Jovem morre após barranco desabar sobre máquina em canteiro de obra

Acidente foi em área de extração de areia e cascalho para construções. Eduardo Machado, de 23 anos, chegou a ser levado ao hospital, mas não resistiu.

O operador de escavadeira Eduardo Machado, de 23 anos, morreu após um barranco desabar no canteiro de obra em que ele trabalhava.

A Polícia Militar disse que o acidente foi na tarde desta quinta-feira (15), em Pindorama do Tocantins, região sul do estado.

O jovem chegou a ser socorrido por colegas de trabalho e lavado ao Hospital Regional de Porto Nacional, mas não resistiu.

O teto da retroescavadeira de Eduardo conduzia foi atingido por pedras pesadas e acabou esmagando o jovem dentro da máquina.

A polícia não soube informar se ele usava os equipamentos de segurança porque quando chegou ao local o rapaz já tinha sido levado para o hospital por outros funcionários.

O canteiro de obra onde o desabamento aconteceu fica a poucos quilômetros de Pindorama, na zona rural. A área é para extração de areia, cascalhos e pedras utilizados em construções na região. O rapaz enchia uma das caçambas quando tudo aconteceu.

O corpo de Eduardo Machado foi levado para o Instituto Médico Legal de Porto Nacional.

G1 Tocantins

Barranco cede no trecho do Apertado da Hora em Palmeirópolis e preocupa moradores

O trecho é perigoso com alto índice de mortes.

Um barranco começa a ceder na TO 387, próximo a Palmeirópolis. O local é conhecido como a “curva da morte”, por ser perigoso com alto índice de acidentes levando a morte de muitos caminhoneiros.

Moradores reclamam e dizem que o trecho oferece perigo tanto a motoristas – que podem inclusive cair no córrego – como para pedestres.

Além do perigo já existente, o medo agora é de um possível desmoronamento.

Corrego Mucambinho transbordando

Chuvas fortes durante todo final de semana em Palmeirópolis, com isso os córregos transbordaram e a previsão é de mais chuvas amanhã.

O problema causa transtornos aos moradores que se dizem preocupados com a possibilidades de acidentes.

O que realmente causa o pânico é o trecho (ladeira) que dá acesso curva.

Várias reivindicações foram feitas por representantes e moradores às autoridades competentes, mas até nada foi feito. Mesmo com o pequeno deslizamento, o trajeto no local continua acessível.  

Da redação

 

“Apertado da Hora”: Caminhão carregado de cimento caiu em barranco no trecho da morte em Palmeirópolis

Na quarta-feira, por volta do meio dia aconteceu mais um terrível acidente no trecho perigoso próximo a Palmeirópolis. Motorista teve apenas escoriações, após caminhão cair de precipício.

O veículo caiu de uma altura de 10 metros na TO-387. O local fica próximo à Palmeirópolis e é conhecido como ‘Apertado da hora’, ou curva da morte. O motorista do veículo perdeu o frio na descida e com a velocidade conseguiu no impacto atravessar o córrego para o outro lado, algo nunca acontecido antes. O acidente foi no mesmo local onde ano passado morreu duas pessoas.

O motorista ainda não identificado, transportava cimento e ferragem para Palmeirópolis e ficou preso na cabine do caminhão até as 5 horas da tarde esperando o corpo de Bombeiros de Gurupi que fica cerca de 220km do local. Como os bombeiros não apareceram os moradores se uniram com a PM, levaram cordas, serra elétrica, gerador e conseguiram retirar o motorista das ferragens, um ato de bravura que teve aplausos dos moradores.

O motorista foi atendido no hospital da cidade e em seguida encaminhado a Gurupi e está fora de perigo. Sobreviveu e teve apenas ferimentos leves. O veículo ficou totalmente destruído.

A curva em que o acidente aconteceu é chamada de ‘apertado da hora’ e conhecida na região pelos acidentes. Em 2016, vários acidentes envolvendo caminhões caíram no local e duas pessoas morreram.  A estatística é grande de outros acidentes com vítimas fatais naquele trecho.

Ano passado, os moradores da região fizeram um protesto no local pedindo mais segurança, após vários acidentes. Algumas sinalizações foram feitas, mais o problema não foi resolvido.

Procuramos os responsáveis para uma explicação, até agora não obtivemos respostas. O perigo continua naquele local.

trecho

unnamed (36)unnamed (37)

aperatdo 2Da redação/Fotos e vídeo: Eurizan Barbosa Junior