Bispo de Formosa e padres acusados de desviar R$ 2 milhões em dízimos enfrentam 1ª audiência

Investigação do Ministério Público apontou que grupo usou dinheiro para comprar fazenda de gado, carros de luxo e casa lotérica. Nove foram presos em 19 de março na Operação Caifás.

O bispo Dom José Ronaldo Ribeiro e os outros cinco padres acusados de desviar mais de R$ 2 milhões em dízimos da Diocese de Formosa, no Entorno do Distrito Federal, enfrentam nesta quinta-feira (9) sua primeira audiência de instrução e julgamento. A sessão começa às 8h30 e é presidida pelo juiz Fernando Oliveira Samuel, da 2ª Vara Criminal.

O promotor Douglas Chegury disse acreditar que o julgamento ainda não deve ocorrer nesta quinta, por causa da quantidade de testemunhas. O G1 procurou o Tribunal de Justiça para pedir detalhes da sessão, mas o órgão disse que não podia antecipar detalhes. A reportagem também tentou contato com a defesa do bispo, apontado como líder do esquema, sem sucesso.

Investigações do Ministério Público feitas a partir de denúncias de fiéis apontaram que acusados – o grupo tem ainda dois empresários e três funcionários da Cúria – usaram o dinheiro para comprar uma fazenda de gado, uma casa lotérica e carros de luxo. O bispo e os padres sempre negaram a prática de crimes.

A apuração culminou com a Operação Caifás, em 19 de março. Nove pessoas foram presas na ocasião:

  1. José Ronaldo Ribeiro, bispo de Formosa
  2. Monsenhor Epitácio Cardozo Pereira, vigário-geral da Diocese de Formosa
  3. Padre Moacyr Santana, pároco da Catedral Nossa Senhora Imaculada Conceição, Formosa
  4. Padre Mário Vieira de Brito, pároco da Paróquia São José Operário, Formosa
  5. Padre Tiago Wenceslau, juiz eclesiástico
  6. Padre Waldoson José de Melo, pároco da Paróquia Sagrada Família, Posse (GO)
  7. Guilherme Frederico Magalhães, secretário da Cúria de Formosa
  8. Antônio Rubens Ferreira, empresário suspeito de ser laranja da quadrilha
  9. Pedro Henrique Costa Augusto, empresário, suspeito de ser laranja da quadrilha

Juiz eclesiástico Tiago Wenceslau (à direita), bispo Dom José Ronaldo (no meio) e o promotor do Ministério Público de Goiás Douglas Chegury (à esquerda), no momento em que a prisão dos clérigos foi comunicada (Foto: Reprodução)Juiz eclesiástico Tiago Wenceslau (à direita), bispo Dom José Ronaldo (no meio) e o promotor do Ministério Público de Goiás Douglas Chegury (à esquerda), no momento em que a prisão dos clérigos foi comunicada (Foto: Reprodução)

Juiz eclesiástico Tiago Wenceslau (à direita), bispo Dom José Ronaldo (no meio) e o promotor do Ministério Público de Goiás Douglas Chegury (à esquerda), no momento em que a prisão dos clérigos foi comunicada (Foto: Reprodução)

O grupo conseguiu habeas corpus quase um mês depois, e nenhum dos padres voltou a exercer as funções anteriores. Atualmente, a diocese de Formosa tem um “interventor”, nomeado pelo Papa Francisco: o arcebispo de Uberaba (MG), Dom Paulo Mendes Peixoto.

Advogado do juiz eclesiástico, Thiago Santos Aguiar de Pádua declarou que “a expectativa é de que seja uma boa audiência”. “O padre Tiago não apenas nega, mas também observa uma perseguição religiosa”, disse ao G1.

Seis testemunhas já foram ouvidas por carta precatória em outras cidades – em Alto Paraíso, Cavalcante, São Domingos, Brasília e São Paulo. Advogado dos outros acusados, Bruno Opa disse que esses depoimentos foram “favoráveis”.

“As testemunhas de acusação têm mais servido à defesa do que à acusação”, declarou.

Nomeado “interventor” pelo Papa Francisco, o arcebispo de Uberaba, Dom Paulo Mendes Peixoto, não se pronunciou sobre o caso. A assessoria dele informou ainda que ele não vai acompanhar a audiência.

Denúncia de fiéis

Fiéis procuraram o Ministério Público no final de 2017 para informar que as despesas da casa episcopal de Formosa, onde o bispo mora, passaram de R$ 5 mil para R$ 35 mil desde a chegada de Dom José Ronaldo. Ele já estava à frente da Diocese havia três anos.

O promotor do Ministério Público de Goiás Douglas Chegury (verde) aponta direção para o bispo Dom José Ronaldo (à frente) e o juiz eclesiástico Tiago Wenceslau (atrás), presos em operação que investiga desvio de dízimo (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)O promotor do Ministério Público de Goiás Douglas Chegury (verde) aponta direção para o bispo Dom José Ronaldo (à frente) e o juiz eclesiástico Tiago Wenceslau (atrás), presos em operação que investiga desvio de dízimo (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

O promotor do Ministério Público de Goiás Douglas Chegury (verde) aponta direção para o bispo Dom José Ronaldo (à frente) e o juiz eclesiástico Tiago Wenceslau (atrás), presos em operação que investiga desvio de dízimo (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

“O bispo enfrentou esse mesmo tipo de problema e resistência lá na Diocese de Janaúba (MG). Então ele veio transferido de lá para cá e aqui ele implementou um esquema semelhante ao que ele operava lá”, disse o promotor responsável pelo caso, Douglas Chegury, na época da operação.

Aumento nas taxas de casamento

Fiéis também afirmaram que o bispo Dom José Ronaldo determinou aumento de até 400% nas taxas de casamento quando assumiu a administração, em 2014. As mesmas informações chegaram ao Ministério Público de Goiás (MP-GO) por meio do depoimento de um dos padres que denunciou o esquema, segundo o promotor.

Tabela com valores cobrados por serviços realizados na Diocese de Formosa, com assinatura do ex-bispo, Dom José Ronaldo Ribeiro, preso na Operação Caifás (Foto: Reprodução)Tabela com valores cobrados por serviços realizados na Diocese de Formosa, com assinatura do ex-bispo, Dom José Ronaldo Ribeiro, preso na Operação Caifás (Foto: Reprodução)

Tabela com valores cobrados por serviços realizados na Diocese de Formosa, com assinatura do ex-bispo, Dom José Ronaldo Ribeiro, preso na Operação Caifás (Foto: Reprodução)

Na época em que a Operação Caifás foi deflagrada, os noivos precisam pagar R$ 50 caso contratem fotógrafo, R$ 150 caso contratem filmagem e R$ 150 caso contratem decoração nas 33 igrejas administradas pela Diocese de Formosa. Além disso, devem gastar mais R$ 280 para cobrir despesas com documentação.

Antes da chegada do bispo, porém, os valores eram menores: R$ 30 para os serviços contratados e executados em uma das igrejas e R$ 100 para as despesas com documentação, afirmam fiéis. Os aumentos fizeram com que muitos casais decidissem adiar a união.

Falsa auditoria e ‘juramento de fidelidade’

Convocado após denúncias de desvios de dízimos e doações na Diocese de Formosa, o juiz eclesiástico Tiago Wenceslau forjou um relatório das contas questionadas anunciando que “auditoria rigorosa” apontou não haver nenhuma irregularidade, de acordo com o MP.

“[O juiz eclesiástico] Veio [de São Paulo] com um objetivo: intimidar de forma definitiva os padres e fazer com que eles fizessem, como de fato muitos fizessem, um juramento de fidelidade ao bispo [Dom José Ronaldo, apontado como líder do esquema]”, explicou na época o promotor Douglas Chegury.

O juiz eclesiástico Tiago Wenceslau, preso na Operação Caifás, que apura desvio de mais de R$ 2 milhões em dízimos da Diocese de Formosa (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)O juiz eclesiástico Tiago Wenceslau, preso na Operação Caifás, que apura desvio de mais de R$ 2 milhões em dízimos da Diocese de Formosa (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

O juiz eclesiástico Tiago Wenceslau, preso na Operação Caifás, que apura desvio de mais de R$ 2 milhões em dízimos da Diocese de Formosa (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

“Chamados nominalmente, [os padres] deveriam responder se estavam com o bispo ou contra o bispo, não era com a igreja ou contra igreja. Isso aconteceu em uma reunião a portas fechadas”, completou.

Ainda segundo o MP, havia “clima de terror e opressão” e ameaças de retaliação, transferências e até perda de ministério aos clérigos que não se calassem ou não demonstrassem apoio ao bispo.

‘Mesada’ por paróquias mais rentáveis

A investigação apontou que padres de Formosa, Posse e Planaltina pagavam ao bispo de Formosa, Dom José Ronaldo, para que fossem mantidos em paróquias mais lucrativas. O valor mensal da “mesada” variava entre R$ 7 mil e R$ 10 mil.

Ministério Público de Goiás e policiais cumprem mandados na Igreja Católica em Formosa e Planaltina (Foto: MP-GO/Divulgação)Ministério Público de Goiás e policiais cumprem mandados na Igreja Católica em Formosa e Planaltina (Foto: MP-GO/Divulgação)

Ministério Público de Goiás e policiais cumprem mandados na Igreja Católica em Formosa e Planaltina (Foto: MP-GO/Divulgação)

Dinheiro escondido em guarda-roupa

Foram apreendidos cordões de ouro, relógios e caminhonetes da cúria em nomes de terceiros, além de uma grande quantia de dinheiro em espécie. Havia moedas estrangeiras, incluindo dólares americanos, dólares australianos, pesos argentinos, pesos chilenos e euros.

Dinheiro apreendido com fundo falso de guarda-roupa do monsenhor preso em operação contra desvios na Igreja Católica, em Goiás (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)Dinheiro apreendido com fundo falso de guarda-roupa do monsenhor preso em operação contra desvios na Igreja Católica, em Goiás (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)

Dinheiro apreendido com fundo falso de guarda-roupa do monsenhor preso em operação contra desvios na Igreja Católica, em Goiás (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)

Na casa do vigário-geral, segundo na linha de sucesso da Diocese, foi apreendida grande quantidade de dinheiro no fundo falso de um guarda-roupa. Segundo a TV Anhanguera apurou, o montante contabilizou R$ 70 mil. A quantia estava em sacos plásticos.

Período na prisão

Os presos na Operação Caifás ocuparam celas em uma área separada do novo presídio de Formosa. De acordo coma Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP), o isolamento ocorreu para garantir a integridade física deles.

Bispo e padres suspeitos de desviar dízimo deixam a cadeia e são recebidos com festa em Formosa, Goiás (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)Bispo e padres suspeitos de desviar dízimo deixam a cadeia e são recebidos com festa em Formosa, Goiás (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)

Bispo e padres suspeitos de desviar dízimo deixam a cadeia e são recebidos com festa em Formosa, Goiás (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)

O grupo tinha direito a banho de sol de duas horas por dia e tomava banho em chuveiro sem eletricidade. Os clérigos, empresários e funcionário da Cúria foram soltos quase um mês depois. Eles foram recebidos com festa e cânticos religiosos.

Papa como testemunha

Dentre as 31 testemunhas arroladas pela defesa do bispo Dom José Ronaldo no processo estava o Papa Francisco. Ele deveria ser ouvido por carta rogatória. O juiz Fernando Oliveira Samuel negou o pedido, alegando que a defesa “não trouxe qualquer justificativa” para ouvir o pontífice.

Papa Francisco  (Foto: Max Rossi/ Reuters)Papa Francisco  (Foto: Max Rossi/ Reuters)

Papa Francisco (Foto: Max Rossi/ Reuters)

Na época, o advogado Lucas Rivas disse que a escolha era “técnica”. Também haviam sido listados pela defesa do bispo o núncio apostólico no Brasil, Giovanni D’Aniello, e o cardeal Dom João Braz de Aviz.

Nome do Papa Francisco, Jorge Mario Bergoglio, que aparece listado como testemunha de defesa Formosa Goiás (Foto: Reprodução)Nome do Papa Francisco, Jorge Mario Bergoglio, que aparece listado como testemunha de defesa Formosa Goiás (Foto: Reprodução)

Nome do Papa Francisco, Jorge Mario Bergoglio, que aparece listado como testemunha de defesa Formosa Goiás (Foto: Reprodução)

Bloqueio de bens

O juiz Fernando Oliveira Samuel determinou em 27 de março o bloqueio de bens dos seis clérigos, dois empresários e do secretário da Cúria. O limite foi de até R$ 1 milhão por cada. Também foi autorizada a quebra do sigilo bancário e fiscal dos acusados.

Fachada da Cúria Diocesana de Formosa (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)Fachada da Cúria Diocesana de Formosa (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)

Fachada da Cúria Diocesana de Formosa (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)

No processo do MP constam documentos que apontam que alguns dos religiosos acusados de desvios de dízimos reconheceram a ausência de R$ 910 mil nos caixas das igrejas. O órgão acredita que o padre Waldson José de Melo, de Posse, o monsenhor Epitácio Cardozo Pereira e o bispo Dom José Ronaldo embolsavam os valores declarados como “desaparecidos”.

G1 Tocantins.

Carro com vereadores de Xambioá capota na BR-153 após desviar de caminhonete

Quatro parlamentares estavam no veículo e dois deles ficaram feridos. Acidente foi próximo a Colinas do Tocantins.

Quatro vereadores de Xambioá, no norte do estado, se envolveram em um acidente de trânsito na BR-153, próximo a Colinas do Tocantins, na tarde desta sexta-feira (3). De acordo com o Corpo de Bombeiros, o carro em que eles estavam capotou ao tentar desviar de uma caminhonete que invadiu a pista contrária.

No veículo estavam Raimundo Fidelis Oliveira Barros, Eudo Pereira de Araújo, José Augusto Muniz Dondom Barbosa e Elson Gonçalves da Silva, que é conhecido na cidade como Elson Bujica.

Eudo Pereira e José Augusto Dondom tiveram ferimentos leves. Eles foram levados para o Hospital Municipal de Colinas e já tiveram alta. Os ocupantes da caminhonete e os outros dois vereadores não ficaram feridos.

Como o carro acabou na lateral da pista, não foi necessário interditar o trânsito no local. A Polícia Rodoviária Federal também esteve no local.

Vítimas são vereadores em Xambioá, no norte do estado (Foto: Divulgação)Vítimas são vereadores em Xambioá, no norte do estado (Foto: Divulgação)

Vítimas são vereadores em Xambioá, no norte do estado (Foto: Divulgação)

G1 Tocantins.

Hackers russos enviaram dados para quadrilha desviar R$ 10 milhões de contas bancárias no Brasil, diz PF

Hackers do leste europeu forneceram contas de e-mail e números de celulares para quadrilha enviar vírus. Mandados da operação Código Reverso foram cumpridos em quatro estados.

As investigações da Polícia Federal (PF) apontaram que a quadrilha suspeita de desviar cerca de R$ 10 milhões de contas bancárias teve ajuda de hackers da Rússia e de Hong Kong, na China.

Segundo as investigações, esses contatos internacionais forneceram toda a infraestrutura necessária para diversos golpes, como e-mails e números de celulares. O grupo brasileiro foi desarticulado na manhã desta quarta-feira (21) pela operação “Código Reverso”.

Até o momento, cinco pessoas foram presas preventivamente e uma temporariamente. Além disso, 11 pessoas foram levadas para depor e 24 mandados de busca e apreensão cumpridos. Duas pessoas ainda não foram encontradas pela polícia e são consideradas foragidas.

Em uma casa no setor Santa Fé, na região sul de Palmas, dezenas de aparelhos eletrônicos foram apreendidos.

Também foi apreendida uma quantia em dinheiro não divulgada pela polícia e dez carros, entre eles um mustang avaliado em R$ 130 mil.

Conforme a decisão que autorizou a operação, a quadrilha era dividida em três níveis e atuava com três tipos de fraudes: pagamento de boletos, compras pela internet e transferência de valores.

Um dos presos é William Marciel Silva de Freitas. As investigações apontam que ele movimentou mais de R$ 7,3 milhões em cerca de dez meses. 

Freitas integrava o grupo de hackers, que eram responsáveis por elaborar e disseminar softwares maliciosos, para possibilitar a invasão dos computadores das vítimas. Para isso, o grupo entrou em contato com hackers da Rússia.

O advogado dele disse que está tomando conhecimento do processo para depois se posicionar.

“[…] Providenciaram dados pessoais (contas de email) de centenas de milhares de pessoas, assim como estruturas destinadas ao envio em massa de mensagens, para um número indeterminado de usuários (possíveis vítimas do esquema criminoso)”, diz um trecho da decisão.

Os investigadores também interceptaram contatos da quadrilha com empresas sediadas em Hong Kong, na China.

Essas empresas ofereceram serviços de envio de mensagens de texto (SMS) e Spam-SMS, prática utilizada pelos criminosos para o envio de links maliciosos.

A quadrilha possuía ainda o grupo de agenciadores e operadores. Eles eram responsáveis pela identificação de interessados no pagamento de boletos com desconto, além de pessoas que pudessem comprar e receber mercadorias adquiridas com fraudes pela internet.

O outro nível hierárquico era composto por falsificadores. Estes eram responsáveis por coletar dados de terceiros, falsificar documentos, abrir empresas fantasmas, captação dos produtos comprados pela internet e enviar esses bens para os outros envolvidos.

As investigações apontaram, por exemplo, que o grupo usou o nome e documento de um homem que morreu em 1996, vítima do desastre aéreo ocorrido na cidade de São Paulo (SP).

Infográfico (Foto: Roberta Jaworski)

A fraude

A quadrilha presa durante a operação “Código Reverso”, da Polícia Federal, mandava e-mails com vírus em nome de instituições financeiras para ter acesso a computadores de correntistas.

A informação é do chefe da delegacia de Repressão a Crimes Fazendários, Luiz Felipe da Silva. Ele explicou que as vítimas acessavam os e-mails e, desta forma, permitiam que o grupo tivesse acesso aos computadores.

Segundo as investigações, ao acessar os links um vírus era baixado para os aparelhos. Quando a pessoa entrava na conta bancária, a quadrilha colocava uma tela falsa idêntica à do banco para a vítima pensar que estava acessando o sistema verdadeiro.

Enquanto isso, o grupo entrava na conta para desviar dinheiro, fazer compras e clonar cartões. Dessa forma, a fraude é feita utilizando o próprio computador e endereço de IP da vítima, que aparece como o responsável pelo crime.

A polícia está investigando se a quadrilha usou também e-mails em nome da Polícia Federal.

Entenda

Conforme a PF, a quadrilha realizava pagamentos, transferências e compras pela internet, burlando os mecanismos de segurança dos bancos, e gerando prejuízos de R$ 10 milhões só nos últimos nove meses.

Os membros da organização, segundo a polícia, têm alto padrão de vida e se utilizam de diversas empresas de fachada para movimentar e ocultar os valores desviados, investindo grande parte em moedas virtuais como a bitcoin, para fazer lavagem de dinheiro.

A Justiça determinou a indisponibilidade de bens e o bloqueio das contas bancárias dos investigados e também de moedas virtuais.

Conforme a PF, foram intimadas pessoas com participação nas fraudes, inclusive empresários que teriam procurado criminosos para obter vantagem competitiva no mercado e receber descontos de cerca de 50% para quitar impostos, pagar contas e fazer contas, através de pagamentos feitos pela quadrilha.

G1 Tocantins

Ônibus tomba ao desviar de tamanduá e deixa 16 feridos na BR-364

Segundo PRF, 4 pessoas foram socorridas pelo Samu em estado grave; outros 12 tiveram ferimentos leves.

Um ônibus com trabalhadores de uma indústria tombou e 16 passageiros ficaram feridos, na sexta-feira (10), na BR-364, em São Simão, na região sul de Goiás. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o motorista tentou desviar de um tamanduá que cruzava a pista e perdeu o controle da direção.

Segundo a PRF, quatro pessoas foram socorridas em estado grave pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas não há a informação sobre o hospital para onde elas foram levadas. Os outros 12 passageiros tiveram ferimentos leves e foram encaminhados para unidades de saúde da cidade.

Não conseguimos contato com o Hospital Municipal de São Simão, as ligações não foram atendidas.

O acidente ocorreu por volta das 23h da sexta-feira, em São Simão. De acordo com a PRF, o veículo levava 13 homens e 3 mulheres, funcionários de uma indústria alimentícia, para assumirem o turno noturno na fábrica. Conforme divulgado pela corporação, chovia bastante no local, o que pode ter favorecido o tombamento.

O motorista do veículo foi submetido ao teste do bafômetro, que não indicou ingestão de bebida alcoólica.

O site tentou contato, por telefone, com Fioretur, responsável pelo veículo, mas as ligações não foram atendidas até a publicação desta reportagem.

G1/Goiás

Grávida morre após ambulância capotar ao desviar de ave em rodovia

Rosilene Dias dos Santos, de 27 anos, morreu no local. Namorado da jovem também ficou ferido no acidente e foi levado ao Hospital Regional de Paraíso.

Uma grávida morreu e o namorado dela ficou ferido após uma ambulância capotar na TO-342, próximo a cidade de Dois Irmãos do Tocantins. Eles estavam no veículo indo de Araguacema, no oeste do estado, para Palmas. O motorista da ambulância informou a Polícia Militar que perdeu o controle do veículo ao tentar desviar de uma seriema que estava na pista.

A jovem Rosilene Dias dos Santos, de 27 anos, morreu no local. O bebê também não resistiu ao acidente. Não há informações sobre o estado de saúde do namorado dela, o motorista teve ferimentos leves. O caso foi no começo da tarde desta quinta-feira (10).

Nas imagens é possível ver que a parte de cima da ambulância foi completamente arrancada, o veículo foi para em um matagal nas margens da pista. A PM informou que outros motoristas ajudaram no socorro às vítimas. Os dois homens foram levados ao Hospital Regional de Paraíso do Tocantins.

Motorista informou que tentou desviar de um pássaro (Foto: Divulgação)
Motorista informou que tentou desviar de um pássaro (Foto: Divulgação)
Acidente foi no começo da tarde desta quinta-feira (Foto: Divulgação)
Acidente foi no começo da tarde desta quinta-feira (Foto: Divulgação)
G1/TO