No Tocantins: Sobrinho de deputada federal é indiciado por atirar no irmão em briga por herança

Advogado Reinaldo Pagani, sobrinho de Dulce Miranda (MDB), foi indiciado por lesão corporal grave e porte ilegal de arma. Caso foi registrado em uma oficina em Araguaína no começo deste ano.

O advogado Reinaldo Pagani foi indiciado por lesão corporal gravíssima e porte ilegal de arma por ter atirado no peito do próprio irmão, em janeiro deste ano. Segundo a Polícia Civil, o crime aconteceu devido uma briga por herança. Os dois são sobrinhos da deputada federal e ex-primeira-dama Dulce Miranda (MDB).

O site ligou para os telefones do advogado, mas as ligações não foram atendidas.

O crime aconteceu em uma oficina mecânica de Araguaína, norte do Tocantins. Clarindo Pagani Pereira Cardoso, de 40 anos, foi socorrido e sobreviveu. As investigações foram concluídas pela Polícia Civil nesta semana.

Segundo apurado pela polícia, os dois irmãos estavam se desentendendo há algum tempo por causa da herança deixada pelo pai. Antes do crime, a vítima teria ido até uma delegacia fazer uma queixa contra o irmão após sofrer ameaças.

No dia do crime, Reinaldo Pagani teria ido até a oficina para acertar uma dívida que teria com o irmão. No local, ele sacou a arma de fogo e fez um tiro de advertência, pois também teria sofrido ameaças de Clarindo Pagani. Vendo que a vítima não se intimidou, fez outro disparo e acertou o irmão.

Ainda segundo a polícia, o advogado desistiu do homicídio e socorreu o irmão. Embora tivesse porte de arma, Reinaldo Pagani não tinha permissão para transitar com a pistola naquele local.

“O fato de Reinaldo não ter continuado na execução do homicídio, tendo desistido voluntariamente, faz com que ele deixe de responder pelo homicídio tentado. Ele passa a ser responsabilizado apenas pelos atos praticados, no caso, a lesão corporal provocada na vítima”, explicou o delegado Luís Gonzaga.

Reinaldo Pagani foi indicado por lesão corporal grave e porte ilegal de arma de fogo. Se for condenado, ele pode pegar até nove anos de prisão.

PM de folga é preso suspeito de atirar em autônomo durante briga em posto de combustíveis

A vítima foi socorrida e encaminhada para o hospital. Amigo do homem baleado também foi agredido e diz que militar estava bastante alterado.

Um policial militar foi preso na noite de sexta-feira (10) suspeito de atirar contra a cabeça do autônomo Silvio César da Costa Júnior, de 27 anos, durante uma briga em um posto de combustível em Goiânia. A vítima foi socorrida e encaminhada para o hospital. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, “o caso será apurado pelos órgãos competentes”.

Um amigo da vítima, que estava no local, disse em depoimento à Polícia Civil que que a confusão começou quando o militar Bruno Correia de Araújo chegou no posto de combustíveis muito alterado e tentou puxar conversa com um grupo de pessoas. Como eles não deram atenção a ele, se irritou, sacou a arma e começou a atirar.

“Ele deu uma coronhada na minha cabeça. Todo mundo correu. Ele disse que já tinha chamado a viatura e correu atrás da gente com a arma. Eu corri na frente e só escutei o tiro. Quando olhei para trás, vi que ele tinha atirado no Júnior”, relatou Heberson de Souza.

Em nota, a assessoria de Comunicação da PM informou que uma equipe foi ao local e conduziu o militar até a Central de Flagrantes. Ele ficou à disposição da Polícia Judiciária para a realização dos procedimentos legais.

O Bruno Correia é aluno soldado da PM. Segundo a Polícia Civil, ele já atuava nas ruas. Ele foi preso em flagrante por tentativa de homicídio. A delegada Caroline Paim disse que o policial confirmou que atirou contra Sílvio. “Ele relatou que estava bebendo em um posto e travou uma discussão e efetuou disparo numa forma de tentar se defender de agressões”, disse.

A assessoria de imprensa do Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) informou que o estado de saúde dele é gravíssimo e está em cirurgia com a equipe neurológica.

G1 Tocantins.

Dois morrem durante ação da PM em Dianópolis; policiais dizem que vítimas ameaçaram atirar

Militares disseram que foram atender uma denúncia de que grupo armado estaria fazendo ameaças na cidade. Maior parte dos suspeitos fugiu, mas dois ficaram para trás e teriam desobedecido ordem para largar as armas.

Dois homens foram mortos pela Polícia Militar de Dianópolis, na região sudeste do Tocantins, na manhã desta terça-feira (24). Segundo o delegado Clezio Cândido Lima Neves, a PM foi chamada pela manhã em por moradores de uma rua do setor Santa Luzia. Eles reclamavam que homens armados estariam fazendo ameaças no local. Os dois mortos seriam parte deste grupo.

Uma equipe de três policiais foi ao local. A maior parte do grupo fugiu assim que eles chegaram, mas Pablo Henrique Almeida Santos, de 23 anos e um menor de idade de 17 anos ficaram para trás. Eles teriam tentado se esconder dentro de uma casa abandonada, mas foram flagrados pelos militares no local.

Segundo o delegado, testemunhas disseram que os policiais pediram que os homens largassem as armas, mas não foram atendidos. Os dois homens não chegaram a atirar, mas os PMs afirmam que eles fizeram menção de apanhar as armas. Foi quando os tiros aconteceram. Os dois morreram no local.

A Polícia Civil informou que a casa foi periciada e os corpos foram levados para o Instituto Médico Legal de Natividade, onde devem ser examinados. Não foi informada a quantidade de tiros que atingiu cada um.

Segundo o delegado, além dos três militares, duas testemunhas confirmaram que os homens estavam armados e que fizeram ameaças. Existe também a suspeita de que eles tenham consumido drogas e álcool, mas isso ainda será confirmado pelos exames no IML.

O menor de idade tinha passagens pela polícia e era investigado por ter relação com um homicídio na cidade e com o tráfico de drogas. O delegado destacou que deve ouvir mais testemunhas do caso na quarta-feira (25).

O Comando Geral da Polícia Militar em Palmas disse que deve se manifestar sobre o caso nesta quarta.

G1 Tocantins.

Suspeito de matar técnica de enfermagem e atirar na própria cabeça morre no hospital

José Humberto Nogueira estava internado no Hospital Geral de Palmas desde a semana passada. Informação foi confirmada pela Secretaria de Saúde, mas causa da morte ainda não foi divulgada.

Morreu na tarde desta quinta-feira (8) o suspeito de ter matado a técnica de enfermagem Juvenia Cunha de Sousa, 36 anos.

José Humberto Nogueira estava internado em estado grave no Hospital Geral de Palmas desde o último dia 31 de janeiro, quando foi encontrado com um ferimento de tiro na cabeça.

A informação foi confirmada pela Secretaria de Estado da Saúde, mas a causa ainda não foi divulgada. Nogueira era suspeito de matar a ex-companheira e ter atirado na própria cabeça. O crime aconteceu em uma kitnet, na quadra 804 Sul.

O crime está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP). Segundo a delegada responsável, algumas testemunhas foram ouvidas. Faltam ainda os depoimentos de parentes de Juvenia, que viajaram para acompanhar o velório dela.

Juvenia Cunha foi morta a tiros na região sul de Palmas (Foto: Reprodução/Facebook)

O crime

A técnica de enfermagem Juvenia Cunha de Sousa, 36 anos, foi morta a tiros na noite desta quarta-feira (31), em Palmas. O crime aconteceu em um conjunto de kitnets na quadra 804 Sul.

Segundo o Corpo de Bombeiros, a mulher foi encontrada sem vida ao lado de José Humberto Nogueira, que apresentava um ferimento na cabeça.

Segundo a Polícia Civil, a suspeita é de que o homem teria matado a mulher e depois atirado contra a própria cabeça. Ele foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência e levado para o Hospital Geral de Palmas (HGP) com vida.

G1 Tocantins

Polícia prende segundo suspeito de atirar contra prefeito de Tocantínia

Jovem foi capturado perto da cidade de Lajeado. Com dois suspeitos presos, polícia faz buscas para encontrar o terceiro assaltante.

A polícia prendeu o segundo suspeito de atirar contra o prefeito de Tocantínia, Manoel Silvino Gomes Neto (SD) e no motorista João Mascarenhas.

Ele foi capturado às margens da TO-010, no km 56, próximo a Lajeado. O jovem, de 18 anos, ainda não identificado, foi ouvido pelo delegado e levado para a cadeia de Miracema. Um terceiro suspeito segue foragido.

Na noite deste domingo (4), o outro suspeito do crime foi capturado. O jovem de 18 anos foi identificado como Mateus Carvalho da Silva. 

Os militares que faziam as buscas o viram saindo de um matagal perto da ponte que liga Miracema do Tocantins a Lajeado, onde o carro usado durante a ação foi abandonado.

Entenda

Segundo testemunhas, o prefeito estava em casa com parentes e amigos se preparando para comemorar o aniversário, neste domingo (4). Pela manhã, ele pediu para que o motorista o levasse até a padaria.

Os criminosos se aproveitaram do momento para entrar na casa e renderam quem estava no local, inclusive os três filhos do político, todos menores de idade. Três homens participaram da ação, dois entraram e um ficou do lado de fora da casa.

Testemunhas contaram ainda que os homens agrediram a mulher do prefeito e outras pessoas. Quando Silvino e Mascarenhas retornaram, perceberam o assalto. Segundo a PM, o político reagiu e tentou tomar a arma de um dos assaltantes. Ele e o motorista foram baleados.

Silvino foi encaminhado para o Hospital Geral de Palmas e passou por cirurgia para a retirada da bala na barriga. O estado de saúde dele é estável. Já Mascarenhas que foi baleado no peito direito está internado no Hospital Regional de Miracema. A mulher, Josiane Santana, disse que ele não precisou passar por cirurgia porque a bala não ficou alojada.

A Polícia Militar disse que está fazendo buscas na região para encontrar os outros suspeitos.

Silvino foi presidente da Associação Tocantinense de Municípios (ATM) e está no terceiro mandato à frente da Prefeitura de Tocantínia, cidade localizada na região central do estado.

G1 Tocantins

Adolescente de 16 anos é suspeito de atirar contra o próprio pai após discussão

Tentativa de homicídio foi na zona rural de Marianópolis do Tocantins. A mãe do menor disse à PM que o garoto tinha sido ameaçado pelo pai; adolescente fugiu com a arma.

Um lavrador de 39 anos foi atingido dentro de casa por um tiro nessa quarta-feira (31). Segundo a Polícia Militar (PM), o filho da vítima, um adolescente de 16 anos, foi quem atirou no homem após uma discussão.

O crime foi no assentamento Manchete, na zona rural de Marianópolis do Tocantins, na região central do estado.

Segundo a PM, a mãe disse que pai e filho começaram uma discussão por volta das 17h, quando o homem chegou do trabalho.

No mesmo instante o garoto foi até o quarto, pegou uma arma de fogo e atirou nele. O homem foi atingido no peito e no braço.

A mãe do adolescente disse à polícia que o garoto vinha sofrendo ameaças constantes. Moradores do assentamento informaram que a família é problemática.

Depois do crime, a vítima foi levada para o Hospital Regional de Paraíso do Tocantins e o adolescente fugiu levando a arma. O caso está sendo tratado como tentativa de homicídio.

A Secretaria de Saúde informou que o estado de saúde da vítima é estável.

G1 Tocantins/Imagem ilustrativa

No Tocantins, grupo faz idoso refém em fazenda e abandona armas após atirar em policiais

Três pessoas estavam na propriedade rural e disseram que os criminosos tentaram obrigá-los a entregar os documentos das terras. Ninguém foi preso.

Um grupo de criminosos invadiu uma fazenda em São Bento do Tocantins e tentou obrigar os proprietários a entregar os documentos das terras e saírem do local. A Polícia Militar informou que encontrou os suspeitos em um carro quando estavam indo atender a ocorrência, mas eles atiraram contra a viatura e fugiram por um matagal.

Três pessoas moram na fazenda que foi invadida e informaram que os criminosos chegaram a fazer um idoso de refém que foi liberado antes da chegada da PM. O crime aconteceu no fim da tarde desta quinta-feira (4) e ninguém ficou ferido.

Os criminosos fugiram deixando um carro onde os policiais encontraram uma arma de fogo de fabricação artesanal, uma coronha de uma espingarda, oito munições deflagradas de vários calibres diferente, dois vidros de chumbo para recarga, oito sacos de carvão.

O material apreendido foi levado para Central de Flagrantes de Araguatins.

G1 Tocantins

Após ser preso, ex-marido alegou que estava bêbado ao atirar em doméstica

José Paulo Ribeiro, 29 anos, confessou o crime e se disse arrependido. Ex-mulher levou 5 tiros, mas sobreviveu. Vídeo registrou o crime, em Goiânia.

Polícia Civil prendeu José Paulo da Silva Ribeiro, de 29 anos, suspeito de tentar matar a tiros a ex-mulher, a doméstica Aleudiane Coimbra de Sousa, também de 29 anos, em Goiânia. De acordo com a delegada Ana Elisa Gomes, da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), o homem se disse arrependido e alegou que só cometeu o crime porque estava bêbado. Aleudiane sobreviveu após ser atingida por cinco tiros. Ela ficou internada por quase uma semana e já recebeu alta.

Segundo a delegada, a doméstica foi “salva por um milagre” e ficou “feliz” ao saber da prisão do ex-marido. “Ele disse que está arrependido, que não sabe explicar por que atirou, disse que ficou muito nervoso, mas justifica a conduta dele pelo consumo das cervejas, mas nada justifica uma atitude desta. Ela ficou extremamente feliz ao saber que ele foi preso. Eu acho que, neste momento, a vítima começa a sentir a justiça que ela merece”.

“Ela ainda está debilitada, ainda precisa de cuidados médicos, tem que fazer curativos todos os dias. Segundo os próprios médicos disseram, ela foi salva por um milagre”, disse.

O crime aconteceu na tarde de quinta-feira (21), no Setor Bueno, região sul de Goiânia, e foi registrado por câmeras de segurança. O homem abordou a doméstica enquanto ela passava pela Rua T-62, de moto. Assustada, ela larga a motocicleta na rua e corre para a calçada. Os dois conversam e o homem tenta levá-la na motocicleta, mas a mulher foge. O homem corre atrás dela e dispara várias vezes.José Paulo da Silva Ribeiro, de 29 anos, suspeito de tentar matar a tiros a ex-mulher, em Goiânia (Foto: Reprodução/TV Anhanguera).

José Paulo foi preso na tarde de terça-feira (26), na casa de parentes dele em Uruaçu, na região norte de Goiás. Segundo a delegada, após atirar contra a ex, ele roubou a moto de uma mulher e fugiu para a casa de familiares. Para a Polícia Civil, o crime foi premeditado.

“Além de tentar matar a ex-companheira, na hora de fugir ainda apontou a arma para uma mulher que passava em uma motocicleta, e roubou o veículo dela para facilitar a fuga. Ele fugiu, abandonou o veículo e foi viajando de mototaxi, ônibus, até chegar em Uruaçu, onde ficou escondido”

“Não temos dúvidas de que ele planejou, e ele realmente confirma que adquiriu a arma dias antes”, disse.

De acordo com a delegada, o homem foi preso temporariamente e deve ser indiciado pelo crime de tentativa de feminicídio. Se condenado, pode ficar de 6 a 20 anos preso. Segundo a investigadora, o inquérito deve ser concluído antes do fim da prisão temporária, que é de 30 dias.

“Estamos já bem adiantados e, com certeza, vamos terminar, concluir estas investigações antes mesmo do prazo, para que ele continue preso”, afirmou.

Baleada no braço, na mão e no peito, Aleudiane ficou internada no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), passou por cirurgia, mas, segundo a delegada, se recuperou bem e já está em casa. No entanto, conforme Ana Elisa, ela ainda precisa ser submetida a curativos todos os dias.

Uma agente de trânsito, que preferiu não revelar a identidade, afirmou que a doméstica pedia por socorro antes de ser baleada pelo ex-marido. Ela passava pelo local no momento em que a Aleudiane foi atingida. A servidora conta que viu a vítima pedindo ajuda.

“Uma senhora apareceu correndo, desesperada, gritando: ‘Ele vai me pegar, ele vai me matar’. Logo em seguida, o rapaz atrás dela parou em frente à viatura. Não deu para identificar porque ele estava de capacete. Ela pediu ajuda para a gente. Falou para entrar em contato com a irmã dela, porque ele ameaçou matar o filho deles”, afirmou em entrevista à TV Anhanguera.

G1 Goiás