José do Lago Folha Filho chegou à sede da Polícia Civil e acenou para as câmeras. Ele é suspeito de ser um dos mentores de um esquema que desviou R$ 7 milhões da Prefeitura de Palmas.

O presidente da Câmara Municipal de Palmas, José do Lago Folha Filho (PSD), prestou depoimento na manhã desta quinta-feira (8). Ele foi levado pela Polícia Civil para a sede da Delegacia Especializada na Repressão a Crimes de Maior Potencial contra a Administração Pública (Dracma), onde foi ouvido.

O vereador chegou na delegacia com o uniforme padrão da Casa de Prisão Provisória de Palmas e acenou para as câmeras.

Ele é suspeito de ser um dos mentores de um esquema criminoso que desviou R$ 7 milhões da Fundação Municipal de Esporte e Lazer (Fundesportes) e da Secretaria de Governo e Relações Institucionais da capital. Folha está preso desde segunda-feira (6), quando se apresentou à polícia.

A verba seria destinada a projetos sociais, mas o dinheiro teria sido usado em campanhas eleitorais de 2014. Folha e outros dois vereadores foram alvos da 2ª fase da operação Jogo Limpo.

Ao todo, 26 mandados de prisão temporária foram cumpridos desde a última sexta-feira (3), sendo que 24 pessoas foram liberadas, entre elas o vereador Rogério Freitas. O último mandado foi cumprido na manhã desta quarta-feira (8), contra o vereador Major Negreiros, no aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro.

O esquema

O esquema envolve quatro núcleos compostos por servidores, políticos, empresas fantasmas e entidades. Segundo a decisão judicial, 10 entidades investigadas admitiram o uso de notas frias fornecidas por sete empresas fantasmas.

As notas seriam para justificar despesas e serviços não realizados. Depois, o dinheiro seria desviado para servidores e agentes políticos ou para terceiros indicados por eles.

A polícia informou na última sexta-feira (3) que encontrou R$ 40 mil na conta do vereador Rogério Freitas oriundos de uma empresa fantasma utilizada no esquema e R$ 10 mil na conta pessoa do vereador Folha.

Outro lado

O presidente da Câmara de Palmas disse que teve ciência das denúncias através da imprensa. Falou que desconhece e que não autorizou que fossem feitos depósitos na conta dele e garante que é inocente. A defesa dele informou que fez o pedido de liberdade.

A Prefeitura de Palmas informou que está à disposição da Justiça e da investigação para contribuir com qualquer esclarecimento. O vereador Rogério Freitas disse em entrevista à TV Anhanguera que até o momento não foi acusado de nada e é inocente.

O vereador Major Negreiros ainda não se posicionou sobre as acusações.

1ª fase da operação

A primeira fase da operação foi realizada em fevereiro deste ano contra uma organização criminosa suspeita de lavagem de dinheiro. O crime era praticado por meio de entidades sem fins lucrativos e empresas fantasmas, conforme as investigações. Ao todo, 10 federações e organizações não governamentais (ONG) podem estar envolvidas, além de quatro empresas.

Na época, os policiais cumpriram 24 mandados de prisão temporária e 33 mandados de busca e apreensão em Palmas e em mais quatro cidades do Tocantins: Paraíso do Tocantins, Nova Rosalândia, Paranã e Miracema.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here