No cadastro do sistema, aparece que jovem morreu no mesmo dia de seu nascimento. Com dez semanas de gestação, ela não consegue fazer o acompanhamento necessário em Goiânia.

 A jovem Tayrine de Souza Nunes, de 26 anos, grávida de dez semanas, tomou um susto ao procurar uma unidade de saúde de Goiânia para começar a fazer o pré-natal. Para seu espanto, ela descobrir que consta como “morta” no cadastro do Sistema Único de Saúde (SUS). Desde então, ela começou uma verdadeira peregrinação para resolver o problema e poder cuidar de sua gestação da forma correta.

Em nota enviada ao G1, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou que Tayrine já procurou o setor responsável pela atualização cadastral e que o caso “já segue em tramitação”.

Moradora de Goianira, Região Metropolitana da capital, ela nasceu no dia 15 de janeiro de 1991, mesmo dia em que teria morrido segundo o SUS. Ela é estudante de direito, ela teve que deixar o curso por causa de dinheiro e ainda está desempregada. A jovem contou que no dia 16 de maio passou mal, foi ao hospital e descobriu que estava grávida.

No dia seguinte, Tayrine foi até a Maternidade Nascer Cidadão, em Goiânia, onde foi informada que estaria “morta”. Desde então, ela não consegue atendimento. “Não consigo. Não adianta. Você vai lá eles falam ‘você está como morta, você precisa resolver no sistema’. E quando você vai resolver no sistema, sempre está bloqueado”, afirma à TV Anhanguera.

No hospital, ela foi informada que teria de procurar o posto de saúde do Jardim Primavera, onde fez o cartão do SUS, para resolver o problema. Porém, lá ela foi encaminhada para o distrito sanitário, para arrumar as questões cadastrais. Novamente, o problema não foi resolvido. Foi solicitada então que ela fosse até o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), onde a situação permaneceu inalterada.

Curiosamente, a jovem diz que já conseguiu atendimento na rede pública outras vezes e que o problema nunca foi constatado. “Eu fiz esse cartão em 2013 e de lá para cá, já precisei e fui atendida algumas vezes. Agora é que descobrimos essa situação”, pontua.

Nota da Secretaria Municipal de Saúde (SMS):

A Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia informa que a paciente Tayrine de Souza Nunes já procurou o departamento que cuida do Cartão SUS na Capital para solicitar a atualização dos dados junto ao Cadastro Nacional de Saúde e que o caso já segue em tramitação.

As providências necessárias já foram tomadas para solicitar ao Ministério da Saúde a reativação do Cartão SUS da paciente. O procedimento inclui o envio de um documento pela Secretaria junto a um comprovante de que a paciente está viva, como cópia do cadastro ativo da Receita Federal, por exemplo.

Informamos que o sistema de registro no cadastro do Sistema Único de Saúde, o CAD SUS, é complexo e conta com grande número de pessoas que podem acessá-lo, portanto, é possível a ocorrência de erro no lançamento de dados.

Reiteramos ainda que a SMS de Goiânia assumiu a atualização do caso, pois, apesar de residir no interior, a paciente procurou uma unidade de saúde municipal da Capital. A Secretaria de Saúde de Goianira tem condições de solucionar a situação. O recomendado é que as pacientes do interior realizem o acompanhamento pré-natal em seus municípios de origem.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here