Homem é condenado em Palmeirópolis por matar esposa com um facão

Justiça condena homem pelo crime de feminicídio.

O Ministério Público Estadual (MPE) obteve na quarta-feira, 05, a condenação de Romilton Ferreira Lima, a 17 anos e nove meses de prisão pelo crime de feminicídio.

Romildo, de 45 anos, foi levado a Júri Popular pelo assassinato da sua companheira, Maria Valda Costa da Gama Alves, cometido em agosto de 2016.

De acordo com a denúncia criminal apresentada pela Promotoria de Justiça, a vítima foi morta com golpes de facão, na residência do casal, localizada no reassentamento Piabanha II, em São Salvador do Tocantins, após uma briga do casal, em virtude de Maria Valda ter decidido ir embora para Porangatu (GO) a fim de realizar tratamento médico.

No júri, a Promotora de Justiça Bartira Quinteiro manteve as alegações no termos da denúncia de que o crime aconteceu por motivo torpe, desprezível, repugnante e decorrente de ciúme.

A Promotora também reforçou que o crime ainda foi cometido por motivações de gênero, tendo em vista que a violência ocorreu no ambiente doméstico e familiar, presentes a relação íntima de afeto e a vulnerabilidade do sexo feminino.

Femicídio ou feminicídio é um termo de crime de ódio baseado no gênero, amplamente definido como o assassinato de mulheres.

Por Denise/MPE

Idoso reage e imobiliza ladrão durante tentativa de roubo em Araguaína

Idoso reage e imobiliza ladrão durante tentativa de roubo em Araguaína

Homem foi imobilizado até a chegada da Polícia Militar (Foto: Divulgação) Homem foi imobilizado até a chegada da Polícia Militar (Foto: Divulgação)

Homem foi imobilizado até a chegada da Polícia Militar (Foto: Divulgação)

Um suspeito de roubo foi imobilizado e agredido em Araguaína, na tarde deste domingo (1º). Segundo a Polícia Militar, ele tentou roubar um idoso, mas foi surpreendido. A vítima reagiu e conseguiu imobilizar o ladrão.

A polícia contou que no momento, o idoso percebeu que a arma usada pelo suspeito era falsa. Ele conseguiu derrubar o ladrão e o segurou até a chegada da polícia.

“Ele é ex-vigilante e conhece algumas técnicas de imobilização. Coneguiu derrubar o ladrão e o segurou por cerca de 1 hora até os policiais chegarem”, contou o delegado Luiz Gonzaga.

Moradores que passavam pelo local perceberam o que estava acontecendo e começaram a agredir o suspeito, que teve alguns ferimentos no rosto e no braço. Ele foi encaminhado para a Central de Flagrantes. O delegado disse que ele será autuado por tentativa de roubo e será levado para a Casa de Prisão Provisória de Araguaína.

Fonte: G1.com

Encanador é assassinado durante festa de aniversário em Divinópolis

Jonaldo Nunes da Silva foi levado a hospital, mas não resistiu. Segundo a Polícia Militar, ele foi atingido por golpes de canivete após uma discussão.

Jonaldo foi assassinado em uma festa em Divinópolis (Foto: Reprodução/Facebook) Jonaldo foi assassinado em uma festa em Divinópolis (Foto: Reprodução/Facebook)

Jonaldo foi assassinado em uma festa em Divinópolis (Foto: Reprodução/Facebook)

O encanador Jonaldo Nunes da Silva, de 34 anos, foi atingido por golpes de canivete durante uma festa de aniversário em Divinópolis, região central do Tocantins. Segundo a Polícia Militar, ele chegou a ser levado para um hospital, mas não resistiu.

O caso aconteceu na madrugada deste domingo (1º). A festa de aniversário era realizada no centro paroquial da cidade. A polícia disse que houve uma discussão com outro homem, de nome não informado, e a vítima foi atingida.

O suspeito ainda não foi encontrado. Jonaldo era encanador e atuava na equipe comercial da BRK Ambiental, responsável pelo fornecimento de água no Tocantins. Em nota, a empresa lamentou a morte dele.

Fonte: G1.com

Suspeito de estuprar e engravidar enteada de 11 anos é preso em Tocantinópolis

Após as investigações da equipe da Delegacia Especializada da Criança e Adolescente de Tocantinópolis (DECA), a Polícia Civil prendeu na tarde desta quarta-feira, 15, H.V.C, de 39 anos, por estupro a vulnerável. Ele é suspeito de manter relação sexual com sua enteada, de 11 anos e engravidá-la.

De acordo com o delegado titular da DECA, Tiago Daniel de Moraes, responsável pelo caso, as investigações começaram depois que foram encaminhados ofícios no Conselho Tutelar do Município informando o caso, que até então era uma suspeita.

“A mãe da criança tinha levado-a para fazer o exame pré-natal na Unidade de Saúde de Tocantinópolis, e, durante a consulta, o fato da mãe não deixar a menina falar chamou a atenção dos profissionais de saúde. Naquela ocasião, ela disse que não sabia quem era o pai do filho da menor”, conta o delegado.

Ainda segundo a autoridade policial, depois de fazer o pré-natal, a família não voltou mais a Unidade de Saúde. “Por esse motivo, os profissionais de saúde foram atrás da família para continuar com os exames de pré-natal. Na segunda vez, a criança foi acompanhada da mãe e do padrasto, que, mais uma vez, impediram que a menina falasse”, afirma Tiago.

“Naquela consulta, a mãe contou uma nova história. Segundo ela, a menina tinha viajado pra casa do pai em julho de 2016, e lá engravidou de um menino de 13 anos. Só que o ultrassom feito na criança não indicava a gravidez em julho, já que ela está grávida há sete meses”, completa o delegado.

O titular da DECA conta ainda que no último mês foram feitas denúncias anônimas no Conselho Tutelar e na Polícia Civil, informando que o pai do filho da criança grávida era seu próprio padrasto, e que a mãe da menor estava escondendo este fato.

“Assim, na segunda-feira, 13, instauramos um inquérito policial para investigar o caso, e, no mesmo dia, H.V.C e a menor foram ouvidas. Ele afirmou manter relações sexuais com a criança desde quando ela tinha 9 anos de idade, que a menina realmente está grávida dele, e que ele é portador do vírus HIV”, conta o delegado.

Na terça-feira, 14, foi pedido um mandado de prisão temporária em desfavor de H.V.C, cumprido pela Polícia Civil na tarde de quarta-feira, 15. A mãe da menor foi ouvida no mesmo dia.

“Ela afirmou que desconhecia o fato dele ser portador do vírus HIV e que seu marido tinha um caso com sua filha. Disse ainda que, quando soube, foi ameaçada por H.V.C”, afirma o titular da DECA, contando ainda que as investigações continuam no intuito de apurar a responsabilidade da mãe quanto ao caso.

“Por conta de H.V.C ser portador do vírus HIV, ter ciência disso, não contar pra vítima e mesmo assim manter relações sexuais com ela sem proteção, além do crime de estupro a vulnerável, iremos enquadrá-lo também por tentativa de homicídio”, afirma Tiago. H.V.C se encontra recolhido na Casa de Prisão Provisória de Tocantinópolis.

Alerta às famílias

O delegado da DECA, Tiago Daniel de Moraes faz uma alerta às famílias e a sociedade de modo geral: “A Polícia Civil conta informação das pessoas e de denúncias, pois esse tipo de crime geralmente acontece às escondidas. Na maioria das vezes é feito na casa da própria vítima, com pessoas próximas, o pai, padrasto ou parente. Os pais precisam ficar atentos quanto ao comportamento dos filhos, conversar com eles. E a população, quando suspeitar de algo, não pode hesitar em procurar a autoridade policial ou o conselho tutelar. Só assim a Polícia Civil pode tomar as medidas necessárias para checar o fato e prender quem comete esse tipo de crime”, alerta o delegado.(Fonte:O Coletivo)  

 

Casal de idosos é preso suspeito de abusar de neta e bisnetas em Goiás

Neta contou ter sido vítima à polícia após a filha dela relatar atos libidinosos.
Delegado se espanta com ‘crime que se perpetua no tempo’; eles negam.

Um casal de idosos foi preso suspeito de abusar sexualmente de uma neta, de 23 anos, e de duas bisnetas, ambas de 8, em Goiatuba, região sul de Goiás. Segundo a Polícia Civil, o aposentado, de 72 anos, praticava o crime junto com a esposa, de 64, que ora apoiava, ora também o cometia. A investigação apontou que eles ameaçavam e até agrediam as vítimas caso denunciassem a situação. O casal nega as acusações.

Ambos foram detidos na segunda-feira (13), em casa. De acordo com o delegado Patrick Carniel, responsável pela investigação, o caso foi descoberto depois que a neta do casal foi à polícia e contou que a filha havia sido vítima do crime. Na ocasião, o investigador descobriu ainda que a própria jovem também sofreu abusos quando criança.

“A criança relatou a ela o que havia ocorrido, e a mãe nos procurou. Comecei a ouvi-la e ela acabou contando, no decorrer do depoimento, que também foi vítima do avô quando tinha apenas 5 anos. Ela contou que o irmão presenciou o crime e o relatou para a avó. Porém, acabou levando uma surra e avisou que não era para contar o fato a ninguém. Nós o ouvimos agora e ele confirmou o caso”, disse o delegado.

A bisneta do casal relatou que foi vítima do crime por pelo menos cinco vezes, sendo a última no mês de fevereiro. Em um dos casos, conforme contou à polícia, a avó a ameaçou se resistisse: “Vou pegar um canivete e te picar todinha”. Em outras situações, o suspeito oferecia dinheiro e chocolate para ela.

Outro caso
Além da neta e da bisneta, o casal também é suspeito de abusar de uma enteada da jovem, também de 8 anos, considerada bisneta dos idosos. Carniel informou que, a priori, ela seria ouvida como testemunha, mas também relatou os atos libidinosos.

A situação deixou até mesmo o delegado perplexo. “É uma situação que nos assusta, um crime que se perpetua no tempo e pelas gerações”, destacou.

Os idosos irão responder pelos três abusos. No caso da jovem, o delegado explicou que os crimes contra menores só começam a contar para prescrição a partir de quando a vítima completa 18 anos e que para este delito, a punibilidade é extinta apenas 20 anos depois.

O casal está preso em celas isoladas da Unidade Prisional de Goiatuba. Eles foram autuados por estupro de vulnerável, com a qualificadora de terem praticado o crime contra ascendentes. Se condenados, podem pegar uma pena, somada, de até 45 anos.(Fonte:G1/Go)

Assaltantes roubam R$ 11 mil de idosa na saída de banco, em Goiânia

Vítima estava junto com a neta quando foi abordada por quatro homens.
Dinheiro seria usado para quitar financiamento de carro: ‘Vai ficar difícil’.

Uma idosa de 76 anos foi roubada na terça-feira (7) logo após sair de um banco no Setor Rodoviário, em Goiânia. A vítima já estava no carro com a neta quando foi interceptada por outro veículo, onde estavam os quatro suspeitos. Um deles desceu armado e levou R$ 11 mil que ela havia acabado de sacar para quitar o financiamento de um automóvel.

A idosa, que não quis se identificar, disse que fez um empréstimo consignado para terminar de pagar o veículo. No entanto, após o crime, ela terá de arcar com duas dívidas: 24 prestações de R$ 620 do carro mais 72 parcelas de R$ 280 do empréstimo.

“Não sei como eu vou pagar [minhas contas] e pensando como eu vou comprar meus remédios, vai ficar difícil”, disse a idosa, que está desesperada.

A neta dela, que também pediu para não ter a identidade revelada, afirmou que os criminosos estavam bem vestidos e de cara limpa. “O que estava no banco da frente, ao lado do motorista, já desceu armado, primeiro foi lá minha avó, pediu as bolsas para ela. Depois, deu a volta e colocou a arma em mim também”, lamenta.(Fonte:G1)

Transexual é brutalmente assassinada em Anápolis e corpo é encontrado pela própria mãe

A vítima, conhecida como Emanuele, foi morta com golpes de objeto contundente, provavelmente concreto

Uma transexual foi brutalmente assassinada na madrugada deste domingo (26), em Anápolis. A vítima, conhecida como Emanuele, de 21 anos, foi morta com golpes de objeto contundente, provavelmente concreto, e seu corpo foi encontrado por familiares.

De acordo com o delegado Cleiton de Araújo, do Grupo de Investigação de Homicídios (GIH), a mãe de Emanuele — cujo nome de batismo era Rômulo Matheus Gomes — relatou que estava saindo de uma boate com a filha, por volta da 1h30, quando ela teria sido levada por pessoas em um veículo que haviam oferecido carona. Depois disso, ela não foi mais vista com vida.

O corpo de Emanuele foi encontrado pela própria mãe poucas horas depois, por volta das 7h. Quando ela andava por uma estrada de terra paralela à BR-060, depois que o pneu do carro em que estava furou, foi informada por um motociclista de que havia dois corpos na região. Um era o da própria filha, que estava sem roupas, e o outro de um homem que estava inconsciente, mas ainda com vida, que foi levado ao Hospital de Urgências de Anápolis (Huana). Conforme o delegado, a princípio não há indicativo de relação entre os dois casos.

Até o momento, não há indícios da autoria do assassinato de Emanuele e nem dos motivos para o crime. As apurações sobre o caso devem começar na quinta-feira (2), após o feriado e a realização de diligências referentes a outros assassinatos ocorridos anteriormente na cidade.(Fonte:Mais Goiás)

Polícia apura elo do suspeito de matar Ana Clara com morte de costureira

Há semelhanças entre local e maneira da prática dos crimes, diz delegado.
Análise de material genético pode mostrar autoria da morte de Naiara Barros.

A Polícia Civil investiga se o vendedor ambulante Luis Carlos Costa Gonçalves, de 35 anos, suspeito de matar a garota Ana Clara Pires Camargo, de 7, também tem envolvimento no homicídio da costureira  Naiara Saraiva Barra, de 22. Assim como a criança, a jovem também ficou desaparecida e teve o corpo encontrado em uma mata após levar uma pancada na cabeça, em dezembro do ano passado. O suspeito morreu em um confronto com a Polícia Militar.

De acordo com o delegado Douglas Pedrosa, titular da Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH) e responsável pela apuração da morte de Naiara, há indícios de que ele seja o autor do crime. Ele revelou que vai comparar material genético encontrado embaixo das unhas da jovem com o do suspeito.

“A gente não descarta essa possibilidade. A gente não trabalha com achismo, mas sim com probabilidades. Temos grande probabilidade dele ter praticado outros homicídios. Inclusive, tendo possibilidades reais dele ter participado também da morte da Naiara”, destaca.

Além da semelhança entre o tipo de local onde as vítimas foram encontradas e como elas foram mortas, o delegado salientou outro ponto que pode ligar o vendedor ambulante à morte da costureira, que é a área onde ela foi localizada.

“O Luis Carlos tem um irmão, que por sua vez, já teve uma chácara bem próxima do local onde o corpo da Naiara foi encontrado. A gente trabalhou com a possibilidade do agressor dela conhecer muito bem a região dos fatos, afinal, é um lugar ermo e de difícil acesso. Uma pessoa de fora não poderia saber daquele local. É outro indício de que ele pode ter alguma participação nesse delito”, detalha.

Casos parecidos
O corpo de Naiara foi encontrado no dia 19 de dezembro do ano passado, já em estado de decomposição, em uma mata do Setor Estrela Dalva, vizinho do Recanto do Bosque, onde morava, em Goiânia. A família reconheceu a vítima pelas roupas e características físicas.

Uma pessoa que passava pelo local viu o cadáver e acionou a Polícia Militar. A jovem sumiu na manhã do dia 15 de dezembro, após sair a pé para o trabalho, a quatro quadras de casa. O último contato foi feito com o namorado, via mensagem de celular.

VW Gol prata foi encontrado em área de mata em que Ana Clara foi achada morta, em Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Corpo de Ana Clara foi achado em mata, assim como o de Naiara (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Já Ana Clara foi localizada em uma mata de Santo Antônio de Goiás, na Região Metropolitana da capital. No local, que fica a cerca de 10 quilômetros de onde a criança sumiu, os policiais também acharam um VW Gol prata, que pertence ao vendedor ambulante. A perícia no veículo, que durou cerca de uma hora, encontrou um pacote contendo um composto químico ácido, não especificado, e um vidro de álcool.

A provável causa da morte da menina, segundo o IML, foi traumatismo craniano. Conforme o diretor órgão, Marco Egberto, pela situação em que o corpo foi localizado, a suspeita é que ela tenha morrido na sexta-feira (17), dia em que desapareceu. “Provavelmente, foi uma pancada na cabeça, mas o médico ainda vai estudar as lesões”.(Fonte:G1/GO)

Furto e roubo de cargas crescem 30% em 2016 em Goiás; Anápolis é alvo

No ano passado, foram registrados 981 crimes, contra 757 em 2015.
Caminhoneiros, transportadoras e seguradoras relatam violência e prejuízos.

O roubo e furto de cargas aumentaram quase 30% em Goiás, no ano passado, em comparação com 2015, de acordo com dados da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP) aos quais a fonte teve acesso. Segundo a Polícia Civil, a cidade de Anápolis, a 55 km de Goiânia, é onde se concentra a maior incidência desse tipo de crime.

Conforme os números, somando furtos e roubos, em 2015 foram registrados 757 casos. Já em 2016, foram 981. Nesse período, Anápolis concentrou cerca de 11% dos crimes. Caminhoneiros, donos de transportadoras e até empresas de seguro relataram que as quadrilhas estão agindo constantemente e que os prejuízos só aumentam.

Quem precisa transportar cargas passando pela região diz que teme pela segurança e que as histórias de criminosos assaltando caminhoneiros são comuns. Um motorista de 34 anos, que prefere não ter a identidade divulgada, foi vítima de roubo em Anápolis, em 2015. Ele transportava um carregamento de leite avaliado em cerca de R$ 40 mil.

“Eu estava em uma subida na BR-153, a 20 km/h. Um carro entrou na minha frente, deu tiro para cima e me obrigou a parar. Mandaram eu abrir a porta e um homem armado entrou no caminhão. Colocaram um capuz na minha cabeça e me colocaram no carro em que eles estavam”, relatou a vítima.

O caminhoneiro conta que viveu momentos assustadores. “Passou um filme na minha cabeça, lembrava da minha família a toda hora. Achei que não fosse sair vivo. Rodaram comigo no carro, fiquei a noite toda ajoelhado e com a cabeça coberta. No dia seguinte, me deixaram debaixo de uma ponte”, relembra.

Ele se recorda ainda que os criminosos tinham várias informações sobre sua vida. “Sabiam toda minha rota, pegaram meus documentos e disseram que conheciam meus filhos. Na época, eu morava em Anápolis. Depois disso, me mudei de cidade. Até hoje carrego esse trauma”, concluiu.

Cidade alvo
O titular da Delegacia Estadual de Repressão a Roubo de Cargas (Decar), Alexandre Bruno Barros, explica que Anápolis é visada por quadrilhas especializadas nesse tipo de crime devido às características geográficas e econômicas.

“Tem a proximidade com a capital, é uma cidade grande, que cresce muito, cheia de galpões. Ela é cortada por grandes rodovias, inclusive federais, onde há um maior fluxo de caminhões. Também tem o porto seco, com fluxo enorme de carga e descarga de produtos, principalmente gêneros alimentícios”, disse.

Furto e roubo de cargas aumenta em Goiás e Anápolis é um dos principais alvos em Goiás (Foto: Vitor Santana/G1)
Número de furto e roubos de cargas aumentou quase 30% em 2016 (Foto: Vitor Santana/G1)

O delegado confirma que houve um aumento na quantidade de furtos e roubos de carga no estado. Porém, ele revela que em grande parte há o envolvimento direto ou indireto dos motoristas dos caminhões.

“De cada 100 registros, em 70 houve participação do motorista. Eles são aliciados pelos líderes da quadrilha para que levem a carga para um ponto específico e depois registrem o roubo. O valor do frete, às vezes, é de R$ 3 mil, e os criminosos oferecem R$ 10 mil para que eles desviem a mercadoria”, contou.

Em outros casos, as quadrilhas investigam a vida dos caminhoneiros e os chantageiam, ameaçando sequestrar ou matar algum familiar, como esposa ou filhos. Com medo, os motoristas obedecem às ordens dos criminosos, entregando a mercadoria.

Evolução do crime
Givaldo Pacheco, diretor da corretora de seguros Gpax, que atende transportadoras de vários tipos de carga, conta que a quantidade de furtos e roubos de mercadoria tem crescido a cada ano. Para combater a ação dos criminosos, a empresa está implementando várias técnicas diferentes de segurança.

“No início, na década de 90, eram roubos amadores, as pessoas cometiam o crime sem planejar. Para coibir isso, dávamos cursos aos motoristas e colocamos escoltas armadas. Algumas quadrilhas viram que esse crime era lucrativo, fácil de cometer, então começaram a atuar com mais força, com mais planejamento e nas rodovias. A partir daí, as seguradoras começaram a exigir outros itens, como rastreadores, tanto no caminhão quanto nas mercadorias, investigação da ficha do motorista, entre outras exigências”, explicou.

O diretor conta que são roubados todos os tipos de carga, de eletrônicos a gêneros alimentícios, passando por combustíveis e medicamentos. “Tem carga que vai desde R$ 60 mil a R$ 1,2 milhão. E esses produtos são revendidos por até 40% do valor da nota”, contou Pacheco.

Segundo o representante da seguradora, outro grande problema são os receptadores das cargas. O diretor explica que os crimes já são cometidos com destinatários certos para as mercadorias roubadas.

“Enquanto não houver uma ação junto aos receptadores, o roubo de carga só vai aumentar. Porque é um crime que compensa, já tem a carga encomendada, o lucro é certo, não vai ter trabalho quase nenhum e o risco é baixo”, disse.

Já o analista de risco da corretora de seguros, Vinicius Santos, aponta que é necessário ter uma polícia que faça a repreensão desse tipo de crime. “Temos uma delegacia, que é a de Furtos e Roubos, que só vem depois do roubo. É uma delegacia investigativa, não temos uma unidade de repressão”, disse.

Ele ainda reforça que é preciso fazer mais fiscalização, atuando na prevenção aos delitos. “Falta um policiamento específico para o roubo de cargas. Tinha que haver mais abordagem de veículos, conferência de notas fiscais, se veículo está regulamentado”, sugere Santos.

Combate e monitoramento
O delegado Alexandre Bruno explicou que existe um trabalho constante de fiscalização da Decar para tentar coibir esse tipo de crime, incluindo parcerias com outros setores da segurança pública. Diante do alto índice de roubos em Anápolis, por exemplo, a polícia começou a monitorar todos os galpões da cidade. “A pessoa pode até pegar a carga em Anápolis, mas agora ela vai ter que deixar guardada em outro lugar, vai dificultar para as quadrilhas”, disse.

Além disso, em Anápolis foi criado o Grupo de Repressão a Crimes Patrimoniais (Gepatri), para auxiliar no combate aos grupos especializados. Periodicamente também são feitas reuniões entre as polícias para estabelecer estratégias de ação.

Segundo o delegado, com essas operações e parcerias, 112 pessoas foram presas em 2016. Este ano, 18 suspeitos já foram presos. “Acreditamos que conseguimos já desarticular algumas quadrilhas de furto e roubo de cargas que atuavam no estado. E, à medida que você vai atuando, o foco vai mudando. Hoje essas quadrilhas já estão agindo mais no Mato Grosso, Tocantins e Minas Gerais”, explicou.

Porém, o titular da Decar admite que o maior desafio é atuar em cima de quem compra os produtos roubados. “É difícil pegar o receptador, tem carga que são bem específicas, como implementos agrícolas, combustível, são mais difíceis de localizar. A primeira porque vendem diretamente para o fazendeiro, produtor rural, então a mercadoria é rapidamente utilizada. Com os combustíveis, a mesma coisa. Coloca dentro do reservatório e não tem como saber se aquela carga foi ou não produto de roubo”, explicou.

Mesmo com as dificuldades, Barros garante que a polícia segue atuando no combate aos receptadores. “Há seis meses, a região de Aparecida de Goiânia era muito crítica em relação a isso. Donos de supermercados contratavam os agentes delitivos para roubar essas cargas de gêneros alimentícios e produtos de limpeza. Eles tinham até estrutura de galpão para esconder a carga. Prendemos nove donos de supermercados e hoje não temos mais tanto esse problema”, concluiu.(Fonte:G1/Go)

 

Jovem confessa que matou namorada em Goiânia: ‘Cego de raiva’

Ele relata que a adolescente o estava traindo, o que ele não aceitou.
Garota de 15 anos foi morta com 16 facadas, segundo a Polícia Militar.

A Polícia Militar (PM) divulgou um vídeo em que um jovem de 18 anos confessa ter esfaqueado e matado a namorada, de 15, em Goiânia. Na gravação, ele relata que a garota admitiu que estava traindo ele, o que o deixou “cego de raiva”. A adolescente foi morta a facadas em frente à casa do suspeito, no Bairro da Vitória, na segunda-feira (12).

Nas imagens, ele começa relatando a um PM que a namorada ligou pedindo para que ele fosse com ela ao dentista. No local, ele acabou ficando com o celular dela. “Um cara ligou e eu atendi. Ele ficou falando que tinha um caso com ela, que ela estava me traindo, que era para ela me deixar, que era para eu largar de ser moleque, que eu não era homem, era moleque”, relatou.

Ainda no vídeo, o suspeito conta que a vítima admitiu estar traindo ele e que, por causa disso, eles terminaram ainda no caminho para a casa dele.

“Eu perguntei para ela se isso era verdade e ela falou que estava ficando com ele sim e que os dois estavam tendo um caso, que ela estava me traindo. Não aceito traição não. Fiquei cego de raiva e matei ela”, relatou.

Na filmagem, o policial pergunta como o homicídio aconteceu. “A gente tinha combinado de descer lá em casa para pegar as coisas dela, porque a gente tinha terminado. Na porta, quando eu entrei dentro de casa mesmo, foi quando eu pensei. Já vi a faca lá em cima da mesa, peguei e fui para cima dela. [Ela] estava na rua, na calçada. Eu entreguei as roupas, quando ela tirou da minha mão já  viu a faca, desesperou para correr e eu acertei a primeira na barriga”, contou.

Apesar de admitir o crime, o jovem relata que não sabe quantas facadas deu na vítima. “Eu não lembro, não contei. Não sei quantas, acho que em torno de umas 15 ou 20”, afirmou.

O policial ainda pergunta ao rapaz o que ele acredita que acontecerá come ele. “Não sei. Estou disposto a pagar”, respondeu.

Choque
Uma testemunha do homicídio, que não quis ser identificada, relatou que viu quando o rapaz esfaqueou a namorada. Ela conta que ficou muito assustada e não esperava ver a cena.

“Nunca tinha visto nada tão triste. Saíram da casa dele, ela na frente e ele atrás. Ele começou a esfaquear ela. Foram mais de dez golpes. As pessoas que viram gritavam ‘para com isso, não faz isso’, mas ninguém impedia. Não sabíamos se ele estava drogado ou não. Acho que ele ia cortar o pescoço dela, mas ela olhou pra ele e ele se afastou”, disse ao G1.

Ainda segundo a testemunha, a vítima também gritava e pedia que o autor do crime parasse com as agressões. “Enquanto esfaqueava ele xingava ela de vagabunda, safada, sem vergonha. Enquanto isso ela falava ‘para com isso, faz isso não, eu te amo’”, completou.

Conforme a testemunha, todos da região ficaram chocados com o crime e estão ainda abalados com o que viram. “Nunca tinha visto nada igual na minha vida. Não esperava isso, ninguém esperava isso. Foi muito triste. Foi horrível, não conseguiria imaginar isso”, disse.

Crime
O boletim de ocorrência aponta que e menina foi golpeada 16 vezes. Ela chegou a ser socorrida por moradores e levada para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Setor Jardim Curitiba III, mas não resistiu aos ferimentos.

A PM foi acionada e recebeu informações sobre a autoria do homicídio. O suspeito foi preso em uma casa na mesma rua, a qual havia invadido durante a fuga. Segundo a corporação, ele já tem passagem por roubo.

O jovem foi levado à Central de Flagrantes para ser autuado pelo assassinato. O caso é apurado pela Polícia Civil.(fonte:G1/Go)