Após 30 dias internada em hospital em Araguaína, deputada Amália Santana recebe alta

Amália ficou internada por 30 dias, sendo 12 deles na UTI, após ter sofrido um Acidente Vascular Cerebral.

Em nota oficial enviada à imprensa neste domingo, a assessoria de comunicação da deputada estadual Amália Santana informou que a parlamentar recebeu alta do Hospital Dom Orione, em Araguaína, neste final de semana.

Amália ficou internada por 30 dias, sendo 12 deles na UTI, após ter sofrido um Acidente Vascular Cerebral.

De acordo com a nota, a deputada seguirá se recuperando em casa e iniciará seu processo de reabilitação com realização de sessões de fisioterapia. “A família agradece as manifestações de carinho dos tocantinenses”, finaliza a nota.

A deputada Amalia Santana foi internada em coma após sofrer um AVC no dia 15 de fevereiro, quando estava em sua casa, no município de Colinas do Tocantins, e chegou a passar por procedimentos cirúrgicos.

T1noticias

Notícias sobre:

amália sa

Eletricista morre após levar choque em rede de alta tensão durante troca de poste

Francisco Lopes de Souza, de 37 anos, estava com alguns fios na mão quando a rede de energia foi religada. Ele chegou a ser socorrido, mas chegou ao hospital de Guaraí já sem vida.

O eletricista Francisco Lopes de Souza, de 37 anos, morreu depois de receber uma descarga elétrica de alta tensão enquanto trabalhava.

Segundo a Polícia Civil, o homem morreu durante a troca de um poste em uma chácara da zona rural de Guaraí, na região central do Tocantins, no final da tarde dessa segunda-feira (5).

De acordo com os policiais, uma equipe de quatro eletricistas foi chamada para substituir um poste que estava quebrado.

Momentos antes do trabalho ser finalizado, a rede elétrica, que havia sido desligada, foi religada, o que provocou uma descarga elétrica de alta tensão.

Depois do choque o eletricista ficou pendurado no alto do poste pelo cinto de segurança.

A vítima foi levada para o Hospital Regional de Guaraí, pelos moradores da região, mas já chegou à unidade sem vida.

A polícia disse que o caso esta sendo investigado, já que a morte pode ter sido causada por falha humana.

Em nota, a Energisa informou que se solidariza com familiares e amigos da vítima que era funcionário da prestadora de serviço Enecol.

Informou ainda que junto com a Enecol está prestando todo o atendimento necessário para a família e apurando as causas do acidente.

G1 Tocantins/Foto ilustrativa

Juiz aponta ‘alta periculosidade’ e mantém prisão de casal que confessou ter matado criança espancada

Acusados disseram ter agredido menino de dois anos porque se irritaram com choro, em Santo Antônio do Descoberto.

O casal preso pela morte de criança teve a pena convertida de flagrante em preventiva em audiência de custódia, nesta terça-feira (6), em Santo Antônio do Descoberto, no Entorno do Distrito Federal.

Juiz que presidiu a sessão, José Augusto de Melo Silva considerou o crime de “extrema gravidade” e os acusados, que confessaram, de “alto grau de periculosidade”.

A Polícia Civil já havia informado que a mulher, de 21 anos, e o companheiro, de 23 – respectivamente mãe e padrasto da vítima – afirmaram que acertaram o menino com socos, chutes e pisões porque se irritaram com choro da criança. A vítima foi morta no último domingo (4) e o casal preso no dia seguinte.

O site não conseguiu contato com a defesa do casal. Os dois foram autuados por homicídio qualificado por motivo torpe e estão detidos na Unidade Prisional de Santo Antônio do Descoberto.

Crime

Em comunicado, a Polícia Civil informou que a criança, por conta do choro, foi levada da sala para o quarto onde o a mãe o padrasto estavam. Lá, ela foi agredida e deixada novamente na sala.

Após o espancamento, no domingo (4), o pai do rapaz esteve no imóvel e percebeu que a criança estava “imóvel e sem qualquer sinal de temperatura corporal”. Diante disso, a mãe o levou ao hospital. No entanto, o garoto já chegou sem vida ao hospital.

Ainda conforme a Polícia Civil, ao constatar a morte, o médico notou sinais de violência e acionou a PM. Ao questionar a mãe, ela disse que o companheiro é quem teria cometido o crime. Os policiais então foram até a residência do casal. O homem tentou fugir, mas foi impedido e preso.

G1 Goiás

Motorista baleado durante assalto na residência do prefeito recebe alta

João Mascarenhas Barros estava internado no Hospital Regional de Miracema após ser baleado no lado direito do peito. O prefeito, Manoel Silvino Gomes, segue internado em Palmas.

O motorista João Mascarenhas Barros, baleado durante um assalto na casa do prefeito de Tocantínia, Manoel Silvino Gomes Neto (SD), recebeu alta nesta segunda-feira (5).

Ele estava internado no Hospital Regional de Miracema. A bala acertou o peito dele do lado direito, mas não ficou alojada. Ele não precisou passar por cirurgia.

Já o prefeito segue internado em um hospital particular de Palmas. A unidade informou que o estado de saúde dele é estável, mas que ele ainda não pode receber visitas. Ainda não há previsão de alta para ele.

O caso foi neste domingo (4). Segundo testemunhas, o prefeito estava em casa com parentes e amigos se preparando para comemorar o aniversário. Ele pediu para que o motorista o levasse até a padaria.

Os criminosos se aproveitaram do momento para entrar na casa e renderam quem estava no local, inclusive os três filhos do político, todos menores de idade. Três homens participaram da ação, dois entraram e um ficou do lado de fora da casa.

Prefeito de Tocantínia foi atendido no Hospital Geral de Palmas (Foto: Divulgação)

Testemunhas contaram ainda que os homens agrediram a mulher do prefeito e outras pessoas. Quando Silvino e Mascarenhas retornaram, perceberam o assalto. Segundo a PM, o político reagiu e tentou tomar a arma de um dos assaltantes. Ele e o motorista foram baleados.

Silvino foi encaminhado para o Hospital Geral de Palmas e passou por cirurgia para a retirada da bala na barriga. Depois ele acabou transferido para um hospital particular.

A Polícia Militar prendeu dois suspeitos do crime. Os dois têm 18 anos de idade, mas apenas um teve o nome divulgado até o momento. Trata-se de Mateus Carvalho da Silva. As buscas continuam na região para localizar o terceiro envolvido no assalto.

G1 Tocantins

Fio de alta tensão cai em pasto e mata 15 vacas em fazenda de Goiás

Animais estavam avaliados em cerca de R$ 70 mil. Com acidente, produtor relata que produção de leite, queijos e doces caiu, causando prejuízo.

Um fio de alta tensão caiu em um pasto e matou 15 vacas em uma fazenda no Novo Gama, Entorno do Distrito Federal. Os animais estavam todos juntos próximo ao poste na madrugada de segunda-feira (8). Gado estava avaliado em cerca de R$ 70 mil.

O pecuarista Paulo Roberto Lima criava os animais há 12 anos e tirava o sustento da produção de leite. “Eu cheguei ontem por volta de umas 4h, quando a gente vem para tirar o leite, e quando cheguei vi as vacas. Pensei que elas estavam só deitadas. Depois vi o fio de alta tensão, umas queimando e outras se debatendo”, contou.

Após o acidente, restaram apenas seis animais na propriedade. Com isso, a produção que era de 350 litros por dia caiu apenas para 100 litros. Com isso, o prejuízo diário com a queda na produção deve passar de R$ 400.

Paulo contou que já registrou uma ocorrência para tentar reaver o prejuízo. “Agora eu vou correr atrás dos meus direitos. Do jeito que está eu não posso ficar”, contou.

Em nota à TV Anhanguera, a Celg informou que vai apurar o caso.

G1 Goiás

Goiânia já tem 30 postos com falta de combustível por causa do protesto contra alta nos preços

Grupo bloqueia as entradas das distribuidoras desde a madrugada de segunda-feira (13). Com isso, produtos não estão sendo reabastecidos.

O protesto contra o aumento no preço dos combustíveis continua a bloquear a entrada de distribuidoras da Grande Goiânia na manhã desta terça-feira (14). De acordo com informações do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo no Estado de Goiás (Sindiposto), a manifestação já faz com que pelo menos 30 postos trabalhem com falta de algum tipo de combustível para atender os clientes.

O ato começou na madrugada de segunda-feira (13) e bloqueou a porta de distribuidoras localizadas em sete polos em Goiânia e Senador Canedo, na Região Metropolitana da capital. Elas são responsáveis pelo fornecimento para todo o estado.

De acordo com Antônio Carlos de Lima, representante do Sindiposto, a situação do desabastecimento deve piorar ao longo do dia. “Até as 9h desta terça-feira eram pelo menos 30 postos que já trabalhavam na Grande Goiânia sem algum tipo de combustível, então, se a situação não for resolvida hoje, há um risco de desabastecimento, pois essas distribuidoras não funcionam no fim de semana. Sem contar que ainda tem o feriado nesta quarta-feira”, destacou.

Segundo o sindicato, cerca de 250 caminhões esperam nesta manhã nas portas das distribuidoras para carregar o combustível.”Estamos enfrentando dois problemas, que é o preço alto e o risco de desabastecimento. Com isso, muitos consumidores estão correndo aos postos para tentar abastecer e correm o risco de não ter o atendimento”, destacou.

Em Goiânia, o litro da gasolina comum pode chegar a R$ 4,49 e o do etanol a R$ 3,29. De acordo com o presidente da Cooperativa de Motoristas Particulares do Estado de Goiás (Coompago), Fabrício Nélio Feitoza, um dos líderes do movimento, enquanto esses valores não forem reduzidos, o protesto vai continuar.

“Não vamos sair daqui enquanto as autoridades não fizerem algo. Não há condições de manter os nossos orçamentos assim, então, os motoristas que estão aqui vão seguir firmes até o governo dialogue sobre a questão”, disse.

Transtornos

O site fez um giro pelos postos da capital e constatou que já há falta de alguns tipos de combustíveis. “Aqui acabou tudo. O etanol acabou na segunda feira e a gasolina agora de manhã. É só vai normalizar quando desbloquear as distribuidoras. Apesar do movimento baixo nos últimos dias, ontem e hoje o pessoal já procurou mais, com medo de que acabe em todo lugar e aí ficar sem combustível pra andar”, disse a auxiliar de um posto no Setor Vila Nova, Rafaela Matsuka.

O motorista de aplicativos de transporte Maycom Sander Magalhães tentou abastecer o carro com etanol, mas foi informado que não havia mais no posto. “Antes eu gastava R$ 50 por dia. Agora é entre R$ 75, R$ 80. Isso no fim do mês faz muita diferença. E não compensa abastecer com gasolina, é muito mais caro e não rende tanto. O jeito é procurar outro posto que tenha etanol”, afirmou.

O locatário de imóveis Sebastião Camilo Braga diz que a alta no preço dos combustíveis prejudica todos os setores. “Tudo precisa ser transportado de um lugar para o outro, então como depende do combustível, tudo fica mais caro, como a comida, remédios, tudo”, disse.

Em outro posto no Setor Pedro Ludovico, o gerente Rogério Gomes afirma que o estoque está baixo, mas ainda dá para trabalhar até o feriado da Proclamação da República. Apesar da queda no movimento, ele apoia o protesto dos motoristas.

“Tem realmente que se fazer algo para diminuir essas pressões. Não é só o motorista que sofre com esses aumentos, os postos também, porque o movimento cai bastante. O pessoal não abastece mais a mesma quantidade de antes”, disse.

Protesto

O protesto começou por volta das 5h de segunda-feira. O grupo é formado por motoristas, caminhoneiros, mototaxistas, taxistas e motoristas de aplicativos. Os manifestantes se reuniram em frente ao estacionamento do Estádio Serra Dourada e seguiram pela GO-020 até a porta das distribuidoras em Senador Canedo.

Os manifestantes reclamam do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que é de 30% para a gasolina e de 25% para o etanol. Eles também protestam contra a prática de cartel entre os postos, padronizando os preços. Segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), Goiânia tem o valor médio do litro da gasolina mais caro do país.

Em nota divulgada na segunda-feira (13), a Secretaria da Fazenda negou que o aumento dos preços ocorreu por causa do ICMS cobrado dos postos. “Embora a alíquota do ICMS de combustível seja aparentemente elevada, ela está em linha com a tributação que diversos estados brasileiros praticam. Grande parte deles cobra entre 25% e 31%”. Ainda de acordo com a secretaria, a “última alteração da alíquota de gasolina fará dois anos em janeiro, que passou de 27% para 28%, mais os 2% de contribuição do Fundo Protege. De lá para cá, no entanto, vários aumentos de preços foram repassados ao consumidor. Além disso, existem diversos benefícios fiscais que diminuem a carga tributária do etanol (25%), diesel (16%) e etanol anidro (que é misturado à gasolina). No caso do etanol, a maioria das usinas também tem o benefício somado do Produzir, resultando em carga tributária real entre 9% e 11%.”

O representante do Sindiposto, Antônio Carlos de Lima, afirma que não existe essa prática criminosa no setor. “Para ter cartel, tem que ter combinação prévia, dolosa e com fim de manipular mercado. Até hoje nenhum dono de posto foi condenado por cartel no estado de Goiás. Na Justiça não se prova a combinação prévia, dolosa e com fim de manipular mercado”, justificou.

Ação contra os postos

Por causa do preço do etanol, a Superintendência Estadual de Proteção aos Direitos do Consumidor (Procon-GO) propôs uma ação contra 60 postos de combustíveis suspeitos de aumento abusivo no valor do combustível. Segundo o órgão, alguns estabelecimentos tiveram lucro de até 120% em Goiânia. 

O reajuste também influencia no valor da gasolina.“A elevação do etanol sem justa causa está mantendo o preço da gasolina do jeito que está, elevado desta forma por falta de opção do consumidor de buscar o outro combustível”, afirma a superintende do Procon-GO, Darlene Araújo.

A superintendência informou que pesquisou o preço do etanol em 160 estabelecimentos entre o fim do mês de outubro e início de novembro. Conforme o levantamento, o lucro bruto dos postos de combustíveis saltou de R$ 0,24 para R$ 0,53 por litro de etanol vendido, sem justificativa, nestas 60 unidades. O Procon-GO divulgou a lista dos postos acionados no site do órgão.

O advogado do Sindiposto defendeu que a atitude dos estabelecimentos acionados não é ilegal. A entidade, que representa grande parte dos postos da capital, informou ainda que a postura foi adotada pela minoria.

“Ter lucro no comercio não é proibido. Há 1.620 postos, destes, 60 estavam querendo ganhar um lucro maior que os outros. Que mal há nisso? Não é proibido ter lucro. Na visão do Sindiposto, é prática normal de comerciantes quererem ter lucro. Como tem até 40 centavos de diferença de preço, cabe o consumidor procurar onde está mais barato”, disse Antônio Carlos ao G1.

A Polícia Civil está investigando a formação de cartel entre postos de combustíveis de Goiânia. Segundo a corporação, o processo está em andamento na Delegacia Estadual de Repressão a Crimes contra o Consumidor. O Procon também acredita nessa prática.

Manifestantes bloqueiam distribuidora de combustíveis em Goiânia e Senador Canedo (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

 

G1/Goiás

Equipes da Rede Globo são furtados em Ponte Alta do Tocantins

Meliantes invadiram uma casa alugada por algumas equipes que filmava a novela, “O Outro Lado do Paraíso”, próxima atração das 21 horas. 

Uma equipe de filmagem da Globo foi assaltada em Ponte Alta do Tocantins, a 187 Km de Palmas. O grupo está na cidade para filmar a próxima novela das nove e alugou a residência para ficar os 5 dias gravando a novela, “O Outro Lado do Paraíso”.

Ladrões até agora não identificados entraram na casa alugada e levou três celulares e um relógio de ouro, entre outros itens de menor valor. 

Segundo o dono da casa, que não quis se identificar, a equipe passou a noite de quinta-feira (3/8) fazendo churrasco. Quando todo mundo foi dormir, o furto ocorreu. “Logo quando chegaram, adiantei para a equipe que a cidade é pequena e pacata, na minha casa mesmo, nunca entrou ninguém e nunca roubaram nem uma flor do meu jardim, mas um dia antes do ocorrido, avisei que tinha uma molecada entrando em algumas casas, fazendo roubos pequenos, pois eles estavam dormindo de porta abertas”, contou ao jornal mapa da noticia.

A policia não sabe informar ainda porque não levaram os notebooks, computadores, filmadoras e outros equipamentos mais caros que estvam no local.