Bombeiros encontram corpo de jovem que desapareceu em rio no sul do estado

José Júnior Pereira Araújo, de 25 anos, havia desaparecido no fim de semana após mergulhar no Rio Javaés. Corpo foi encontrado boiando próximo ao local onde ele foi visto pela última vez.

Corpo de Bombeiros encontrou o corpo de José Júnior Pereira Araújo, de 25 anos, que havia desaparecido no fim de semana após mergulhar no Rio Javaés. O caso foi em Formoso do Araguaia, na região sul do estado. O jovem estava boiando próximo ao local onde ele foi visto pela última vez.

A perícia da Polícia Civil foi chamada para confirmar as causas da morte e o corpo de José Júnior deve ser levado para o Instituto Médico Legal de Gurupi. Ele estava na região do povoado do Capão do Coco.

As buscas pelo jovem começaram ainda no domingo e pararam durante a noite, sendo retomadas na manhã desta segunda-feira (9). Ele foi encontrado no começo da noite.

Também neste domingo, Ludmila Santana de Sousa, de 23 anos, teve parada cardiorrespiratória após se afogar na praia da Ponta em Araguatins, no norte do estado. Ela foi encontrada minutos depois por uma equipe do Corpo de Bombeiros e levada para o Hospital Regional de Augustinópolis.

O Corpo de Bombeiros orienta os banhistas a não entrarem na água caso ingiram bebida alcoólica, pois a prática está relacionada a grande parte do número de afogamentos.

G1 Tocantins.

Corpo de adolescente que desapareceu em rio é encontrado

Bombeiros disseram que ele apareceu boiando depois da retirada do flutuante e de galhadas. Antes de desaparecer Sérgio tomava banho com amigo no rio Araguaia.

Farias desapareceu na manhã desta quinta-feira (15), depois de pular de um balanço improvisado em uma brincadeira. O corpo do jovem aguarda a chegada da perícia para ser levado ao Instituto Médio Legal.

Entenda o caso

Sérgio Gomes de Farias desapareceu após pular de um balanço durante uma brincadeira às margens do rio Araguaia, em Pau D’Arco, no norte do Tocantins. Ele e um amigo estavam em um flutuante por volta das 11h20.

O amigo de Farias disse aos bombeiros a vítima pulou do balanço improvisado, acenou, mergulhou novamente e não foi mais visto. O jovem pediu ajuda aos moradores da região, que jogaram redes de pesca para tentar resgatá-lo, mas não o encontraram.

Fonte: G1 Tocantins

Família procura por bebê que desapareceu enquanto brincava em assentamento

Enzo Gabriel, de um ano e quatro meses, foi visto pela última vez brincando perto de um riacho, em Filadélfia. Bombeiros fizeram buscas, mas não encontraram criança.

O bebê Enzo Gabriel, de um ano e quatro meses, está desaparecido desde a última terça-feira (10) na região de Filadélfia, norte do Tocantins. Ele foi visto pela última vez brincando em uma areia próximo a um riacho. Os Bombeiros chegaram a fazer buscas no local, mas a criança não foi encontrada.

Segundo a mãe Kaline dos Santos Vale, o bebê e os irmãos, de 4 e 7 anos, tinham ido passar uns dias com a avó que mora em um assentamento. Eles saíram para brincar, como de costume, foi quando o bebê sumiu.

“Quando chegou lá meu filho começou a brincar em uma areia. Os outros foram tomar banho. Ele ficou brincando sozinho, aí pegaram ele”, disse.

Os Bombeiros chegaram a fazer buscas no local, mas encerraram as atividades na quarta-feira (11). O pai da criança e alguns moradores da região continuam buscando pistas que possam ajudar a encontrá-lo.

Segundo a família, as crianças são acostumadas a brincar no local, que fica a 300 metros da casa. “Quando eu cheguei, tinha bastante gente procurando. Eu também iniciei as buscas e fica difícil. Não sei onde encontrá-lo”, lamentou o pai da criança, Luciano Soares.

O irmão mais velho contou detalhes do que aconteceu, o que levantou a suspeita de que a criança tenha sido raptada. “Ele falou que tinha visto uma mulher e um homem pegando a criança e levando num cavalo amarelado”, contou a mãe. 

A família registrou boletim de ocorrência na noite desta sexta-feira (13).

G1/TO

Família segue em busca de informações sobre goiano que desapareceu

Maykon Eder de Jesus, de 23 anos, falou com os parentes pela última vez há quase dois meses, quando estava nas Bahamas e se preparava para travessia irregular.

A família do goiano Maykon Eder Alves de Jesus, de 23 anos, que sumiu há quase dois meses ao tentar entrar de forma ilegal nos Estados Unidos, segue em busca de informações sobre o jovem. Os parentes pedem mais apoio às autoridades brasileiras para localizá-lo.

“Infelizmente, seguimos sem notícias. Ninguém do Itamaraty entra em contato para dar uma posição. A minha vontade é sair procurando meu filho, mas não tenho condição”, disse a mãe de Maykon, a dona de casa Idalira de Jesus, de 48 anos.

Apesar da reclamação da família, o Itamaraty informou que o Consulado do Brasil em Miami segue em contato com representantes locais para buscar informações sobre o jovem. Segundo o órgão, até o momento, “autoridades migratórias americanas não encontraram registro de Maykon Eder em nenhum centro de detenção imigratório ou federal”.

Ainda de acordo com o Itamaraty, “foi reiterado pedido de localização à Guarda Costeira norte-americana, mas ainda não há notícias sobre o paradeiro do brasileiro”.Família está desesperada com o desaparecimento do jovem (Foto: Paula Resende/ G1)

Devido ao desespero da família, o delegado da Polícia Civil André Fernandes tenta auxiliá-los. “É um caso complicado e exige atenção especial pelo menos para entrar em contato com todos os países em que ele passou”, avalia.

Viagem

Maykon Eder morava com os pais e o irmão em Senador Canedo, na Região Metropolitana de Goiânia. Segundo a família, há dois anos ele teve a ideia de ir para os Estados Unidos, tentou tirar o visto por duas vezes, mas não conseguiu autorização.

“Ele tinha o sonho de trabalhar, juntar dinheiro para ajudar a família, crescer na vida”, disse o irmão dele, Wesley Alves de Jesus, de 21 anos.Maykon Eder Alves de Jesus tinha tentado o visto americano por duas vezes, mas não conseguiu (Foto: Arquivo pessoal/ Wesley Alves de Jesus)

Os parentes não sabiam que Maykon Eder ainda tentava ir para o exterior. Ele só contou à família sobre a viagem horas antes de embarcar, no dia 10 de maio. Primeiramente, ele foi para o Panamá, depois para a República Dominicana e, por fim, chegou às Bahamas.

A última vez que Maykon Eder entrou em contato com os parentes foi no dia 3 de agosto, quando estava em Freeport, nas Bahamas. Na ocasião, o goiano disse por mensagem de um aplicativo de celular que poderia iniciar a travessia pelo mar a qualquer momento.

“Se eu não falar mais com a senhora, não se preocupe porque eles tomam o celular. Quando chegar em Miami, entro em contato. Amo vocês”, disse o jovem à mãe.

Os parentes não sabem o que ocorreu depois. “A gente não sabe se ele foi preso, se ele está com um ‘coiote’ em trabalho escravo. Também não podemos descartar um naufrágio”, lamenta o irmão. 

A mãe de Maykon Eder diz que vive um “pesadelo”. “Não como, já emagreci não sei quantos quilos, estou tomando remédio para dormir, estou com uma psiquiatra. Não é vida, estou vivendo pelo Senhor, pela esperança e por esses dois do meu lado [marido e filho caçula]”, desabafou.

Idalira de Jesus está desesperada sem notícias do filho (Foto: Paula Resende/ G1)

G1/GO

Bombeiros encontram corpo de jovem que desapareceu no rio Araguaia

Corpo foi achado na manhã desta terça-feira (25). Lavrador desapareceu no domingo e as buscas ultrapassaram as 24 horas.

Os Bombeiros encontraram o corpo do jovem William Alves Agra, de 24 anos, que foi visto pela última vez no último domingo (23), no porto da Praia do Garimpinho, no rio Araguaia, norte do Tocantins. As buscas foram retomadas nas primeiras horas desta terça-feira (25). O corpo foi achado por volta das 6h.

O IML de Araguaína foi acionado para retirar o corpo. O lavrador desapareceu na tarde de domingo (23), enquanto nadava próximo ao porto. Testemunhas informaram que ele afundou e não foi mais visto.

Bombeiros começaram as buscas no mesmo dia. A procura foi retomada nesta segunda-feira, quando dois mergulhadores foram enviados ao local para ajudar nos trabalhos. Pescadores da região e a Polícia Militar deram apoio.

Outras oito pessoas morreram afogadas neste mês de julho, durante a temporada de praias. Nesta segunda-feira (24), o corpo do engenheiro civil José Avelar Gomes do Nascimento Júnior, de 35 anos, foi encontrado em um lago, próximo a ilha da Capivara, em Brejinho de Nazaré, após cair de uma canoa. De acordo com os Bombeiros, o corpo foi encontrado boiando a 10 km do local onde despareceu.

“A água é sempre traiçoeira. Às vezes a pessoa sabe nadar, mas ela pode ter uma câimbra, um mal súbito. Para aquela pessoa que não sabe nadar a gente sempre fala que água no umbigo é sinal de perigo. Isso porque se por ventura, pisar em falso em um banco de areia, for arrastado pela correnteza, dificilmente vai conseguir retornar, uma vez que não tem habilidade na água. Quanto às crianças, elas devem ser vigiadas pelos pais ou responsáveis”, diz o major do Corpo de Bombeiros, Maxuel Souza.

G1/TO

Bombeiros encontram corpo de homem que desapareceu em lago

Ele foi localizado nesta segunda-feira (24) boiando a 10 km do local onde despareceu. Homem havia caído em um lago no último sábado (22).

Corpo de Bombeiros encontrou o corpo de José Avelar Gomes do Nascimento Júnior, de 35 anos, na manhã desta segunda-feira (24). Ele desapareceu no último sábado (22), em um lago, próximo a ilha da Capivara, em Brejinho de Nazaré, após cair canoa.

De acordo com os Bombeiros, o corpo foi encontrado boiando a 10 km do local onde despareceu. Segundo a corporação, equipes de mergulho de Palmas e Porto Nacional realizaram as buscas. O Instituto Médico Legal já foi para o local.

G1/TO

Mãe procura por adolescente que desapareceu após discussão

Segundo a mãe, briga aconteceu por ela ser contra relacionamento da filha. Caso já foi registrado na Polícia Civil.

A promotora de vendas Dakiany Cristina Santana, de 35 anos, está em busca de notícias da filha, Silvia Santana, de 17 anos, que desapareceu, em Goiânia. Segundo a mãe, ela e a adolescente chegaram a discutir dias antes devido ao relacionamento da menina.

Silvia desapareceu no dia 27 de junho. Dakiany conta que saiu para trabalhar e que a filha aproveitou que a tia estava dormindo e fugiu. Desde então, não tem muitas pistas de onde a garota está.

“Nós tivemos uma briga na sexta [23] porque eu peguei conversas dela com uma menina que ela está namorando desde março e eu fui contra o relacionamento, por ser uma pessoa de má índole, que mexe com drogas, tem amigos que são traficantes”, disse a mãe.

Dakiany contou que as duas ficaram brigadas por dois dias, mas depois voltaram a se falar e que a filha não demonstrou nada diferente.

A principal suspeita da mãe é que a filha esteja escondida com a namorada, que mora em Guapó. “Registrei o caso na Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente e estou esperando a polícia ir atrás dessa menina para saber se ela está lá, se tem alguma pista”, completou a promotora de vendas.

G1 entrou em contato com a DPCA, mas não conseguiu falar com a delegada responsável pelo caso.

Silvia Santana sumiu no dia 27 de junho, em Goiânia (Foto: Arquivo Pessoal/Dakiany Santana)
Silvia Santana sumiu no dia 27 de junho, em Goiânia (Foto: Arquivo Pessoal/Dakiany Santana)

G1/GO

Família procura jovem que desapareceu no quintal de casa

Dona de casa diz que filha, de 19 anos, não tem costume de sair sozinha. Amigos e parentes distribuem cartazes com a foto da garota em casas e comércios da região.

A família da jovem Daiane de Jesus Gomes, de 19 anos, procura por pistas da garota, que desapareceu no quintal de casa, em Luziânia, no Entorno do Distrito Federal. A dona de casa Lucileide da Mata diz que a filha não tem costume de sair sozinha e está angustiada com o sumiço: “Não como, não durmo de tanta preocupação”. Amigos e parentes fazem buscas, distribuindo cartazes, mas ainda não tiveram notícias.

A jovem, que segundo a família tem problemas de aprendizado e quase não sai de casa, por não conhecer endereços, desapareceu no dia 4 de junho. “No dia, eu falei para ela fechar a porta. Ela encostou a porta e não entrou, então eu pensei que ela estava no quintal. Depois de cinco minutos, que eu fui procurar, ela não estava aqui. Eu fui no vizinho, na casa da pastora e não achamos. Desde então estamos na busca”, disse a mãe.

Ainda de acordo com Lucileide, a filha é uma menina muito quieta. “Ela quase não conversa com ninguém, não vai em lugar longe, não tem namorado, não mexe com drogas, nada”, contou a mãe.

O caso foi registrado na Polícia Civil, que investiga o caso. O G1 não conseguiu contato com o Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops) do Jardim Ingá, responsável pelas apurações.

Incansável, amigos e parentes distribuem cartazes com a foto de Daiane por casas e comércios de vários bairros da região. “Fazemos buscas a pé, de carro, bicicleta, cavalo, tudo. A gente só quer encontra ela logo para acabar com esse sofrimento todo”, completou a mãe.

G1/Go