”. “No futuro, essa tentativa de impeachment que não tem base legal será conhecida como o golpe de 2016”, disse comparando com o golpe militar de 1964.

O deputado Carlos Henrique Gaguim (TO), no entanto, defendeu o impeachment porque, segundo ele, 90% dos seus eleitores concordam com o afastamento da presidenta. “E eu estou aqui para representar o meu povo”.

O PTN tem uma bancada de 12 deputados e faz parte de um bloco de 17 parlamentares junto com o PSL e o PTdoB.

Lula: “Vamos derrotar o impeachment e encerrar de vez esta crise”

Lula diz que, a partir de segunda-feira (18), estará empenhado, ao lado da presidente Dilma, para que o Brasil tenha um novo modo de governar

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva gravou hoje (15), em Brasília, uma mensagem ao país e aos deputados sobre a votação do pedido de abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff pela Câmara dos Deputados, no domingo (17). Em sua mensagem, ele reafirma a confiança na vitória: “Vamos derrotar o impeachment e encerrar de vez esta crise”.

Lula diz que, a partir de segunda-feira (18), independentemente de cargos, estará empenhado, ao lado da presidente Dilma, para que o Brasil tenha um novo modo de governar. “Nessa próxima etapa, vou usar minha experiência de ex-presidente para ajudar na reconstrução do diálogo e unir o país”.

O ex-presidente passou a semana conversando com lideranças políticas para barrar o impeachment e alertou os deputados que o esforço para o país ser reconhecido como uma nação com instituições sólidas pode ser jogado fora no próximo domingo. Ele pede que os parlamentares não “embarquem em aventuras, acreditando no canto da sereia dos que sentam na cadeira antes da hora”.

“Quem trai um compromisso selado nas urnas não vai sustentar acordos feitos nas sombras. Eu estou convencido de que o golpe do impeachment não passará. Derrubar um governo eleito democraticamente sem que haja um crime de responsabilidade não vai consertar nada. Só vai agravar a crise”.

Leia a íntegra:

“Meus amigos e minhas amigas,

Quero falar com vocês, e especialmente com os nossos deputados, sobre o momento histórico que o país está vivendo. Em 1988, aprovamos uma Constituição democrática, que restabeleceu a liberdade e o Estado de Direito, depois de 21 anos de ditadura.

E, a partir de 2003, como todos sabem, o Brasil mudou muito e mudou para melhor. Juntos, superamos grandes desafios econômicos, políticos e sociais. Juntos, vencemos a fome e começamos a reduzir a desigualdade. Derrubamos o muro que dividia o Brasil entre os que tudo podiam e os que sempre ficaram à margem da história.

Vocês sabem que foi preciso muito esforço, muito sacrifício, para o Brasil conquistar respeito e credibilidade diante do mundo. Para ser reconhecido como um país sério, com instituições sólidas e confiáveis.

Todo esse esforço pode ser jogado fora por um passo errado, um passo impensado, no próximo domingo. Os deputados têm de pensar com muita serenidade sobre isso. Uma coisa é divergir do governo, criticar os erros e cobrar mais diálogo e participação.

Este é o papel do Legislativo, que deve ser e será respeitado. Outra coisa é embarcar em aventuras, acreditando no canto de sereia dos que se sentam na cadeira antes da hora. Quem trai um compromisso selado nas urnas não vai sustentar acordos feitos nas sombras.

Eu estou convencido de que o golpe do impeachment não passará. Derrubar um governo eleito democraticamente sem que haja um crime de responsabilidade não vai consertar nada. Só vai agravar a crise.

Ninguém conseguirá governar um país de 200 milhões de habitantes, uma das maiores economias do mundo, se não tiver a legitimidade do voto popular. Ninguém será respeitado como governante se não respeitar, primeiro, a Constituição e as regras do jogo democrático. Ninguém será respeitado se não prosseguir no combate implacável à corrupção. É isso que a sociedade exige.

Meus amigos, minhas amigas. não se pode brincar com a democracia. A comunidade internacional já percebeu que o processo de impeachment não passa de um golpe.

São extraordinárias as manifestações em defesa da legalidade em todos os cantos do país. Elas alertam que, fora da democracia, o que vai existir é o caos e a incerteza permanente.

O Brasil precisa de paz e de estabilidade para retomar o caminho do desenvolvimento. Derrotado o impeachment, já na segunda-feira, independente de cargos, estarei empenhado, junto com a presidenta Dilma, para que o Brasil tenha um novo modo de governar. Nessa próxima etapa, vou usar minha experiência de ex-presidente para ajudar na reconstrução do diálogo e unir o país.

O Brasil tem plenas condições de voltar a crescer, gerando empregos e distribuindo renda. Vocês se lembram: Foi graças ao diálogo que fiz um governo em que todos os setores ganharam.

É verdade que o Brasil e o mundo enfrentam hoje uma situação difícil na economia. É verdade que o governo tem falhas, que precisam ser corrigidas. Mas nós já fomos capazes de superar grandes desafios e saberemos fazer isso mais uma vez.

Todos nós sabemos qual é o caminho. É com responsabilidade, com maturidade, respeitando todas as forças políticas, os agentes econômicos e os movimentos sociais. Vamos reafirmar a credibilidade do país lá fora e resgatar, aqui dentro, a confiança que sempre tivemos no futuro do Brasil. Por isso, peço a todos que confiem na minha palavra e mantenham a defesa da democracia.

Vamos derrotar o impeachment e encerrar de vez esta crise. E juntos, novamente, vamos fazer do Brasil um país cada vez maior e mais justo, com oportunidades para todos.

Muito obrigado.”

Fonte:mais goias

Cunha restringirá acesso à Câmara na semana de votação do impeachment

Só terá acesso ao Salão Verde e ao plenário quem estiver com uma credencial específica para o período de votação.

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), decidiu restringir o acesso às dependências da Casa a partir da próxima segunda-feira (11), semana em que deve ir à votação no plenário o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

A partir de quinta (14), só entrarão no prédio da Câmara parlamentares, servidores, prestadores de serviços e pessoas credenciadas. Com exceção dos parlamentares, todos deverão passar por detector de metais -hoje, servidores e credenciados não precisam.

A partir de sexta (15), data prevista para o início da votação, só terá acesso ao Salão Verde e ao plenário quem estiver com uma credencial específica para o período de votação.

A previsão é de que o debate e a votação no plenário tenham início na sexta e se estendam por três dias, terminando no domingo (17).

Na sexta-feira (8), Cunha havia dito que teria que “definir um critério qualquer” para os dias de votação, já que há muitos jornalistas credenciados na casa e muitos parlamentares querem levar “filhos, esposas, maridos”.

“Você não vai conseguir atender na galeria todo mundo e vai gerar briga por ocupação, provavelmente claque, e não é esse o objetivo”, afirmou.

As visitas a todo o Congresso, que ocorrem diariamente, das 9h às 17h30, ficarão suspensas a partir deste sábado (9) até o outro domingo (17).

SEGURANÇA

Segundo o comunicado da Diretoria-Geral da Câmara, o policiamento ao redor do Congresso será feito pela polícia legislativa com apoio de “tropas designadas pela Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal”.

O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB), reuniu-se na última terça-feira (5) com Cunha na Câmara para discutir o esquema de segurança dos dias de votação.

Grupos a favor e contrários ao impeachment já se preparam para manifestações em frente ao Congresso neste período e há o temor de confronto entre os grupos.

O deputado Wadih Damous (PT-RJ) já acusou Cunha de “querer um cadáver” ao prever a votação no fim de semana -o que certamente reunirá mais gente no gramado em frente ao Congresso do que se ocorresse num dia de semana.

JORNALISTAS

Na última sexta (8), Cunha já havia dado indicações de que deve restringir bastante o acesso de jornalistas à dependências da Câmara nos dias de votação. Segundo ele, só os jornalistas credenciados já se igualam em número aos deputados (são 513).

O comunicado da Diretoria-Geral divulgado neste sábado diz que só terá acesso “ao Salão Verde e às galerias do plenário os jornalistas com credenciais específicas para cada um desses espaços”. Ainda segundo o texto, haverá um “número limitado” de credenciais “devido às questões de segurança e limitação de espaço”.

Na sexta, já tinham sido instaladas várias barreiras pela Câmara e no Anexo 1, onde ocorria a sessão da comissão do impeachment, para checar credenciais.

http://www.opopular.com.br

Relator do impeachment diz que Dilma faz “pouco caso” do Congresso

Jovair Arantes (PTB-GO) é o relator do processo que tramita na Comissão de Impeachment na Câmara dos Deputados e afirmou ao jornal ‘Folha de S. Paulo’ que Dilma Rousseff “não gosta do Congresso”. Ele ainda disse que a culpa por grande parte da crise se deu porque ela fez “pouco caso” dos parlamentares.

“Se ela quer fazer qualquer tipo de ação que possa ser diferente do que foi aprovado, tem que pedir. E o Congresso tem que aprovar. É simples assim. O contrário é coisa de governo totalitário, absolutamente centralizado, que não quer saber dos outros. A presidente Dilma não gosta do Congresso, não tem afeto pelo Congresso”, comentou. “Você vê outros países e outros presidentes que passaram pelo Brasil. Eles têm relação próxima, conversam amigavelmente, pegam sugestão de deputados. O governo tem que ouvir o Congresso, consultar o Congresso”, continuou o deputado. E que, por conta dessa péssima relação, a crise começou a se instalar:

“O início dessa crise política foi o pouco caso que ela faz do Congresso. Para ela, o Congresso era só para votar o Orçamento para fazer do jeito que ela quisesse e depois aprovar as contas, quando viessem, do jeito que viessem. E ficou provado que não está certo”, analisa.

Ainda de acordo com Jovair, Dilma Rousseff manteve a prática das pedaladas fiscais em 2015, mesmo após ter sido duramente criticada pela conduta em 2014. Segundo o deputado, isso mostra que a presidente se sente “acima da lei”.

“é aquela velha história que se fala no sertão: ‘O governo tem coragem de mamar em onça parida’. Porque quem foi alertado que não pode, que está cometendo um crime, e continua cometendo, é porque não tem medo, está acima da lei”, afirmou.

Fonte:msn noticias

Dilma tem condições para barrar impeachment, diz consultoria

dilma impecheamt
© Ueslei Marcelino/Reuters Para barra o processo, DIlma precisa obter somente 89 votos (o equivalente a 61%) das bancadas do PP, PR, PSD e PRB

São Paulo – Para conter a aprovação do impeachment na Câmara dos Deputados, o governo precisa de apenas 172 votos. Mas, de acordo com análise da consultoria Perspectiva, a presidente Dilma Rousseff não precisará recorrer nem mesmo a todos os votos possíveis dos principais partidos da sua base aliada.

Segundo a consultoria, ela precisaria obter somente 89 votos (o equivalente a 61%) das bancadas do PP, PR, PSD e PRB. Juntas, as siglas possuem 144 representantes na Câmara.

“Partindo do pressuposto de que o governo também conta com os votos do PT, PCdoB, PSL, PROS e PSOL, a presidente parte de 83 votos contrários à continuidade do processo de seu impedimento”.

Em outros termos, na visão da consultoria, mesmo que não consiga nenhum voto do PMDB ou dos chamados partidos nanicos, Dilma já teria um número suficiente de apoio para barrar o impeachment.

Mesmo assim, afirma o relatório, “é razoável considerar que um grupo expressivo de parlamentares de partidos de oposição, especialmente do PMDB, votará a favor do governo”.

Soma-se a também, o fato de que cada falta e abstenção somam pontos a favor da petista.

Com isso em mente, a conclusão da consultoria é que Dilma deve sobreviver ao impeachment. “Hoje, as maiores chances são de que o governo conseguirá impedir o avanço do processo na Câmara dos Deputados”, afirma o texto.

http://www.msn.com

Cunha recorrerá contra decisão sobre impeachment de Temer: ‘Confusão inominável’

cunha recorre
PRESIDENTE DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EDUARDO CUNHA

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou nesta terça-feira que vai recorrer ao plenário do Supremo Tribunal Federal contra a decisão do ministro Marco Aurélio Mello, que determinou que a Câmara instale uma comissão especial para analisar um pedido de impeachment do vice-presidente da República, Michel Temer. Cunha disse que a decisão criou uma “confusão muito grande” e abriu uma brecha para que autores de outros pedidos de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff ou Temer acionem o Supremo para verem as comissões instaladas paralelamente. Ele também disse pode haver repercussão nos debates sobre a comissão especial já em funcionamento e que decidirá até segunda-feira se aceita ou rejeita a denúncia por crime de responsabilidade contra Dilma, ajuizada pelos juristas Miguel Reale Jr, Janaina Paschoal e Hélio Bicudo.

“Criou uma confusão inominável, desnecessária, e que deveria no mínimo ser levada ao plenário”, disse Cunha, em referência à decisão do ministro Luiz Edson Fachin, em dezembro, quando suspendeu a eleição da comissão especial do impeachment de Dilma por uma semana e levou o caso para deliberação colegiada dos onze ministros.

“Achamos a decisão absurda e teratológica. Entendemos que ele invade competência da Câmara.” Cunha afirmou que Marco Aurélio Mello afronta a decisão plenária da Corte e o próprio voto dele no julgamento da ADPF que definiu o rito do impeachment de Dilma.

Cunha havia rejeitado o pedido contra o vice, de quem é aliado, mas o autor recorreu e Mello decidiu que o presidente da Câmara não poderia se pronunciar sobre o mérito do pedido – apenas analisar se a denúncia cumpria ou não as formalidades necessárias. O peemedebista disse que, dos 39 pedidos de impeachment de Dilma rejeitados, ao menos vinte foram barrados por conteúdo – e não por erros formais – e portanto teriam que ter comissão especial instalada, como consequência da decisão de Mello. Ele também relatou que oito pedidos de impeachment de Dilma pendentes de despacho teriam que ter a comissão instalada, porque formalmente cumprem as exigências para processamento. “Nós vamos passar a fazer na Câmara dos Deputados apenas a votação de impeachment toda semana.”

“A tese dele vale para todos. Basta qualquer um dos outros pedidos rejeitados entrar com mandado de segurança que provavelmente vai ter a mesma decisão”, argumentou o presidente da Câmara. “E mais, a prevalecer a decisão dele, até a aceitação do pedido de impeachment que eu fiz parcial deveria ter sido total. Ou seja, toda aquela discussão que foi feita sobre 2014, não pode falar disso ou daquilo, deixa de existir, porque o entendimento que ele adotou é que não me cabe pronunciamento de mérito. Em sendo assim, a apreciação da comissão do impeachment deveria ser pela denúncia inteira e não sobre a parte aceitada por mim”.

Cunha disse que pedirá aos líderes partidários a indicação dos integrantes da comissão, para que ela seja instalada – mas, caso eles não encaminhem os nomes, a comissão não começará a funcionar tão cedo. “Na medida em que haja a indicação dos membros, a gente cria [a comissão]”, disse o presidente da Câmara. “Me parece que não é a vontade deles, a maioria do colégio de líderes já manifestou que não vai fazer a indicação. Certamente não tem condição nenhuma de ser instalada a comissão, porque não vai haver número de membros suficiente para fazer eleição.”

Cunha disse que os advogados da Câmara estudam os recursos a serem protocolados nesta quarta. Eles devem interpor um agravo à decisão de Mello, além de um mandado de segurança, uma reclamação na ADPF que definiu o rito do impeachment e talvez uma nova ADPF [Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental]. Cunha disse que a Câmara já prestou informações ao ministro no domingo, depois de o teor da decisão ter sido vazado erroneamente pela assessoria de comunicação do Supremo. “Não queremos prazo. Queremos que seja julgado rápido”, disse Cunha.

http://www.msn.com

Dilma exonera vice-diretor da Caixa indicado por Temer

Presidente também exonerou o diretor da Casa da Moeda do Brasil

dilma tiaau
Presidente Dilma Rousseff

A presidenta Dilma Rousseff exonerou mais um funcionário do governo indicado pelo PMDB. O vice-presidente da Caixa Econômica Federal, Roberto Derziê de Santanna, foi desligado do cargo nesta sexta-feira (1º). O PMDB decidiu deixar o governo em decisão na última terça-feira (29).

Indicado pelos peemedebistas Moreira Franco e Geddel Vieira Lima, Derziê é funcionário de carreira da Caixa e trabalhou com o vice-presidente Michel Temer, que é presidente do PMDB, durante o período em que Temer atuou na articulação política do governo, até agosto do ano passado.

A exoneração foi publicada na edição de hoje do Diário Oficial da União. Ainda não há indicação oficial de substituto. O governo também publicou nesta sexta-feira a destituição de Paulo Ricardo de Mattos Ferreira da diretoria da Casa da Moeda do Brasil. Para o lugar de Mattos, foi nomeado Jehovah de Araújo Silva Júnior.

Embora nos últimos dias outros nomes indicados pelo PMDB também tenham sido exonerados, como o diretor-geral do Departamento Nacional de Obras contra a Seca (Dnocs), Walter Gomes de Sousa; e o diretor da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Rogério Luiz Abdalla; o governo aceitou ontem (31) a indicação do partido e nomeou Luiz Otávio Oliveira Campos para o cargo de diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

Campos foi senador e era secretário-executivo da Secretaria de Portos da Presidência da República, comandada pelo também peemedebista Helder Barbalho. A nomeação para o comando da agência precisa ser apreciada pelo Senado.

http://www.opopular.com.br