Batida entre caminhões deixa três mortos na BR-153 em Nova Olinda

Bombeiros precisaram de equipamentos para resgatar um dos corpos que ficou preso às ferragens. Pista ficou cheia de óleo e serragem foi utilizada para evitar novos acidentes.

Um acidente entre dois caminhões deixou três mortos na BR-153. Um dos corpos ficou preso às ferragens e precisou ser resgatado pelo Corpo de Bombeiros com equipamentos especiais.

Duas das vítimas são Silvandir Gonzaga de Castro e Terononice Alves Pinto Filho, um dos passageiros ainda não foi identificado.

A batida foi a cerca de 10 quilômetros da cidade de Nova Olinda, no norte do estado, pouco depois de 1h desta quarta-feira (6). Um dos veículos era um caminhão bitrem e outro um caminhão do tipo munck. Como a pista ficou cheia de óleo foi preciso usar serragem para evitar novos acidentes no local.

Os corpos foram levados para o Instituto Médico Legal de Araguaína. Não há informações sobre as causas do acidente.

G1/Tocantins

Uma pessoa morre e duas ficam feridas após colisão entre caminhões

Batida aconteceu na BR-153 em Nova Olinda, no norte do Tocantins. Luiz José dos Santos, de 65 anos, foi socorrido com vida, mas não resistiu e morreu no hospital.

O motorista Luiz José dos Santos, de 65 anos, morreu e duas pessoas ficaram feridas após um acidente na BR-153 em Nova Olinda, região norte do Tocantins. Segundo informações da Polícia Civil, o caminhão em que o homem estava bateu na traseira de outro veículo. As vítimas são todas da mesma família.

O acidente foi na manhã desta quarta-feira (11). O caminhão de Santos estava carregado de melancia e ficou com a frente destruída pelo impacto. A polícia informou que o homem chegou a ser socorrido com vida, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no hospital.

Os nomes das duas pessoas feridas não foram informados. Elas foram levadas para o Hospital Municipal de Nova Olinda. O motorista do outro caminhão não ficou ferido.

A perícia esteve no local e as causas do acidente serão investigadas. O corpo da vítima foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) de Araguaína.

G1/TO

Manchete aponta que 36 rodovias goianas estão péssimas

Manchete do jornal O Popular do último domingo, 19 de março, mostra que Goiás tem trechos sem sinalização ou em péssimas condições de tráfego, alguns até intransitáveis, onde nem existe mais pavimentação. E isso prejudica diretamente o transporte de milhares de toneladas da produção agropecuária do Estado, principalmente grãos, carnes e leite.

Um relatório da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), Associação dos Produtores de Soja e Milho de Goiás (Aprosoja) e sindicatos rurais, feito no início deste ano, identificou 36 rodovias goianas usadas para o escoamento da safra que estão em condições péssimas ou ruins. Outro levantamento recente, feito pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), a Pesquisa CNT de Rodovias 2016, revelou que 62% das rodovias que passam por Goiás tinham algum tipo de problema. O resultado: um aumento médio de 28% no custo com transporte, contra 24% no País.

Em alguns pontos, o preço do frete chega a dobrar, segundo informações. Vários trechos da GO-436 em Cristalina e Luziânia, por onde passa boa parte da safra goiana com destino aos portos ou mercados consumidores do País, estão quase intransitáveis e a velocidade dos caminhões não passa dos cinco quilômetros por hora.

O consultor técnico da Faeg, Cristiano Palavro, deu o exemplo da GO-174, entre Rio Verde e Montividiu, e da GO-436, entre Cristalina e a divisa com o Distrito Federal, muito movimentadas e que estão sempre em péssimas condições. Ele lembra que alguns produtores, que possuem caminhões próprios, sofrem com o custo da manutenção. Rodovias chegam a ser interditadas por causa das condições precárias ou acidentes, atrasando o frete, e produtos chegam a se perder na estrada.

Pra piorar, o governador Marconi Perillo (PSDB) e o vice José Eliton (PSDB) planejam privatizar as rodovias estaduais, com cobrança de pedágio médio de R$ 35 por trecho de rodovia.(Fonte:Goiás Real)