Estudo aponta relação entre as agressões e o desenvolvimento das patologias.

Mulheres que sofreram agressão sexual ou abuso têm três vezes mais probabilidade de desenvolver depressão e duas vezes mais chances de apresentar ansiedade do que mulheres sem histórico de trauma sexual. É o que diz a publicação científica Jama Internal Medicine, publicada no início de outubro nos Estados Unidos. Aquelas que sofreram ataques sexuais ou assédio ficaram duas vezes mais propensas a ter insônia.

O estudo incluiu 304 mulheres não fumantes com idade entre 40 e 60 anos. O levantamento apontou que 19% das mulheres relataram já ter sofrido assédio sexual, 22% afirmaram ter passado por agressão sexual em algum momento da vida e 10% disseram que passaram por ambas as situações.

“Como o assédio ou o abuso sexual interferem diretamente nas áreas emocionais do cérebro, as mulheres podem sofrer consequências desastrosas que incluem também o transtorno de estresse pós-traumático, além de absenteísmo no trabalho, dores somáticas, fobia social, perda de confiança em si e transtorno obsessivo compulsivo (TOC)”, explica o professor e psicólogo do Centro Universitário Internacional Uninter, Ivo Carraro.

Já as mulheres que relataram ter sofrido assédio sexual no local de trabalho apresentaram pressão arterial alta, situação que poderia colocá-las em risco, pois problemas com pressão arterial elevada podem causar Acidente Vascular Cerebral (AVC) como Isquemia ou Aneurisma Cerebral, doenças renais e ataques cardíacos. Segundo Carraro, as vítimas precisam procurar ajuda profissional para superar as pressões psicológicas.

“Elas precisam criar uma realidade psíquica vencedora em situações ameaçadoras, bem como esquivar-se do efeito perturbador causado pelo assédio sexual sofrido no ambiente de trabalho”, recomenda o psicólogo.

Notícias ao minuto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here